Hospitals and local physicians are noticing a spike in the no of respiratory cases in the city        
by Shrutee K/DNS

Mumbai, August 10th, 2017: The rains have arrived and so is the number of diseases along with it. People are aware of the most common ailments such as viral fever, the common cold, malaria, typhoid, diarrhoea, etc. But very few are aware of the respiratory ailments that stems from indoor air pollution in monsoon caused by the dampness in the walls, fungus from air conditioners, floor carpets, velvet upholsteries, sofa covers, wooden furniture harboring fungus, etc. The Hospitals and local physicians in the city have noticed a spike in the no. of cases with respiratory problems. Suspended Particulate Matter is the main trigger of damage in air Pollution. Other contents like SO2, ammonia, carbon, polyaromatic hydrocarbons add to the toxicity. Air pollutants which are less than 10 microns in size enter the smaller airways and causes damage. This may trigger cough, breathing difficulty, choking, chest tightness and Asthma.

Taking adequate precautions are one of the best ways to avoid monsoon-related ailments. All age groups are affected because of air pollution; however, there is a definite rise in asthma and lung infections among children. Also, elderly and diabetics are at a risk of lung infection because of air pollution. Avoiding floor carpets, velvet upholsteries, stuffed toys, burning incense sticks at home and regular cleaning of air conditioner filters are some of the precautions that can be taken to avoid indoor air pollution during the monsoon.

Mr. Girish Bapat, Blueair air purifier, Director West and South Asia Region further added, “Our mission at Blueair is to help Indian women, children and men confront the health challenges posed by rising air pollution. It is very essential to identify the Invisible dangers. Breathing in tiny, unseen pollutants put every individual at risk. These pollutants further pass through the lung tissue and puts you at risk of stroke, heart disease and developing Asthma, Allergy, Bronchitis, Infection and other respiratory problems. Getting acquainted of personal health records, heart rate and blood sugar level, is the best way to safeguard long-term health issues by classifying troublesome concerns at the earliest.”

Blueair’s air purifiers are innovated in Sweden to put people in control of their own air quality with superior filtration efficiency. Sold in over 60 countries around the world, Blueair delivers home and office users cleaner indoor air for enhanced user health and wellbeing faster than any competing air purifier thanks to its commitment to quality, energy efficiency and environmental care. A Blueair air purifier works efficiently and silently to remove airborne allergens, asthma triggers, viruses, bacteria and other pollutants.

          Ziox Mobiles announces Sushant Singh Rajput as its Brand Ambassador along with Rs. 300cr investment for FY17 - 18        
Launches its newest Mobile phone ‘Ziox Duopix’
        Forays into LED TV and Consumer Durables Segment
        Plans to open 2 new manufacturing units and R&D facilities with investment of Rs. 200cr.
        Plans a 360-degree marketing campaign with a budget of
Rs. 100 Cr.
by Shrutee K/DNS
In the light of its vigorous expansion, Ziox Mobiles under the aegis of Sun Air voice Pvt Ltd, one of the fastest growing Mobile handsets brand, ropes in the very versatile, Sushant Singh Rajput, as its Brand endorser who truly lives up to the brand name.  While Ziox mobiles is a preferred brand across the country through its outstanding innovation and quality, the other has won the hearts of a million Indians as he slips into any role with nonchalance. Both the brand and its ambassador ride on the precepts of resilience, hard work and steady growth. A rare blend of energy, perseverance, and popularity coupled with his ability to connect to people, Sushant Singh Rajput is a fine addition to the Ziox Mobiles family. This association will further boost the legacy of Ziox Mobiles as the actor resonates to the brand promise: Quality that Speaks.
Answering strong demand and an overwhelming response from the Indian market, Ziox Mobiles also chalked out a detailed expansion plan and the roadmap for FY 2017-2018.The Brand aims to establish a stronger foothold in the Indian Market, with the total investment of over Rs. 200crore which shall span for a year, the Brand announced its plan to set up 2 new manufacturing units (in Sikkim and Noida) and R&D facilities apart from the existing New Delhi unit, with a holding capacity of around 1 Million units per Month. With the induction of Sushant Singh Rajput as its brand endorser along with the total investment of Rs. 100 Cr. this FY 2017-2018, Ziox aims to achieve an estimated revenue of Rs. 1,000 Cr and a sale of 10 million product units.
Commenting on this association and a promising future, Mr. Deepak Kabu, CEO Ziox Mobiles said “The future looks bright, Ziox Mobiles has a range of phones in the pipeline with exciting new launches. We are enthralled to present Sushant Singh Rajput as the new face of Ziox Mobiles. With Sushant Singh Rajput on board, it will help augment sales and further its reach in the market. The partnership with him is timed with Ziox Mobiles’ next phase of expansion on a pan-India level” Mr. Kabu further adds, “Sushant embodies talent, youthfulness and style. More importantly, he blends well with the core values of hard work, reliability, and is the epitome of our brand philosophy. Today our target audience is the young, driven, forward-moving generation, who have ever changing needs. Sushant understands the pulse of this audience well and has a great rapport with them. That is why, with immense preparation, he goes on to entertain his fans with one performance after another just as Ziox Mobiles constantly strives to understand the changing needs of its customers.”
Speaking on the association, Sushant Singh Rajput said, "I have always known Ziox Mobiles to be an inspirational brand in terms of their persuasion to becomes India’s biggest mobile brand. I am happy to be associated with a brand which is very young, and has a journey that is very similar to mine. I love how this brand designs its products to suit every need of its customers and are constantly innovating themselves as I see myself doing that while working on a role. I look forward to being part of the Ziox Mobiles family and to contribute to its fascinating growth journey in India." The ever-evolving brand has slated a major strategic transformation that entails the signing of a new brand endorser, an aggressive expansion and launches of it new products. The Brand at the event also announced the launch of its newest smartphone Series ‘Duopix”, Phone Series with Dual Cameras. Designed to fulfil the brand promise of providing users with superior camera performance and quality, ‘Duopix’ comes equipped with wide angle Dual front camera (8.0MP + 2.0) front +8.0MP Rear. The latest Dual 4G model runs on Android 7.0, with 5inch HD IPS Display along with 2GB RAM + 16GB ROM all packed in 2500mAh battery. Some of the key features includes strong battery life & also the fast charging capability. The budget friendly Smartphone comes equipped with various other features like 21 language support with multilingual phonebook, MP3 player, FM Radio, Bluetooth connectivity to help you stay connected. The phone will be available across all retail stores in few week’s time. Along with the smartphones, the brand also announces its foray into LED TVS and Consumer Durables category.

About Ziox Mobile: Ziox Mobiles, part of Sun Airvoice Pvt. Ltd., incepted in the Year 2015, with a singular motto to break the boundaries while offering technologically superior products without compromising on quality. Headquartered in New Delhi, Ziox Mobiles has built up an impressive product portfolio of more than 40 distinguished products and constantly innovating to make superior products.
Empowering consumers with affordable technology through quality products- the brand has truly demonstrated quick and robust expansion since inception, showing profitability and growing sales since the first year of operations. Being considered as one of the most innovative and fastest growing brands in the Mobile category, the brand has established its presence across India through its wide network comprising of its various branch offices and system integrators across several states in India.

          Sugar Free launches a web series ‘The Sweet Breakup’ a first of its kind in the food space        


by Shrutee K/DNS


Mumbai, August 2017: Sugar Free, a name synonymous with sugar substitute, is the single largest leader in India in the category. The brand always thrives on innovation as key for its growth and has introduced many variants in the category for the sweet binging yet calorie conscious Indians. As an extension to its innovation drive, the brand has unveiled a new campaign ‘The Sweet Breakup’, a one-of-a-kind 5-part web-series in the food category. The series is conceptualized and executed by Maxus Content, the content solutions arm of Maxus.
Talking about the campaign Tarun Arora, Chief Operating Officer & Director, Zydus Wellness said, “Our vision for “Sugar Free” is to make it the brand of choice for consumers seeking low / no calorie options to lead a healthier life style. Hence to address the myths attached with the usage of Sugar Free as part of one’s daily culinary needs made us conceptualize ‘The Sweet Break Up’.  This web series demonstrates in an authentic way that you can indulge into your favourite dessert guilt-free without compromising on the taste. The 5- city trail as part of the campaign only reaffirmed that any sweet recreated with Sugar Free tastes the same when made with sugar. I believe this was the first time a dessert truck was going around India and hence there was a lot of excitement amongst people wanting to know what’s cooking !”
Pooja Verma, Head - Content, Entertainment and Sports Partnerships at Maxus said, “Maxus believes that changing traditional behaviour among consumers with content, needs a compelling strategy which is driven by insights and fused with creative thought. Showcasing Sugar Free as more than just a sugar substitute via ‘The Sweet Break-Up’ campaign is a prime example of our focus. Sweets have a strong relationship with celebrations in our country. With that insight in mind, we brought our campaign together on the message that enjoying sweets while breaking up with unhealthy calories is a win-win outcome for every foodie. The creative vehicle to deliver that message is our one-of-a-kind series where Chef Kunal Kapur joins famous foodie-duo Rocky & Mayur, in recreating delicious Indian sweets with Sugar Free. Through this content solution, the brand stands to generate extensive and meaningful conversations with viewers who love their sweets.”

This campaign marks the culinary journey of Sugar Free across 5 cities Delhi, Lucknow, Kolkata, Bengaluru and Mumbai, where celebrity chef Kunal Kapur reconstructed 5 different speciality desserts by using Sugar Free products. The brand also had on board the famous foodie duo Rocky and Mayur whose fun banter added to the entertainment element in the web-series. The journey started from Delhi where the chef created the famous Tewari Brother’s Gulaab Jamun followed by Lucknow where Ram Asrey’s famous Malai ki Gilori was made. The truck then headed East to Kolkata where he recreated Balaram Mullick’s Sandesh and then southward to Bangalore where he made a fusion dessert using G Pulla Reddy’s Dharwad Peda and created Dharwad Peda Tiramisu. The final leg of the web series was shot in Mumbai where Chef Kapur added a spin to made Ladu Samrat’s modak and created delicious chocolate modaks. All of these were created using Sugar Free. While the brand has a strong linkage with table top consumptionand pellets as a format, the culinary consumption for powder formats is a gap that needs to be bridged. ‘The Sweet Breakup’ campaign is that step forward by Sugar Free to make consumers aware of the format, its usage and the fact that the taste of the dessert stays as good. What more? One can indulge in sweets now without having to feel guilty.
The Sweet Breakup will be unveiled on-air on youtube.com 18thAugust
About Zydus Wellness Limited: Zydus Wellness Limited is the Consumer products company from the Zydus Group. Zydus group is a pharma major with flagship organization, Cadila Healthcare Limited, a leading pharmaceutical company with significant global presence apart from India. Zydus Wellness has been a pioneer in various categories it operates in. The company focuses on emerging segments and has its DNA of innovations with “Do good benefits” at the core of its business. Zydus Wellness commands leadership in the sugar substitute market, table spreads and the skin care segments. In the sugar substitute market, Sugar Free is a market leader with a market share of 94% and targets health and fitness seekers apart from diabetics.
Nutralite is a market leader in the Fat Spread category and appeals to consumers looking for healthier alternatives to normal butter. It is cholesterol free, does not contain any hydrogenated fats and is also trans-fat free. Everyuth is a pioneer in facial cleansing space in India. It enjoys leadership in the scrub and Peel off Mask segments and is amongst the top players in the overall facial cleansing category with strong “Naturals” equity Zydus Wellness Limited is listed on NSE and BSE and has manufacturing locations in Gujarat and Sikkim.
About Maxus:  Maxus is a marketing communications consultancy that helps marketers build profitable relationships between consumers and their brands. They combine the disciplines of communications planning and customer relationship marketing to deliver Relationship Media, a next generation model powered by creative media thinking and sophisticated, real-time customer data.

Their services include communications strategy, digital marketing, direct response media, social media, data analytics, media investment management, content & sports marketing, marketing ROI evaluation and CRM. Having a talent team of 2,500 people across 55 markets, they are part of GroupM, the world’s largest media investment management group that serves as the parent company for all of WPP’s media agencies.

          Skillsoft and MIT Sloan Management Review Partner To Train Next Generation Business Leaders        

Superior content and Percipio platform help organizations develop the next wave of leaders

 by Shrutee K/DNS

Mumbai August 08, 2017–Skillsoft, the global leader in corporate learning, has partnered with MIT Sloan Management Review (MIT SMR) to curate the journal’s best leadership assets and deliver them to its 40 million users. This key collaboration kicks off a series of new, innovative content partnerships that will empower Skillsoft’s Leadership and Business Skills learners with professional training from the industry’s top experts.

Organizations and their employees can now access this elite catalog of content to enhance professional development, upskill their workforce, and hone individual career paths. Presented through the highly engaging and intuitive Percipio platform, users will be able to access everything from MIT SMR’s general leadership articles, to Frontier articles that focus on the intersection of business management practice with technology, collaborative research reports, as well as webinars and videos. Content will be optimized for all devices and operating systems, and will be accessible via video, audio and written content for varied learner styles and needs.

“Our Leadership content sets us apart from other corporate learning content providers. We provide the most diverse content catalog with an array of learning modalities. More importantly and unique to Skillsoft, we craft thoughtful learning paths and courses for users to follow,” said Bill Donoghue, Executive Chairman of the Skillsoft group. “Our partnership with MIT Sloan Management Review will supplement our own assets and underscore our commitment to building the most respected and up-to-date portfolio of Leadership training available.”

Skillsoft will embed MIT SMR content within its core Business and video collections, and integrate content within its existing Leadership offerings, like Skillsoft Leadership Advantage, Continuous Leadership Journey and Women-in-Action. The partnership between Skillsoft and MIT SMR will provide organizations with engaging, on-demand corporate learning content that will groom, train and inspire management teams through a consumer-like interface (think Netflix or Amazon) that is designed to engage the learner.

“We see a growing need for effective leadership training to address critical skill gaps in today’s organizations and help increase an organization’s ability to develop talent from within,” said Paul Michelman at MIT SMR. “This partnership gives our content a new vehicle for delivery within those organizations that believe training their internal talent is paramount to creating a competitive edge.”

MIT Sloan Management Review is a pre-eminent platform and content leader that bridges the gap between academic research and daily practice. The Review keeps readers in tune with management trends and innovations. MIT SMR articles cover a wide range of topics relevant to management with a focus on areas such as Data & Analytics, Digital, Global, Innovation, Leadership, Marketing, Operations, Social Business, Strategies and Sustainability. For decades, MIT SMR has been a forum for business-management innovators from around the world to present their ideas and research.

About Skillsoft : Skillsoft is the global leader in corporate learning, providing the most engaging learner experience and high-quality content. We are trusted by the world's leading organizations, including 65 percent of the Fortune 500. Our mission is to build beautiful technology and engaging content that drives business impact for today’s modern enterprise. Our 150,000+ multi-modal courses, videos, books and micro-learning modules are accessed more than 130 million times every month, in 160 countries and 29 languages. With 100% secure cloud access, from any device, whenever, wherever. www.skillsoft.com

          Ducati launches Scrambler Café Racer in India at INR 9,32,000         


by Shrutee K/DNS

New Delhi : Ducati India announced the launch of the Scrambler Café Racer at INR 9,32,000 (Ex-showroom, India). The motorcycle is powered by the air and oil-cooled EURO 4-compliant 803 cc twin-cylinder engine. The Desmodue engine delivers 73 hp at 8,250 rpm* and a torque of 67 Nm at 5,750 rpm* and comes with blacktrimmed covers and machined cooling fins.   Sergi Canovas Garriga, Managing Director of Ducati India said, “This motorcycle is a modern interpretation of the legendary Café Racer scene from the 1960s that triggered a motorcycling revolution. It represents the expression of free spirit and is an icon of style for enthusiasts. We’re very confident that with the Ducati Scrambler Café Racer, we will successfully bring the global cultural phenomenon to India as well.”

The bike combines the best of the two worlds – the design language of the Scrambler brand and a sporty riding position. This version features rear-view mirror mounted aluminium clip-on handlebars, Termignoni exhaust with dual tailpipes, black anodized aluminium cover and a dedicated seat featuring a cover for the passenger section. 
This version has cast aluminium 17” wheels with Pirelli DIABLO™ ROSSO II tyres (120/70 ZR 17 at the front and 180/55 ZR17 at the rear). The Ducati Scrambler Café Racer mounts a Brembo braking system featuring Bosch 9.1 MP ABS with a pressure sensor. The Ducati Scrambler Café Racer also features a radial-type front brake pump ensuring true sport bike braking performance.

The Scrambler Café Racer has a dedicated line of accessories and apparel. The Ducati Scrambler Café Racer is now available in a Black Coffee colour with black frame and gold wheels across all Ducati dealerships in Delhi NCR, Mumbai, Bangalore, Pune, Ahmedabad & Kochi. 
  
Ducati Scrambler 
Ducati’s new Scrambler brand re-interprets the values of the Ducati Scrambler, the iconic twowheeler developed in the 1970s in the USA, which quickly became a worldwide success. Anticonformist, accessible and essential, the Ducati Scrambler is a perfect mix of tradition and modernity, a step towards the pure essence of motorcycling: two wheels, wide handlebars, a straightforward engine and endless fun. And, to meet everyone's individual “self-expression” needs the Ducati Scrambler comes in several different versions like the Icon, Classic and Full Throttle. This year two more versions join the Land of Joy: The Scrambler Desert Sled, a version that draws its inspiration from the off-road bikes that, back in the '60s and '70s, made US motorcycling history, and the Café Racer, the Scrambler interpretation of the legendary '60s bikes that triggered a motorcycling revolution

          Swipe launches KONNECT at Rs. 4,999 Exclusively on Snapdeal        

by Shrutee K/DNS 

India, 4th August 2017: Swipe Technologies, India’s leading mobile internet technology company, is all set to unveil brand new member in its popular KONNECT Series - Swipe KONNECT Power.  The slim and sturdy smartphone sports 5” HD IPS display and boasts enormous 3000 mAh battery.  The compelling feature rich Swipe KONNECT Power is competitively priced at Rs. 4,999 only. It will be available exclusively on Snapdeal from 7th August 2017.

Swipe KONNECT Power is driven by a powerful 1.5GHz quad core processor that runs on Android 6.0 OS for lag-free multi-tasking smartphone experience. It comes with 2 GB RAM plus 16 GB internal memory, expandable up to 32 GB and OTG support enhances the storage options. The new 4G VoLTE-ready KONNECT Power features 5” HD IPS display that allows users to enjoy cleaner & sharper visuals at the highest resolution. Besides, this device has a very sleek body that makes the phone very stylish in its looks. That’s not all. For the photography enthusiast, KONNECT Power comes with 8MP Rear Camera and 5MP Front Camera. The camera app also comes with lots of features to enhance the photography. The new phone gives an extended company to the user with its 3000 mAh battery, which is installed keeping in mind the daily lifestyle and usage patterns of young smartphone users.  Commenting on the launch of KONNECT Power, Mr. Shripal Gandhi, Founder and CEO of Swipe Technologies said: “Fulfilling aspirations of demanding Indians at affordable price is what differentiates Swipe from other smartphone players.  Our latest creation is yet another affordable device under the KONNECT series – KONNECT Power. It is designed for the aspiring youth of the country who requires long lasting battery that too with 2GB RAM yet the phone is light on pocket.”
Vishal Chadha, Sr.Vice President – Business said: “As part of our commitment to the vision of Digital India, we are keen to bring our consumers access to compelling technology products at great value. With Swipe Konnect Power, we are confident that this newest exclusive addition to our smartphone assortment will be well received by our customers”
Swipe KONNECT Power comes with a gorgeous design, and it has a smoother touch experience as well as comfortable grip. Customers will be able to enjoy a greater multimedia experience, as they can capture stunning photos and videos in virtually any lighting condition.
About Swipe Technologies:
Swipe Technologies is an innovation-centric mobility solutions company, having started its operations in July 2012. Within a short span of time, Swipe has become the leading tablet and Smartphone maker in India.   Swipe was started with an aim to bring exciting devices in the growing Indian market and today, it is the leading consumer brand with key innovations across products, pricing and customer support. Founded by technocrat Mr. Shripal Gandhi, Swipe raised $5 million in May 2014 from the Venture Capital firm Kalaari Capital. In the last three years, Swipe has won a number of accolades including the “Top 50 Inspiring Entrepreneurs of India” by The Economic Times, the “Most Innovation-driven Company in India” by World Brand Congress, and the “Most Innovative Start-up” by Franchise India, the “Best Integrated Campaign” by the World Brand and Congress& the “Best Youth Brand Tablet” by CNBC. Also, Swipe’s young founder Mr. Shripal Gandhi has been recognized as the “CNBC Young Turks” for his breakthrough strategies and innovation in the field of mobile communication technologies. For details, logon to www.justswipe.com

          NOVITA’ BAUXT porta blindata GRAN SUPERIOR        

Porta blindata : Grand Superior di Bauxt con cerniere a scomparsa – La porta blindata Superior è uno dei prodotti di punta del catalogo Bauxt. Le nuove cerniere a scomparsa, progettate e realizzate ad hoc per la porta Superior, segnano un nuovo importantissimo step nell’innovazione...

L'articolo NOVITA’ BAUXT porta blindata GRAN SUPERIOR proviene da Ruaro Sas.


          La cultura delle destre        
Il libro che sto recensendo è: Gabriele Turi, La cultura delle destre. Alla ricerca dell'egemonia culturale in Italia, Bollati Boringhieri, Torino 2013, pp. 175, Euro 14,00, ISBN 978-88-339-2429-8.

L'autore insegna storia contemporanea a Firenze e dirige la rivista "Passato e presente". Il libro, nonostante il titolo, non ha molto a che vedere col celebre saggio di Furio Jesi; ha un approccio decisamente meno teoretico, in compenso Ã¨ ricchissimo di dati.

Il presupposto da cui parte è molto semplice: la cosiddetta "egemonia culturale della sinistra" nell'Italia del dopoguerra è una leggenda metropolitana. In realtà l'ideologia dominante Ã¨ sempre stata di destra; Turi si spinge fino ad affermare una "centralità del fascismo nella storia culturale e civile del paese". Il berlusconismo Ã¨ l'erede e il continuatore di questa cultura.

La trattazione inizia con un ampio estratto del famigerato intervento di Luciano Violante alla Camera del 10 maggio 1996 (quello che invitava a "riflettere" sui "ragazzi" di Salò in nome dei "valori nazionali comunemente condivisi"). Turi dimostra come l'exploit di Violante sia stato preparato da decenni di "edulcoramento storiografico della dittatura di Mussolini"; tappe importanti di questa operazione di normalizzazione del fascismo, a livello massmediatico, furono due mostre sugli anni '30, una allestita a Milano nel 1982 e l'altra a Roma nel 1984 (quest'ultima con la consulenza di Renzo De Felice): "entrambe promosse da amministrazioni socialiste", ha cura di specificare Turi.

Turi menziona poi un altro "caso esemplare": la proposta, da parte dell'allora sindaco di Roma Francesco Rutelli, nel 1995, di dedicare una via a Giuseppe Bottai. L'iniziativa riscosse il plauso (fra gli altri) di Massimo Cacciari, e fu bloccata solo dalle proteste della comunità ebraica; ci si era dimenticati, fra l'altro, che Bottai era stato uno dei sostenitori più ferventi delle leggi razziali; l'immagine corrente di Bottai era infatti quella giustificazionista del "fascista critico" delineata da Giordano Bruno Guerri nella sua fortunata biografia del 1976.

Il patriottismo, la ricerca di valori nazionali, di una "memoria condivisa" e di una "pacificazione" sono il Leitmotiv che, nella ricostruzione di Turi, caratterizza la polemica anti-antifascista condotta negli anni '90 da intellettuali come Renzo De Felice, Roberto Vivarelli, Ernesto Galli Della Loggia, spesso con l'assenso e il plauso della sinistra istituzionale. Troviamo ancora il buon Francesco Rutelli in prima linea nell'operazione di riabilitazione di Giovanni Gentile, filosofo a cui il comune di Roma dedicò un convegno nel 1994 presentandolo come un patriota al di sopra delle parti e dimenticandone l'organicità al nazifascismo.

Interessante notare che, in questo frame revisionistico, chi ostacola la "pacificazione", chi alimenta la "divisività", è un potenziale terrorista. Turi cita Vivarelli, secondo il quale per colpa degli antifascisti nell'Italia del dopoguerra "si perpetuò un clima di strisciante guerra civile, che [...] produsse la tragica stagione del terrorismo".

Turi sottolinea il ruolo degli intellettuali craxiani nel diffondere in Italia durante gli anni '80 le idee del neoliberismo reaganiano e thatcheriano e nel promuovere l'anticomunismo. Questi intellettuali poi, assieme ad altri di estrazione neofascista o cattolico-reazionaria, divennero nel decennio '90 gli artefici principali dell'ideologia populista berlusconiana, la quale nell'ultimo quindicennio si è dotata di "una rete di think thank, laboratori di idee ispirati al modello statunitense, capaci di costruire e diffondere un comune sentire"; tutta una serie di riviste, fondazioni, case editrici, "poco conosciute presso l'opinione pubblica" ma efficaci come centri di "aggregazione di intellettuali e di elaborazione culturale" (e, di solito, ben finanziate dagli industriali).

Turi ricostruisce minuziosamente alcuni fra i principali momenti dell'offensiva culturale di destra: la battaglia a favore del mantenimento del crocifisso nelle aule scolastiche (una battaglia vinta dalla destra anche a causa dell'atteggiamento imbelle assunto al riguardo dal centrosinistra); la vicenda, davvero tragicomica, della censura proposta dal centrodestra sui manuali scolastici di storia, anche qui in nome della "memoria condivisa", della pacificazione, dell'imparzialità e contro la presunta "egemonia culturale" della sinistra.

Interessante il confronto, proposto da Turi, fra il modo in cui il novantesimo anniversario della fine della prima guerra mondiale è stato ricordato in Italia e in altri paesi europei. Turi mostra come nel 2008 in Gran Bretagna, in Francia, in Germania, le celebrazioni ufficiali siano state improntate alla pietà per le vittime, all'orrore per l'enormità del massacro e siano state accompagnate, a volte, da gesti ufficiali di riabilitazione dei soldati che furono condannati come disertori. Tutto il contrario in Italia, dove "la sostanza della commemorazione è rimasta affidata al tema dell'identità nazionale" e dove il ministero dell'Istruzione ha promosso una serie di conferenze nelle scuole affidate non agli storici ma agli ufficiali dell'esercito, in quella che è stata definita la "più imponente manifestazione di propaganda militare che l'Italia repubblicana abbia mai messo in piedi".

Nell'ultimo capitolo del suo libro Turi prova a tracciare una mappa del revisionismo storico su Internet, individuando "un network molto ampio di riviste e di istituzioni [...] una rete circolare in cui appaiono ripetutamente gli stessi nomi, specchio di una visione della storia che in breve tempo da antagonista è diventata governativa". Il capitolo Ã¨ un ricco dossier di nomi e di indicazioni bibliografiche, una minuziosa schedatura di cui in questa sede non posso dare un'idea.

La conclusione cui giunge Gabriele Turi è che la cultura di destra è saldamente egemone ed è destinata a sopravvivere alla fine politica di Silvio Berlusconi. Aggiungerei che l'attuale esperienza dei governi di “larghe intese” (Monti, Letta, Renzi) getta una luce retrospettiva su molte delle prese di posizione filorevisioniste, da parte di esponenti del centrosinistra, ricordate nel libro di Turi. Bisognerebbe scrivere un libro analogo a quell di Turi, dedicato alla "cultura di sinistra", nel quale si mostrerebbe come a partire da Togliatti il nazionalismo abbia infettato nei decenni la cultura politica del PCI - PDS - DS - PD fino a stravolgerla completamente. Ma questa è un'altra storia.
          Cinque buoni motivi per (non) leggere D'Annunzio        
Quest'estate ho intrapreso un viaggio in automobile attraverso i classici della prosa italiana. Per non partire da troppo lontano, ho limitato l'arco temporale agli ultimi due secoli; sono entrato al casello dell'Ortis, ho proseguito per Manzoni, poi ho attraversato le Operette morali e lo Zibaldone e, già che c'ero, mi sono concesso una deviazione per i Canti e i Paralipomeni. Durante la sosta in autogrill, davanti a una piadina e a un quartino di Chianti, ho pensato a quanto ero fortunato per il fatto che né Carducci né Pascoli si fossero mai dedicati alla narrativa; poi ho imboccato con fiducia il rettilineo che conduce al grande De Roberto attraverso il grandissimo Verga.

Fin qui tutto bene. Ma già sapevo che, dopo la barriera in uscita dall'A-800, e prima di imboccare con decisione l'A-900, avrei dovuto attraversare un tratto di raccordo pericoloso e arduo.

Ecco che già si snoda sotto i miei occhi la temutissima tangenziale D'Annunzio, con le sue cinque uscite.

1. E' un classico. Può esservi capitato, per motivi di lavoro o di studio, di dover leggere parecchi testi italiani risalenti alla fine del diciannovesimo o all'inizio del ventesimo secolo. Non necessariamente testi letterari: anche articoli di giornale o saggistica. Vi sarete accorti di quanto spesso lo stile appare gonfio, ampolloso, enfatico. E' come se, in quel periodo, un'epidemia di cattiva retorica (il "dannunzianismo") si fosse abbattuta sulla prosa italiana. E però: quando un autore riesce a imprimere in modo così massiccio e durevole la propria impronta sulla lingua nella quale scrive, questo autore è ciò che si dice un classico. Vale a dire che D'Annunzio non può essere tralasciato, in quanto rappresenta una fase di evoluzione della lingua italiana.

"Ma, trapassando il simbolo materiale, ci abbandoniamo con ansia alla virtù evocatrice dei profondi accordi in cui il nostro spirito sembra oggi trovare il presentimento di non so qual sera grave di belle fatalità e d'oro autunnale su un porto quieto come un bacino d'olio odorifero ove una galera palpitante d'orifiamme entrerà con uno strano silenzio come una farfalla crepuscolare nel calice venato d'un gran fiore".

2. E' decadente. Mettiamo che un bel mattino vi svegliate e vi sentiate esteti. Ovviamente non lavorate, e non avete il problema della sussistenza materiale. Fra i moltissimi modi a vostra disposizione per iniziare la giornata (il sesso, l'equitazione, il gioco d'azzardo, le droghe, bighellonare per il centro cittadino, ecc.) scegliete di leggervi un buon libro. Siete snob, e quindi sdegnate l'idea di leggere una volgare traduzione. Siete pigro, e non vi va di approcciare Proust né Wilde in lingua originale. Siete italiano, e vi dovete accontentare di quello che passa il convento. E allora non c'è via di scampo. Alla richiesta "estetismo decadente", la letteratura italiana risponde con D'Annunzio. O cambiate arte (Puccini è una validissima alternativa), oppure vi tocca tirare giù dall'ultimo scaffale il poeta di Pescara.

"Ricordi la ventesima delle variazioni beethoveniane sul tema del Diabelli dedicate ad Antonia Brentano? - diceva Aldo, svegliando nella profondità della nera cassa quegli accordi in cui per una miracolosa trasfigurazione il tema principale è irriconoscibile. - Non sembra armonizzata su quel fondo ove la croce le scale i corpi i singhiozzi le grida gli aneliti la luce non penetrano? Ascolta; e guarda quell'azzurro opaco sordo eguale, senza raggio, senza nube, di là da cui spazia forse quella regione della vita ove una sola cosa importa".

3. E' un poeta. Nonostante tutto, in D'Annunzio c'è del bello. Egli si autodefinì "l'Imaginifico" (con la I maiuscola, e una emme sola). Infatti, la sua prosa è caratterizzata da una strabordante varietà di immagini, di similitudini e di metafore. In gran parte sono rumore di fondo e gratuito orpello kitsch. Ma, per un puro fatto statistico, ogni tanto qualcuna è giusta. In altre parole, D'Annunzio funziona un po' come quei comici che producono battute a raffica, velocissime: alla fine ridi, un po' per sfinimento e un po' perché fra le tante ce n'era una buona.

"E nella faccia e nella mano era tanta forza d'espressione e d'illuminazione, ch'elle parevano sorpassare la realtà e intagliarsi nel cielo stesso del fato, come quando il crinale delle Dolomiti solo arde nei crepuscoli inciso contro tutta l'ombra e ciascuno dei suoi rilievi s'addentra nell'anima di chi mira e vi s'eterna".

4. E' conseguente. Come si sa, l'opera di D'Annunzio ha anche una ben precisa connotazione politica. Non mi dilungo su questo aspetto, però voglio rilevare che, sotto questo punto di vista, moltissimi italiani sono dannunziani, senza saperlo o sapendolo. Non tanto, e non solo, per una questione di appartenenza a certi partiti o a certe ideologie; quanto per il fatto di condividere con D'Annunzio un determinato rapporto con il reale. Infatti, il tipico atteggiamento dannunziano nei confronti della realtà non consiste nel riconoscerla così com'è, né tanto meno nel cercare di cambiarla. Consiste nel mistificare, sempre e comunque, e con ammirevole pertinacia e coerenza, la realtà. Se D'Annunzio fosse un software, sarebbe una specie di Matrix che trasfigura esteticamente tutti gli oggetti dell'esperienza facendo apparire "bella" ogni cosa. Se D'Annunzio fosse un odierno manager della TV, la sua ambizione sarebbe quella d'ideare un palinsesto così avvincente da tenere tutti i telespettatori attaccati allo schermo ventiquattr'ore su ventiquattro, dimentichi della vita e desiderosi di sempre nuove illusioni. Se D'Annunzio fosse un politico... Ma lo fu, tra l'altro. E fece scuola, ed ebbe tanti seguaci. E molti ne avrebbe ancora oggi, se fosse vivo.

"Né soltanto verso quella moltitudine ma verso infinite moltitudini andò il suo pensiero; e le evocò addensate in profondi teatri, dominate da un'idea di verità e di bellezza, mute e intente dinanzi al grande arco scenico aperto su una meravigliosa trasfigurazione della vita, o frenetiche sotto il repentino splendore irradiato da una parola immortale. E il sogno d'un'arte più alta levandosi in lui anche una volta, gli dimostrò gli uomini novamente presi di reverenza verso i poeti come verso coloro i quali potevano soli interrompere per qualche attimo l'angoscia umana, placare la sete, largire l'oblio. E troppo gli parve lieve quella prova ch'egli compiva; poiché mosso dal soffio della folla il suo spirito si stimò capace di generare finzioni gigantesche".

5. E' morto. Alla fine questa è la cosa più importante. Dall'esperienza dannunziana la nostra letteratura uscì vaccinata: per un paio di generazioni gli scrittori sfuggirono la retorica e cercarono una lingua scabra ed essenziale.

"Io non comprendo perché oggi i poeti si sdegnino contro la volgarità dell'epoca presente e si rammarichino d'esser nati troppo tardi o troppo presto. Io penso che ogni uomo d'intelletto possa, oggi come sempre, nella vita creare la propria favola bella. Bisogna guardare nel turbinio confuso della vita con quello stesso spirito fantastico con cui i discepoli del Vinci erano dal maestro consigliati di guardare nelle macchie dei muri, nella cenere del fuoco, nei nuvoli, nei fanghi e in altri simili luoghi per trovarvi invenzioni mirabilissime e infinite cose".

Sì, certo.
E l'orifiamma e la ventesima variazione e l'arco scenico e le Dolomiti...
Le Dolomiti?
Mi sa tanto che ho sbagliato uscita.
Sto andando verso il Brennero.
Arrivederci, Italia!

[Già pubblicato su Evulon]
          Su "My Favorite Things" di John Coltrane        
Il 16 novembre 1959 debuttava a Broadway The Sound of Music, di Richard Rodgers e Oscar Hammerstein, uno dei musical più popolari di tutti i tempi anche grazie alla versione cinematografica che ne fu tratta nel 1965 (regia di Robert Wise, protagonista Julie Andrews, la versione italiana porta il titolo Tutti insieme appassionatamente).

Una particolare canzone tratta da questo musical ha avuto fortuna immensa. Di My Favorite Things, infatti, si contano centinaia di cover; l'elenco preparato dai redattori di Radio Rai è lungo sedici pagine.

Qui mi occuperò della versione forse più celebre, quella incisa in studio da John Coltrane il 21 ottobre 1960. Per capire quest'ultima, però, è opportuno partire dalla versione originale di Richard Rodgers. In questo articolo mi avvarrò dell'analisi condotta dal massimo studioso di Coltrane, il musicologo Lewis Porter, nella sua fondamentale monografia (Blue Train. La vita e la musica di John Coltrane, traduzione di Adelaide Cioni, Minimum Fax, Roma 2006, pp. 277-80).

La canzone è musicalmente molto semplice. Si tratta di un valzer in mi minore di quattro strofe, A-A-A'-B. Le prime tre strofe hanno la stessa musica, salvo che nella terza strofa, A', dove ci sono otto battute in maggiore. La quarta strofa, B, usa una diversa melodia e finisce in sol maggiore.

Qui di seguito copio il testo della canzone, di Oscar Hammerstein, cui faccio seguire una traduzione, volutamente molto pedestre, che ho preparato grazie all'ausilio del traduttore automatico di Google:



(A) "Raindrops on roses and whiskers on kittens
Bright copper kettles and warm woolen mittens
Brown paper packages tied up with strings
These are a few of my favorite things

(A) Cream colored ponies and crisp apple streudels
Doorbells and sleigh bells and schnitzel with noodles
Wild geese that fly with the moon on their wings
These are a few of my favorite things

(A') Girls in white dresses with blue satin sashes
Snowflakes that stay on my nose and eyelashes
Silver white winters that melt into springs
These are a few of my favorite things

(B) When the dog bites
When the bee stings
When I'm feeling sad
I simply remember my favorite things
And then I don't feel so bad!"

"Gocce di pioggia su rose e baffi di gattini
Bollitori di rame luminosi e caldi guanti di lana
Pacchetti di carta marrone legati con corde
Queste sono alcune delle mie cose preferite

Pony color crema e croccanti struedel di mele
Campanelli e campanelli da slitta e schnitzel con tagliatelle
Le oche selvatiche che volano con la luna sulle ali
Queste sono alcune delle mie cose preferite

Ragazze in abiti bianchi con sciarpe di raso blu
Fiocchi di neve che rimangono sul mio naso e sulle ciglia
Inverni bianchi d'argento che si sciolgono in primavere
Queste sono alcune delle mie cose preferite

Quando il cane morde
Quando l'ape punge
Quando mi sento triste
Non ho che da ricordarmi delle mie cose preferite
E allora non mi sento così male!"

The Sound of Music è ambientato a Salisburgo, fra le due guerre. Richard Rodgers ha naturalmente cercato di tener conto della tradizione musicale austriaca: My Favorite Things, come detto, è un valzer; negli altri brani si sentono riferimenti allo jodler, al laendler, al canto gregoriano, ecc. In un numero c'è anche un singolare omaggio ad Haydn: la canzone So long, farewell è eseguita da un coro di bambini che, uno alla volta, abbandonano il proscenio, finché a cantare rimane una sola bambina, così come, nel finale della Sinfonia degli addii, tutti gli esecutori smettono uno alla volta di suonare facendo concludere la sinfonia da un solo violinista.

Come ci si potrebbe aspettare, il testo di My Favorite Things fa uso di un immaginario prettamente alpino, o comunque nordeuropeo: bollitori per il té, guanti di lana, slitte che corrono sulla neve... Se di questa canzone volessimo realizzare un video-clip animato, seguendo pedissequamente il testo, dovremmo adoperare in prevalenza le tinte chiare, e in particolare il colore bianco, la cui presenza, in corrispondenza della terza strofa (quella con le otto battute in maggiore), diventa quasi ossessiva: abiti bianchi, fiocchi di neve, inverni bianchi... (Nella versione cinematografica quest'aspetto "eurocentrico" della canzone è ancora più sottolineato dal forte accento british di Julie Andrews).

Molti si sono chiesti cosa potesse avere indotto un artista come John Coltrane, che da lì a poco sarebbe diventato un'icona della cultura afro-americana, a musicare una sua versione di questo brano, il quale inizialmente c'entrava così poco con il jazz.

Secondo Lewis Porter, è un errore "dare per scontato che Coltrane trovasse la canzone sciocca e che per questo volesse abbellirla". Al contrario, Coltrane ammirava sinceramente questa canzone e, nella sua versione, la trattò "con rispetto". Il "messaggio" della canzone, "che le cose buone ci aiutano a superare le cattive", è secondo Porter "del tutto sensato e prezioso - per nulla sciocco - è solo che utilizza esempi alla portata di un bambino, perché nel copione la canzone si rivolge a dei bambini".

Qui però l'ottimo Porter ha preso una cantonata. Nel film, è vero, Julie Andrews canta la canzone a dei bambini. Il film, però, è del 1965, quindi è posteriore all'incisione di John Coltrane, che a quell'epoca poteva conoscere solo la versione teatrale di questo musical; e, nella versione teatrale, la protagonista canta My Favorite Things in una delle scene iniziali, che si svolgono in un convento di suore, e non la canta ai bambini, bensì alla Madre Badessa del convento.

Sembra, in realtà, che Coltrane non fosse attratto tanto dal "messaggio" della canzone, quanto invece dalla sua manipolabilità sul piano strettamente musicale. Ecco come si espresse Coltrane in un'intervista: "Questo valzer è fantastico: se lo suoni lento, senti un elemento di gospel che non è per niente sgradevole; se lo suoni veloce, possiede altre innegabili qualità. E' molto interessante scoprire un terreno che si rinnova a seconda dell'impulso che gli dai".

Quindi, si direbbe che il valzer di Rodgers fosse per Coltrane quello che il valzer di Diabelli era stato per il Beethoven dell'op. 120: poco più che un pretesto, un canovaccio utile per imbastire una serie potenzialmente infinita di variazioni che poco o nulla hanno a che fare con il tema originale. E, in verità, Coltrane eseguì in concerto My Favorite Things moltissime volte (secondo Wikipedia, sono state documentate su nastro non meno di 45 esecuzioni), creandone versioni sempre più lontane dalla canzone originale, fino a renderla irriconoscibile.

La versione sull'album si compone di un'introduzione di quattro battute, suonata due volte; viene poi esposto un vamp (breve inciso ritmico, costantemente ripetuto, che è per il jazz quello che nel rock si chiama riff e nella musica barocca si chiama ostinato), cui fanno seguito un primo assolo di Coltrane, un altro assolo di McCoy Tyner al pianoforte, e un assolo finale ancora di Coltrane, per complessivi 14 minuti circa. Nel primo assolo Coltrane esegue le prime due strofe (A) in minore, poi c'è un interludio in maggiore, poi altre due strofe (A) in minore. Gli altri due assoli seguono lo stesso schema, salvo che per la parte finale dell'assolo conclusivo di Coltrane, di cui dirò fra poco.



La prima cosa che si nota all'ascolto è che Coltrane ha spostato molto lontano dall'Europa il baricentro etnico del brano. La ripetizione ossessiva, ipnotica, di un inciso ritmico in tempo dispari; la voce acuta dello strumento a fiato (un sax soprano, fino ad allora poco usato nel jazz); il clima di fissità tonale e il senso del tempo molto dilatato, sono tutti elementi che richiamano la musica orientale. (A me il brano fa venire in mente una danza sufi). Porter nota che Coltrane era appassionato di musica indiana, era un ammiratore di Ravi Shankar, ed era profondamente interessato alla musica folk e modale di tutto il mondo, nonché alle scale pentatoniche (pare che certe volte, nelle sue esercitazioni, eseguisse col sassofono determinate sequenze del Concerto per orchestra di Béla Bartók). Sempre secondo Porter, in My Favorite Things si possono anche scorgere influenze musicali provenienti dall'Africa occidentale.

La cosa per me più sorprendente è che, nella musica originale di questa canzone, Coltrane abbia sentito un "elemento gospel". Per quanto ascolto e riascolto la canzone di Rodgers e Hammerstein, devo confessare che questo elemento gospel non riesco assolutamente a percepirlo. Ma è significativo che, per Coltrane, la canzone avesse qualcosa a che fare con le radici stesse della musica nera americana. Questo forse ci aiuta a far luce su un'altra singolarità della versione di Coltrane.

Abbiamo detto che la versione coltraniana di My Favorite Things è basata sulla strofa A della musica originale. Che fine ha fatto la strofa B, quella il cui testo contiene, secondo Porter, il "messaggio" della canzone e che si conclude in modo maggiore?

Alla fine del suo assolo conclusivo, Coltrane esegue anche la strofa B, senza apportare particolari variazioni alla musica. Però la esegue in mi minore, dandole, secondo Porter, "un effetto più pensoso, riflessivo".

Il testo originale della strofa B fa riferimento ad api che pungono e a cani che mordono, per delineare scherzosamente una situazione da "giornata storta", in cui le cose, chissà perché, non vanno per il verso giusto. Ma questa situazione si supera (dice la canzone) richiamando alla mente le piccole cose belle della vita. Se si fa in questo modo, l'atteggiamento cambia e ci si accorge che non si sta poi così male. La canzone si chiude così, trionfalmente, in sol maggiore.

Qui, però, è meglio fare ricorso alla bella traduzione ritmica di Antonio Amurri (quella utilizzata nella versione italiana del film), che ha colto al meglio il senso di questa strofa:



"Se son triste, infelice, e non so il perché,
io penso alle cose che amo di più
e torna il seren per me!"

Immaginiamo ora di sentire queste parole sovrapposte al mi minore del sax di John Coltrane, nelle battute finali del suo secondo assolo (a partire dal minuto 12'33''). L'effetto è di un'ironia indefinibile, profonda, pungente, tristemente consapevole. Uno speciale tipo di sarcasmo, composto e controllatissimo, ma inequivocabile.

Per me (e sottolineo: per me) in questo minuto e dodici secondi di musica c'è l'essenza stessa del jazz. Ogni volta che l'ascolto, mi commuovo.

Provo a spiegarmi meglio.

Il cantante e chitarrista Huddie W. Leadbetter (1885-1949), uno fra i musicisti più influenti della musica nera americana del secolo ventesimo, tentò una volta di definire a parole quel particolare complesso psicologico che porta il nome di blues. Possiamo leggere le sue parole come una specie di negativo fotografico della canzone di Rodgers e Hammerstein:

"Quando la notte sei sdraiato nel letto, e ti giri da una parte e dall'altra senza riuscire a prendere sonno, non c'è niente da fare. I blues si sono impadroniti di te... Quando ti svegli al mattino, ti siedi sulla sponda del letto, e puoi avere vicino a te padre e madre, sorella e fratello, il tuo ragazzo o la tua ragazza, ma non hai voglia di parlargli... Non ti hanno fatto niente, e tu non hai fatto niente a loro, ma che cosa importa? I blues si sono impadroniti di te".

Così commenta Arrigo Polillo nel suo classico Jazz. La vicenda e i protagonisti della musica afro-americana (Mondadori, Milano 2009, p. 43): "Avere i blues è qualcosa di diverso dall'essere triste dell'uomo bianco. E' essere afflitti da un tedio esistenziale, da una malinconia greve che non lascia spazio alle fantasticherie, vuol dire autocommiserazione, rassegnazione, vuol dire disperazione sorda, grigiore, miseria. E' una poesia fondata sulle cose di tutti i giorni, su personaggi familiari, visti in una luce realistica, con occhio disincantato. Non c'è, né ci vuol essere, nel blues, trasfigurazione lirica, che è un lusso da bianchi; non c'è dramma, perché il dramma è fatto di ombre ma anche di luci. C'è invece la consapevolezza di una tragedia in atto, che non finirà mai. Il blues singer non canta la vita, ma il non morire, parla sempre di ciò che non ha e che non avrà mai".

Ecco il senso del mi minore con cui si conclude My Favorite Things di John Coltrane. Non c'è consolazione, e non c'è neanche protesta. E' la constatazione oggettiva di una situazione fondamentalmente tragica. Il "messaggio" della canzone di Rodgers e Hammerstein è sovvertito. Vista in questa luce, non solo la canzone, ma la stessa cultura (musicale e non solo) cui essa fa riferimento, viene radicalmente messa in questione.
          Baricco e il postmodernismo da quattro soldi        
Sul "Primo Amore" Antonio Moresco ha pubblicato una bella lettera aperta ad Alessandro Baricco, in risposta a un'intervista concessa da quest'ultimo al "Venerdì di Repubblica".

Baricco, parlando del suo ultimo romanzo, non si limita ad esporre la sua personale poetica di scrittore, ma pretende di far assurgere quest'ultima al livello di teoria generale della letteratura valida per tutti. Moresco rimprovera giustamente a Baricco l'arroganza di tale pretesa.

Baricco non è nuovo a questo genere di smargiassate, così le chiamava il mio professore di filosofia del liceo (si riferiva alle teorie pseudo-storiciste di Francis Fukuyama, ma la definizione è adatta anche a quelle di Baricco). Nel 1992 lo stesso Baricco pubblicò per l'editore Garzanti un testo teorico sulla musica moderna (oggi reperibile in edizione Feltrinelli) dove, con piglio zdanoviano, condannava tutta la musica "atonale" in quanto non adeguata ai gusti della "gente". Nel 2003, qui, pubblicai una recensione di questo libro. La ripropongo ora qui in calce, con minime variazioni. Non mi piace molto com'è scritta, però contiene un'idea che, dopo aver letto il fondamentale libro del collettivo Wu Ming sul New Italian Epic, mi è diventata più chiara: l'idea, cioè, che il "postmodernismo da quattro soldi" sia una delle forme più pervasive e insidiose in cui si presenta oggi l'ideologia dominante. Ecco la recensione.

Alessandro Baricco, L'anima di Hegel e le mucche del Wisconsin. Una riflessione su musica colta e modernità, Garzanti, Milano 1992, pp. 101.

Avvertenza per gli estimatori di Alessandro Baricco: la presente è una stroncatura.

1. Riassunto dei contenuti del libro

Nel primo capitolo, intitolato L'idea di musica colta, Baricco individua l'origine del concetto di musica colta nell'idealismo romantico dell'Ottocento, la cui figura principale, Beethoven, stabilisce il paradigma a cui tutti i successivi compositori, nonché gli interpreti e il pubblico, si attengono: "una musica impegnata, spirituale e difficile" (p. 19). Tale concetto è oggi, secondo Baricco, sopravvissuto a se stesso, dato che ne sono venuti meno i presupposti storici, ideologici e sociali ("qualcuno sa cosa significa spirito?", p. 20). Ma gli esecutori e i fruitori della musica colta si ostinano a riproporre questa concezione ormai superata, e a riproporre i capolavori del passato in forma mummificata e inerte, secondo un malinteso concetto di fedeltà al testo, fondamentalmente perché - sempre secondo Baricco - hanno "paura" della modernità.

Nel secondo capitolo, come alternativa alla prassi corrente, Baricco propone la "sua" idea di interpretazione. La musica "colta" del periodo classico si proponeva di organizzare il caos entro un preciso ordine formale; compito dell'interprete di oggi è, secondo Baricco, di far esplodere tale ordine per far sì che le "schegge" del materiale musicale si possano ricomporre secondo nuove geometrie provvisorie, momentanee, ogni volta diverse, secondo costellazioni di senso sempre rinnovate, piacevoli e sorprendenti.

Il terzo capitolo è dedicato alla musica atonale del Novecento. Baricco parte da un'audace constatazione: ma questa musica, dopo più di settant'anni, ancora non ha un suo pubblico! Gli ascoltatori, per quanto si sforzino, non la apprezzano e non la capiscono! Hanno torto loro? No, naturalmente: hanno invece avuto torto Schoenberg e i suoi successori (tutti quelli che hanno composto musica atonale, vale a dire i tre quarti dei compositori del Novecento da Berg a Webern fino alla scuola di Darmstadt e oltre).

Baricco spiega il perché: esistono "invalicabili limiti fisiologici" (p. 55) che impediscono all'orecchio umano di apprezzare la musica atonale. Infatti ogni brano musicale, continua Baricco, altro non è che un "meccanismo di piacere" (ibid.) basato su un gioco di previsione da parte dell'ascoltatore/risposta da parte della musica: se si cancella la logica tonale, sparisce l'orizzonte della previsione e si elimina il "piacere dell'ascolto" (p. 56).

La musica seriale è ormai superata, e anche qui Baricco non manca di dare la sua spiegazione sociologico-storica: l'atonalità di Schoenberg e seguaci nasce come espressionistico grido di orrore di fronte alla tragica realtà dei massacri e dei totalitarismi del Novecento. Ma nel secondo dopoguerra, "una volta sfumata quella follia" (p. 63) e venuti meno i conflitti ideologici e sociali che caratterizzarono la prima metà del secolo, anche tale giustificazione per l'atonalismo viene a mancare. Perciò non ci sono più motivi validi per i quali i compositori debbano ostinarsi a frustrare "le legittime aspettative del pubblico" (p. 65) continuando a proporre musica così inascoltabile, e perpetuando "lo strappo profondo e grottesco tra quella musica e la gente" (p. 66).

Occorre dunque richiamare i compositori "ai doveri della modernità" (p. 67), "ricreare una sintonia col sentire collettivo. Con una certezza: la modernità è innanzitutto uno spettacolo" (p. 73) e la gente vuole innanzitutto divertirsi, anche nelle sale da concerto: i musicisti devono dunque accettare "l'allegra realtà di un'umanità inconsapevolmente e sanamente drogata" (p. 70), di una modernità dove "la spettacolarità del reale e quella delle forme di rappresentazione si inseguono in un'escalation per la quale anche l'orribile diventa meraviglia" (ibid.).

Nell'ultimo capitolo del suo libro, Baricco propone ai compositori contemporanei due modelli da seguire: Puccini e Mahler. Secondo Baricco, questi due autori avrebbero accettato la concezione moderna di spettacolarità, senza temere di adottare un linguaggio musicale primitivo, né d'infarcire le loro opere di elementi volgari o di cattivo gusto, pur d'intercettare il bisogno di spettacolo dell'ascoltatore odierno, precorrendo così l'estetica del cinema.

2. Critica

Sui primi due capitoli non c'è molto da dire: si tratta di luoghi comuni che Baricco espone come se si trattasse di trovate sue; interpreti come Pierre Boulez (nella sua attività di direttore d'orchestra) e Maurizio Pollini adottano da sempre prassi esecutive antiformalistiche senza bisogno di attendere lezioncine da parte di Alessandro Baricco: di propriamente suo c'è solo un certo superficiale edonismo.

Circa i restanti capitoli del libro, premesso che reputo agghiacciante ognuna delle frasi o espressioni di Baricco che sopra ho citato tra virgolette (reazione molto soggettiva, lo ammetto), la prima osservazione critica da fare su questo testo è che Baricco propone un'estetica normativa, vale a dire un'estetica che pretende di prescrivere agli artisti come devono lavorare (non dovete più scrivere musica atonale, dovete farvi capire dalla "gente", ecc).

Ora, ogni estetica normativa è un'aberrazione, indipendentemente dal suo contenuto. Se poi si vuole valutare quest'ultimo, bisognerà osservare che Baricco si accosta ad Andrej Zdanov, il "teorico" sovietico del realismo socialista: anche lui pretendeva dai compositori una musica dal linguaggio semplice, tradizionale, accessibile alle grandi masse popolari. Zdanov avanzava tale pretesa in nome del superiore interesse del socialismo, Baricco in nome della "modernità" e della fine delle ideologie, ma il risultato non cambia. Baricco, nella sua irritante e dilettantesca superficialità, non sembra neanche rendersi conto del totalitarismo implicito nella pretesa che gli artisti debbano conformare la loro produzione ai gusti della "gente".

D'altra parte neppure si capisce bene quale pubblico Baricco abbia in mente: il pubblico che frequenta le sale da concerto è così esiguo che non vale neanche la pena che i musicisti si affannino per compiacerlo: e peggio per tale pubblico se non riesce ad apprezzare Anton Webern. Viceversa, il pubblico che non ha mai messo piede in un auditorium e non ascolta Schoenberg e Stockhausen, nella sua stragrande maggioranza non ascolta neppure Mahler e Puccini, ed evidentemente non per motivi ascrivibili al solo linguaggio musicale.

In ogni caso, dal fatto che la lettura di questo libro non mi ha impedito neppure per un minuto di continuare ad ascoltare il mio CD con i pezzi per pianoforte di Schoenberg, deduco che quella degli "invalicabili limiti fisiologici" è una colossale sciocchezza, con cui Baricco cerca malamente di giustificare la propria opposizione ideologica alla musica d'avanguardia.

La sua valenza ideologica è in realtà l'unico aspetto un poco interessante di questo libro. Esso, con la sua esaltazione del disimpegno, delle gioie del consumismo e della "gente" che vuole divertirsi, appare come un esempio tipico di quella versione euforico-ebetudinaria del postmoderno che ha furoreggiato nel nostro paese durante tutti gli anni '80: un'epoca nella quale a molti intellettuali non è parso vero di poter finalmente riproporre (nell'aggiornatissimo linguaggio filosofico post-strutturalista) l'antico, tradizionale qualunquismo italiano. Appare tristemente ironico che alcuni di quegli intellettuali si scaglino oggi dalle pagine dell' "Unità" o di "Repubblica" contro le impreviste (ma prevedibili) conseguenze politiche della loro stessa filosofia.

P.S. Ad un certo punto del suo testo, Baricco inserisce alcune oscure insinuazioni a proposito di presunte "coperture politiche" di cui gli artisti dell'avanguardia musicale avrebbero goduto nel nostro paese. Sorge allora la tentazione di leggere questo libro, il cui valore teorico-critico è nullo, in chiave direttamente pratica: forse Baricco si è proposto di approntare un "manifesto" per i musicisti della cosiddetta scuola neo-romantica?

Mi sono allora comprato un disco antologico di un esponente di questa corrente musicale, che ebbe anch'essa un effimero momento di notorietà nel corso degli anni '80: Marco Tutino, Operas, CD Aura Music AUR421-2, 2000, Euro 4,25. Si tratta di composizioni carine, indubbiamente orecchiabili, il cui linguaggio musicale si colloca fra le colonne sonore di Bernard Herrmann e i balletti di Aaron Copland, il tutto realizzato senza troppa fantasia e con circa trent'anni di ritardo.

Bene, ho fatto un piccolo esperimento. Un brano di questo CD di Marco Tutino l'ho fatto ascoltare ad un mio coinquilino che ascolta solo reggae ed hip-hop (e che, così facendo, qualche volta supera gli invalicabili limiti fisiologici delle mie capacità d'ascolto), e poi gli ho fatto sentire qualche minuto di Contrappunto dialettico alla mente di Luigi Nono (1968). Nessuno dei due brani gli è piaciuto, ma ha trovato di gran lunga più interessante quello di Nono.
          (To Heal) - Genesis - Driving the last spike (no replies)        
We came from the North,
and we came from the South
with picks and with spades
and a new kind of order
showing no fear of what lies up ahead
They'll never see the likes of us again

Can you hear me?
Can you see?
Don't you hear me?
Don't you see?


Genesis - Driving the last spike

Leaving my family behind me
not knowing what lay ahead
waving goodbye, as I left them in tears
remembering all we'd said

I looked to the sky, I offered my prayers
I asked Him for guidance and strength
but the simple beliefs of a simple man
lay in His hands, and on my head (my head)

I gave everything that they wanted
but still they wanted more
we sweat and we toiled
good men lost their lives
I don't think they knew what for

I sold them my heart
I sold them my soul
I gave everything I had
Ah, but they couldn't break my spirit
my dignity fought back
fightback

Can you hear me?
Can you see?
Don't you hear me?
Don't you see?

We worked in gangs for all we were worth
the young boys pulling the wagons
We were digging the tunnel, shifting the earth
It was then that it happened.

No one knew how the cracks appeared,
but as it fell they all disappeared
stone fell like rain

Can you hear me?
Can you see?
Don't you hear me?
(Can) Can you breathe?

The smoke cleared, the dust it settled
No one knew how many had died
All around there were broken men
They'd said it was safe, they'd lied
you could hear the cries, you could smell our fear
but good fortune that day was mine
and it occurred to me that the heart of a good man
it seems is hard to find.

Ah, can you hear me?
Can you see?
Don't you hear me?
Don't you see?

We worked, how we worked like
the devil for our pay
through the wind, through the snow,
and through the rain

Blasting, and cutting through God's country like a knife
sweat stinging my eyes, there has to be a better life

Ah but I can hear my childrens' cry
I can see the tears in their eyes
memories of those I've left behind
still ringing in my ears
Will I ever go back again?
Will I ever see her face again?
O, I'll never forget that night
As they waved goodbye to their fathers

We came from the North,
and we came from the South
with picks and with spades
and a new kind of order
showing no fear of what lies up ahead
They'll never see the likes of us again

Driving the last spike,
lifting and laying the track
with blistering hands,
the sun burning your back

Oh, but I can hear my childrens' cry
I can see the tears in their eyes
memories of those I've left behind
still ringing in my ears
Well I'll always remember that night,
As they waved goodbye to their fathers

We followed the rail, we slept under the stars
digging in darkness, and living with danger
showing no fear of what lies up ahead
they'll never see the likes of us again.

Can you hear me?
Can you see?
(Don't) Don't you hear me?
(Don't) Don't you see?


Context

(To Heal)(Management innovation) - '..Teal Organizations to start healing the world..'

(In The Electric Universe) - '..Reading “The Wisdom of Near-Death Experiences” caused me to reconsider my views on death..'

(Bazaarmodel - To Heal - Teal) Dream - Semco Style


Ain't No Mountain High Enough - Diana Ross

You just feel what you want it to be

          (Bazaarmodel - To Heal - Teal) Dream - Semco Style (no replies)        
Those who make dreams come true get noticed

- Aldowa (A Semco Style Company)

'Leading Wisely is a podcast series by Ricardo Semler about the search for wisdom in organizations. In discussions with business leaders such as Zappos' Tony Hsieh, Basecamp's Jason Friedman and David Heinemeier Hansson and with other experts on the topic such as Frederic Laloux, he challenges assumptions and explores how we can change the way we live and work.

- Killing the dinosaur business model, 2017

'In France, almost every couple of days a company or public sector organization is entering corporate liberation. How about US? Here is one more example on how a company’s leader decided to liberate his company.

Ricardo Semler’s book served as an inspiration. Add to that a deep conviction and a lot of common sense.'

- Freedom Inc, '..corporate liberation.' June 6, 2017


Context (Leaders)

'..I believe in responsibility but not in pyramidal hierarchy .. the negative value of structure. Structure creates hierarchy, and hierarchy creates constraint..'

(Bazaarmodel - To Heal - Teal) - 'Your physical .. cultural .. soul heredity..'

(To Heal - Teal - Bazaarmodel) - Striving for wholeness '..We have let our busy egos trump the quiet voice of our soul; many cultures often celebrate the mind and neglect the body..'


'I, too, have a pet little evil, to which in more passionate moments I am apt to attribute all the others. This evil is the neglect of thinking. And when I say thinking I mean real thinking, independent thinking, hard thinking.'

- Learning How to Think (Economics - '..acts of choice.' (‘..imagination of alternatives..’))


(Open Source) - '..“open innovation.” Companies such as AstraZeneca, Lilly, GSK, Janssen, Merck, Pfizer, Sanofi, TransCelerate, and others..'

(Haptopraxeology) - '..the senses were the windows of the soul and that reason had a divine right to feed upon fact..'

(To Heal) - Overview of Focus Levels '..to areas of greater free will choice.'


'..to rethink and to rebuild a culture where there are open channels between feeling and understanding..'

(Praxeology) - '..his or her subjective values .. to explain all economic phenomena as the results of what people do..'

'Reinventing Organizations: ..radically more soulful, purposeful and powerful ways to structure and run .. organizations.'


(To Heal)(Management innovation) - '..Teal Organizations to start healing the world..'

(Haptopraxeology) - Students of Civilization

          'Open source is now mainstream..' (no replies)        
'Open source is now mainstream. More and more developers, organizations, and enterprises are are understanding the benefits of an open source strategy and getting involved. In fact, The Linux Foundation is on track to reach 1,000 participating organizations in 2017 and aims to bring even more voices into open source technology projects ranging from embedded and automotive to blockchain and cloud.'

- Mike Woster, Global Enterprises Join The Linux Foundation to Accelerate Open Source Development Across Diverse Industries, March 30, 2017


Context

(Open Source) - '..“open innovation.” Companies such as AstraZeneca, Lilly, GSK, Janssen, Merck, Pfizer, Sanofi, TransCelerate, and others..'

'..Microsoft, is shifting over to open source for its development.'

          'We have no experience in stopping a nuclear war.' - Sidney Drell (no replies)        
'..My greatest concern is the lack of public awareness about this existential threat, the absence of a vigorous public debate about the nuclear-war plans of Russia and the United States, the silent consent to the roughly fifteen thousand nuclear weapons in the world. These machines have been carefully and ingeniously designed to kill us. Complacency increases the odds that, some day, they will. The “Titanic Effect” is a term used by software designers to explain how things can quietly go wrong in a complex technological system: the safer you assume the system to be, the more dangerous it is becoming.'

'The harsh rhetoric on both sides increases the danger of miscalculations and mistakes, as do other factors. Close encounters between the military aircraft of the United States and Russia have become routine, creating the potential for an unintended conflict. Many of the nuclear-weapon systems on both sides are aging and obsolete. The personnel who operate those systems often suffer from poor morale and poor training. None of their senior officers has firsthand experience making decisions during an actual nuclear crisis. And today’s command-and-control systems must contend with threats that barely existed during the Cold War: malware, spyware, worms, bugs, viruses, corrupted firmware, logic bombs, Trojan horses, and all the other modern tools of cyber warfare. The greatest danger is posed not by any technological innovation but by a dilemma that has haunted nuclear strategy since the first detonation of an atomic bomb: How do you prevent a nuclear attack while preserving the ability to launch one?

..

..the Cuban Missile Crisis, when a series of misperceptions, miscalculations, and command-and-control problems almost started an accidental nuclear war—despite the determination of both John F. Kennedy and Nikita Khrushchev to avoid one. In perhaps the most dangerous incident, the captain of a Soviet submarine mistakenly believed that his vessel was under attack by U.S. warships and ordered the firing of a torpedo armed with a nuclear warhead. His order was blocked by a fellow officer. Had the torpedo been fired, the United States would have retaliated with nuclear weapons. At the height of the crisis, while leaving the White House on a beautiful fall evening, McNamara had a strong feeling of dread—and for good reason: “I feared I might never live to see another Saturday night.”

..

The personnel who command, operate, and maintain the Minuteman III have also become grounds for concern. In 2013, the two-star general in charge of the entire Minuteman force was removed from duty after going on a drunken bender during a visit to Russia, behaving inappropriately with young Russian women, asking repeatedly if he could sing with a Beatles cover band at a Mexican restaurant in Moscow, and insulting his military hosts. The following year, almost a hundred Minuteman launch officers were disciplined for cheating on their proficiency exams. In 2015, three launch officers at Malmstrom Air Force Base, in Montana, were dismissed for using illegal drugs, including ecstasy, cocaine, and amphetamines. That same year, a launch officer at Minot Air Force Base, in North Dakota, was sentenced to twenty-five years in prison for heading a violent street gang, distributing drugs, sexually assaulting a girl under the age of sixteen, and using psilocybin, a powerful hallucinogen. As the job title implies, launch officers are entrusted with the keys for launching intercontinental ballistic missiles.

..

..A recent memoir, “Uncommon Cause,” written by General George Lee Butler, reveals that the Pentagon was not telling the truth. Butler was the head of the U.S. Strategic Command, responsible for all of America’s nuclear weapons, during the Administration of President George H. W. Bush.

According to Butler and Franklin Miller, a former director of strategic-forces policy at the Pentagon, launch-on-warning was an essential part of the Single Integrated Operational Plan (siop), the nation’s nuclear-war plan. Land-based missiles like the Minuteman III were aimed at some of the most important targets in the Soviet Union, including its anti-aircraft sites. If the Minuteman missiles were destroyed before liftoff, the siop would go awry, and American bombers might be shot down before reaching their targets. In order to prevail in a nuclear war, the siop had become dependent on getting Minuteman missiles off the ground immediately. Butler’s immersion in the details of the nuclear command-and-control system left him dismayed. “With the possible exception of the Soviet nuclear war plan, [the siop] was the single most absurd and irresponsible document I had ever reviewed in my life,” Butler concluded. “We escaped the Cold War without a nuclear holocaust by some combination of skill, luck, and divine intervention, and I suspect the latter in greatest proportion.” The siop called for the destruction of twelve thousand targets within the Soviet Union. Moscow would be struck by four hundred nuclear weapons; Kiev, the capital of the Ukraine, by about forty.

After the end of the Cold War, a Russian surprise attack became extremely unlikely. Nevertheless, hundreds of Minuteman III missiles remained on alert. The Cold War strategy endured because, in theory, it deterred a Russian attack on the missiles. McNamara called the policy “insane,” arguing that “there’s no military requirement for it.” George W. Bush, while running for President in 2000, criticized launch-on-warning, citing the “unacceptable risks of accidental or unauthorized launch.” Barack Obama, while running for President in 2008, promised to take Minuteman missiles off alert, warning that policies like launch-on-warning “increase the risk of catastrophic accidents or miscalculation.” Twenty scientists who have won the Nobel Prize, as well as the Union of Concerned Scientists, have expressed strong opposition to retaining a launch-on-warning capability. It has also been opposed by former Secretary of State Henry Kissinger, former Secretary of State George Shultz, and former Senator Sam Nunn. And yet the Minuteman III missiles still sit in their silos today, armed with warheads, ready to go.

William J. Perry, who served as Secretary of Defense during the Clinton Administration, not only opposes keeping Minuteman III missiles on alert but advocates getting rid of them entirely. “These missiles are some of the most dangerous weapons in the world,” Perry wrote in the Times, this September. For many reasons, he thinks the risk of a nuclear catastrophe is greater today than it was during the Cold War. While serving as an Under-Secretary of Defense in 1980, Perry also received a late-night call about an impending Soviet attack, a false alarm that still haunts him. “A catastrophic nuclear war could have started by accident.”

Bruce Blair, a former Minuteman launch officer, heads the anti-nuclear group Global Zero, teaches at Princeton University, and campaigns against a launch-on-warning policy. Blair has described the stresses that the warning of a Russian attack would put on America’s command-and-control system. American early-warning satellites would detect Russian missiles within three minutes of their launch. Officers at norad would confer for an additional three minutes, checking sensors to decide if an attack was actually occurring. The Integrated Tactical Warning/Attack System collects data from at least two independent information sources, relying on different physical principles, such as ground-based radar and satellite-based infrared sensors. If the norad officials thought that the warning was legitimate, the President of the United States would be contacted. He or she would remove the Black Book from a briefcase carried by a military aide. The Black Book describes nuclear retaliatory options, presented in cartoon-like illustrations that can be quickly understood.

..

Although the Air Force publicly dismissed the threat of a cyberattack on the nuclear command-and-control system, the incident raised alarm within the Pentagon about the system’s vulnerability. A malfunction that occurred by accident might also be caused deliberately. Those concerns were reinforced by a Defense Science Board report in January, 2013. It found that the Pentagon’s computer networks had been “built on inherently insecure architectures that are composed of, and increasingly using, foreign parts.” Red teams employed by the board were able to disrupt Pentagon systems with “relative ease,” using tools available on the Internet. “The complexity of modern software and hardware makes it difficult, if not impossible, to develop components without flaws or to detect malicious insertions,” the report concluded.

In a recent paper for the Royal United Services Institute for Defence and Security Studies, Andrew Futter, an associate professor at the University of Leicester, suggested that a nuclear command-and-control system might be hacked to gather intelligence about the system, to shut down the system, to spoof it, mislead it, or cause it to take some sort of action—like launching a missile. And, he wrote, there are a variety of ways it might be done.

..

Strict precautions have been taken to thwart a cyberattack on the U.S. nuclear command-and-control system. Every line of nuclear code has been scrutinized for errors and bugs. The system is “air-gapped,” meaning that its networks are closed: someone can’t just go onto the Internet and tap into a computer at a Minuteman III control center. At least, that’s the theory. Russia, China, and North Korea have sophisticated cyber-warfare programs and techniques. General James Cartwright—the former head of the U.S. Strategic Command who recently pleaded guilty to leaking information about Stuxnet—thinks that it’s reasonable to believe the system has already been penetrated. “You’ve either been hacked, and you’re not admitting it, or you’re being hacked and don’t know it,” Cartwright said last year.

If communications between Minuteman control centers and their missiles are interrupted, the missiles can still be launched by ultra-high-frequency radio signals transmitted by special military aircraft. The ability to launch missiles by radio serves as a backup to the control centers—and also creates an entry point into the network that could be exploited in a cyberattack. The messages sent within the nuclear command-and-control system are highly encrypted. Launch codes are split in two, and no single person is allowed to know both parts. But the complete code is stored in computers—where it could be obtained or corrupted by an insider.

Some of America’s most secret secrets were recently hacked and stolen by a couple of private contractors working inside the N.S.A., Edward Snowden and Harold T. Martin III, both employees of Booz Allen Hamilton. The N.S.A. is responsible for generating and encrypting the nuclear launch codes. And the security of the nuclear command-and-control system is being assured not only by government officials but also by the employees of private firms, including software engineers who work for Boeing, Amazon, and Microsoft.

Lord Des Browne, a former U.K. Minister of Defense, is concerned that even ballistic-missile submarines may be compromised by malware. Browne is now the vice-chairman of the Nuclear Threat Initiative, a nonprofit seeking to reduce the danger posed by weapons of mass destruction, where he heads a task force examining the risk of cyberattacks on nuclear command-and-control systems. Browne thinks that the cyber threat is being cavalierly dismissed by many in power. The Royal Navy’s decision to save money by using Windows for Submarines, a version of Windows XP, as the operating system for its ballistic-missile subs seems especially shortsighted. Windows XP was discontinued six years ago, and Microsoft warned that any computer running it after April, 2014, “should not be considered protected as there will be no security updates.” Each of the U.K. subs has eight missiles carrying a total of forty nuclear weapons. “It is shocking to think that my home computer is probably running a newer version of Windows than the U.K.’s military submarines,” Brown said.In 2013, General C. Robert Kehler, the head of the U.S. Strategic Command, testified before the Senate Armed Services Committee about the risk of cyberattacks on the nuclear command-and-control system. He expressed confidence that the U.S. system was secure. When Senator Bill Nelson asked if somebody could hack into the Russian or Chinese systems and launch a ballistic missile carrying a nuclear warhead, Kehler replied, “Senator, I don’t know . . . I do not know.”

After the debacle of the Cuban Missile Crisis, the Soviet Union became much more reluctant to provoke a nuclear confrontation with the United States. Its politburo was a committee of conservative old men. Russia’s leadership is quite different today. The current mix of nationalism, xenophobia, and vehement anti-Americanism in Moscow is a far cry from the more staid and secular ideology guiding the Soviet Union in the nineteen-eighties. During the past few years, threats about the use of nuclear weapons have become commonplace in Moscow. Dmitry Kiselyov, a popular newscaster and the Kremlin’s leading propagandist, reminded viewers in 2014 that Russia is “the only country in the world capable of turning the U.S.A. into radioactive dust.” The Kremlin has acknowledged the development of a nuclear torpedo that can travel more than six thousand miles underwater before devastating a coastal city. It has also boasted about a fearsome new missile design. Nicknamed “Satan 2” and deployed with up to sixteen nuclear warheads, the missile will be “capable of wiping out parts of the earth the size of Texas or France,” an official news agency claimed.

..

Russia’s greatest strategic vulnerability is the lack of a sophisticated and effective early-warning system. The Soviet Union had almost a dozen satellites in orbit that could detect a large-scale American attack. The system began to deteriorate in 1996, when an early-warning satellite had to be retired. Others soon fell out of orbit, and Russia’s last functional early-warning satellite went out of service two years ago. Until a new network of satellites can be placed in orbit, the country must depend on ground-based radar units. Unlike the United States, Russia no longer has two separate means of validating an attack warning. At best, the radar units can spot warheads only minutes before they land. Pavel Podvig, a senior fellow at the U.N. Institute for Disarmament Research, believes that Russia does not have a launch-on-warning policy—because its early-warning system is so limited.

For the past nine years, I’ve been immersed in the minutiae of nuclear command and control, trying to understand the actual level of risk. Of all the people whom I’ve met in the nuclear realm, Sidney Drell was one of the most brilliant and impressive. Drell died this week, at the age of ninety. A theoretical physicist with expertise in quantum field theory and quantum chromodynamics, he was for many years the deputy director of the Stanford Linear Accelerator and received the National Medal of Science from Obama, in 2013. Drell was one of the founding members of jason—a group of civilian scientists that advises the government on important technological matters—and for fifty-six years possessed a Q clearance, granting him access to the highest level of classified information. Drell participated in top-secret discussions about nuclear strategy for decades, headed a panel that investigated nuclear-weapon safety for the U.S. Congress in 1990, and worked on technical issues for jason until the end of his life. A few months ago, when I asked for his opinion about launch-on-warning, Drell said, “It’s insane, the worst thing I can think of. You can’t have a worse idea.”

Drell was an undergraduate at Princeton University when Hiroshima and Nagasaki were destroyed. Given all the close calls and mistakes in the seventy-one years since then, he considered it a miracle that no other cities have been destroyed by a nuclear weapon—“it is so far beyond my normal optimism.” The prospect of a new cold war—and the return of military strategies that advocate using nuclear weapons on the battlefield—deeply unnerved him. Once the first nuclear weapon detonates, nothing might prevent the conflict from spiralling out of control. “We have no experience in stopping a nuclear war,” he said.

..

Donald Trump and Vladimir Putin confront a stark choice: begin another nuclear-arms race or reduce the threat of nuclear war. Trump now has a unique opportunity to pursue the latter, despite the bluster and posturing on both sides. His admiration for Putin, regardless of its merits, could provide the basis for meaningful discussions about how to minimize nuclear risks. Last year, General James Mattis, the former Marine chosen by Trump to serve as Secretary of Defense, called for a fundamental reappraisal of American nuclear strategy and questioned the need for land-based missiles. During Senate testimony, Mattis suggested that getting rid of such missiles would “reduce the false-alarm danger.” Contrary to expectations, Republican Presidents have proved much more successful than their Democratic counterparts at nuclear disarmament. President George H. W. Bush cut the size of the American arsenal in half, as did his son, President George W. Bush. And President Ronald Reagan came close to negotiating a treaty with the Soviet Union that would have completely abolished nuclear weapons.

Every technology embodies the values of the age in which it was created. When the atomic bomb was being developed in the mid-nineteen-forties, the destruction of cities and the deliberate targeting of civilians was just another military tactic. It was championed as a means to victory. The Geneva Conventions later classified those practices as war crimes—and yet nuclear weapons have no other real use. They threaten and endanger noncombatants for the sake of deterrence. Conventional weapons can now be employed to destroy every kind of military target, and twenty-first-century warfare puts an emphasis on precision strikes, cyberweapons, and minimizing civilian casualties. As a technology, nuclear weapons have become obsolete. What worries me most isn’t the possibility of a cyberattack, a technical glitch, or a misunderstanding starting a nuclear war sometime next week. My greatest concern is the lack of public awareness about this existential threat, the absence of a vigorous public debate about the nuclear-war plans of Russia and the United States, the silent consent to the roughly fifteen thousand nuclear weapons in the world. These machines have been carefully and ingeniously designed to kill us. Complacency increases the odds that, some day, they will. The “Titanic Effect” is a term used by software designers to explain how things can quietly go wrong in a complex technological system: the safer you assume the system to be, the more dangerous it is becoming.'

- Eric Schlosser, World War Three, By Mistake, December 23, 2016


Context

The International Day for the Total Elimination of Nuclear Weapons

          (Bazaarmodel - To Heal - Teal) - '..is it possible to build a truly Evolutionary-Teal school?' (no replies)        
'This factory-like system seems increasingly out of date. More and more people are crying out for innovation in education and starting to experiment with curricula, technologies, and governance in schools. But is it possible to build a truly Evolutionary-Teal school? And what would it look like? A superb example can be found in the center of Berlin in Germany. The “ESBZ” is a grade 7-12 school that opened its doors in 2007 with more than a bit of improvisation. Just three months before the start of the school year, the city council had suddenly given a decrepit prefabricated building from communist times to a group of pesky parents who simply wouldn’t let go of their dream. When the school year started, only 16 students were registered. A few months later, at the mid-year point, 30 more students had joined, mostly rejects and troublemakers other schools had expelled. Hardly a promising start for a new school. And yet today, only a few years later, the school has 500 students and attracts hundreds of principals, teachers, and education specialists from all over the country who want to study the ESBZ model.'

- Frederic Laloux, (Reinventing Organizations, Chapter 2.2 _ Self-management Structures), page 93


'..Yet unlike Sudbury, Montessori or Steiner schools, Rasfeld’s institution tries to embed student self-determination within a relatively strict system of rules. Students who dawdle during lessons have to come into school on Saturday morning to catch up, a punishment known as “silentium”. “The more freedom you have, the more structure you need,” says Rasfeld.

The main reason why the ESBC is gaining a reputation as Germany’s most exciting school is that its experimental philosophy has managed to deliver impressive results..'


'..At Oberländer’s school, there are no grades until students turn 15, no timetables and no lecture-style instructions. The pupils decide which subjects they want to study for each lesson and when they want to take an exam.

The school’s syllabus reads like any helicopter parent’s nightmare. Set subjects are limited to maths, German, English and social studies, supplemented by more abstract courses such as “responsibility” and “challenge”. For challenge, students aged 12 to 14 are given €150 (£115) and sent on an adventure that they have to plan entirely by themselves. Some go kayaking; others work on a farm. Anton went trekking along England’s south coast.

The philosophy behind these innovations is simple: as the requirements of the labour market are changing, and smartphones and the internet are transforming the ways in which young people process information, the school’s headteacher, Margret Rasfeld, argues, the most important skill a school can pass down to its students is the ability to motivate themselves.

“Look at three or four year olds – they are all full of self-confidence,” Rasfeld says. “Often, children can’t wait to start school. But frustratingly, most schools then somehow manage to untrain that confidence.”

The Evangelical School Berlin Centre (ESBC) is trying to do nothing less than “reinvent what a school is”, she says. “The mission of a progressive school should be to prepare young people to cope with change, or better still, to make them look forward to change. In the 21st century, schools should see it as their job to develop strong personalities.”

Making students listen to a teacher for 45 minutes and punishing them for collaborating on an exercise, Rasfeld says, was not only out of sync with the requirements of the modern world of work, but counterproductive. “Nothing motivates students more than when they discover the meaning behind a subject of their own accord.”

Students at her school are encouraged to think up other ways to prove their acquired skills, such as coding a computer game instead of sitting a maths exam. Oberländer, who had never been away from home for three weeks until he embarked on his challenge in Cornwall, said he learned more English on his trip than he had in several years of learning the language at school.

Germany’s federalised education structure, in which each of the 16 states plans its own education system, has traditionally allowed “free learning” models to flourish. Yet unlike Sudbury, Montessori or Steiner schools, Rasfeld’s institution tries to embed student self-determination within a relatively strict system of rules. Students who dawdle during lessons have to come into school on Saturday morning to catch up, a punishment known as “silentium”. “The more freedom you have, the more structure you need,” says Rasfeld.

The main reason why the ESBC is gaining a reputation as Germany’s most exciting school is that its experimental philosophy has managed to deliver impressive results..

..

Aged 65 and due to retire in July, Rasfeld still has ambitious plans. A four-person “education innovation lab” based at the school has been developing teaching materials for schools that want to follow the ESBC’s lead. About 40 schools in Germany are in the process of adopting some or all of Rasfeld’s methods. One in Berlin’s Weissensee district recently let a student trek across the Alps for a challenge project. “Things are only getting started,” says Rasfeld.

“In education, you can only create change from the bottom – if the orders come from the top, schools will resist. Ministries are like giant oil tankers: it takes a long time to turn them around. What we need is lots of little speedboats to show you can do things differently.” '

- Philip Oltermann, No grades, no timetable: Berlin school turns teaching upside down, July 1, 2016


Context

(To Heal - Teal - Bazaarmodel) - Striving for wholeness '..We have let our busy egos trump the quiet voice of our soul; many cultures often celebrate the mind and neglect the body..'

(Bazaarmodel - To Heal - Teal) - 'Your physical .. cultural .. soul heredity..'

(To Heal) - Overview of Focus Levels '..to areas of greater free will choice.'


(To Heal) - Overview of Focus Levels '..to areas of greater free will choice.'

          2016 Year in Review        

2016 was a year of many things - changes, challenges and opportunities. But above all else, 2016 was a year where you continued your work to change the world; to bring the world a little closer to finding common ground amongst peace, progress, and innovation.

As 2016 comes to a close, Google for Nonprofits took one final opportunity to reflect on a year past and look forward to the year ahead.  So without further ado, here are the top posts from 2016 from your friends at Google for Nonprofits.

Screen Shot 2016-12-22 at 3.54.11 PM.png

From LA to Tokyo: YouTube Spaces opens production studios to nonprofits free of charge

From LA to London, Tokyo to Mumbai, Berlin to São Paulo, YouTube Spaces empower nonprofits by providing them exclusive access to the best production resources around — all at no cost. All enrolled nonprofits with 1,000 or more subscribers are now eligible to apply for production access at YouTube Spaces.

Screen Shot 2016-12-22 at 3.54.53 PM.png

Unlocking your nonprofit's data insights: Linking Ad Grants and Google Analytics

So you’re using Ad Grants - our in-kind advertising solution for nonprofits which allows you to run text ads on Google Search - and you’re looking for more insights? Google Analytics is your go-to tool for providing insights into user behavior, which can be used to inform Google Ad Grants, as well as website optimization. By syncing data and using Ad Grants & Analytics in tandem, you can boost the quality of traffic reaching your site and increase the chance of visitors completing a meaningful action on your NGO’s page.

Benefits of Linking your Google Analytics and Adwords Accounts

Four ways to keep your nonprofit safe & secure online

“How do we keep our nonprofit (and the community we serve) safe and secure online?” In 2016, we partnered with Google’s User Advocacy Group to share four smart tips to keep your nonprofit, your users, and you safe online.

safety_security_g4np.width-600.png

What do you and your nonprofit want to learn in the new year? Leave a comment below, and we’ll work on learning together in 2017.

Lastly, we so appreciate all nonprofits’ unwavering dedication to changing the world. We wish all nonprofits and their communities a peaceful holiday season and a joyful new year.

To see if your nonprofit is eligible to participate, review the Google for Nonprofits eligibility guidelines. Google for Nonprofits offers organizations like yours free access to Google tools like Gmail, Google Calendar, Google Drive, Google Ad Grants, YouTube for Nonprofits and more. These tools can help you reach new donors and volunteers, work more efficiently, and tell your nonprofit’s story. Learn more and enroll here.


          Four ways to keep your nonprofit safe & secure online        
safety security g4np
For nonprofits, the Internet serves as a powerful vehicle for change — creating a way to access information, connect with users, and drive innovation. But navigating the web can also be a tricky task. Online safety and security has become increasingly pertinent for all digital users, including nonprofits. While it’s relevant to all though, it’s unattended by many. This raises the question: “How do we keep our nonprofit (and the community we serve) safe and secure online?”

Today, we’re partnering with Google’s User Advocacy Group to share four smart tips to keep your nonprofit, your users, and you safe online.

1. Secure your passwords

Many of us “know” that it’s smart to pick a strong password, but out of convenience we also continue to use our favorite pet’s name (e.g. “Clifford”) or other not-so-creative passwords like “password.” Although pets like Clifford are great, they don’t make great passwords. Rather, this weak protection creates vulnerable access to some of your nonprofit’s most sensitive information.

Picking strong passwords that are different for each of your accounts is extremely important -- it’s also good practice to update your passwords regularly.  Check out the following tips: 

  • Use a unique password for each of your accounts. Would you give a burglar a key that accessed your home, car, garage, and more? Using the same password for multiple accounts creates the same type of risk. Ensure you’re protecting your data by using unique passwords for each account.

  • Include numbers, letters and symbols in your password. The longer your password is, the harder it is to guess. Adding numbers, symbols and mixed-case letters makes it harder for someone to gain access to your account.

  • Create password recovery options and keep them up-to-date. If you forget your password or get locked out, you need a way to get back into your account. Many services will send this information to a recovery email address to reset your password, so be sure your recovery email address is up-to-date and accessible. You may also be able to add a phone number to your profile to receive a code to reset your password via text message. Having a mobile phone number on your account is one of the easiest and most reliable ways to help keep your account safe.

2. Take the security checkup


Google’s Security Checkup is a quick, easy way to review the following information about your account (and more)!
  • Recent activity: This is a quick overview of your recent sign-ins to Google. If you see any activity from a location or device you don’t recognize, change your password immediately.

  • Account permissions: These are the apps, websites, and devices connected to your Google account. Take a look and make sure you trust—and actually use—all of them. You might want to remove an old phone, or that dusty app you never use.

  • Check your 2-step verification:  Most people have only one layer of protection with their password. 2-step verification adds an additional layer of security to your account by requiring a phone or security key to access your account information.

3. Understand your privacy settings


If you do your personal and business work on the same computer, you will want to also check your privacy settings through Google’s Privacy Checkup. Privacy Checkup allows you to control what information like photos, videos and reviews are shared to the public or to whomever you choose.
  • Manage your sharing: You can decide what information you want to share such as videos, photos and reviews. Perhaps your nonprofit videos are only shared with your friends, when you want them to be shared with anyone. This is a simple way to check to see who can see what.

  • Personalize your google experience: One additional function of privacy checkup is to see what information you’re sharing with Google. Google uses this information to provide better search results and more relevant information to get you answers quicker and more relevant information to share to your nonprofit community.


Review important information about how Google uses data to make services better for you and your nonprofit.

4. Ensure you're switching between your personal & business accounts


We understand that as a nonprofit, you wear many hats and manage multiple business accounts in addition to personal ones. Google makes it easy toggle between accounts — visit your account settings to quickly determine which data you’re accessing, and rest easy knowing your personal and business information are separate.

  • Guest Mode or Incognito mode: Share Chrome with other people in your organization and ensure everyone has their own settings and bookmarks. You can also utilize Guest mode or Incognito mode to open a private browsing session in Chrome without leaving browser history or cookies behind once you’ve logged out.

  • Using Chrome on an unfamiliar device or machine: If you’re using an unfamiliar device or machine, ensure you’ve properly logged out of your account before heading off to your next meeting.


Online security doesn’t have to be difficult. These simple steps will give you peace of mind and protect your nonprofit’s valuable work. If you have any other online security questions or want to recommend a topic for a future blog, please add a comment below. 

To see if your nonprofit is eligible to participate, review the Google for Nonprofits eligibility guidelines. Google for Nonprofits offers organizations like yours access to Google tools like Gmail, Google Calendar, Google Drive, Google Ad Grants, YouTube for Nonprofits and more — all at no charge. These tools can help you reach new donors and volunteers, work more efficiently, and tell your nonprofit’s story. Learn more + enroll here.  


          Bella Communities: Utilizing technology & Google tools to drive "volunteer-ship"        

In 2009, Khoi Pham co-founded Bella Communities to address low-income housing issues and resident supportive services. Today, Bella Communities is harnessing the energy of thousands of community leaders, affordable housing owners, neighbors, nonprofits, resident volunteers, and professionals to offer a meaningful livelihood to their low-income housing tenants.  In addition to providing affordable housing, Bella’s signature program aims to mobilize low-income residents with an economic-opportunity modeled volunteering program. This programs enables residents to engage with other nonprofits, building civic engagement and social capital; improving career and personal skills; and earning rent credits to have financial capability and housing stability. Through this innovative “volunteer-ship” training program, they seek to help families “not just get by but also get ahead.” 

Bella Communities
What was the key to their success? We sat down with Khoi to hear exactly how they utilized technology and Google Apps for Nonprofits to achieve their goals.

Which role does technology play in Bella Communities?

Khoi: It’s critical! Technology allows us to communicate with our constituencies efficiently and cost-effectively which is vital for us. We want to empower our low-income residents with the tools needed to achieve economic development. With Google Apps for Nonprofits, we’ve built our own technology platform serving this objective. We have been able to switch from a desktop, web-based platform to a smart-phone mobile application, increasing engagement and participation from our residents using Google Forms. Most of them have skipped desktop to go mobile first!

Do you think technology has changed the way you work?

Khoi: Absolutely. It allowed us to operate in multiple states, virtually and real time! Communication, collection, and sharing data became seamless and effortless, which is fundamental to keeping pace.

Also Google Apps for Nonprofits has allowed us access to technology without heavy IT costs in order to preserve limited start-up resources and marshal them effectively. Google tools are all cloud-based and do not require us to build an internal IT infrastructure, which has enabled quick adaptability and flexibility to change. I have been amazed by the intuitiveness of the tools and how easily they integrate with one another!

Can you tell us more about your homemade program “Resident Volunteership United Program”?

Khoi: A study by the Corporation for National and Community Service showed that volunteers have a 27% greater chance  of finding a job after being out of work than non-volunteers? That is precisely why Bella Communities designed and tested an innovative supportive service program to simultaneously tackle both financial empowerment and civic engagement mobilization.  The Resident Volunteership United Program (ReV-UP) engages residents living in low-income communities to volunteer with other non-profit organizations in the immediate neighborhood to build community and economic development..

Google Apps was vital to the deployment of this program — we never would’ve been able to do it without that! It allowed us to manage workflow, and most importantly, it allowed us to gather, collect, and share data to build a case for supporting our program.

How are you measuring the success of this program?

Khoi: Using Google Forms and Google Drive, our low-income residents can easily manage their volunteer records online, as well as share and report their activities to the program managers. For the program pilot years, they contributed nearly 3,500 volunteer hours to their communities and generated earned approximately $21,000 in rent credits for their households.

Want to traverse the IT curve without the huge dollar investments? Find out how your nonprofit can better utilize technology with Google Apps for Nonprofits.

To see if your nonprofit is eligible to participate in the nonprofit programs, review the Google for Nonprofits eligibility guidelines. Google for Nonprofits offers organizations like yours free access to Google tools like Gmail, Google Calendar, Google Drive, Google Ad Grants, YouTube for Nonprofits and more. These tools can help you reach new donors and volunteers, work more efficiently, and tell your nonprofit’s story. Learn more and enroll here.

Bella Communities’ statements are made in connection with receiving free products as a participant in Google for Nonprofits, a program which provides free Google products to qualified nonprofits.


          Lead Blockchain Engineer - Talla        
Boston, MA - Lead Blockchain Engineer Boston, MA or Palo Alto, CA
Talla is looking for an entrepreneurial lead blockchain software engineer with experience building innovative services and technologies to help Talla incorporate blockchain & cryptocurrency functionality into their
          Plugin and Operating Systems Administrator - Skytap        
Seattle, WA - Engineering Seattle, Washington

Apply
Description
Skytap Cloud is designed for the traditional applications every business depends on. Our customers want to innovate faster. They need a path from today to tomorrow, from core applications trapped on-premises to agile cloud
          Entry-Level DevOps Engineer - Bullhorn        
Boston, MA - Development/IT
Boston, MassachusettsFull time


Share
Print
Job Description

Bullhorn is the leading provider of CRM software to relationship-driven businesses. Our engineers use modern technologies in Agile development to innovate and create the future of our product suite.
          Senior Product Manager - Skytap        
Seattle, WA - Product Management Seattle, Washington

Apply
Description
Do you have a passion for building easy-to-use, innovative products for engineering teams? Do you thrive in an environment where you wear many hats, do what it takes, work hard and smart, collaborate, innovate, and
          Support Engineer - Platform and Applications - Rescale         
San Francisco, CA - San Francisco, CA
Responsibilities:

Our customers use our platform to build products ranging from rockets to electric vehicles to hydroelectric dams. As a support engineer you will help some of the most innovative engineering companies build products that revolutionize their
          Senior Engineer - Nexant        
Hinsdale, IL - Senior Engineer -Hinsdale, IL

Hinsdale, IL


About the Job


Do you enjoy working with a team, being innovative, doing the right thing and having fun? Are you personable, ambitious, sharp as a tack and have a passion for a sustainable energy future? Then Nexant is the place for
          Natura Siberica neutraali shampoo herkälle hiuspohjalle 400ml        
Tummarusokki & lakritsi  Tummarusokki on yksi turvallisimmista luonnonyrteistä, se hoitaa hiusta ja päähahkaa. Hellävarainen puhdistava koostumus perustuu kasviperäisiin aminohappoihin, hienovaraisesti pesee hiukset vahingoittamatta niiden luonnollista suojakerrosta, sekä ennaltaehkäisee hiuspohjan kuivumisen.  Shampoo ei ärsytä herkkää tai allergia-altista hiuspohjaa Ei sisällä SLS:ää tai parabeenia. Ei ärsytä hiuspohjaa. Vaahto saadaan luonnon aminohapoista.
          Besplatna haljina        

Za ovo ti ne treba proxy, ulogiraj se na Stardoll i odi u starplazu ili klikni na link ispod:
http://www.stardoll.com/hr/starplaza.php
Klikni na zeleno jaje s lijeve strane i odvest će te na Uskršnju kampanju i to je to :)

NAPOMENA:
Kao i ostali "uskršnji darovi" (topić, kapa, suknja i kasnije cipele) ovo je dostupno samo sljedeća 3 dana!!!!

          ÐœÐ°Ñ€Ð¸Ð½Ð¾Ð²Ð°Ð½Ñ– печериці        
6686_marynovani_pecheryci.jpg (22.43 Kb)
Печериці виходять хрусткими і дуже смачними. Вже наступного дня після приготування грибочки готові до вживання! Спосіб приготування:
Печериці почистіть і протріть вологою серветкою. Протягом 5 хвилин відваріть в трохи підсоленій воді. Відкиньте гриби на друшляк.
Приготуйте маринад. Воду доведіть до кипіння разом з лавровим листом, чорним перцем і майораном. Варіть 2-3 хвилини. Зніміть з вогню. Додайте оцет і оливкову олію. Додайте сіль і перець за смаком.
Печериці укладіть в керамічний глибокий посуд. Додайте порізаний кубиками перець, подрібнені цибулю і часник. Залийте гарячим маринадом, закрийте кришкою. Як тільки вони охолонуть – поставте в холодильник. Через 12 годин гриби готові.
Смачного!
          Rare Disease Treatments to Be Discovered by Machine Learning and Simulation Platform        
"I look forward to combining the GNS REFS platform with Alexion's deep expertise in data sciences to accelerate the discovery of innovative medicines ...
          AT&T Expands Voice Over LTE To 18 Additional Markets        
AT&T Expands Voice Over LTE To 18 Additional Markets

AT&T first launched its Voice over LTE (VoLTE) service about seven months ago, but now the carrier is expanding its reach by adding 18 new markets for its VoLTE and HD Voice offerings.

The list of new markets include District of Columbia, Georgia, Illinois, Indiana, Maryland, Michigan, Minnesota, Nevada, North Carolina, Ohio, Oregon, Pennsylvania, South Carolina, Texas, Utah, Virginia, Washington, and Wisconsin. 

The good news is that this is just the beginning. AT&T's target is to transition every consumer to VoLTE. That would be easier said than done for sure, considering the tons of networks that need to be set up and the hardware that needs to be deployed. But AT&T is positive about the outcome, and early signs of success are certainly visible.

As stated by John Donovan, AT&T's Senior Vice President of Technology and Operations, the carrier's VoLTE network is performing very well after some internal tests, scoring an average of more than 99 percent in terms of accessibility and retainability (how well the users stay connected).

For those not in the know, VoLTE technology lets users simultaneously make calls and browse the Internet using their smartphones with very fast 4G LTE data speeds. 

As for HD Voice, it is a type of wideband technology that allows for better call quality with minimal background noise, made possible through widening the frequency range of the audio signals.

Voice calls were previously transmitted on a rather limited frequency range (between 300 Hertz to 3.4 Hertz). But with HD Voice, that frequency range is extended from 50 Hertz to 7 KiloHertz, and sometimes even beyond, in order to achieve high definition quality in voice calls.

However, before users can enjoy HD Voice, they need to meet the requirements. Firstly, the service must be available in their geographical area (AT&T is working on it). Secondly, the person calling and the recipient of the call must both use handsets that are HD Voice capable. For AT&T customers, just about the only devices available from their carrier that meet this requirement are the iPhone 6 and the iPhone 6 Plus.

AT&T is far from being the only major wireless carrier that offers HD Voice though. Sprint may have been the first off the blocks, offering its customers a 30-day trial run of its HD Voice service in June earlier this year. Even Verizon Wireless is working on its own HD Voice brand, and the talk is that the Big Red will utilizing the AMR-wideband standard (the industry norm) for its service.

Interestingly, AT&T and Verizon Wireless are working together in providing clear call quality in both their customers. If they can pull this off, AT&T customers will be able to call their friends and family who are on Verizon as clearly as possible, and vice versa.

Page Type: 
Post Type: 
Operating System: 

          Comment on Koliko posao shvatate lično? by Preporuke na zanimljive i korisne tekstove koji su mi se svidjeli - Cyber Bosanka        
[…] Nikola Pećko Pivo u svom tekstu pita koliko posao shvatamo lično. Pročitam i zamislim se jer on pita da li bismo prije prihvatili posao iz snova u firmi koju ne volimo ili manje atraktivan posao u firmi koja nam se sviđa? Ja se sa Nikolom slažem 100% – nikad ne bih mogla raditi u firmi koja ne odražava moje ideje i stavove i to mnogi ne razumiju, ali svi smo različiti i imamo pravo izbora, zar ne? Ali eto, možda i vama bude zanimljivo da razmislite, pa pogledajte njegov tekst na http://peckopivo.com/2016/11/01/koliko-posao-shvatate-licno/ […]
          Burn After Reading        

Who’s Who
What’s What

In the World of CIA Fronts, Partners, Proprietaries & Contractors




NEW BOOK:

The Almost Classified Guide to CIA Front Companies, Proprietaries & Contractors
By WAYNE MADSEN
ISBN: 978-1-365-11196-9


Cool Justice Editor's Note: Following are excerpts from author Madsen's introduction and the body of the work. Additional suggested reading: News story about Madsen's book via the Washington, D.C. based Justice Integrity Project [link at the bottom of this post].

EXCERPTS:

From the Introduction


One of the most pervasive uses of companies as intelligence partners was under the CIA’s Operation MOCKINGBIRD. During the Cold War, the CIA, often with the approval of corporate executives, infiltrated their agents to work as journalists in newspapers, radio and television networks, wire services, and magazines. The following pages in this book are rife with examples of this penetration of the Fourth Estate – all too many in the opinion of this journalist. The CIA admitted to at least 400 journalists on the agency’s payroll at the height of MOCKINGBIRD. The CIA traditionally understates its capabilities, especially when its covert activities become publicly known. Moreover, the end of the Cold War did not stop the practice of the CIA in infiltrating the media and slant news reports to its wishes.

*

An insightful look behind the veils of secrecy into the CIA’s use of fronts, proprietaries, and partners calls into question the purpose of the CIA. Created by President Harry S Truman to serve as a central collector and repository of intelligence, the CIA became much more than that. A few weeks after the United States witnessed the assassination of President Kennedy in the middle of downtown Dallas, Truman penned an op-ed piece that appeared in several newspapers around the country. In it, Truman shared his regret for having created the CIA in 1947:

“I think it has become necessary to take another look at the purpose and operations of our Central Intelligence Agency—CIA . . . For some time I have been disturbed by the way CIA has been diverted from its original assignment. It has become an operational and at times a policy-making arm of the Government. This has led to trouble and may have compounded our difficulties in several explosive areas.

"I never had any thought that when I set up the CIA that it would be injected into peacetime cloak and dagger operations. Some of the complications and embarrassment I think we have experienced are in part attributable to the fact that this quiet intelligence arm of the President has been so removed from its intended role that it is being interpreted as a symbol of sinister and mysterious foreign intrigue.”

*

The 21st century’s CIA’s partners are more likely to be found among high-tech companies marketing the latest and greatest mobile applications and data mining programs than among banks, law offices, and advertising agencies. However, in the post-World War II era, the CIA’s top and middle echelons were normally found operating through cover as typewriter-pecking journalists, traveling Madison Avenue admen, corporate lawyers, and chain-smoking oilmen. In the 1970s and 80s, CIA contractors and partners began showing up in the high-tech field, with database, local area networking, and on-line information retrieval systems attracting the most interest by Langley.

*

As this book went to press, the smart phone game application Pokémon Go fad was sweeping the planet. Unbeknownst to many of the on-line game’s avid fan’s was the connection of the game’s developers to the CIA’s venture capital firm IN-Q-TEL. All users saw their geo-location and other smart phone data being swept up by a CIA partner firm.

SELECTED ENTRIES

Amazon, Inc. [CIA contractor]. Company provides cloud computing services for the CIA. Amazon’s CEO Jeff Bezos also owns The Washington Post.

American Historical Society. [CIA partner]. Many society officials were OSS/CIA officers.

American Press Institute. [CIA front]. Operating out of Columbia University, the institute’s director in the 1950s was a CIA officer.

AmeriCares. [CIA partner]. A non-profit organization that is often the “first in” at refugee situations. Founded by tycoon J. Peter Grace, a board chairman of the CIA front, the American Institute for Free Labor Development (AIFLD) and a trustee of another CIA front, the American Committee for Liberation from Bolshevism, AmeriCares was involved in funding the Nicaraguan contras. The group has also provided the CIA with recruiting opportunities at mass refugee sites, particularly in Latin America and Asia.

Bechtel Corporation. [CIA contractor]. Bechtel is a large construction company that has included former CIA director Richard Helms, CIA pseudonym “Fletcher M. Knight,” among its executive ranks. Bechtel was active in providing corporate cover for the OSS in the Middle East during World War II. Bechtel has been a consummate service company for various CIA operations, including support for the CIA-inspired coup against the Syrian government in 1949, the Iranian government of Prime Minister Mohamed Mossadeq in 1953, and President Sukarno of Indonesia in 1965. From the 1960s to the 1970s, Bechtel provided cover for CIA agents in Libya under both the regime of King Idris and his successor, Muammar Qaddafi. Sometimes called a “secret arm” of the CIA, Bechtel’s executives included those who would join President Reagan’s Cabinet, including Secretary of State George Schultz and Secretary of Defense Caspar Weinberger.

Before World War II, Steve Bechtel formed a military-industrial complex partnership with John McCone. McCone later became the chairman of the Atomic Energy Commission and later, director of the CIA. The CIA has used Bechtel to provide cover for non-official cover CIA operatives abroad.

Blackstone Investment Group. [CIA front]. With offices in Washington, DC and Moscow, arranged for the purchase of KGB documents following the collapse of the Soviet Union. Among the documents sought by the front company were any related to illegal CIA activities during the Cold War, including the 1963 assassination of President John F. Kennedy.

Bourbon and Beefsteak Bar and Restaurant. [CIA front]. Opened in 1967 in King’s Cross in Sydney, Australia. Served as a rendezvous point for CIA, Australian Security Intelligence Organization (ASIO), and organized crime figures. Its proprietor was Bernie Houghton, a CIA operative with links to Nugan Hand Bank, CIA weapons smuggler Edwin Wilson, and CIA clandestine services officers Theodore Shackley, Rafael Quintero, and Thomas Clines.

Center for Democracy. [CIA front]. Administered under the aegis of Boston University, the center maintained offices in Boston, Washington, DC, Guatemala City, and Strasbourg, France. Involved in CIA operations in eastern Europe, Central America, and Africa.

Colt Patent Firearms Company. [CIA partner]. Based in Hartford, Connecticut, provided corporate cover for CIA officers operating abroad.

Daddario & Burns. [CIA partner]. Headed by former OSS officer Emilio Daddario, a Democratic Representative from Connecticut, the Hartford-based law firm provided services to the CIA.

DC Comics. [CIA partner]. Worked with the International Military Information Group (IMIG), a joint CIA/Pentagon unit at the State Department, to disseminate propaganda comic books, featuring Superman, Batman, and Wonder Woman, in Serbo-Croatian and Albanian, to youth in the Balkans during the military conflicts in that region.

Disney Corporation. [CIA partner]. CIA agents who were adept at creating front companies and shell corporations in Florida, worked closely with Disney in preparation for the construction of Disney World near Orlando, Florida. OSS veteran “Wild Bill” Donovan and CIA shell company expert Paul Helliwell helped create two fake Florida cities, Bay Lake and Lake Buena Vista, as well as a number of shell corporations, to keep secret the plans for Disney World. This kept land prices low because real estate speculators were unaware of the prospective value of the land in a desolate area of central Florida.

Emory School of Medicine. [CIA partner]. Located in Atlanta, Georgia. Involved in the CIA’s MK-ULTRA behavioral modification project.

Enron Corporation [CIA partner]. Houston-based firm that was used by the CIA to provide commercial cover for its agents around the world. There were at least 20 CIA employees on Enron’s payroll. Andre Le Gallo, a former official of the CIA’s Operations Directorate, went to work as a corporate intelligence officer for Enron.

Fair Play for Cuba Committee (FPCC). [CIA front]. Officially established by American Trotskyists, the group was penetrated by CIA operatives. The FPCC New Orleans office was a CIA front that provided cover for the anti-Fidel Castro activities of Lee Harvey Oswald, Clay Shaw, and David Ferrie, among others. The New Orleans FPCC office was located at 544 Camp Street and shared the same building entrance with Guy Banister Associates, Inc., a private detective agency, the address for which was 531 Lafayette Street and around the corner from 544 Camp Street.

In December 1963, after the assassination of President John F. Kennedy, the FPCC ceased all U.S. operations.

General Electric Company. [CIA partner]. Based in Fairfield, Connecticut, provided corporate cover for CIA officers operating abroad.

General Foods Corporation. [CIA partner]. Advertising account at CIA’s Robert Mullen Company handled by an active CIA employee.

Google, Inc. [CIA partner]. Developed as a result of a research grant by the CIA and Pentagon to Stanford University’s Department of Computer Science. The CIA referred to the research as the “google project.”

Greenberg Traurig. [CIA partner]. Washington, DC “connected” law firm.

Guy Banister Associates, Inc. [CIA partner]. New Orleans private detective agency headed by former FBI agent Guy Banister. The detective agency coordinated the activities of various anti-Castro Cuban groups in New Orleans, including Banister’s own Anti-Communist League of the Caribbean, as well as the Cuban Revolutionary Council, the Cuban Democratic Revolutionary Front, Friends of Democratic Cuba, and the Crusade to Free Cuba Committee.

Banister and Associates shared office space with the CIA’s New Orleans front, the Fair Play for Cuba Committee, headed by Lee Harvey Oswald.

Hale and Dorr. [CIA partner]. Boston-based law firm that provided cover for CIA’s Independence and Brown Foundations.

Halliburton. [CIA contractor]. Based in Houston, it is the world’s largest oil service company. Recipient of a number of CIA sole-source contracts for services worldwide.

Harper and Row, Inc. [CIA partner]. Manuscripts submitted to the New York publisher that dealt with intelligence matters, particularly CIA operations, were turned over to the CIA for censoring edits before publication.

Hewlett Packard Corporation. [CIA partner]. Sold computers to Iraq for Saddam Hussein’s missile program with the knowledge and approval of the CIA.

Hill & Knowlton. [CIA partner]. Public relations firm that teamed with the CIA on a number of operations. Hill & Knowlton’s numerous offices abroad provided cover for CIA agents. One known Hill & Knowlton office that was a CIA front operation was in Kuala Lumpur.

Kerr-McGee. [CIA partner]. Provided corporate cover for CIA officers operating overseas.

Kissinger Associates, Inc. [CIA partner]. New York-based international consulting firm founded by former Secretary of State and National Security Adviser Henry Kissinger. Former National Security Adviser Brent Scowcroft is a co-owner. The firm provided support to the CIA-linked American Ditchley Foundation and the Bilderberg Group. Much of the 1982 seed money for Kissinger Associates was provided by Goldman Sachs.

Knight Foundation. [CIA partner]. Also known as the John S. and James L. Knight Foundation. Based in Miami, the foundation provides funding for various CIA-connected media operations in the United States and around the world.

Kroll Inc. [CIA partner]. Founded in 1972 by Jules Kroll, who had links to both U.S. and Israeli intelligence. Based in Manhattan. French domestic law enforcement believed Kroll’s Paris office was a CIA front. Kroll handled the security for the World Trade Center after the 1993 terrorist bombing and continued to be responsible for security up to, during, and after the September 11, 2001 terrorist attack. Kroll employed former FBI assistant director for counter-terrorism John O’Neill, who died in the collapse of the World Trade Center.

Lincoln Savings and Loan. [CIA partner]. Based in Irvine, California and headed by notorious swindler Charles Keating, Jr., involved in laundering funds for the Iran-contra scandal.

Lone Star Cement Corporation. [CIA partner]. Based in Stamford, Connecticut and linked to the Bush family, provided corporate cover for CIA officers operating abroad. Involved in the Iran-contra scandal.

Mary Carter Paint Company. [CIA front]. A money-laundering operation for the CIA. Involved in casinos in the Bahamas.

Monsanto. [CIA partner]. The firm contracted with former CIA official Cofer Black’s Total Intelligence Solutions (TIS), a subsidiary of the CIA-connected Blackwater USA, later Xe Services, to monitor animal rights groups, anti-genetically modified (GM) food activists, and other groups opposed to Monsanto’s agri-business operations worldwide.

National Enquirer. [CIA partner]. The tabloid’s founder, Generoso (Gene) Pope, Jr., worked for the CIA’s psychological warfare unit and the agency’s Italy branch in 1950. In 1952, Pope acquired The New York Enquirer broadsheet and transformed it into a tabloid, renaming it The National Enquirer. This transformation bore the imprimatur of the CIA’s Operation MOCKINGBIRD media influence program.

Newsweek. [CIA partner]. Magazine reporters and stringers fed information to the CIA. Newsweek’s stringers in southeastern Europe and the Far East were CIA agents. When Newsweek was bought by The Washington Post Company in 1961, cooperation between the magazine and the CIA increased. It was a participant in the CIA’s Operation MOCKINGBIRD media influence program. Much of the staff of Newsweek was absorbed into a new online publication, The Daily Beast, which continues to disseminate CIA-influenced articles. See Washington Post.

Nieman Foundation. [CIA partner]. Located at Harvard University, the foundation awarded Nieman Fellowships, some on behalf of the CIA, for foreign journalists to study at Harvard. The journalists were subjected to CIA recruitment efforts prior to their returning to their home countries.

Pamela Martin & Associates. [CIA partner], Escort firm run by Deborah Jeane Palfrey, the so-called “DC Madam.” During her 2008 trial for mail fraud, Palfrey attempted to invoke the Classified Information Procedures Act in order to discuss her relationship with the CIA. The U.S. Court refused Palfrey’s request and she was convicted and later said to have committed suicide before her sentencing hearing in Washington, DC. One of her clients was Randall Tobias, the head of the CIA-connected USAID. Another was Louisiana Republican senator David Vitter.

Paris Review. [CIA front]. Literary magazine edited by George Plimpton. Published works by Jack Kerouac and Samuel Beckett. The magazine’s co-founder, Peter Matthiessen, relied on his affiliation with the magazine as his CIA cover.

Quaker Oats Company. [CIA partner]. Worked with the CIA and Atomic Energy Commission to place trace amounts of radiation in breakfast cereal served to boys at the Fernald School for the mentally retarded in Waltham, Massachusetts.

Radio Corporation of America. [CIA partner]. Provided corporate cover for CIA officers operating abroad, particularly in Iran, Philippines, Japan, and West Germany. Provided technical assistance to CIA-financed clandestine and propaganda radio stations worldwide, including Radio Free Europe. RCA founder David Sarnoff was a major supporter of CIA operations, including propaganda dissemination around the world. RCA chairman and chief executive officer Thornton F. Bradshaw was active in the operations of the CIA-linked American Ditchley Foundation.

Reily Coffee Company. [CIA partner]. Also known as William B. Reily Coffee Company and based in New Orleans, this company employed Lee Harvey Oswald and a number of other U.S. government employees, many of whom were suspected CIA officers.

Robert M. Mullen Company. [CIA proprietary]. A Washington, DC public relations firm, it was used as a front for CIA activities. E. Howard Hunt, the CIA agent, worked for Robert Mullen when he was arrested in the break-in of the Democratic National Committee headquarters at the Watergate Hotel in Washington in 1972. The Senate Watergate Committee reported that “the Mullen and Company has maintained a relationship with the Central Intelligence Agency since its incorporation in 1959. It provided covers for agents in Europe (Stockholm), Latin America (Mexico City), and the Far East (Singapore) at the time of the Watergate break-in.”

Rockefeller Foundation. [CIA partner]. Used by the CIA to direct scholarships and grants to the Third World and Eastern Europe. Rockefeller Foundation money was funneled to the American Committee for a United Europe (ACUE), created in 1948. The chairman of ACUE was OSS chief William J. Donovan and the vice chairman was Allen Dulles. One of ACUE’s board members was Walter Bedell Smith, the first CIA director.

Summa Corporation. [CIA partner]. Owned by Howard Hughes, Summa is believed to have skimmed gambling profits from the Sands, Desert Inn, Frontier, Silver Slipper, Castaways, and Landmark casinos in Las Vegas and Harold’s Club in Reno for the CIA and the Mafia. Provided financial cover for the CIA’s Glomar Explorer project.

Teneo Intelligence. [CIA partner]. Branch of Teneo Holdings, which is headquartered in New York. Teneo Holdings’s intelligence branch includes former CIA officials. Teneo is closely linked to former President Bill Clinton and Hillary Clinton. Teneo Intelligence has offices in New York, London, Rome, Brussels, Dubai, Bogota, New Delhi, and Tokyo.

Texas Commerce Bank (TCB). [CIA partner]. Houston-based bank founded by the family of James Baker III. Texas Commerce Bank was used to provide commercial cover for CIA agents. After serving as vice president for Texas Commerce Bank in Caracas from 1977 to 1979, Jeb Bush joined his father’s presidential campaign in 1980. Serving with Bush on the campaign was Robert Gambino, the CIA deputy director of security who gave Bush his orientation brief at Langley in 1977.

Kenneth Lay, the chairman of Enron, which had its own links to the CIA, served on the board of Texas Commerce Bank. Texas Commerce Bank was acquired by Chemical Bank in 1987.

The bank provided major loans to Howard Hughes’s Summa Corporation. See Summa Corporation.

United Fruit Company [CIA partner]. Involved in 1954 CIA overthrow of Jacobo Arbenz government in Guatemala. Published the Latin America Report, a publication that was a CIA front used for clandestine activities. The CIA transferred weapons to United Fruit employees in Guatemala who were involved in undermining the Arbenz government. The joint CIA-United Fruit plan was code named OPERATION FORTUNE. Company provided an airfield in Guatemala for the CIA’s training of Cuban exiles for the Bay of Pigs invasion of Cuba.

U.S. Rubber Company. [CIA partner]. Headquartered in Naugatuck, Connecticut and later called Uniroyal, provided corporate cover to CIA officers operating abroad. Included those operating under the cover of the Dominion Rubber Company of Canada, a subsidiary of U.S. Rubber Company.

U.S. Youth Council (USYC). [CIA front]. Founded in 1945 and based in New York. Some 90 percent of its funds came from the CIA. USYC received funding from the Foundation for Youth and Student Affairs (FYSA), a CIA front. The USYC was composed of American Youth Hostels, Camp Fire Girls, 4-H, American Unitarian Youth, National Catholic Welfare Conference, National Students Assembly, YMCA and YWCA.

Wackenhut. [CIA contractor]. Wackenhut, a Palm Beach Gardens, Florida-based security firm, stood accused of providing the CIA with specialized services around the world, including Chile, Greece, and El Salvador. Its Venezuelan branch, Wackenhut Venezolana, C.A., was accused in 2002 of involvement in the CIA’s coup against President Hugo Chavez. William Casey served as Wackenhut’s outside counsel before becoming CIA director in 1981.

Wackenhut eventually merged into the global security firm G4S.

Washington Post. [CIA partner]. The Washington Post was part of the CIA’s Operation MOCKINGBIRD, the agency’s media influence project. Post publisher Phil Graham was a close friend and associate of MOCKINGBIRD chief Frank Wisner, Sr. and CIA director Allen Dulles. Wisner assisted Graham in acquiring The Washington Times-Herald and WTOP radio, creating a sizable CIA-influenced media operation in the nation’s capital.

W. R. Grace. [CIA partner]. Provided corporate cover to CIA officers operating abroad, particularly in Latin America. Provided donations to CIA front foundations.

  • News story about Madsen's book via The Justice Integrity Project



  •           Support your local library        



    Special thanks to Sprague (CT) Public Library Director Chris Kolar, staffers and volunteers, who hosted a lively discussion on judicial and political corruption Sept. 22 ...

    Here is a 2014 interview with Kolar regarding her service and the library's renovation, via The Norwich Bulletin:






  • Kolar Q & A







  • Kolar said more than 80 library patrons and guests participated in the Sept. 22 event, which focused on patterns of suspects having their hooks into cops, judges and prosecutors.



    Cases cited via the books more COOL JUSTICE and
    Law and Justice in Everyday life included the hit-run death of Kevin Showalter in New London and the disappearance / homicide of Mary Badaracco in the northwest Connecticut town of Sherman. The group also discussed police and prosecutorial misconduct, the Bonnie Foreshaw case and the use of teams of private detectives to dig up dirt on cops, doctors, a prosecutor and children in the Woody Allen sex assault case.


    Best Intro Ever by a Librarian

    Kolar opened the evening with a few short videos:








  • Foreshaw case in 50 seconds
























  • What is more COOL JUSTICE?

















  • Also, the beginning of this video via Huffington Post:








  • Yale's Bogus Woody Allen report









  • Then, Kolar said, "Our guest speaker wandered in off the street tonight and needed someone to talk to ... "


  • Showalter case background



  • Badaracco case background


  • As I visit various libraries around the state, my appreciation grows for the service and capabilities of our hard-working librarians.

    -- AT






  • more COOL JUSTICE








  •           Early Beginnings         
    Perfumer's Garden - Mountain Path

    Do not mistake my lack of posting for lack of action. It's been quite the opposite - the most action-packed few months of my life. Here is what I've accomplished - to put your minds at ease and satisfy any curiosity that might have remained among those of you who haven't given up on SmellyBlog yet:

    - Designed, planned agonized over and built a new Perfume studio, Pilates studio - and renovated my old home) while making new friends with the builders and architects involved
    - Lived in a yurt for 4 months (November through March) while I was at it - and also found myself adopting a cat of all creatures (not intentional, but seems to work out)
    - Transitioned my daughter into a Hebrew-speaking high school for another two years of education
    - Moved from the yurt to the house
    - Adopted a rescued female Doberman (that was a dream come true)
    - Taught two Perfumery Courses back to back: Fougere and Orientals (while meeting with Dan Riegler - a Canadian- Israeli from Ontario who gifted me with the most incredible incense resins imaginable - more on that in a separate post
    - Became auntie to one more niece and nephew (that was quite effortless!)
    - Continue to try and establish my perfumery studio (and Pilates studio) in the new surroundings
    - Try my best to be with my grandma, who's 93 years young and had a heart event about a month ago. Every moment with her is so pure and precious.
    - Planning and beginning to plant my Perfumer's Botanical Garden, which is truly taking much of my time and is the main reason I haven't been blogging. The photo above is from the section of it that is on the mountain and is dedicated to fragrant Mediterranean plans and medicine herbs.

    I spend very little time around the computer (after months of wifi & electricity-free yurt life and bad battery in my laptop - old habits have been broken to little shreds and I only post quick updates via my phone on my Facebook, Instagram and Twitter accounts)
    Hopefully I've gotten to the point when I'm settled down to return to regular blogging - as demanding as life has been all these months, I know deep in my heart that it does do me good to write regularly. It's not just a fragrance/perfumery blog, but also functions as a personal journal to me.
              Keeping harmful algae blooms out of Cincinnati water        

    Greater Cincinnati's Water Technology Innovation Cluster Confluence is putting on a private summit Wednesday to address ways of keeping harmful algae blooms out of the local water supply.

    Just this August a toxic algal bloom in Lake Erie near the Toledo water intake prevented nearly 500,000 residents from getting their drinking water for three days.


              Yurt Life         
    We are moving into my mom's charming little yurt today!

    While waiting for our permanent home to be renovated (which, as it turns out, takes even longer than building a new home) - we've been living semi-nomadic life for close to four months now, about three of them in a yurt.

    Life in the yurt is different. There is no way around it (pun intended). For one thing, it provides a round space, that encompasses most of life's functions in one area: cooking, eating, reading, puzzling, snuggling, cat-feeding (an extra duty we've picked up on the way to freedom - not unlike an unwanted pregnancy that you just can't get herself to terminate), office work (whenever my MacBook Air has enough power to work for me - not to mention its battered battery now needs replacement, which turns out to be a HUGE ordeal in the land of milk and honey), Pilates practice, and even occasional entertaining (when it rains even my dear family avoids it like the plague). It's not truly all in one space, because it actually has an annex to the north, with the washroom (including a shower and a compost toilet - a killer combination for dirt and cleanliness), as well as a sleeping den which has beautiful greenery all around it, as it is built from old wooden windows.

    That beauty comes with the price of this space being as cold as the outdoors in the winter. In the summer this room is actually a lifesaver, because the yurt collects way too much heat, although it is much better insulated than the sleeping den - even when its skylight is open. We don't have an oven, but were able to pull together delicious and nourishing meals from the two-flamed gas stove, and have even prepared some raw treats for our daily tea parties. To be perfectly frank - mostly, we've been lazy and buying baklava and cookies whenever we are in the vicinity of a bakery - so I am now in the know of where to get good baked goods. I'm sure this knowledge will come in handy in the not so far future, even after we're back to our productive baking life. When it comes to baking, it's always good to have a good back-up plan.

    Of course, that did not stop us from being experimental in the kitchen, trying new ingredients such as nigella seed spread and authentic freekeh, which is an amazing way of preparing green wheatberries by burning them off the wheat chaff. The result is a smoky, nutty grain that is delicious and easy to cook (and digest) and really gives unmistakable character to dishes (the one I bought in Canada was actually stale wheat dyed green). More on that in another post!

    To sum it up - living in a yurt is "an experience". Just like camping is an experience. In camping terms this is a five star facility. I'm sure with its running water and gas-operated refrigerator it is also considered a luxury in comparison to straw huts in Africa or yurts in the Mongolian steppes. You get the picture. It's an experience. And we're three months into it and can't wait to experience something else.

    To lift the edge off the nervous anticipation for proper housing, I've decided to compile a little list of fragrances (both mundane and wearable) that will let you into this experience, even if just a little... This compilation is a random array of fragrance fit for yurt life, even though I imagine most people who choose to live in this humble abode would rather dab some animal fat and cooked cabbage juice behind their ear than any designer's fragrance. Nevertheless, I find the task amusing, and I hope it will make for a fun read.

    We are moving into my mom's charming little yurt today! Here is a view of the inside.

    I also hope that my mom does not get hurt because apparently in our parts of the world, patience ("Savlanut") is considered a virtue (which very few uphold), and also belongs grammatical to the same root as the word suffering ("Sevel"). And in this part of the world, stating the facts is considered complaining... I'm sure those who choose to live in a yurt or even just stay in it for a short amount of time will thoroughly enjoy it - it is cute, rustic, pretty, calm and completely in tune with nature. You get to experience all the elements - fire (sun), air (wind), water (we have running water, and thankfully also very little of water leakage despite its very temporary feel); and last but not least - you can't get any closer to earth than this. It is a very, very earthy dwelling and you really feel Mother earth's belly as you tickle it with your slippers walking to and fro. Last but not least: nothing compares to coming out of the yurt at night and seeing the clear black skies dotted with bright stars.

    Muscs Kublai Khan - for the obvious body odour effect - musk-enhanced unwashed hair and sweaty armpits with hints of rose and aldehydes.

    Kiehl's Fig Leaf & Sage - milky herbacous weirdness. It's unusual yet very easy to wear and has a freshness without being boring. It also goes well with the cucumber and parsley scented products we currently have in the house - hand wash, shampoo and conditioner. Something green and clear-smelling yet non pretentious.

    Aromatics Elixir - an earthy, big sage scent that is sophisticated yet at the same time rustic enough to wear in the wilderness. Especially grateful for it on cold wintry days.

    Arabie - the spice market, sweat and dusty cobblestones - and all the spices I have in storage (and don't have in my kitchen) kvetched into one bottle. Awesome.

    Coco Noir - the opposite of yurt life: polished, elegant, artificial and urban. Jasmine, berries and plums, rose, patchouli, musk and vetiver with a a dusting of cocoa.

    Poivre Samarkand - because I heard that there are also yurts in Samarkand (Uzbekistan). Can't find any perfume inspired by Mongolia (which is where the yurts supposedly originate). Besides, it's a perfect sprinkle of heat on those chilly nights when the shower runs only boiling water or ice cold ones, and when you step out of the shower it's the same temperatures as outside (not as extreme as in Canada, but 5-11c is cold enough to feel like real winter).

    Musc Nomade (Annick Goutal) - I'm picking this one because of the name alone. I remember smelling it very vaguely and that is was vegetal and delicate... Admittedly I'm also too lazy to go digging in my shipping container now and find the little box where I "filed" all my music samples but I'm pretty sure I've only tried it once when I was in Paris.

    Tam Dao - if you've ever encountered compost toilet, you know that it's the human equivalent of hamster cage. pine or cedar shavings are used to cover up the mess, and the result is a more subdued version of human waste, that eventually turns into a nice scent of the forest floor. Anyway, this explanation made me think of Tam Dao, which is a fine sandalwood and cedar fragrance and also has some clean smelling musks underneath, to make you forget all the other business.

    Tea for Two - We've been enjoying my limited selection of teas that I make a point of finishing off. True to form, we've been brewing lots of chai, which I've been already giving you plenty of recipes for... And of course Hulnejan - the wonderful root brew of galangal, dried ginger and cassia bark.
    Zangvil also reminds me of this "witch brew" with its notes of fresh and dried ginger, honey, amber, jasmine and ginger lily.

    Finjan - we've been drinking lots of espresso on the stove top mocha machine, and lots of Arabic/Druze/Turkish coffee (each nationality claims it as their own - but essentially this is very dark roasted coffee with cardamom that is brewed on the stove). The latter is well represented in the perfuem I created titled Finjan (the name of the little porcelain "shot" cups that you sip the coffee from; mistakenly, most Israelis refer to the little pot used to brew it as "finjan" - but its real name is "Ralai").

    Mastic - Whenever it rains or gets really chilly, the mastica bushes and wild ivy behind the yurt release their fresh, green-balsamic scent. Grin's smell encompasses this verdant freshness with its notes of galbanum, violet, oakmoss and a classic floral bouquet.

    Geranium and Wild Oranges - My citrus orchard was overcome by wild orange shoots, and I've really let it go. We finally pruned the orchard this fall, which mean an overwhelming amount of wild oranges that had to be put into use somehow. The result? An orange cello with a touch of herbs from the yurt's garden, among them rose geranium. One sip of this liquor is enough to uplift the spirits.





              Location, location, location...         
    Medieval Citadel
    view from one of the trails within the village, overlooking the medieval fort in the nearby kibbutz Yehiam (it's about an hour hike from the studio)
    As of Spring 2017, our courses will take place at Ayala Moriel's new studio in Clil, Israel. This charming little organic village is situated in one of the country's most fascinating regions, the Western Galilee, and is overlooking the Mediterranean sea (gorgeous beaches are only 20min drive), Haifa Bay and Mount Carmel. Clil provides a unique experience for students who choose to stay here* - I'd describe it as a 180 from Vancouver, for better or for worse. Here are a few details so you can get the picture (and photos from different seasons too!).
    This off-the-grid village is solar-powered and has small population of under 1000 people, who live in custom-built homes and semi-temporary dwellings (yurts, teepees, modified train cars and shipping containers, etc.) that are scattered among ancient olive groves and wild bush and Mediterranean garrigue (comprising of carobs, oaks, pistachia and thorny bushes). Despite its size, the village is a community bustling with life and culture: our neighbours are the village's cafe (inside a tent) that is opened Thursday-Saturday and hosts live concerts, and there. A large percentage of the population are alternative healers (we're just across the "street" from an integrated holistic clinic offering massage, acupuncture, ayurvedic treatments, and more) as well as creative artists, who have their ateliers in the village - and some would also be happy to show you around - painters, sculptors, potters, glass artists, silversmiths and goldsmiths, basket weavers, etc. 
    Dusty pastoralia #clil
    Clil in summer: View of the village from the mountain behind my house.
    Amenities:ʉ۬
    There is a bakery that is opened twice a week (Sunday and Thursday) and offers Pizza Nights on Tuesdays. On all other days, fresh sourdough breads by other artisanal bakeries can be pre-ordered by phone, or purchased at the local Organic Garden (which tops off their own produce with other fruit and vegetables and organic goodies produced in the village and by nearby artisans). Also less relevant but sometimes handy are the village's book exchange and clothing exchange, which is open 24/7 and is completely free (take what you want and leave what you no longer use - it can come handy if you forgot to bring a hoodie or a book to read). There are three restaurants in the village - Smadar b'Clil, Cafe Clil and Chef Hagit Lidror's Vegan & Vegetarian kitchen (she will be providing most to the catering to our courses, by the way) - which also makes healthy smoothies and mouthwatering raw chocolate treats (she also teaches raw chocolate making workshops!).
    Made in Clil
    The "shop local" sign, where you can find various things made in the village. It's located right next to Cafe Clil (which is our next-door neighbours to the east)
    Accommodations within the village include one boutique hotel, one guest house (India-style "hostel" on the second level of one of our neighbours) and countless cute cabins for short-term rent - some also offering breakfast as part of the service. Sublets among the village's inhabitants are often listed and could be arranged if booked enough in advance, and also near Cafe Clil there is a small campsite for those who enjoy a fully rustic experience, as well as Meshiv Nefesh - the centre for meditation, which also has plenty of camping space around it for individuals and groups. If you choose to stay outside of the village - we are only 20-30min drive (depending on traffic) from lovely towns that offer also many wonderful attractions to visitors - i.e. Acre and Nahariya. 
    In short - there are plenty of places to explore and people to meet in Clil, so I'm sure you will enjoy your visit and find things to do and discover outside of the classroom. 
    Olives and Donkeys
    Ancient olive grove in winter, at the centre of the village. Near it there is now an organic garden and grocery store
    Attractions:
    You can enjoy the many hiking trails in the village all on your own (including one in Wadi Yehiam leading to the medieval citadel in Kibbutz Yehiam) - or hire the local tour guide who knows the place from the day he was born (happens to also be my brother!). There are also trail rides on horses. Thursday evenings there is a little market in the village's playground, weather permitting. And watch out for the live music at the cafe - where you can listen to up and coming artists and even already famous ones, in a very intimate setting (and the artists is usually kept as a surprise till the last minute, to prevent over crowding of the venue). The beaches nearby (only 20 minutes drive) also offer year-around conditions for swimming, surfing, SUP, and sea kayaking.
    Clil is not only a place where people live differently, but also offers an alternative culture for visitors who seek to take a break from the fast-paced modern lifestyle. It's no ordinary rural place - it is bustling with music, culinary innovations, art, healing and meditations workshops and alternative medicine gatherings, and a place where one can engage and interact with artists and artisans that live here. In short - it seemed like the perfect place to return to and continue my artisan perfumery work - and create a sanctuary for this art.
    * You don't have to stay within the village - there are also plenty of interesting places around to stay in, such as Akre and Nahariya - but keep in mind that in that case vehicle is a must as public transit in and out of the village only comes twice a day, very early and very late. 


              Coco Noir        
    Coco Noir

    Sometimes we get attached to perfumes because they speak to us. Other times, it is pure coincidence that creates an imprint on our minds and adds meaning to the scent that we would have otherwise not found in it.

    These past few months I've been wearing copious amounts of Coco Noir. I've received the parfum extrait from a friend as a goodbye gift, and somehow it did not seem right to stuff it on the shipping container. Probably because I was too curious about it. At the same time I was too scared to open it, because starting a new perfume at a time of great change can create too strong of an impression - and I knew that there are many challenges ahead of me. I definitely did not want to open it at the time of our departure - I was an emotional mess, after three months of intensive packing and very little sleep... So I waited for a while for the dust of traveling to settle, and opened it about a week or two after arriving in Israel. It was a time of terrible weather (weeks and weeks on end of dry desert wind and over-the-top temperatures) not to mention - great emotional turmoil and immigrant adventures - and we are still in the midst of it, but I have enough levelheadedness now to reflect a bit, as things are finally starting to fall into place: my daughter will start school on Sunday, our home renovations are about halfway through, and my mental state allows me to pass entire days without crying (but still happens about once a week, because I end up hitting a brick wall of some sort at least in that frequency).

    Coco Noir is a modern "dark" concoction, which means that instead of oily aldehydes and animalic base, it has clean florally laced with white musks and underlying notes of vetiver and patchouli. It isn't exactly a fruitchouli, but it borders on that territory, with a clean ambreine accord (not unlike Prada Ambre Intense Pour Homme) - which means it has vanillin, patchouli and bergamot galore in it. However, there is also a spicy cacao accord (or perhaps it's just an illusion of that - created by the spicy cloves notes alongside the benzoin, vanillin and coumarin) which is quite prominent, which reminds me of Notorious - only that it continues much better in my opinion (it does not have as much musk, which in Notorious gives me a piercing feeling through my nostrils). It gradually softens and develops around the heart of jasmine and rose, and leads smoothly to the end: Dryout is a mellow, powdery confection, with hints of heliotrope (not unlike La Petite Robe Noire - but with non of the saccharine qualities of the latter).

    Coco Noir is more accessible, in my opinion, than Coco is. I love the original, even though I do not own it. It has a big persona and feels over-the-top for daily wear. I would only imagine wearing it when I'm all dressed up for a very sepcial event in the middle of winter. Instead, it provides with a very modern comfort in my overtly rustic living arrangement (which is only temporary, sort of...). It's a scent that inevitably will conjure up scent memories from this time of re-settling in my home village: having this sleek, elegant, opaque black glass square bottle around reminds me of my urban side and that I'm not going to be forever wading in mud to and from the yurt, and struggling with every little aspect of life. There is still place for elegance and luxury in my life even in this off the grid spot in between two major life periods.

    Another great reminder of this truth: whenever I stick my nose inside my shipping container, which smells still like my very fragrant home studio in Vancouver. My friend chose this fragrance because it reminded him of how my perfume smelled. I think I now get what he's talking about: it's very much like this "smell of everything, all at once" that you get from my workspace: dried coumarinic herbs (liatrix, tonka), vetiver roots, patchouli, countless flowers, herb oils and spices... All mingled with woodsy oils and the scent of antique furniture.

    I'm grateful for having this point of view portrayed to me via a bottle of fragrance chosen for me.

    Top notes: Cedarwood, Bergamot, Orange, Grapefruit
    Heart notes: Rose, Jasmine, Narcissus, Geranium, Peach, Carnation, Cloves
    Base notes: Patchouli, Vetiver, Sandalwood, Benzoin, Frankincense, Musk, Vanilla, Heliotropin, Tonka
              Wrapping Up 2016 & Welcoming 2017         
    Window to the Mediterranean

    Thank you for a powerful year 2016, and for being part of my perfume world!

    This was a remarkable year for me - both personally and professionally:

    • Completed Perfume4aPlace - a collection of perfumes inspired by my favourite places in Vancouver, including Komorebi, Sunset BeachLost Lagoon and Coal Harbour.
       
    • Launched a new website - which I hope makes your online experience much more enjoyable. The new website is much more user friendly on any device you choose to browse on; and enables you to add product reviews, read and search all of my blog posts, and also helps me to manage orders and customers profiles in a much more efficient way.
       
    • Taught more students than ever who entered my Perfume School and partake in no less than five the in-studio Foundation of Natural Perfumery courses, as well as enrol in the new correspondence program.
       
    • Last but not least: I finally took the plunge and moved my entire life - and studio - overseas to a scenic Mediterranean off-the-grid village of Clil - a small community that is eco-conscious, solar-powered and bursting with creativity and social life. I am now surrounded by my family, childhood friends and teachers - in the same place where I grew up. It's a 180 switch, and been quite a roller coaster, but I hope that the coming year will prove it to be the right decision.   I'm still living in a yurt and am in full-blast renovation mode, but fulfilling orders as usual out of a suitcase, and developing a growing appreciation for non-nomadic lifestyle. 
    In the coming year, once my home and studio are ready, I will plant a perfumer's botanical garden on the land surrounding it, incorporating the wildlife in this little fragrant paradise and I hope to get into micro-rpdocution of distillation and extraction of these locally grown plants. At least a hundred fragrant plants can grow here and provide a live demonstration for where our natural perfumes can come from.
    I also am anticipating for courses and classes to commence in the spring of 2017. In the meantime, there is my book and correspondence courses (Citrus is out already, and Fougère is not that far from being released as well) to keep my students busy!  

    Other than that, my online boutique is open as usual (from the above mentioned, resourceful suitcase, and now also the occasional plunge into the container that arrived more-or-less safely), and I'm offering FREE SHIPPING on most orders* until January 7th, to welcome the New Year 2017! 

    Many blessings for 2017 - may it be a year of connectedness, healing, peace and abundance! 

    Ayala

    P.s. The above photo is view of Mediterranean lagoons from the seawall of the ancient city of Acre (we pronounce it Akko). Isn't it beautiful? 

    * Free shipping does not include orders of individual samples (if you order 4 samples or less, shipping fees will apply). 

              Medicines for the Soul        
    Christmas in Nazareth

    On Christmas Eve my brother invited us to go with him on an urban evening stroll in Nazareth, to experience the holiday at the historic birthplace of Christianity. My brother is a tour-guide, so it's always an experience to go for walks with him. He always knows about more than what meets the eye, and has connections with people where we visit that makes every trip with him, even to familiar places, a different experience.

    Our experience started on a rather stressful note, being stuck in traffic in a very narrow, one-way downhill street that would make San Francisco's terrain look rather friendly. There was no traffic control despite very heavy flow of visitors to watch the festivities. We were stuck in what should have been a two minute drive for 45 minutes. When we finally found a 3/4 parking spot between a dumpster and another truck and got out, it was drizzling and cold, as it should be in midwinter in the Galilee.

    The large square in front of the Church of the Annunciation was festive with an enormous tree-like construction with many lights and a big glowing red star on top and next to it the customary nativity scene. Many people around were wearing Santa Claus hats, blowing little annoying-sounding horns; but thankfully above it all was a recording of Fairuz singing Christmas songs. Christmas in the Middle East is certainly very different than anywhere else in the Northern Hemisphere.

    I don't recall ever visiting in Nazareth, even though our family has special ties with the city. My mom's midwife, a Christian-Arab from the neighbouring village of Kfar Yasif is originally from Nazareth. Both our families have five children each (aside from me, my mom has four boys, and her midwife has five daughters). We are all in more or less the same ages. If it weren't for the strange political climate of this country, they'd all be married to each other by now...

    Safdi's in Nazareth
    Aside from the religious spots (Nazareth's spring, bath house and historic city centre, Mary's Well and its Church, AKA Greek Orthodox Church of the Annunciation, and the Roman Catholic Basiclia of the Anunnciation (كنيسة البشار  in Arabic בזיליקת הבשורה / כנסיית הבשורה) - we also went into the old souk (market) of Nazareth, which is sadly mostly dormant due to modernization. Very few people have the desire or time to find parking in narrow alleyways that were built thousand years ago and wander between merchants to compare prices and negotiate bargains. It's much easier to go to the mall and pay with plastic cards all in one place, and cart your goods to the car underground. It was very sad to see so many stores closed, behind them are beautiful old shops with arched ceilings. Some of the old apartment buildings - although mostly neglected - were used to be effendi's homes, and their ceilings are made of Cedar of Lebanon, and hand-painted by a Lebanese artist from the time of the Ottoman empire. It's a lost world, and only recently some brave entrepreneurs have taken the initiative to renovate such places and open boutique hotels, hostels and cultural centres in the ancient cities of the country. There was also a little shop in the entrance to the empty souk, full of beautiful local craftsmanship. I hope to see more such things develop.

    Meicines for the Soul
    Once we reached the part of the souk that was still alive, I bought a cupful of coal-roasted chestnuts, reminiscing the cold foggy nights in Vancouver when we'd buy them from Yve's Chestnuts and warm our frozen mittens with their starchy, caramel-scented comfort. At the bottom of the hill there were some of the country's best Halawiyat (Arabic patisseries), where one should stop by for kunafeh - even if they don't have time or room in their stomach. But we were in a group with a different agenda than enjoying life on the stop - and instead continued on to Ziad Safdi's grocery store, which is really more of a magical old-fashioned herb and spice shop, that contains many folk remedies for all kinds of physical ailments, a collection of essential oils from local plants that is distilled in Nablus; speculates such as mastic gum, and mastic-flavoured chewing gum; and last but not least - assortment of medicines for the soul in the form of incense (pictured above) to be burned in special clay pots. You could find there anything from frankincense and myrrh to colourful and sparkling blends typically burned in churches.

    Fine Nazarethi Baclava
    As we continued on, we stumbled upon other interesting merchants, such as this man who brews coffee in a special pot decorated with olive branches and misbaha (prayer beads) that has hot charcoal in a pipe in the middle, and sends impressive steam to the air. We continued to El Babour Mill - Nazareth original steam-powered miller (the name is a mispronunciation of the English word "vapour") -  now more of a live museum for old mills, sieves and pieces of history from the family that keeps this tradition - and a spice and candy shop. I bought there a jar of black-coloured nigella spread, and green frikeh (charred green wheat berries). The tour ended there and once everyone spread to all four direction of the winds, my brother, daughter and I stopped at a more humble bakey and bought some spinach-filled sambusac, date-filled sesame balls, and karakish - savoury cookies that look like hard flatbreads studded with fragrant seeds of sesame and fennel.
    Charcoal Coffee


              2016-09-02 16:00:00 - 2016-09-07 22:00:00 / Berlin Celebrates IFA        
      BERLIN CELEBRATES IFA - Die Trendshow am KurfürstendammDie Veranstaltung bietet Trends und Innovationen hautnah und interaktiv, umrahmt von einem abwechslungsreichen Bühnenprogramm mit internationalen, nationalen und regionalen Akteuren.Das aktuelle Programm und weitere Informationen finden Sie unter: www.celebrate-ifa.comAblauf:Eröffnung: Freitag, 02.09.2016, 16:00 Uhr auf ...

              Review Praventac and AG Factor        
    Salam...


    Setiap kali bukak blog mesti rasa bersalah dengan diri sendiri sebab tak konsisten. Hahahah~ nak kata sibuk ya amat tu, sikitlah... boleh terima tak alasan tu selain mim alif lam sin?


    Ala... nak ngadu sikit.. lately muka wanie teruk sangat sangat sangat. Muka berminyak yang homaigadddd... oil blotting yang warna biru clean and clear tu memang wajib dalam handbag tau. Sekali lap muka, wajib pakai 2 keping minimum... bila muka berminyak teruk sangat jangan ditanya lah mengundang ape kat muka kan... bukan setakat jerawat, open pores besar nau nau, blackhead, whitehead, jerawat batu pun ada tau... (nangissssssssss) Walaupun dah try guna organic products untuk muka ni, still tak membantu. Kalau product kecantikan kita guna yang dah elok, tapi still tak work, itu confirmlah masalah dalaman kan?


    Hari tu tengah scroll scroll kat Facebook, jumpa 1 page ni. Jodoh kot.. hahahah, tetiba terasa tertarik nak bukak website dia. Korang pernah dengar tak Praventac? Ha... click lah link tu kalau korang pun tak tau macam wanie.. Hikhik... Kalau korang nak tau, wanie memang jenis yang susahhhhhh sangat nak makan atau ambik supplements ni. Penyakit biasa, M-A-L-A-S ... Hahaha! Tapi, sebab muka dah makin teruk, wanie rasa takpe lah. Give it a shot! Errr... mahal jugak bagi wanie supplement ni. Wanie ambik yang combo, Praventac + AG Factor = RM 424 (RM 24 tu GST ye... pffttt) Wanie walk in je ke office diorang dekat The Gardens sebelah Midvalley tu.


    Ok,.. time beli tu, the lady told me NOT TO USE ANY CREAM-BASED MOISTURIZER. Bagi wanie, not a big deal sebab wanie gunakan Adania Luxurious Organic Oil . So, setiap malam sebelum tidur wanie akan ambil 2 biji Praventac dan 2 biji AG Factor. Menurut dari website Praventac tu sendiri, Praventac ni berfungsi :


    While AG Factor claimed that it:

    1. Assists in fighting the bad bacteria 
    2. Reducing the secretion of oil 
    3. Reducing the redness from inflammation 
    4. Helping to repair the damaged cells caused by blemishes

    Taken from : http://www.praventac.com/home/learn.php#hormonal-acne
    AG Factor ni bagi wanie lebih kepada "booster" kepada Praventac, untuk double the action rasanya... hehehehe..


    So harini dah genap 18 hari wanie consume Praventac + AG Factor. Apa yang wanie boleh conclude kan adalah :

    Hari 1-3 : Tiada perubahan
    Hari 4-7 : Oily face slightly reduce. Jerawat batu yang dah berbulan tak naik mata, dah start masak dan keluar air bisa
    Hari 8 sampai sekarang : Berperang jugak ni. Jerawat-jerawat pasir + jerawat nasik mula naik. The lady told me not to be afraid sebab this is normal sebab nak keluarkan yang mana terpendam / malu-malu nak keluar sebelum ni. Yang best, jerawat batu i olz dah tinggal seketul je ni kat pipi... geng-geng dia semua dah cabut lari.. hahahah


    All in all, wanie plan nak teruskan dengan Praventac + AG Factor ni for another 2 month. Seronok gaisss... kalau awal dulu, wajib kena wipe muka dengan oil blotter tu, sekarang ni kalau tak cuci muka 2 hari pun takde hal lah. The face still moisturize tapi tak oily!


    Berapa rate nak bagi ni?


    Wanie nak bagi rate macam ni untuk sepanjang 18 hari wanie guna ye :

    1.  Menghilangkan minyak muka : 5/5
    2.  Menghilangkan jerawat nasi : 3/5 (jerawat kering)
    3.  Menghilangkan jerawat batu : 4/5 (suka sangattttttt)
    4.  Menghilangkan parut : 0/5 (yes.. takde perubahan ape lagi. Takpe... biar dia keluar settle dulu segala alien kat muka ni, then kita tengok macam mana pulak ye...)

    BONUS! Ye ade bonus koranggggg yang wanie sendiri pun tak expect!

    HAIRFALL REDUCE!!! 

    Awesome kan! Wanie rasa make sense - sebab ape? Dulu wanie selalu pegi saloon, siap buat scalp scanning. Boleh nampak setiap rongga rambut tu clog dengan minyak, the hairdresser tu bagitau wanie sebab clog dengan minyak, rambut macam tak boleh nak bernafas which lead to the akar jadi tak kuat dan rambut pun gugur. Nak harap shampoo je pun, tak boleh.. memang kena treat dari dalam.


    p/s : Bertabahlah la sikit tiap-tiap bulan kan.. 400 hengget kauuuuuuuu.. hopefully adalah perubahan sebelum sampai e-day kite raya haji ni, Insyaallah... hikhikhik

    p/s 2 : Jangan minta upload gambar. Malu titewww.. insyaallah, wanie akan upload lepas habis healing crisis ni so korang boleh spot the difference senang sikit
              ECO-IMPERIALISMO, HIDROELÉCTRICAS, MENTIRAS Y VERDADES        
    Esta mañana me encontré este artículo en el muro de un amigo http://www.theecologist.org/News/news_analysis/2705631/el_quimbo_colombia_enelendesas_low_carbon_hydroelectric_racket.html. El artículo por un imperialismo ecológico critica el imperialismo económico, pero su crítica, aunque razonable en algunos puntos, no deja de tener el trasfondo errado de muchos ecologistas: ¡imponer condiciones a los países subdesarrollados para que los ecologistas de los desarrollados sigan contaminando en paz! Pero lo irónico es que The ecologist critica una de las fuentes de generación de energía renovable más bonitas, eficientes y que puede darle a la gente que vive en ese territorio que llaman Colombia fuentes de riqueza. Además, la crítica se hace de manera ligera pasando por alto las consideraciones del International Panel on Climate Change acerca de sus ventajas.  En el punto que acierta es precisamente en los abusos del estado sobre las comunidades, donde vale la pena resaltar que el aprovechamiento del potencial hidroeléctrico no da derecho a expropiar, en favor del que sea. 

    Este escrito consta de varias partes. El primero es que hay una confusión entre inversión extranjera y concesión de monopolios extranjeros, donde los ecologistas aciertan. Y para la aclaración cito a un a un profesor de la Universidad de New York, a Murray Rothbard. Luego, muestro que tras el ecologismo hay también imperialismo, pero uno que suele gustarle a ciertas izquierdas, uno que impone condiciones insoportables a los países pobres, para que los ecologistas nórdicos no tengan cargos de conciencia por prender la calefacción, dado que en las zonas tropicales hay selvas que se beneficiarán de su cariño al planeta. En ella explico que hay una falacia en cuanto a la consideración que hace el artículo de las hidroeléctricas, incluso basándome en el IPCC. Posteriormente, se muestra que las hidroeléctricas además de ser tecnologías que producen energía eficiente sin emisiones de CO2 (no se discute acá el tema de si el cambio climático es originado o no por el hombre) es una oportunidad de ofrecer energía barata. El precio de la energía se relaciona con el crecimiento económico, inclusive una disminución de la demanda de energía puede ser un indicio previo a una crisis económica. La energía eléctrica es clave en la industria y una energía más barata puede disminuir costos. Finalmente, ante un planteamiento del artículo que menciona las pérdidas de energía en transmisión y distribución (o sea los cables que llevan la energía de la planta a su casa) que denuncian a que se deben ¿a las leyes de la física? ¿a viabilidad técnica pero no económica? ¿a ineficiencia? Esto porque consideraban que era más importante disminuir las pérdidas que construir hidroeléctricas. Hasta cierto punto, por física, las pérdidas en transmisión son inevitables, no sé cuál sea el punto. Pero eso no es una excusa para no mejorar la oferta. 

    IMPERIALISMO ECONÓMICO Y MONOPOLIO ESTATAL
    El imperialismo ecológico es una realidad. Sin embargo, muchos partidos de izquierda al ser ecologistas están convencidos de que no es imperialismo. Ya Hayek denunciaba que existía una imposición de países ricos y contaminados que obligaban a países pobres y selváticos a generar amplias áreas protegidas. Esto genera como dice don Alpiniano en El Tomismo Desdeñado unos beneficios a unas personas que no les corresponden, imponiendo cargas a otros que no las merecen. Sin embargo, luego de que en estos países -como Colombia- nadie puede hacer nada, ni tiene cómo adquirir recursos para explotar sus ventajas ahí sí llegan empresas extranjeras que, haciendo convenios con el gobierno, adquieren los beneficios que los nacionales no han tenido. 

    Hace Murray Rothbard, citado por el instituto Mises Hispano una distinción importante entre la sana inversión extranjera y la alianza de empresas ricas con gobiernos ineptos pobres:

    "Los conservadores norteamericanos insisten en particular en resaltar ante los países retrasados las grandes posibilidades y la importancia de las inversiones privadas procedentes de los países avanzados, y les incitan a crear un clima favorable a las mismas, de modo que no se vean sujetas al instigamiento de los gobernantes. Todo ello es muy cierto, pero, una vez más, a menudo es irreal, dada la situación de estos países. Estos conservadores caen persistentemente en el error de no saber distinguir entre las inversiones exteriores legítimas del mercado libre y las basadas en concesiones monopolistas y en donaciones de vastas extensiones de tierras otorgadas por los Estados subdesarrollados. En la medida en que las inversiones exteriores se basan en monopolios y en agresiones contra el campesinado, en esa misma medida adquiere el capitalismo extranjero las características de los señores feudales y debe ser combatido con los mismos medios"

    En este sentido, estoy de acuerdo con el artículo -y en contra del imperialismo económico- en que el estado confunde inversión extranjera con monopolio extranjero. Y el monopolio es desagradable venga de donde venga, sea el monopolio estatal tan "nacional", como cualquier otro. Por eso, cuando Robledo, senador del Polo, defendía a los arroceros por la imposición ridícula de tener que comprar nuevas semillas estaba promoviendo algo anarcocapitalista y liberal, aunque con argumentos de izquierda. 

    Lo mismo pasa en este caso, si se trata de una inversión privada ¿por qué el estado entra y desaloja campesinos? ¿Por qué expropia? Y por más que la ley diga que la expropiación requiere una indemnización al precio del avalúo comercial, ¿es el avalúo comercial el precio de venta? Hombre, no estoy en momento de calcular las rentas campesinas vs las rentas hidroeléctricas, pero sospecho que las rentas hidroeléctricas son más altas. Ahora, si el campesino no quiere vender al precio que dice el avaluador ¿por qué le quita el estado su tierra bajo la excusa del "bien común" para las rentas particulares? No creo que si la transacción se diera en condiciones de libre mercado los campesinos salieran a protestar. Hay alrededor de un millón de kilómetros de líneas de transmisión eléctrica, y si uno viaja por carretera suele ver vacas o sembrados alrededor. ¿Por qué esos campesinos no protestan? Porque 1. esos terrenos no son expropiados sino que cuentan con servidumbres de paso, 2. Se suelen hacer arreglos de mercado. Hombre, hay casos de casos, pero en general no se ve un descontento generalizado. 

    Pero, no, la herramienta de la expropiación es el arma para el bien común, como en Venezuela que hay mucho "bien común", siendo tan paradisiado que prefieren venirse para Colombia. La expropiación existe pero tiene sus límites. En todo caso, sin estado Â¿quién expropiaría para que se hicieran las vías? 

    IMPERIALISMO ECOLÓGICO

    Sin embargo, las razones ecológicas que plantean para oponerse a las hidroeléctricas son más bien pobres. En primer lugar, las consideran también causa del calentamiento global. ¿Cómo? No quiero citar el artículo porque me da pereza pero la idea se resume en 1. cortan bosques tropicales que recogen el CO2, 2. son fuentes de Metano. Hombre ¿cómo un artículo que cita el Panel Intergubernamental sobre el Cambio Climático para defender a los campesinos y el agro sale a decir que son más contaminantes? En primer lugar, si uno revisa lo que dice el IPCC en materia de energía hidoeléctrica (sacaron un documento sobre energías alternativas) su resumen -de la IPCC- arranca así: "Hydropower offers significant potential for carbon emissions reductions" http://www.ipcc.ch/pdf/special-reports/srren/Chapter%205%20Hydropower.pdf. Creo que en ese punto "The ecologist" se equivoca. 

    Por otro lado argumenta que las represas (reservoirs) son fuentes de Metano. La verdad, lo que dicen los científicos climáticos es que si bien el metano CH4 es un gas efecto invernadero, su absorción es más rápida que el CO2, una diferencia que va desde unas décadas en el metano, hasta miles de años para el dióxido de carbono. Además, de acuerdo con la siguiente imagen que proviene del último reporte del IPCC parte del CO2 proviene del uso de la tierra http://www.slideshare.net/fullscreen/IPCCGeneva/fifth-assessment-report-synthesis-report/11:
    Francamente, si queremos disminuir TODAS las emisiones humanas de CO2 hay que empezar por dejar de respirar. ¿Y todas las artificiales? Dudo que la energía que utiliza "The ecologist" sea propiamente energía que no emita CO2 -bueno, puede ser nuclear que no les gusta tampoco- pero no es de las "terribles" hidroeléctricas. 

    ¿Qué otra razón puede tener "The ecologist"? ¿Proteger los bosques de los países subdesarrollados? ¿Para qué? ¿Para que haya bosques que puedan chuparse el CO2 que producen sus plantas a carbón, gas, petróleo, etc. a costa de energía más costosa, menor productividad, entre otras, en nuestros países? ¿Para que ellos puedan seguir subsidiando sus industrias a cambio de que las nuestras no puedan competir en sus mercados por el costo de la energía?

    DEFENDIENDO LAS HIDROELÉCTRICAS

    LAGO CALIMA
    Lago Calima.
    Uno de los embalses en Colombia.
    En un apartado anterior cuestioné el manejo del monopolio estatal con la empresa. El estado es una asociación de políticos corruptos con empresarios ineficientes. Pero tanto la oportunidad a nivel de recursos hídricos que hay en Colombia, la eficiencia energética de las hidroeléctricas, su costo en comparación con las térmicas a base de carbón, gas, gasolina, su posibilidad de cambiar potencia (a diferencia de otras renovables de potencia inestable) y almacenar la energía, entre muchas otras, me hacen tenerle cariño a esta tecnología. Creo que en el punto anterior quedó desvirtuado que las hidroeléctricas tengan impactos a nivel global vía CO2 (lo que hacen es quitar el calmadero de conciencia de los ecologistas ricos que les permite seguir emitiendo CO2 bajo la tranquilidad que los bosques tropicales los recogerán). El metano no me preocupa realmente y creo que es una afirmación que no estaba fundamentada, al fin y al cabo, los embalses no son aguas estancadas. 

    El potencial hidroeléctrico de ese territorio que llaman Colombia es una maravilla. Eso sin contar con el potencial energético de otras tecnologías renovables como las fotovoltaicas por su ubicación terrestre, las mareomotrices, entre otras. Que cualquiera venga y lo explote es necesario, aunque en condiciones de mercado, no monopólicas ni imperialistas. Adicionalmente, la energía hidroeléctrica es más barata. En el siguiente gráfico hay un promedio de los precios mensuales en comparación al porcentaje de generación térmica en Colombia:

    Por puro azar puede observarse con claridad la correlación entre el porcentaje de generación térmica en Colombia y el precio constante (deflactado con IPC) de la energía. Como la gráfica de generación térmica de alguna manera encaja con la hidráulica (la cogeneración y la eólica representan porcentajes insignificantes) podría afirmarse que a mayor generación hidráulica en general menos precio. ¿Por qué se presentan esos baches en la generación? La razón es muy simple, el agua es renovable pero no predecible. Si uno mira las correlaciones de series de ingresos los caudales en dos o tres días tienen altas correlaciones, pero alrededor de dos meses -algo que corroboré con un ex empleado de ISA e ISAGEN- las correlaciones son nulas. 

    Hay incertidumbre en el ingreso del agua. Adicionalmente, en unas ocasiones por década se presenta el fenómeno del niño. El fenómeno del niño genera lluvias en Perú -un país desértico- y trae sequía a un país lluvioso como Colombia. Como el agua escasea hay que producir la energía con un sustituto: las termoeléctricas. El costo de la energía se dispara. En este momento parece que están las condiciones para que se dé el fenómeno del Niño si es que no estamos ya en él. De ese fenómeno se ha venido especulando desde que empecé a investigar este tema en Junio del año pasado (o sea el 2014). Esa especulación posiblemente también influye en los precios, el aumento de la producción térmica y la disminución de la hidroeléctrica porque ante el riesgo de escasez se empieza a guardar el agua. El profesor John Jairo García y otros de EAFIT en un paper al respecto proponía medir las expectativas de aportes al sistema en relación con el precio: 

    "Una variable importante sobre la determinación del precio en el mercado no regulado que debiera incluirse en estudios futuros son las expectativas climatológicas; en la medida en que se espere una disminución del recurso hídrico, generará expectativas de aumentos en el precio.". http://revistas.upb.edu.co/index.php/cienciasestrategicas/article/view/1093/1313

    La intuición tras el análisis es muy buena, pero dudo que pueda encontrarse una variable de expectativas climatológicas. Aunque si algo me soprendió de John Jairo era esa capacidad de creatividad econométrica. El caso es que la ventaja de tener un sistema donde el "combustible"que es el agua es variable, permite inferir que, al menos en las condiciones geográficas de los Andes Colombianas, es más barato que el uso de otros combustibles.

    Es así como la construcción de hidroeléctricas -aunque respetando los derechos de propiedad privada- es una necesidad para mantener bajos los precios de la energía. Hay muchos trabajos que buscan predecir el precio de la energía y lo hacen en función de variables hídricas. Pero nada mejor que leer los errores de las predicciones pasadas de los economistas. En este artículo participó mi amigo y profesor de econometría Mauricio Lopera y dice lo siguiente:

    " La coherencia del resultado se corrobora en el mes de enero de 2014, donde se aprecia una caída grande en el precio producto de la entrada en operación de El Quimbo y Sogamoso, las cuales en conjunto aumentan la oferta de electricidad en 1220 MW" http://www.redalyc.org/pdf/1552/155226077004.pdf
    Mauricio nos insistía mucho que verificáramos que el resultado econométrico coincidiera con la "intuición" económica.  El problema es que las predicciones se equivocan y fuertemente. En el artículo citado, se muestra que los precios caerían en enero de 2014, la razón sería lógica la entrada de hidrosogamoso y quimbo (que es la que menciona The ecologist). Los precios en 2014 en bolsa fueron altísimos, y apenas hoy 16/01/2015 leí que estaban inaugurando la planta de hidrosogamoso. Lo que es cierto es que esas plantas deberían influir en la disminución del precio por el aumento de la oferta, además, de un insumo mucho más barato como "combustible" que el carbón. En eso acertó el trabajo de Mauricio y otros. Pero el cómo o cuánto bajarán los precios no podemos calcularlo con exactitud. 

    DEFICIENCIAS DEL SISTEMA
    Los cables suelen dañar las fotos de paisajes.
    Pero ¿no puede haber buenas fotos de cables de alta tensión?

    El sistema de energía que nace con las leyes 142 y en concreto 143 de 1994 tiene muchas deficiencias. Aunque la L143/94 trataba de dar paso a un modelo más parecido al de un mercado, esa distinción del mercado regulado del consumidor de energía hace que nos saquen un ojo de la cara porque sus precios están muy por encima de los de bolsa; aunque relativamente influidos por ellos como lo mostraba el profesor John Jairo García. El modelo aunque avanza hacia tratar de liberar lo que considera de mercado y regular lo que considera "monopolio natural" se queda corto. Pero realmente si hay algo aburrido es la regulación del sistema de energía, como todas las regulaciones. Hablemos más bien de leyes bonitas, las del "fatum" o de la naturaleza... las humanas dan asco. 

    Quiero enfocarme más en los problemas que mencionaba "The ecologist" y es las "pérdidas" de energía del sistema de transmisión y distribución. Una de las leyes de la física es la ley de la entropía. Básicamente consiste en que aunque la energía no se destruye, solamente se transforma, se degrada a formas de energía más "desordenadas". Básicamente la energía se transforma en "calor", o que es lo mismo que movimiento y vibración molecular. Utilizaremos el término "pérdida" de energía en un sentido amplio, o económico, pero entendiendo que solamente es una transformación no utilizable.  Esta es la razón por la cual no existe una máquina perfecta, sin desgaste y de movimiento absoluto. Por esta razón los relojes de péndulo necesitaban que les dieran "cuerda". 

    De esta manera, por cada 1 KWh (3.600.000 Joules) que produce uno recibe una cantidad menor de energía porque esta se ha "pérdido" transformándose en calor. Esto se debe a que los transformadores -que no entiendo cómo funcionan pero cambian el voltaje- generan pérdidas, la transmisión de energía puede generar calor, en la costa el desgaste de los cables genera pérdidas. Todo esto, como me decía un ex trabajador del sector eso es parte del costo de la energía. Dice textualmente "The ecologist" que se pierde alrededor del 16% de la energía generada:

    "Yet the Government is neglecting simple options to raise power supply - like reducing the high level of losses in transmission and distribution, which run at about 16% of power generation and amount to some 10,000 GWh per year - more than four times the energy production of El Quimbo."
    Pero es que por las leyes de la física: ¡tiene que "perderse" parte de la energía generada! De la energía potencial del agua embalsada el 80%-90% se transmite por medio de la electricidad y el 10%-20% se "pierde" o sea se transforma en "calor". ¡Y es de las más bajas! Las térmicas pierden el 59% de la energía contenida en el combustible, las nucleares el 70%  (CARTA GONZÁLEZ, CALERO PÉREZ, COLMENAR SANTOS, CASTRO GIL, & COLLADO FERNÁNDEZ, 2013, pp. 113-114). Puede que pueda perderse menos bajo un mantenimiento mucho más costoso, o puede que efectivamente pueda perderse menos. El caso es que siempre se va a "perder" algo de la energía. 

    Puede que The Ecologist tenga razón en que se aumente la eficiencia energética. Algo que puede ser inviable o física o económicamente. Pero eso no es razón para impedir que se produzcan plantas de producción de energía eléctrica, es bueno aumentar la oferta por todos los medios. 

    Lo que no puede el gobierno es ordenar que se cree energía, ni que no se degrade una parte en otras formas. Gracias a Dios las leyes de la física son inderogables, imprescriptibles, inembargables, anteriores al ser humano mismo. ¿Puede imaginarse una ley que cree energía? El Congreso de Colombia Decreta "Créase energía a partir de la nada...". Gracias a Dios eso no es posible, no soy capaz de imaginarme la inflación energética lo que produciría, al menos la moneda de la naturaleza es absolutamente neutral. O una ley que diga "Derógase la gravedad", el totazo que se pegarían de cuenta de creer en su validez sería de lo lindo...

    IN CONCLUSIÓN
    En primer lugar pido perdón al lector por tratar la energía de una forma tan política. Es decir, es demasiado pobre, aunque no más pobre que el Ministro de Minas que confundió potencia con energía, pero ¿quién es uno para cuestionar a los "doctores" Ministros? ¡De pronto ignoro una ley que asimila energía con potencia! En segundo lugar, no es esta, ni más faltaba una defensa al régimen de energía eléctrica Colombiana, tan no lo es, que arranco dándole la razón a los ecologistas en que muchas de esas empresas grandes y concesionadas arrasan con las comunidades. El problema de esas empresas grandes, no es la falta de estado, por el contrario, su exceso, lo que falta es libertad. 

    Lo que sí creo es que en sanas condiciones de mercado y con precios justos a los dueños de las tierras, la construcción de hidroeléctricas es una de las ventajas que tiene este territorio geográficamente llamado Colombia. Es vital empezar a utilizar en este territorio las ventajas que ofrece el desarrollo de miles de tecnologías de energía renovable, como la solar, la mareomotriz, la eólica y la más fuerte la hidroeléctrica. En esta región se podría utilizar un potencial enorme para producir energía barata, renovable y libre de elementos contaminantes. Esta energía se podría exportar. ¿Por qué no hay líneas de transmisión a Panamá y Centro América? ¿Por qué no hay líneas de transmisión al Perú? ¿Imposibilidad logística? ¿No serán más bien los elevados costos regulatorios -que agudizan las barreras de entrada- sumado al monopolio estatal? ¿O el monopolio de la transmisión es "natural"? 

     BIBLIOGRAFÍA
    Casi todas las citas salen de internet así que si no refiero la fuente, está el link. Las formalidades APA o lo que sea me parecen demasiado engorrosas para escribir informalmente. Con el internet debería bastar con el link. El único libro que cito, con todas las normas mamonas para probar su existencia, es:

    CARTA GONZÁLEZ, J. A., CALERO PÉREZ, R., COLMENAR SANTOS, A., CASTRO GIL, A., & COLLADO FERNÁNDEZ, E. (2013). Centrales de energías renovables. Generación eléctrica con energías renovables. (P. E. S.A. Ed. SEGUNDA ed.). Madrid, España.




              2015-09-09 10:00:00 / Potenzialanalyse Bürohochhäuser 2015        
    Am 9. September 2015 wurde die von der AG City in Zusammenarbeit mit sieben internationalen Investoren in Auftrag gegebene Studie von bulwiengesa „Berlin im Wandel - kreativ, innovativ und hoch?“ im Rahmen einer Pressekonferenz im Waldorf Astoria vorgestellt.Anlass für die Beauftragung ...

              COLCIENCIAS ¿PROMOTORA O TRABA?: CIENCIA A LA COLOMBIANA...        
    ¿Ciencia a la Colombiana? Este es un artículo que va en contra de la corriente actual, de alguna manera podrán decir que estoy en contra de la "ciencia" lo que me parece en cierto sentido excelente. Hace pocos días se desató el escándalo de que le iban a quitar plata a Colciencias. Para mí fue motivo de decepción: ¡Deberían cerrarla! Si yo fuera presidente lo primero que cerraría sería Colciencias y eso que es complicado dado como se comporta la academia actual, deseo que eso pase, que cierren a Colciencias... no ser presidente.

    ¿Qué ha pasado? La verdad hay un exceso de noticias que impiden afirmar científicamente qué fue lo que pasó. Hay dos hechos que creo claros: 

    1. "La directora de COLCIENCIAS dijo que iban a quitarles presupuesto"
    2. "La directora de COLCIENCIAS dejó su cargo a los pocos días"

    COL CIENCIA... RAZONAMIENTO INDUCTIVO A LA COLOMBIANA...
    ¿Qué pasó realmente? ¿Cómo se supo la "noticia" difundida como escándalo nacional? Lo primero que genera inquietud es ¿cómo sabía la directora que les iban a quitar presupuesto? ¿Le escribieron el ministro o el presidente? De acuerdo con un artículo de "El Tiempo" (al que hay que leer a favor de Colciencias por el sesgo a favor del presidente) http://www.eltiempo.com/estilo-de-vida/ciencia/colciencias-recibira-menos-presupuesto-en-el-2015/14203881 manifestó que recibió un correo de su director de planeación, es decir, un funcionario de ella. ¿Y ese funcionario de dónde la recibió? El confuso artículo del periódico El Tiempo menciona al Departamento Nacional de Planeación. Esa mención parece una "Colcienciada..." es decir una imprecisión de tipo periodístico como se da en Colombia. Pero ¿y si viniera del DNP? Si uno mira las funciones del DNP frente al presupuesto sus funciones son más de carácter burocrático y asesor que realmente quien elabora el presupuesto https://www.dnp.gov.co/Qui%C3%A9nesSomos/Funciones.aspx . Por su parte, quien realmente elabora y sigue el presupuesto, por tener la misión de la política fiscal y la definición del gasto público es el Ministerio de Hacienda http://www.minhacienda.gov.co/HomeMinhacienda/presupuestogeneraldelanacion. 

    ¿Entonces era información veraz con la que se basaba la directora de Colciencias? Es factible que la información fuera veraz. ¿Y cómo lo comprueba? Pero no es una información que uno pueda tomar como concluyente.  Lo sería si hubiera conocido el proyecto de ley del presupuesto presentado al congreso, ni siquiera un borrador permitiría una inferencia que "les quitaron el presupuesto". Solamente podría hablarse de una intención. Pero releamos las palabras: "Voy a dar la mala noticia que me acaba de llegar en un correo. Me dice mi jefe de Planeación: 'Directora, le mando la confirmación del presupuesto del año entrante, que es 289.000 millones de pesos. Estamos ya a 125.000 millones del presupuesto del año pasado". Pero bueno esa es la ciencia a la colombiana, una declaración no confirmada de una funcionaria -con autoridad de dirigir la "ciencia colombiana"- da para que toda una academia proteste porque "le van a bajar el presupuesto a Colciencias". 

    Pero bueno ese es el ridículo argumento de autoridad -no verdaderamente científico- por el que la "academia" reconoce un hecho probado: le van a disminuir el presupuesto a "Colciencias". Ni el más formalista, ni el menos riguroso de los académicos validaría una información de ese calibre. Es más ni siquiera hace bien el único trabajo que ese el estado: ¡producir formularios y saber llenarlos! Es como si un científico dijera que en su laboratorio la presión atmosférica es de 900 HPa porque se lo dijo su "asistente". Uno como mínimo mira el barómetro. Pero es ciencia a la colombiana... una mentalidad que se cree pensadora porque sabe muchos chismes... Recuerdo que hablaba una vez con una niña que estudiaba periodismo y ella leía "las fuentes son... el ministro". Y yo le dije que eso no era real, que la fuente es el acto -que es como se comunica el ministro como ministro- no la opinión -política además-del ministro. Bueno, tal vez la directora de "ciencias a la colombiana" quería rebelarse contra la ¡producción de formularios! y ver que puede haber verdad confirmada más allá del formulario... en especial lo referente al futuro...

    UNA INSTITUCIÓN PARA "FOMENTAR" LA "INVESTIGACIÓN"
    "Deseo tener el país más educado: ¡todos tendrán un diploma!"
    ¿Qué es Colciencias? Uno podría quedarse por lo que dicen los decretos que la crean, que es el mismo copy paste de esos sueños que quedan en las leyes. Acá creemos que el tiempo y el reloj se mueven por decreto, sino pregúntele a Juan Manuel Santos su ridícula e improvisada propuesta que pasó a la historia como "la hora Gaviria" y que cancelaron casualmente en el momento en que astronómicamente era inconveniente... manifestando que "ya era económicamente viable". Así como creemos que por decreto va a salir la ciencia, la tecnología y la innovación, creemos que necesitamos gente "trabajando" para hacer magia el decreto. Y eso hace "Colciencias":

    Colciencias es el Departamento Administrativo de Ciencia, Tecnología e Innovación.
    Promueve las políticas públicas para fomentar la CT+I en Colombia. Las actividades alrededor del cumplimiento de su misión implican concertar políticas de fomento a la producción de conocimientos, construir capacidades para CT+I, y propiciar la circulación y usos de los mismos para el desarrollo integral del país y el bienestar de los colombianos.  http://www.colciencias.gov.co/sobre_colciencias?vdt=info_portal%7Cpage_1

    ¿Las cosas se conocen por el qué o por el cómo? Seguramente por el cómo. ¿Cómo promueve, fomenta, (y mil sinónimos de la burocracia para enfatizar sus objetivos) la Ciencia, la Tecnología y la Innovación? Contaré mi experiencia. ¿Qué hace Colciencias?

    Siendo uno de los pocos privilegiados que pudo pasar por la universidad recuerdo varias cosas. Una de mis grandes amigas (que seguro estará en desacuerdo y podrá precisar este artículo) era la Directora del Centro de Investigaciones. También intentaba entrar al mundo de la investigación universitaria con un Semillero de Investigación. Y bueno he encontrado más cosas en las universidades. 

    En aquellas épocas mi amiga trabajaba con otra amiga que se encargaba de arreglar todos los asuntos de la investigación. Bueno "investigación". Recuerdo que una de sus tareas era ayudar a los profesores a actualizar el CVLac ¿Qué es el CVLac? En Colciencias http://www.colciencias.gov.co/tutorialcvlac puede verse un tutorial especial para hacer el CVLac. Esto es básicamente la hoja de vida del investigador. ¿Por qué para investigar en las universidades se requiere una hoja de vida? El tutorial para hacer el CVLac tiene unas 66 páginas http://es.calameo.com/read/000051811450cdee35ceb cuya lectura muy posiblemente serán horas de investigación... perdidas... Y eso que luego de leerlo hay que llenarlo... Una labor que podrá ayudar a la paciencia, la templanza, la fortaleza pero no la investigación, mucho menos la innovación... Bueno, puede servir a crear el llenado automático de formularios, ¿se le ocurrirá eso a la brillantez colombiana? Espero que como un chiste bastante picante el programador del llenado automático de formularios sea colombiano...

    Alguna vez renegaba del colegio del que salí diciendo "en este colegio no quieren científicos sino secretarias". Pero el colegio no era más que un mini-Colciencias. Creo que Colombia solamente necesita una profesión "elaboración y llenado de formularios", así que el colegio pensaba en mi bien cuando me hablaba de la importancia de no salirme de los márgenes. De paso no debía enseñar nada más, porque los que "estudiamos" comemos cuando llenamos formularios, y comemos mejor cuando llenamos formularios más elaborados. Pero entre llenar un CVLac para decir que investigo o una declaración de renta por plata prefiero llenar una declaración de renta.

    Ahora bien, no bastaba con llenar la hoja de vida. También las universidades hacen grupos de investigación. Aunque la curiositas es amplia la investigación suele centrarse, no en el macrocosmos sino en el primer pelo de la segunda pata de la hormiga culona santandereana.Y allí tenemos los grupos de investigación. Esos grupos se mueven por proyectos. Por ejemplo "El crecimiento del primer pelo de la segunda pata de la hormiga culona santandereana en la disminución  del consumo de la misma en la dieta de los habitantes de San Gil, Santander". Esos grupos también tienen hoja de vida... efectivamente, más formularios. Pero bueno, eso no es lo que hace Colciencias, lo que hace es tomar esas hojas de vida y "pesarlas" y es básicamente comparar la investigación con la producción de bienes y servicios. La calidad de la investigación es "cantidad" http://www.colciencias.gov.co/sites/default/files/ckeditor_files/files/DOCUMENTO%20Modelo%20de%20Medici%C3%B3n%20Grupos%202013-VERSI%C3%93N%20II%20Definitiva%20DIC%2010%202013%20_protected.pdf.

    Es así como los investigadores ya tienen un buen tiempo llenando formularios -e investigando cómo se llenan esos formularios-. Pero uno tal vez piensa "bueno, ese no es el día a día de la 'apasionante' investigación". Pero no es extraño encontrar a los profesores llenando esos formularios que tienen plazo para enviarlos. Eso sin contar con los miles de informes que deben mandar. Creo que Colciencias también financia proyectos o autoriza sumas pero eso por lo menos no lo vi. Bueno, vi los jóvenes investigadores de Colciencias ¿Un incentivo para destruir la investigación verdadera con dudosas vinculaciones a universidades?

    EL PELIGROSO MIX DE CIENCIA Y ESTADO
    ¿Formularios o celdas? Difícil volar alto dentro de una jaula...
    Supongamos que Colciencias sí financia los proyectos de investigación y supongamos que es una financiación eficiente: la burocracia es simple papeleo en comparación al apoyo a la investigación. Esto es un peligro porque queda centralizada a los intereses y compromisos del gobierno de turno. Supóngase que un grupo de investigación investiga las vías para la paz en Colombia y encuentra "peligroso negociar en la Habana por la inviabilidad y efectividad del acuerdo para generar un desarme efectivo". O supóngase que un grupo de investigación en "Energías renovables" investiga "la generación eléctrica mediante el uso de las olas" que afecta a los monopolios del carbón y de las energías en petróleo, carbón o gas que de paso son empresas "industriales y comerciales del estado" que le generan regalías o pueden subastar para mejorar su cash flow... O algo un poco más de frente "La necesaria liberalización de la investigación para asumir los retos del mundo moderno" o algo con un tono más marxista "el factor alienante del estado en sus 'oficinas de fomento' de ciencia y tecnología". 

    La primera es una investigación que puede estar en el rigor legítimo y que está en todo su derecho a disentir de las políticas del gobierno. Pero como "la investigación debe realizarse dentro de los marcos, planes y programas" del estado posiblemente no se le acuse de frente, pero sí le exigirán hasta por un milímetro demás en los márgenes. Mejor dicho le dirán "claro que puedes abrir las alas... dentro de la jaula que hemos construido para ti". La segunda tampoco saldrá de plano, pero le exigirán todo y de paso se fomentarán investigaciones para demostrar "la inviabilidad del uso de las olas en la generación eléctrica". La tercera tampoco se aprobará. El estado  no es el garante, ni el promotor, ni la ciencia nace por decreto, ni llenando formularios. Bueno, sí salen libros sobre cómo llenar formularios, 66 páginas sobre cómo llenar la hoja de vida del investigador, algo que nos "facilita" la vida...   

    El nacimiento de la innovación, la tecnología y la ciencia se da de una forma totalmente contraria al planteamiento burocrático y centralizado de Colciencias. Al respecto puede leerse "El Tomismo Desdeñado" donde explican con claridad cómo el descubrimiento, el aprendizaje y demás son cuestiones que se dan en el marco de cada persona en concreto. Esa novedad, eso que estaba 'under my very nose' para parafrasear a un autor judío-norteamericano citado en "El Tomismo Desdeñado", no es algo sujeto a la forma, la cantidad o la temporalidad. De esa misma forma investigo yo, abierto a la naturaleza, al mundo y a los hechos... En esa forma de investigar no tengo que llenar formularios, a veces ni dejar registro -aunque sea mejor hacerlo- sino una permanente observación. 

    No niego que en el sistema de ciencia a la colombiana pueda haber buenos, incluso genios en la investigación y verdaderos aportes a la ciencia. Pero me parece que el sistema de "ciencia a la colombiana" o "investigación de llenado de formularios" anula, restringe o excluye a aquellos que son a mi juicio los mejores investigadores y restringe el alcance de los que lo logran. Los mejores investigadores son los niños sin lugar a dudas, su permanente contacto con la magia de la naturaleza y su capacidad de asombro los lleva a proponer las mejores soluciones y conclusiones sobre el mundo. La investigación necesita también del error, cosa que no se puede si está centrada en el llenado de formularios que considera el error como incorrecto... y de paso delito...

    Y seamos sinceros ¿cómo se dio el aporte a la ciencia en la historia? ¿Por órganos centralizados que fomentaran la "innovación, la ciencia y la tecnología"? Entre algunos ejemplos Fermat era un matemático aficionado cuyo oficio era el de abogado, y tener un diploma en derecho hace 'necesariamente' que uno no sepa de matemáticas. Conclusión a la que los "col-científicos" han decretado como dogma. Fermat jugaba con los números y hacía continuos descubrimientos que sorprendieron a muchos matemáticos posteriores como Euler. Pitágoras necesitaba seguramente un proyecto de investigación -y financiación de "Crotociencias"- para probar que "en un triángulo rectángulo la suma de los cuadrados de los catetos es igual al cuadrado de la hipotenusa". Se dice que Pitágoras huyó de su ciudad natal a Crotonas entre otras porque no quería participar en cuestiones de política http://es.wikipedia.org/wiki/Pit%C3%A1goras. Eso sin contar con notables condenas y asesinatos a genios del calibre de Sócrates, asesinado entre otras porque pidió como condena que "Colciencias" lo financiara de por vida por sus aportes a la sociedad...

    Acabo de citar a Wikipedia que en ciencias colombianas "no es una fuente de fiar porque lo modifica cualquiera", el problema creo no es que cualquiera pueda modificarlo sino que lo hace gente que no tiene "CVLac". Probablemente los que modifican Wikipedia sean unos mediocres que pasan todo el día de fuente en fuente y no se gradúen con honores como Newton http://es.wikipedia.org/wiki/Isaac_Newton que pasaba todo el día en la biblioteca y no iba a clase. Un artículo académico trae mil fuentes -CITADAS CON NORMAS APA- wikipedia trae ¡las fuentes! con link directo. O sino vea lo que trae la Wikipedia cuando uno busca a Newton: http://gravitee.tripod.com/booki1.htm ¡Su obra maestra!

    IN CONCLUSIÓN...CIERRE, CIERRE!!
    Espero que todos sean científicos e innovadores como yo.
    Atte: Colciencias.
    El conocimiento, la verdad y demás, es dialéctico y por eso no debería concluir un debate. Pero yo concluiría, cerraría, a Colciencias. Una tímida disminución de presupuesto es poco por la ciencia, la tecnología y la innovación... pero, si eso es cierto ¡hay que reconocerle la buena obra al gobierno! Los críticos -simplemente porque no es el gobierno que quieren- critican cualquier cosa que haga o digan que haga el gobierno, es un deporte, hasta bueno, el caso es que ver algo bueno en un gobierno es TAN difícil que hay que felicitarlo si estuviera haciendo las cosas bien... 

    Sin embargo, así es la realidad de este alienante y desmoralizador país cuya única profesión es el llenado de formularios... Si alguien pregunta por Colombia y lo que hacen... ¿Qué hacen? las empresas "llenar formularios" y si les queda tiempo producir bienes y servicios, las universidades "llenar formularios" y si les queda tiempo dan clases pero ¿investigan? Y los abogados "llenan formularios" y ¿en su tiempo libre? Piensan cómo hacerlos más enredados ¿Y qué hace el gobierno? ¡Produce formularios!  

    Y ¿qué son entonces El Tiempo, El Espacio, El Asombro o Espectador, El Colombiano, La República, Portafolio, El Nuevo Siglo, El País, El Universal? ¿Realidades? ¡Qué va! ¿Formularios? No, eso tiene su ciencia... ¡Periódicos! Pero los dueños de los periódicos son los mismos que hacen los formularios... Esa es la ciencia a la colombiana, basta leer un periódico, e improvisar su resumen como lo hacía un mediocre profesor del colegio que estaba allí porque sabía cómo ser un buen policía... ah y sabía verificar que el "desprendible" -formulario para niños- se llenara bien so pena de llamar "negligentes" a sus alumnos... Ese era mi "modelo" de "diligencia"... Clases improvisadas, formularios bien llenados... 

    Esa es la ciencia a la colombiana: producción de formularios. Y su proceso o método:

    - Justificación o discusión del formulario: periódicos
    - Producción del formulario: gobierno/estado
    - Control y auditoria para garantizar su incomprensión: abogados, lobbies, grupos de poder. Su objetivo es que entre más incomprensible, mejor...¡calidad!

    ¿Y Colciencias? Una tuerca sin aceite en medio del engranaje decadente... al que muchos encuentran por donde elogiar sus "grandezas"...

    NOTA: Si quiere comentar este artículo escriba 1. para queja, 2. para ironía, 3. para felicitación y agradecimiento, 4. Para reclamo... ¡Qué! Si le da la gana de escribir hágalo como quiera... si quiere insúlteme, internamente me ofenderé y reiré de usted al mismo tiempo, pero bienvenido...

    NOTA 2: O uno escribe o se dedica a recopilar fuentes, ahí están los links y un libro "El Tomismo Desdeñado" de paso le dejo el "CVLac" del autor http://190.216.132.131:8081/cvlac/visualizador/generarCurriculoCv.do?cod_rh=0000534471. Algunos me entenderán que ese CVLac es ridículo...De investigador junior no tiene ni un pelo...




              Master di 1° livello per Educatori degli Adolescenti        
     L’esigenza di sostenere e accompagnare le Chiese locali nel rinnovamento dei processi di educazione alla fede relativi alla fascia degli adolescenti (14-19 anni), in un orizzonte che privilegia l’educazione integrale del «buon cristiano e onesto cittadino» spinge l’Istituto di Catechetica … leggi tutto...
              Mysterion: rivista di ricerca in teologia pastorale        
    La rivista Mysterion si prefigge lo scopo di costituire per i lettori un punto di riferimento per condividere la riflessione teologica sul vissuto religioso, in generale, e su quello cristiano, in particolare, nel confronto rinnovato con le problematiche sociali, religiose … leggi tutto...
              2014-09-05 16:00:00 - 2014-09-10 20:00:00 / Berlin Celebrates IFA        
    Vom 5. bis 10. September 2014 findet parallel zur IFA auch dieses Jahr die große Trendshow auf dem Breitscheidplatz statt. Täglich von 10 bis 20 Uhr präsentieren sich Unternehmen mit den neuesten Trends und Innovationen rund um Technik und Lifestyle. Darunter ...

              2013-09-19 19:00:00 / City Talk bei der EB GROUP        
    Die EB GROUP, ein innovativer Verbund von Immobilienunternehmen, bietet ihren Miet- und Kaufinteressenten in der Lietzenburger Straße viel Raum für eine persönliche Beratung und setzt im Zeitalter von mobiler Kommunikation auf das persönliche Gespräch. Nutzen Sie im Rahmen des nächsten City ...

              2013-09-06 16:30:00 / City West Celebrates IFA - Auftaktveranstaltung        
    Zum ersten Mal feiert die IFA im Herzen von Berlin! „City West celebrates IFA – die Trendshow am Ku’damm“ bietet neueste Technik und digitale Innovationen direkt auf dem Breitscheidplatz. Vom 06. bis 11. September 2013 präsentieren sich ausgewählte IFA-Aussteller ...

              2013-09-06 - 2013-09-11 / City West Celebrates IFA - Die Trendshow am Ku´damm        
    Aktuelle Trends, ein buntes Bühnenprogramm und zahlreiche Gewinne Parallel zur Internationalen Funkausstellung präsentieren die AG City und AD AGENDA erstmals „City West Celebrates IFA“ auf dem Breitscheidplatz. Vom 06. bis 11. September 2013 erleben Besucher Trends, Innovationen, eine aktuelle IFA-Berichterstattung und ein ...

              Woman’s Workers’ Compensation Claim for Home Renovations Denied for Lack of Evidence        
    In a recent case, an appellate court considered whether a woman had presented sufficient evidence to show she was entitled to home renovations after a workplace injury. The woman injured her lower back at work in 1989. In 2014, when the woman was in her 70s, she had a spinal fusion surgery and developed a […]
              Tratamientos estéticos y hábitos para mujeres de 30        
    Esta época de la vida puede significar los mejores momento o, por el contrario, convertirse en el tiempo perfecto para tomar decisiones trascendentales, hacer cambios abruptos y claro, cuidarse más de lo acostumbrado. Elena del Mar como uno de los centros de estética corporal en Bogotá, se dirige a ti con la plena seguridad que mereces contar con espacios que apoyen tus ganas de seguir viéndote bien y por ello, te da 8 consejos y hábitos saludables que debes seguir en esta edad.

    ¿Qué hacer para mantenerte bella después de los 30?

    · Protector. No importa si el día está soleado o nublado, el ambiente siempre está siendo acechado por rayos solares, lo cual significa que deberás proteger en todo momento tu piel y esto solo será posible aplicando diariamente el protector. Recomendable es que utilices uno que cuente con protección 30 o 50, así prevendrás el cáncer de piel y la aparición de manchas o arrugas prematuras.

    · Agua. Mantenerte hidratado ayudará para que tu piel se revitalice, aliviarás la resequedad y depurarás toxinas y células muertas, por ello, notarás como se reduce el acné. Te recomendamos consumir entre uno y medio a dos litros, el equivalente a 8 vasos diarios aproximadamente.

    · Masajes relajantes y con piedras volcánicas.Aunque tienden a olvidarse y no se acostumbra a practicarse con constancia, mantener hábitos de masajes realizados por parte de un experto te ayudan a renovarte, alejarte del estrés y dedicarte tiempo. Además que estos ayudan a limpiar la piel, descansar el cuerpo y eliminar todo tipo de toxina que el cuerpo produce. Como uno de los spas en el centro de Bogotá con más de 52 años de experiencia, te ofrecemos planes y promociones para que consultes el que más se ajusta a lo que quieres.

    · Ejercicio. Debes tener claro que algún tipo de actividad física como caminar 30 minutos, trotar, montar bicicleta, jugar basketball o ir al gimnasio, te permite activar tu cuerpo, ayudándote a mantener tu peso, mejorando tu salud y estado de ánimo.

    · Alimentación. Un famoso adagio deja claro que “eres lo que comes”, por ello, es correcto que empieces a alimentarte de manera más controlada, sin caer en los extremos. La guía de un nutricionista te permitirá diseñar un buen plan alimenticio que responda a tu estilo de vida.

    · Cremas hidratantes y productos de belleza. Es tiempo de empezar a cuidarte y hacer de cada momento el oportuno para aplicarte la crema correcta. Existen en el mercado productos especiales para evitar las arrugas o líneas de expresión, aceites para masajes, algunas para limpiar o hidratar, entre otros. Consulta a tu dermatólogo y adquiere los productos que sean necesarios para lucir estupenda. Entre nuestras líneas y como centro de estética en Hacienda Santa Barbara, podemos ofrecerte algunos que te sorprenderán, escoge aquí el que más deseas.

    Los 30 no son sinónimo de descuido, por el contrario, es el momento perfecto para prestar mayor atención a tu piel, rostro y todo tu cuerpo. En Elena de Mar lo sabemos y por esto, no solo te damos consejos para que luzcas radiante en esta edad, sino que ponemos a tu disposición tratamientos y productos estéticos que podrás encontrar en nuestro spa en Bogotá norte.

    Puedes agendar tu cita o pedir más información llamando al 344 1436 ¡Te esperamos!

              Â¿Ya sabes qué le darás a tu Papá? Elena del Mar te da algunas ideas        
    Conoce lo que Elena del Mar tiene para tu papá en su día
    Se acerca el Día del Padre, ¿ya sabes qué le darás a ese hombre que te ha acompañado siempre? Solo tú tienes la respuesta más acertada para sorprender a tu padre en su gran día. Tú conoces perfectamente qué le gusta: qué es aquello que lo asombra o si le gusta cuidarse. Nosotros sabemos que él debe verse saludable y podemos ofrecerte este factor, ¿sabes cómo? Te daremos la respuesta a continuación además de presentarte diferentes procedimientos que son realizados en nuestros centros de estética corporal en Bogotá Â¡Conócelos y sorprende a Papá!

    Para su Día, ¿cómo podrías fascinarlo?


    Somos especialistas en la búsqueda del equilibrio de la mente y cuerpo por medio de tratamientos estéticos realizados en spas en el centro de Bogotá, planes de gimnasios y diferentes productos para la belleza, lo que ha caracterizado a nuestro centro deportivo como la opción más acertada para que todos los hombres puedan transformar su estilo de vida y dedicarse mucho más tiempo de lo acostumbrado para verse y sentirse saludables.

    Esta fecha es la oportunidad para tu papá y todo hombre que se encuentre buscando oportunidades de cuidarse con mayor atención. Llevamos más de 54 años ofreciendo espacios idóneos para el cuidado del cuerpo, el rostro y la mente (porque si estás bien por fuera quiere decir que estás mucho mejor por dentro), hoy seguimos presente y ahora más que nunca para que hagas feliz a Papá.

    ¿Cuáles tratamientos regalarle a Papá?


    Nos encanta acompañarte para que ninguna fecha especial pase desapercibida. En el Día del Padre, hemos preparado diferentes promociones que sobrepasan tus expectativas y se convierten en los regalos más acertados para que lo ayudes a mantenerse saludable ¡Adquiérelos!

    Bono spa ESPECIAL para ti. Decidirse por este tratamiento es apostar por brindarle a tu papá 1 masaje con piedras + 1 hidratación + 1 mascarilla + 1 zona húmeda (sauna o turco) Tu papá está buscando cuidarse y hoy puedes programarlo para que cuides de su salud y lo lleves a alejarse de la rutina a la cual está acostumbrado, todo gracias a esta promoción que puede ser tomada en nuestros centros de estética en Chicó.

    Rostro Renovado para vacaciones. Así como se acerca el Día para tu Papá también se da entrada a las vacaciones y él merece un descanso que lo invite a salir de la rutina. Este plan que te ofrece un centro de estética facial en Bogotá invita a renovarse y cuidar el rostro (él también merece hacerlo) adquiérelo hoy y regálale 3 limpiezas a un precio increíble.

    ¡Súper Mes de Gym en Vacaciones! Tal vez hace mucho no hace ejercicio y hoy podrías motivarlo ofreciéndole un regalo que aporta a mantenerse saludable, ¿qué te parece? Esta promoción brinda la opción de asistir 2 meses + 1 bodyterm en cualquiera de nuestras sedes, todo a un precio de ensueño.

    Nuestro Centro Deportivo se ha dedicado a brindar espacios de relajación y encuentro con el cuerpo y mente adaptando instalaciones altamente diseñadas que permiten que todos encuentren espacios para cuidar de su salud. En esta oportunidad es para los padres y hombres que pretenden lucir siempre más saludables. Te estamos esperando en nuestro centro de estética facial en Cafam Floresta para que adquieras los planes que más llamaron tu atención y conmuevas a ese gran hombre que ha estado contigo y te ha visto crecer.

    Artículo tomado de Elena del Mar.

              Para que siempre estés bella…        
    Cuidados mes a mes para tu cuerpo, rostro y piel | Elena del Mar
    Tratamientos estéticos mes a mes


    No importa la fecha es el momento perfecto para renovarte, adquirir hábitos, por ejemplo, organizar tu calendario de belleza de los próximos meses. Elena del Mar te ofrece servicios en spas en el centro de Bogotá y, además, te da algunas ideas (mes a mes) para que realices la planificación de los tratamientos que son imprescindibles para mimar tu piel y tu cuerpo.

    Tu plan estético mes a mes gracias a Elena del Mar


    Marzo

    Prepara tus pies, basta con una exfoliación que elimine las células muertas, por ejemplo, un masaje drenante hasta la rodilla te ayudará a mejorar la circulación y evita la retención de líquidos. No olvides la hidratación con crema. Además para este mes podrías pensar en un masaje relajante que te permita experimentar un descanso y aislarte de la rutina a la cual te has enfrentado durante los primeros 60 días del año. Nuestro spa en Bogotá norte te espera. 

    Abril

    Céntrate en la exfoliación corporal y limpiezas faciales para que luzcas bien en Semana Santa. En este sentido, la exfoliación es perfecta para que elimines células muertas y favorecer la circulación. En nuestro centro de estética de Hacienda Santa Bárbara ponemos a tu disposición diferentes promociones faciales para que hagas de este mes del año el más entregado a tu piel y rostro. Por ejemplo si tu intención es lograr una piel tersa, será posible gracias a la limpieza facial + 1 radiofrecuencia + 1 bioarson a un precio increíble.  

    Mayo

    Un mes especial para que te cerciores y demuestres que la higiene facial es vital para mantener una piel sana. Entonces lo ideal es que apliques un producto especializado que no genere daños en tus tejidos y te aporte cuidado reparador. La frecuencia recomendable es de dos veces al día.

    Junio

    Piensa en tratamientos que se orienten a preparar tu piel para el sol además de tu cuerpo. En Elena del Mar contamos con la Ãºltima tecnología para que te olvides de esos centímetros viendo resultados en cada sesión. Además el bronceado no puede pasar a un segundo plano: lo ideal es que luzcas un cuerpo moldeado, piel limpia, tersa y un tono moreno perfecto.

    Julio

    Protege tu cabello y piel de los rayos del sol. En el primer caso podrías hacerte mascarillas naturales en casa además de pensar en la keratina y pantenol, perfectos para apoyar tus metas estéticas y para que veas resultados.

    Agosto

    Cuida tu alimentación, sin embargo, cabe destacar que es un factor que debes tener en cuenta cada mes del año, consumiendo frutas, verduras ricas en betacaroteno como son las zanahorias, papaya, tomate y espinacas. Para completar podrías agregar los frutos secos como maní, trigo o aguacate.

    Septiembre

    Elimina esos “kilitos” de más siguiendo una equilibrada dieta junto a rutinas de ejercicio acordes con tu estado físico. No menos importante son los tratamientos corporalesElena del Mar te ofrece el grandioso 60-90-60 para que empieces un proceso de moldeamiento gracias a las 3 lipoláser + 3 drenajes + 3 bodyterm + 3 presoterapias Â¡Adquiérelo hoy!  

    Octubre

    ¿Deseas impactar en las fiestas de fin de año con un cabello de ensueño? Entonces este es el mes donde debes intensificar los esfuerzos agregando a la dieta el suplemento vitamínico apropiado y, optar por una alimentación equilibrada y completa en nutrientes.

    Noviembre

    Si has estado juiciosa con tus tratamientos faciales podrás notarlo con bastante fuerza en este mes, pues después de determinado tiempo es que podrás ver los resultados con mayor impacto. Por el contrario, si no has llevado una rutina de limpieza te das cuenta que tu piel ha perdido brillo y color, razón contundente para que escojas la Ãºltima tecnología Spectra que te brinda un efecto lifting Â¡Conócelo!

    Diciembre

    Tiempo de mantener tu piel muy hidratada (pero sin exagerar). Las cremas BB (cremas orientales) aportan el toque de color que deseas, además de una hidratación profunda y es perfecta para cualquier cambio de clima.

    Elena del Mar apoya tu planificación estética


    Ya conoces un mes a mes que como especialistas en el sector estético te recomendamos. No obstante podrías agregar hábitos y rutinas que acostumbres a hacer en tus días y de este modo mantenerte siempre radiante y con una piel envidiable. Cada mes trae su afán, pero tu rostro, cabello, cuerpo, manos y pies merecen la atención en todo momento.

    Visítanos y aprópiate de los planes y promociones que hemos preparado para tu caso en específico. Aun en tu proceso de embarazo te acompañamos y brindamos tratamientos post parto para que recuperes tu cuerpo. Contáctanos al teléfono: 344 4247 o al 214 6227 o, escríbenos y con gusto te atenderemos.  

    Artículo tomado de Elena del Mar.

              5 fabulosas técnicas de belleza para que luzcas radiante siempre        
    Inicia el 2017 practicando 5 hábitos para lucir bella | Elena del Mar
    Nada más saludable y rejuvenecedor que llevar rutinas de belleza que cuiden de tu aspecto y te permitan lucir renovada cada día. Elena del Mar como uno de los centros de estética en Chicó, te da a conocer 5 diferentes pero espectaculares rutinas para que las pongas en práctica por el resto de días. Empiézalos de manera distinta.


    Estás a tiempo. Renueva tu estilo de vida

    Pasados casi 30 días del año aun estás a tiempo de retomar y aplicar a tus días rutinas que te permiten empezar a renovar tu rostro y cuerpo, por ello, propón consentirte y sorprenderte, verte bella y radiante gracias a prácticas que podrás realizarte en algún spa en Bogotá norte y te ayudarán a lograr ese cambio tan deseado. Ten en cuenta estos consejos o hábitos de belleza, son especialmente para ti.

    #1. Cambia de look


    Sin dudas, este aspecto es crucial para que te sientas diferente contigo. Poder mirarte al espejo y lucir mucho mejor es el paso fundamental para que empieces a tomar decisiones en tu vida. La grandiosa Coco Chanel un día dijo: â€œuna mujer que corta su cabello está a punto de cambiar su vida” y sí que es cierto. O, ¿qué sucede cuando vas a la peluquería y decides transformarte? ¿Cómo te sientes? Tú tienes la respuesta. Entonces hoy toma camino a la peluquería y cambia tu look.

    #2. Ejercítate y moldea tu cuerpo


    Aunque suena hermoso, realmente es un objetivo difícil por su amplitud. Por ello, intenta ponerlo más específico, por ejemplo, salir a trotar todas la mañana, asistir al gym que está cerca a tu casa. De este modo, será mucho más alcanzable y no olvides que tu mayor motivación siempre serás tú; lucir bien y mantener tu peso para que tu salud no esté en riesgo.

    #3. Aliméntate correcta y balanceadamente


    Cuando se trata de cambiar hábitos es importante y muy aconsejable que lo hagas de manera gradual, ya que así acondicionas tu cuerpo y los empiezas a tomar como costumbres en tu vida. Por tanto, ¿qué tal si empiezas analizando cómo son tus comidas? ¿Tomas muy pocas raciones de fruta o verdura? ¿Tomas agua? Te aconsejamos que comiences a evitar los azúcares. Margarita Rosa de Francisco, actriz y presentadora aconseja evitar los lácteos, los fritos y el pan y, te invita para que tomes agua, té verde y agua de Flor de Jamaica.

    #4. Para el cuerpo y rostro una buena hidratación


    Éste hábito te anima para que te consientas gracias a buenas rutinas de limpieza de tu rostro. Limpiezas que puedes realizar en tu casa y si deseas más profundidad, existen spas en el centro de Bogotá que te ofrecen fabulosos planes y promociones que te prometen limpiezas correctas. Adicionalmente, es muy importante que te acostumbres a usar protector solar. Y, por supuesto, exfolia tu rostro y piel corporal una vez a la semana, te ayuda a eliminar células muertas.

    #5. Fíjate en las tendencias


    Estas serán las que te ayuden a determinar qué sigue y qué tipo de procedimiento o técnica de belleza podrías practicarte. Observa y analiza las tendencias en maquillaje, ejercicios, tratamientos que podrás realizarte en tu centro de estética en Hacienda Santa Bárbara o bien, aquellas grandiosas técnicas que podrás llevar a cabo en la comodidad de tu casa.

    Hoy te hemos enseñado 5 diferentes consejos para que te propongas, en lo que queda del año, cambiar y adoptar hábitos en tu vida que te permitirán lucir mucho más radiante y bella. En Elena del Mar te ofrecemos procedimientos faciales y corporales, llevados a cabo con grandiosos equipos y tecnologías que te prometerán lucir magnífica. Visita nuestro centro de estética facial en Cafam Floresta y empieza a cambiar desde hoy.

    Artículo tomado de Elena del Mar.

              4 exclusivos consejos para el cuidado de la piel masculina        
    El cuidado profundo de la piel no es solo cuestión de mujeres. En la actualidad los expertos mencionan que los hombres están buscando una piel más sana y de apariencia más joven gracias a productos especializados y la asistencia a spas en el centro de Bogotá u otras ciudades. Por ello, la Academia Americana de Dermatología (American Aacademy of dermatology) afirman que es un buen momento para que los varones evalúen la rutina que llevan para cuidar su piel y aprendan acerca de cómo cuidar el órgano más extenso del cuerpo.

    Según el dermatólogo Anthony Rossi, profesor asistente de dermatología en el Memorial Sloan Ketterring Cancer Center y, en la Facultad de Medicina, Weill Cornell de Nueva York: â€œel cuidado de la piel en los hombres ya no es tan tabú puesto que más hombres adoptan maneras de cuidar su piel en casa”. Además agrega que aunque existen diferencias fundamentales en la piel de los varones y las damas, los elementos básicos de un plan eficaz siempre seguirán siendo los mismos. Antes de llevar a cabo cuidados, debes reconocer el tipo de piel, de este modo, podrás aprender a cuidarla y seleccionar los productos adecuados para ti.


    ¿Cuáles son los tipos de piel?


    - Piel sensible. Aquella que puede quemarse o generarse un poco de picazón después del uso de algún tipo de producto facial.
    - Piel normal. Es clara y no es sensible.
    - Piel seca. Suele ser escamosa, algunos productos ocasionan que se produzca comezón y asperezas.
    - Piel aceitosa. Siempre tiene un aspecto brillante y grasosa.
    - Piel mixta. Como su palabra lo indica, son aquellas pieles que se evidencia en algunas zonas secas y en otras grasosas.

    Los expertos recomiendan estos cuidados con tu piel… ¡Toma nota y síguelos!


    Nº1. Diariamente lávate la cara después de hacer ejercicio


    Primero, el jabón regular de barra tiende a dejar áspera la piel, por ello, utiliza productos especiales. Segundo, después de hacer ejercicio en centro de actividad física o en los recomendados gimnasios – spa en Bogotá norte, su piel está agotada y los poros abiertos. Por consiguiente, toda limpieza que realice ocasionará que su piel vuelva a lucir con vitalidad y renovada.


    Nº2. No descuide su técnica de afeitar


    Analiza qué tipo de cuchilla te funciona mejor: aquellas que son multi-cuchillas o bien, las que cuentan con una o dos cuchillas. Además, nunca estires tu piel mientras te afeitas. Adicionalmente, recuerda humedecer tu piel y la barba y, utilizar crema para afeitar. Lo mejor es que te afeites en la dirección del crecimiento de la barba.


    Nº3. Utiliza protector solar


    Cuando usas protector solar ayudas a prevenir el daño que puede causar en tu piel  previniendo arrugas, manchas e inclusive cáncer de piel. Recomendable es que adquiera productos resistentes al agua, con amplio espectro con un FPS de 30 o superior. Por supuesto, aplícalo cada dos horas para mayor protección durante el día.


    Nº4. Tratamientos faciales


    En este punto, debes pensar en los tratamientos especializados que, centros de estética en Chico y otros lugares de la ciudad, ofrecen con la gran intención de limpiar de maner
    a profunda tu piel y rostro. Los tratamientos que brinda Elena del Mar han sido  pensados especialmente en tus requerimientos y por ello, podrás tener acceso a una grandiosa limpieza facial completa. O bien, si quieres algo más especializado podrías pensar en el procedimiento que te brinda un efecto tensor donde obtendrás 1 hidratación, 2 radiofrecuencias y 2 lifting para que reafirmes cada parte de tu piel.


    Elena del Mar es tu aliado en belleza y cuidado facial y corporal


    Somos un centro de estética facial en Cafam Floresta que se ubica, además, en otros sectores de la ciudad con el gran objetivo de ofrecerle facilidades al momento de llegar a nosotros. Adicionalmente, le brindamos la gran posibilidad de mantenerse en forma y con un cuerpo 10 gracias a nuestras instalaciones de gimnasio. De este modo, no solo cuidará su aspecto facial sino también corporal, porque nuestro principal objetivo es que equilibres tu mente y cuerpo.

    Lógralo gracias a Elena del Mar. Visítanos e inicia tu tratamiento facial y corporal. Además, podrás enterarte de fabulosos planes empresariales de spa en Bogotá.

              Ellas y ellos… ¡Están buscando su tiempo de bienestar y relajación!        
    Ellos y ellas buscan tiempo de relajación
    Los cuidados de la piel y el cuerpo son aquellos que se consideran integrales pues buscan resaltar lo mejor de ti, tu belleza y equilibrar tu vida además de hacerte sentir bien y estable con quien eres. Es por ello, que en Elena del Mar ponemos a tu disposición planes empresariales de spa en Bogotá para que disfrutes este tiempo de vacaciones que se acerca y de igual modo, le brindes a tus empleados espacios ideales de descanso y relajación para que se aparten del estrés y la presión laboral. Debes tener en cuenta que no existen distinción de género tanto mujeres como hombres deben verse y sentirse bien consigo mismos.

    Elena del Mar es uno de los spa en Bogotá norteque se presenta como spa y centro estético integral no solo porque te ofrece espacios ideales para alejarte del estrés de la ciudad sino también porque te brinda lugares especiales para que lleves a cabo tus rutinas de ejercicio y así como moldeas tu cuerpo, de igual modo, lo mantendrás en forma y tonificado. Así cumplimos con nuestro objetivo principal: promover un estilo de vida orientado al bienestar y la armonía además de fortalecer el equilibrio del cuerpo y mente para que el ser humano alcance sus metas y proyectos de vida.

    No podíamos dejar de mencionar que las tecnologías y aparatología con las cuales cuentan nuestros centros de estética en Chico y otros sectores de la ciudad y gracias a un equipo altamente capacitado se han podido lograr resultados satisfactorios. Sencillamente un oasis céntrico que te brinda espacios perfectos para que cuides tu cuerpo, mente y espíritu; de igual modo, lugares perfectos para que compartas con tus amigos, familia y pareja.


    Completo circuito de servicios para que te sientas excelente


    A la hora de hacer referencia a los cuidados del cuerpo y la piel, además de resaltar la salud y la belleza son fundamentales si lo que se espera es ver resultados óptimos que refleje lo mejor de ti. Por ello, un circuito completo será indispensable para que realices la perfecta elección de tratamientos y planes de spas en el centro de Bogotá o en la ciudad que te encuentres. En Elena del Mar podrás llevar a cabo grandiosos circuitos que dependerán del plan que escojas, por ejemplo, con el Bono VIP obtendrás masajes altamente profundos para que limpies, purifiques y relajes tu cuerpo y piel ¡Luce espectaculares este fin de año!

    Entendemos que cada cuerpo tiene necesidades diferentes, por ello como especialistas buscamos satisfacer tus necesidades y tratamos tu caso específico de manera especial y única, bien sea por medio de terapias naturales o con últimas tecnologías no invasivas que buscan resaltar tu belleza natural. Un caso en específico es Spectra para que te despidas de las arrugas y disfrutes de un rostro renovado. Pregunta en nuestro centro de estética facial en Cafam Floresta por la siguiente promoción Ãºltima tecnología, adiós arrugas


    Para ellos, para ellas: Elena del Mar


    Sabemos que te encanta un lugar que presente lugares especiales para cada segmento de personas y en Elena del Mar es en lo que mayor énfasis hacemos. Tanto para mujeres como para hombres nuestros centros de estética se adaptan a las necesidades de cada persona y cada una de nuestras promociones responde a sus requisitos.AQUÍ podrás conocerlas y adquirir la que más desees. ¡Disfruta!

    Articulo tomado de Elena del Mar

              The "Green" Jobs Canard        

    For too long, politicians, environmentalists and subsidized proponents of “green” jobs have been peddling the notions that “investing” in green technologies is the illuminating endeavor and beneficent job creator of our time.  With scant evidence, these green jobs postulates are bulwarked by so much hot air it rivals the amount of subsidized dollars used to sustain them.

    The main dilemma of green jobs and investing is that they defy the reality of basic economics.  Jobs are created by entrepreneurs willing to invest in capital, coupled with demand for their goods and services.  The economic environment fostered by government (taxes, regulations, etc.) plays an immensely important role as well.

    The experience in Europe with investment in greed jobs sheds a glaring light on the fallacious nature of the purported success of these initiatives.   In Spain, which has a 20.4 percent unemployment rate, every green job created destroyed an additional 2.2 regular jobs. In addition, every “green” megawatt created destroys 5.28 jobs in the rest of the economy.  Aggregately, these green jobs programs killed 110,500 elsewhere in the economy.

    The amount of money invested in these programs is exorbitantly costly when compared with private sector job creation.  In Italy, the amount of capital invested in the creation of 1 green job was equivalent to the amount of capital invested to create 5 jobs in the rest of the economy.

    The reason these programs are such colossal failures, is that government subsidies to inefficient and unsustainable green initiatives divert resources from other productive sectors of the economy and result in the loss of jobs.  Price-controls and central planning have long been considered an abject failure, why do we believe that these policies are any more palatable in the energy sector of our economy?

    The reason these economically suicidal green job schemes continue to seem viable is that somehow they represent drastically new technology and innovation.  It’s like a burgeoning plant, just give it a little water and it will rapidly expand, right?

    Wrong.  These propositions elucidate an inherent myopia within the green jobs cheerleaders.  The truth is that the wind-powered electricity was commercialized in 1881 and solar power received its first patent in 1892.  Mean ugly coal-fired electricity was commercialized in 1882.  

    The house that contains the green jobs myth has been set ablaze.  Do we want the dubious distinction of running in?


              Field Guide to Bird Sounds of Eastern North America        
    Field Guide to Bird Sounds of Eastern North America

    The first comprehensive guide to the sounds of eastern North American birds, featuring an innovative visual index that allows readers to quickly look up unfamiliar sounds in the field.


              Free CCcam Server NEW /3Host LE 11-08-2017        
    Free CCcam Server NEW /3Host LE 11-08-2017
    Host:satna.dynu.net 
    Port: 22700
    This Server Open : « TRING , SKY DE , DIGI TV , DIGI TV , TivuSat ,beIN Sport,MBC HD,Art,Nova,Csat, POLSAT , Canal+ 
    << NL , OSN , DIGI turk…etc 
    User + Pass
    Download / تحميل
    Or
    Download / تحميل


    كيفية التحميل



              The Next Two People You Need to Start Up Your Startup        
    By: Andrew Johnson, Ph.D. It seems that every week there is an article or post that bemoans the shortage of innovation in America.  However, this is not due to a lack of great ideas and the pace of discovery in the labs across the nation.  The problem is getting the right team to lead and […]
              Get the Biggest Bang for Your Tradeshow Buck with These Tips        
    By:  Andrew Johnson, Ph.D. Tradeshows can be a great place to get the word out about your product and also to keep abreast of late breaking news, trends and opportunities.  However, they can also be very expensive.  Registration fees, travel costs, shipping and other logistical costs, not to mention opportunity costs by having your sales […]
              Nova versão beta do Ovi Maps (3.06)        
    No Nokia Beta Labs existe uma nova versão do ovi Maps para celulares Symbian^1. Mais detalhes aqui.

    Pessoalmente, como estou com um N97, não tenho instalado por problemas de falta de memória disponível as últimas versões. Mas alguns dos novos recursos aparentam ser interessantes, em especial as linhas de transporte público em dezenas de cidades.
              Atualização dos mapas do Brasil - Ovi Maps        
    A Nokia liberou uma nova versão dos mapas do Brasil para o Ovi Maps. Não percebi nenhuma alteração nos mapas, ou seja, em várias cidades os mapas estão um pouco (ou muito) deslocados em relação à posição real obtida pelo GPS.
    A atualização tem 192mb, assim é recomendável fazê-la com o smartphone conectado ao computador.
              Nova versão do Google Maps para S60 e Windows Mobile        
    O Google acabou de disponibilizar hoje para usuários dos smartphones Windows Mobile e Symbian S60v3 e S60v5 a versão 4.1 do Google Maps.
    A maior novidade é o recurso de busca de endereços por voz. Ou seja, o usuário fala o que deseja procurar e o programa, através do sistema de reconhecimento de voz nos servidores do Google, oferece os resultados.
    Acabei de baixar o programa mas não fiz nenhum teste ainda deste recurso. Mas já adianto que a busca por voz no Google Apps no meu Nokia N97 só funcionava "falando em inglês"...
    Para baixá-lo, acesse http://www.google.com/gmm.
              Ovi Maps 3.03 com navegação gratuita e funcionando no N97!        
    Hoje a Nokia anunciou que a navegação por voz no seu programa Ovi Maps passará a ser gratuita. Anteriormente o usuário precisave comprar o pacote de navegação para um período determinado de tempo (1 semana ou 1 mês) para poder ter a orientação por voz.
    Esta oferta está disponível apenas para a nova versão 3.03 do Ovi Maps, disponibilizada para download a partir de hoje.
    Entretanto, observando a lista de aparelhos compatíveis, notei a falta do N97 clássico, apenas o N97 mini estava listado. De acordo com o site All About Syumbian, o motivo seria a falta de memória livre paar efetuar a instalação do programa, já que ele necessita de pelo menos 20mb no disco C: do aparelho para instalar.
    Bem... fazem dois dias eu formatei o meu N97 inteiramente para tentar resolver o bug do travamento na inicialização (e acho que consegui) e assim estava com 26mb livres no meu disco C:. Baixei o instalador e... funcionou direitinho!!!
    Ou seja, agora estou com meu N97 com navegação gratuita!!!
    Eu já estava acostumado com a nova interface do Ovi Maps pois estava usando a versão beta faz tempo, mas notei as seguintes mudanças:
    1. Não é mais possivel acessar suas licenças, já que agora tudo é de graça;
    2. Apareceu uma opção "Compartilhamento" que deve ser algo como o Latitude do Google;
    3. Finalmente é possível procurar pontos de interesse por categorias, algo que havia sido retirado do beta do Ovi Maps 3.03.
    Para baixar o programa, acesse http://www.nokia.com/maps.
    Fontes: Rodrigo Toledo, N Possibilidades, All About Symbian.
              Sorvete na testa do ano!!! Nokia fecha o NokiaBR...        
    Hoje está correndo na blogosfera a celeuma sobre o fechamento do blog NokiaBR por imposição da Nokia. O José Antônio recebeu uma intimação de um escritório de advocacia sobre o uso indevido da marca "Nokia" (o que realmente eles têm razão) e entre outras ameaças e imposições, resultou no cancelamento imediato do domínio NokiaBR.
    O mais estranho é que o blog NokiaBR era tocado por "um fã de carterinha" da marca e seu conteúdo era, em grande parte, positivo para a empresa finlandesa... Mas, como disse a Bia Kunze do Garota sem fio, em vez deles correrem atrás dos "Nokla", foram atrás do José Antônio.
    O duro é que estes escritórios de advocacica parecem aqueles cachorrinhos pentelhos que ficam tentando latir o mais alto possível para se fazerem de ferozes e acabam espantando quem não deveriam...
    Comigo há alguns anos tive uma experiência semelhante... Sou proprietário de uma pequena rede de varejo que comercializava uma marca de produtos que estava em litígio entre o importador antigo, de quem eu me abastecia, e o novo. Um belo dia apareceu uma "Notificação Extra-Judicial" de um escritório de advocacia representando o novo importador que entre outras ameaças, dizia que seria expedida uma ordem de apreensão de todo o meu estoque adquirido LEGALMENTE do importador antigo...
    Na hora liguei para o representante de vendas do novo importador, já que eu era um dos maiores clientes do estado de outras marcas da empresa e me prontifiquei a me desfazer o mais rapidamente possível do estoque que havia adquirido do antigo importador daquela marca, vendendo abaixo do custo e não dando mais ênfase na vitrine.
    E também solicitei que todos os representantes daquela empresa, a nova importadora que havia mandado a notificação, nunca mais aparecessem nas minhas lojas, pois não seriam atendidos. Ou seja, um advopgadozinho de m... espantou um dos maiores clientes da empresa...
    Até hoje, passados mais de 5 anos, diretores e gerentes desta importadora em todas as feiras tentam de todo custo "abrir o ponto de venda" novamente...
    Veja o relato do José Antônio no seu blog Zeletron.
    Veja a repercussão na blogosfera...
    Garota Sem Fio
    Rodrigo Toledo
    TekiMobile
    BRLinux
    FayerWayer
    ManéBlog
    Picolé Parcelado
    RichardMax
    ProveIsto
    AllGSM
    FreeBird
    Fico com a sugestão do Rodrigo Tolego, vamos todos criar links para o blog "autorizado pela Nokia" do José Antônio, o Zeletron para que ele possa, em pouco tempo, ficar bem ranqueado nos Googles da vida...

    Atualização: veja a resposta da Nokia sobre o assunto.
              CZK - 7,5cm tankový kanon vz.39/44N (úprava kořistní zbraně pro ST-I)        
    Autor: Jiří Tintěra

    Datum: 10.08.2017 19:32:31



     
    Název:
    Name:
    7,5 cm tankový kanon vz. 39/44 N 7.5 cm tank cannon Mk. 39/44 N
    Originální název:
    Original Name:
    7,5 cm tankový kanon vz. 39/44 N
    Výrobce:
    Producer:
    Rheinmetall-Borsig AG, Düsseldorf /
    Období výroby:
    Production Period:
    DD.MM.1944-DD.MM.1945
    Vyrobeno kusů:
    Number of Produced:
    neuveden (Not specified)
    Prototyp vyroben:
    Prototype Built:
    DD.MM.RRRR ?
    Použití:
    Use:
    ST-I (1)
    Technické údaje:
    Technical Data:
     
    Hmotnost:
    Weight:
    1350 kg 2976 lb
    Ráže:
    Calibre:
    75 mm 2.95 in
    Náboj:
    Cartridge:
    75 x 495 mm
    Délka hlavně:
    Barrel Length:
    d/48 mm (2) L/48 (2)
    Celková délka:
    Overall Length:
    neuvedena Not specified
    Používaná munice:
    Ammo Used:
    tříštivo-trhavý granát vz. 34
    protipancéřový granát vz. 39
    protipancéřový granát vz. 40
    kumulativní granát vz. 38, verze B
    kumulativní granát vz. 38, verze C
    Mk-34 High Explosive
    Mk-39 Armour Piercing
    Mk-40 Armour Piercing
    Mk-38 Granate with Shaped Charge, mod. B
    Mk-38 Granate with Shaped Charge, mod. C
    Výkony:
    Performance:
     
    Maximální dostřel:
    Maximum Range:
    ~7,7 km ~4.8 mi
    Rychlost střelby:
    Rate of Fire:
    12-15 ran/min 12-15 rpm
    Úsťová rychlost:
    Muzzle Velocity:
    740 - 790 m/s 2428 - 2592 ft/s
    Poznámka:
    Note:
    Kořistní zbraň upravená ve Škodových závodech Plzeň.
    (1) 7,5 cm stihač tanků ST-I
    (2) Dostupné prameny uvádí dva rozdílné údaje o délce hlavně: 3600 mm a 3375 mm
    Prey weapon modified at Skoda Pilsen.
    (1) 7.5 cm tank destroyer ST-I
    (2) Sources show two different length barrel: 3600 mm or 3375 mm


    Zdroje:
    Sources:
    Výkres VTÚ: Nápisy na dělech, č.v. I-3C1-1-2/1, in VHA Praha, FL: MNO VTV, rok 1947, KL: 167, SL: 13871,
    Krátký popis 75mm tanového kanonu vz.39/44N ..., in VHA Praha, FL: MNO-VTVM, rok 1952, KL: 65, SL: 24-1/242.
    https://forum.valka.cz/topic/view/179099

              Workshop de Introdução Alimentar com Fabiolla Duarte do Blog Colher de Paú        








    Encontro que visa discutir e refletir sobre de que maneiras é possível uma abordagem humanizada no momento da Introdução de alimentos sólidos para bebês.
    Baseado em alguns conceitos abordados pelo pediatra espanhol Carlos Gonzáles, pela terapeuta argentina Laura Gutman, teorias sobre alimentação baseadas na Antroposofia, Macrobiótica, Alimentação Viva e noções básicas de Nutricionismo. Observação humana a partir da Antropologia, Psicologia e Educação, e tudo o mais do que virá a partir do relato biográfico gastronômico dos inscritos.

    Quando fazer: em qualquer momento antes, durante ou depois da fase de introdução de alimentos sólidos. Para quem participa antes, é uma ótima oportunidade para se preparar para esse momento, com tempo para digerir novos conceitos. Para quem participa depois da fase de introdução ter começado, é muito útil para auxiliar nos desafios que surgem pelo caminho. Para quem participa muito depois, ainda uma excelente oportunidade para pensar em profundidade sobre alimento, comportamento e vida familiar.

    Programa:

    * Prontidão - sinais fisiológicos e comportamentais para a introdução de sólidos;

    * Relações entre apetite, fome e mundo lúdico;

    * Memória – de que forma a Introdução de Alimentos afeta nossa relação com alimentação na vida adulta;

    * A comida da paixão – a comida que envolve todos os sentidos para além do apetite;

    * Alimentação adulta x Introdução de Alimentos – é possível coerência?

    * Comida prazer X comida saúde – onde mora o ponto de equilíbrio?

    * Por onde começar - o que pode e o que não pode: dicas sobre os primeiros alimentos a serem oferecidos;

    * Abordagem - maneiras eficientes de oferecer alimentos sólidos;

    * Amamentação X alimentação de sólidos - desmame ou amamentação prolongada?

    * Começar pelo doce ou salgado, suquinho, leite artificial, sal, açúcar, carne, vegetarianismo: sim ou não? – mitos da pediatria;

    * Papinhas X pedaços, colher X mãos – dicas de cozimento, vantagens e desvantagens e a importância da experiência sensorial na Introdução de Alimentos;

    * “Meu filho não come, e agora?” – reflexões sobre cada caso;

    * Horários para cada refeição – como organizar as refeições familiares;

    * Organização doméstica – sobre a ansiedade da mãe e as novas tarefas domésticas;

    * Volta ao trabalho e Introdução de Alimentos – como conciliar trabalho e Introdução de Alimentos;

    * Dicas básicas sobre nutricionismo – combinação de alimentos, cozimento e o prato completo;

    * O cereais e leites vegetais – um pouco sobre cada cereal e dicas de como fazer leites vegetais em casa;

    * Critérios alimentares – a escolha de uma dieta alimentar familiar e aspectos de cultura e tradição pessoais.

    Valor R$197,00 individual ou R$350,00 casal

    Exibirei alguns trechos de filmes para inspirar nossa reflexão.

    Aqui alguns textos meus sobre Introdução de alimentos.
    http://vilamamifera.com/alimentoecomportamento/category/introducao-de-alimentos/

    Informações adicionais: costuracoletiva@gmail.com

    ou pelo 011 9 8467 2960 ou na loja Ninho 19 32892763
    PUBLICAÇÕES

              A casa nova da Ninho        

    Ninho <3


    A Ninho mudou. Ganhou um espaço lindo, com quintal só para criançada, espaço de brincar com muitos brinquedos escolhidos cuidadosamente, agenda de atividades e um café delicia que se chama Tico-Tico no Fubá Café e Piquenique se aninhou dentro dela. A casa nova é vizinha da primeira, muro com muro, impossível se perder.

    A felicidade é gigante, um sonho que aconteceu, um caminho todinho percorrido com muiitooo amor e perseverança. Mães, mulheres empreendedoras, agora com toda seguraça do mundo podemos dizer que esse é nosso espaço, nosso ninho, canto cuidado e idealizado.

    Nossos filhos podem fazer parte, os maridos ajudam, os amigos ficam na torcida e os fornecedores...há, esse é outro ponto que preciso comentar, um mais bacana que o outro, companheiros e tão guerreiros quanto a gente, porque convenhamos, no Brasil, pra crescer tem que ter muita determinação e qualidade.

    Agradeço muito cada um de vocês que fazem parte dessa história, cada pessoinha que veio aqui, cada dica, contato e ajuda. Obrigada! A nova loja Ninho é pra vocês, curtam muito!

    Olha que fofura a comunicação do Tico-Tico- puro orgulho!



              Ninguém é perfeito!        

    Ninguém é perfeito

    por Natalia Bordalo

    Correria... tanta coisa pra fazer, e parece sempre faltar tempo. Não sei se agente desenvolve muitos interesses, ou se vivemos fugindo do essencial. De qualquer maneira, fim de ano se aproxima e parece que esse sentimento só cresce, bem como as famosas listas do que fazer. E para muitos o resultado é estresse.

    Uma das raízes do estresse em nosso dia-a-dia se resume a acreditar que tudo deve ser feito de maneira excepcional, se não perfeitamente. E como toda boa mãe (e pai), somos muitas vezes nossos piores algozes. As expectativas que temos de nós mesmos são tipicamente muito maiores do que o que os outros jamais terão de nós.

    A perfeição tem que ficar de fora das nossas listas!

    Se você é uma mãe de crianças pequenas, pré-adolescentes, ou de adolescentes, é importante refletir que esses anos maternais são assaz passageiros. E um belo dia chegará o momento em que a casa estará tranquila e quieta. Enquanto isso, agente fica-se sentindo como se todas as tarefas nunca são feitas e que de alguma forma, porque há brinquedos espalhados pela casa, espelhos com manchas de pasta de dente, você não está dando conta do recado. Mas está.

    É muito mais importante passar 5 minutinhos sentada calmamente, enquanto um pequeno cochila ou os maiores estão na escola, para inspirar e expirar, para renovar-se com uma postura de yoga ou simplesmente se perder num devaneio do que passar esse tempinho precioso lavando, esfregando, cozinhando ou arrumando. Vamos desacelerar minha gente, está tudo bem. Nada tem que ser perfeito. Relacionamentos veem em primeiro lugar. Então, se uma criança (uma amiga ou você mesma) precisa de um dengo extra ou do seu ouvido atento, coloca isso no topo da sua lista e afaste-se do e-mail que você está escrevendo, do blog que está lendo, da panela que está esfregando ou da sujeira que está te encarando (nóia!).

    Tudo vai se ajeitar, e isso é perfeito.
    *******    ************************** *******************  ****************** *******
    Esse texto lindo da Natalia me lembrou de um livro que foi muito útil na criação da minha filha mais velha que é super critica e perfeccionista desde de muito pequena!

     

              Gacetilla de Prensa        

    Capacitación Sindical en el Gremio de la Fruta

    La Comisión Directiva de la Seccional General Roca del Sindicato de Obreros Empacadores de Frutas de Rio Negro y Neuquén aprobó la realización de un curso de capacitación sindical dirigido a integrantes de la Comisión Directiva y Delegados de Plantas de Empaque de la Seccional local.

    “Con un gran esfuerzo vamos a dar inicio la última semana de Junio al “Curso de Capacitación y Actualización Sindical”, que es un proyecto que teníamos pendiente y que por fin podemos concretar. Tenemos muchos Delegados nuevos y que requieren conocimientos para afrontar la responsabilidad que han asumido frente a los trabajadores, y también lo necesitan los demás dirigentes y Delegados, porque estamos convencidos que capacitarse y actualizarse es necesario para poder defender los derechos de los trabajadores con mayor eficiencia”, destaco Marcelo Portiño, Secretario General de la Seccional General Roca.

    “Con un total de 12 encuentros distribuidos en seis meses, con un temario que va desde el análisis de nuestro Convenio Colectivo de Trabajo hasta la historia de los derechos laborales y de la Seguridad Social, técnicas de negociación y legislación laboral que regula la actividad e interpretación de recibos de sueldo, son algunos de los temas que expondrán expertos en cada área, para luego pasar a la instancia de taller con un cierre en donde cada grupo expondrá sus conclusiones”, finalizó Portiño.

    Jornadas de Seguridad Social de Rio Negro

    Por otra parte, Delegados de plantas de empaque e integrantes de Comisión Directiva de la Seccional General Roca del Sindicato de la Fruta están participando en las Jornadas de Seguridad Social de Río Negro en el marco del "Programa de Fortalecimiento Sindical para la Promoción y Defensa de la Seguridad Social Integral y Solidaria" que se esta llevando a cabo en la localidad de Allen, y que fueron organizadas por la Secretaria de Estado de Trabajo de Río Negro, Anses, CGT y CASFPI. En estas Jornadas, de tres días de duración (8, 9 y 10 de Junio), se están viendo temas tales como Sistema Integrado de Jubilaciones y Pensiones, Asignaciones Familiares y Prestación por Desempleo, y participan representantes de distintos gremios. Los disertantes son Norma Noseda, Maria E. Luengo y Horacio Sagman, los Dres. Hugo Di Génova y Walter Chaparro.

    “Nosotros estamos participando con muchas ganas, ya que todo lo que sea capacitación es importante. Pero este tema en especial nos interesa ya que estamos trabajando junto a la candidata Nora Mancini en la elaboración de un proyecto sobre la seguridad social para trabajadores temporarios con el objetivo de que asignaciones familiares vinculadas directamente a la protección de los niños y niñas, como así de las mujeres trabajadoras, sean abonadas durante todo el año, independientemente de los días trabajados”, expresó Marcelo Portiño.


    Pablo Camarada

    Secretario de Prensa


              NEWFOUNDLAND MOOSE - SCI SILVER AWARD        


    PART I - THE BEGINNING
    Have you ever flipped through the pages of Field & Stream or watched an exciting big game hunt on the Outdoor Channel and said to yourself, “Someday I would like to do that?” I guess all hunters have a specific species they dream about pursuing and mine has always been a moose. In terms of my “bucket list” for animals I want to hunt, the moose has always been number one. For years, I have sent my check to Vermont and Maine in hopes of getting drawn in their moose hunting lottery; but it never was. But last Fall I received an email from Amsterdam hunters Dick Andrews and Marshall Knapik and Rich Kraus(Ballston Spa) about their Newfoundland moose hunt that finally lit the fire under me. And the results is that in 3 weeks my dream hunt will finally become a reality.

    The moose, which is derived from the Algonkian name meaning “eater of twigs,” was not native to Newfoundland. They were introduced, two bulls and two cows from New Brunswick, in 1904 and today it is estimated that there is a population of 120,000. Moose are the largest member of the deer family with a weak eyesight but their most acute sense is their hearing. Their habitat is includes swampy areas as well as forested higher ground around lakes.

    The destination, which I choose mainly because of Dick’s recommendation and the fact that he has hunted there successfully five times already and will be returning in 2010, is Sam’s Hunting and Fishing Camps located in Portland Creek, Newfoundland, Canada. Owned and operated by Sam and Hebbert Caines, they have over 30 years of experience guiding and outfitting hunters. Sam’s has three hunting camps located in Area No. 3 on the Northern Peninsula: St. Paul’s Big Pond, where I will be hunting, which is one-half mile from Gros Morne National Park which is 35 miles from Deer Lake; Long Range Mountains at Trophy Lake and High Pond which are each 60 miles from Deer Lake which is the pick up point for all Sam’s hunters. Now although we will be hunting from fly-in remote sites, which I am looking forward to, it is comforting to know that there is two-way radio and cell telephone contact with these camps.

    There are two ways to get to Deer Lake; driving and flying. If you drive there is a 5 - 8 hour ferry crossing depending upon the weather or, my choice, drive to Montreal and fly into Deer Lake. Here I will spend the night, be picked up early the next morning and flown in to camp by helicopter. And this, the helicopter ride, is something I am looking forward to also. All the camps are built to Newfoundland Tourism specifications and include indoor toilets, showers, two bedroom with two single beds in each, a large dining room and a kitchen. And each camp has a full time cook. Each hunter has his/her own guide. The actual hunting is done by spot and stalk, which is walking and glassing a variety of terrains, and/or sometimes glassing from elevated blinds.

    Now when choosing a guide/outfitter success rate should always be a major consideration. In the case of Sam’s Hunting and Fishing Camps he has a 90 percent success rate for moose and 100 percent for caribou. Unfortunately, I applied for a Woodland caribou hunting tag but did not receive one; but I did get a black bear permit which I hopefully will be able to fill during this hunt. As for the caribou, I will try again next year.

    BORDER CROSSING
    When hunting in Canada there are a number of forms and documents that are needed when crossing the border. The easiest way to travel to and from Canada is with a passport. As for your firearm, this too is fairly simple and most of the paperwork can be competed before you go. You cannot bring a fully automatic weapon, handgun or pepper spray into Canada. Your regular hunting rifle/shotgun is not a problem as long as complete a Nonresident Firearms Declaration(CAFC909EF) form. Sam sent this form to me when I confirmed my hunt with him in February. The form is very simple to complete and on it you can register up to 3 firearms and the cost is $25(Canadian) which you pay at the time of crossing. The registration is good for 60 days. Do not sign and date the form until you are at customs. In all the times I have traveled to Canada with a firearm(s) to hunt it has been a very simple process which usually will take no more than 30 minutes. To download this form Goggle “Canadian firearms declaration form.”

    With regards to transporting firearms to Canada , which they may or may not inspect at the border, is in a protective and lockable case, and obviously, unloaded. It is wise if your gun is a bolt action to remove the bolt, and if it a clip remove the clip.

    CLOTHING
    Weather-wise, during September it is usually very pleasant in the mid - 40s which is good hunting weather. But Dick and other hunters who have been to Newfoundland in September all agree that things can change very quickly. “You will hunt in the rain,” they tell me and things will get damp and therefore layering you clothing is the best method. The absolute must for this trip is quality rain gear which should include quality rubber boots that are 16 or 17 inches high and with aggressive tread.


    THE GUN/AMMO
    Now those of you who know me are probably saying: “First moose hunt; he will surely have to buy a new gun.” That’s what my wife thought also. Well, believe it or not, the gun that I will be using is one that is already in my gun cabinet. In fact I have had it for at least 7 years now and never really shot anything with it. It is a ported Remington Model 700 BDL in the .300 Win Mag caliber. I told you I knew that one day I would be making this hunt and actually bought the gun solely for the purpose of hunting moose with it. The only action it has seen up until now has been a twice a year complete cleaning and oiling. But now that my dream hunt is going to be a reality I have added a quality optic and spent some range time getting acquainted with this gun; and I am very impressed with its performance and power; just what is needed to bring down a large bull moose that stands higher than a large saddle horse and can weigh as much as 1500 pounds.

    When I asked Sam and Hebbert what to expect in terms of the range of shooting distance he said that it could be anywhere from 50 yards to 400 yards; which was another reason I chose the .300 win mag cartridge.

    With the number of quality scopes offered today my selection of the right one for this rifle and especially this hunt was difficult. At the Shot Show in January I spent one day visiting optic manufacturers booths and reviewing what they were offering in scopes. One in particular impressed me; Hawke Optics. And when Brad Bonar, their Sales Manager, let me look through their Endurance 30 series 3-12x50 L3 Dot IR reticle scope all I could think about was placing that red dot on the shoulder of my Newfoundland bull moose. Other important features include a 30mm matt black mono tube, it is fog and waterproof, shockproof and has an 11 setting rheostat to adjust the Dot’s intensity to any light condition.

    After mounting and bore sighting the scope I headed for the range where I tested 3 brands of ammunition shooting from a Caldwell Lead Sled shooting rest which is the only way to sight in a firearm for two reasons: one is that you get the best accuracy and two, it absorbs almost all of the felt recoil. My 3-shot grouping with the Endurance was quite impressive(one-half inch) and the best results were with the Winchester Supreme Elite XP3, 180 grain 2-stage expansion bullet with delayed controlled expansion, deep penetration and high weight retention. Ballistically it has a muzzle velocity of 3000 feet per second and energy of 3597 foot pounds. Just the right medicine for taking a moose down. Zeroed at 200 yards it will be 1.4 inches high at 100 yards and 6.4 inches low at 300 yards. And should I get that 400 yard shot, my holdover will be 18.5 inches.

    One other service I found helpful when dealing with Hawke Optics was their Ballistic Reticle Calculator(BRC) which is a free software package that will help you to choose the right ammunition for your gun and print a copy of the results. This program covers calibers from a 177 air rifle, up to a 300 Weatherby magnum and even will calculate the best crossbow bolt for your crossbow. To get the BRC go to their web at hawkeoptics, click on “Hawke BRC” and they will email it to you. And while you are there click on “NEW Reticle Information” and see how my L3 DOT IR looks when sighting in a bull elk in the field.

    PART II - THE HUNT

    Forty five years ago when I realized how much I enjoyed big game hunting I promised myself that someday I was going to go on a moose hunt. And two weeks ago my wish came true in Newfoundland at Sam’s Hunting and Fishing Camps; and I can honestly say it was the most exciting hunting adventures I have ever experienced.

    It was 2a.m. when I stepped off the plane in Deer Lake along with several other camo clad passengers and headed for the baggage claim conveyor. Now if you have ever traveled with a firearm on a hunting trip you know how good you feel when you see that gun case come out on the conveyor; and mine did. But my suitcase, with all my hunting clothes, boots and other accessories, didn’t. Now I had a real problem because in just 4 hours my outfitter Sam Caines was going to pick me up and take me to the helicopter that would fly me into St. Paul’s Big Pond; which was the only access to the camp.

    At the airline desk I completed the missing baggage claim form and explained the situation and asked how, when they found my bag, they would get it to me. They would have to send it to the outfitter who would then have it flown out to me at the camp. So when I climbed into that helicopter later that morning I was wearing my hunting clothes: jeans, Nike shoes, long sleeve cotton shirt, baseball cap and a photographer’s vest. Not exactly what I needed for the spot and stalk hunting in wet bogs in the wind and rain and temperatures in the low 40s.

    The helicopter ride was great and I got a chance to see just how beautiful the Newfoundland wilderness really is; and it was then that I felt the excitement of the upcoming hunt despite the knot in my stomach because of my lost luggage. I could not hunt like this and all I thought about was having to stay in camp for 7 days and not being able to hunt; something I waited a lifetime to do.

    After settling in, which did not take long for me, I got to meet the other three hunters: Oscar Primelles, my roommate from Florida; and Victor Chandler and Wayne Cleveland who were both from Nova Scotia. The staff included guides Hebbert, Sherman and Harrison Caines, Ralph House and Derrick Kelly our camp cook. Each hunter at Sam’s has his/her own guide. Ironically all had heard of my problem with the airlines and they all said “they would dress me.” Each one of them contributed to my hunting outfit and when I dressed for hunting on Monday morning the only piece of clothing I was wearing that was mine was my underwear; which by the way, I washed each evening and hung over the wood stove to dry.

    That evening before the hunt I felt lot better knowing I would be able to hunt comfortably and thoroughly enjoyed Derrick’s ham dinner with all the trimmings which we all found out was equally outstanding all week. And that included the home made bread, pies and cakes.

    MONDAY
    It rained all night and it was raining at 7 a.m. with 5-10 ph winds and temperatures in the mid - 30s when Sherman, my guide, and I along with Oscar and his guide Hebbert, all climbed into an 18 foot aluminum boat and headed for the other end of the pond. This “pond” by the way was the size of Saratoga Lake.

    Once on shore we all started up 12 STOP mountain which is the name I gave it because it required 12 rest stops where I would catch my breath before I reached the top. Sherman and I stayed on one side of the top while Oscar and Hebbert went over the top to the other side to set up. Each of the guides would call, using only their mouths, but nothing came in.

    By 9 a.m. the wind had picked up considerably and that combined with the heavy rains made sitting difficult; and at by 11:00 we were back in the boat and headed for camp. And when we got there Derrick’s homemade turkey vegetable soup was just what we all needed. No one that morning had seen a moose.

    The afternoon watch took us up another steep incline( 10 Stop mountain) and the bad weather conditions were the same. I remember reading that moose do not move much when it is rainy and windy and they didn’t this evening either. Victor and Ralph reported seeing two cow moose that evening but they were about 500 yards across the bog.

    TUESDAY
    Anticipation was high that morning despite the fact that conditions had actually gotten tougher and we had to wait about an hour for the fog to lift before we left camp. This time Sherman and I headed out behind the camp for an area they called the Waiting Rock stand. It was an 8 stops climb for me and we climbed into the 20 foot high tower. These towers are quite unique. They(guides) find four 10 - 12 inch trees that are in a square about 5 or 6 feet apart, trim the branches from the ground up, cut the tops off the trees, and build a platform blind enclosing the sides with canvas and with seats. It is quite comfortable but I found out that temperatures were a bit colder at this height. And at times the high winds would create horizontal rains which added to our discomfort. But that’s hunting. And again, by 10 a.m. we were headed back to camp without sighting a single moose.

    It was on this trip back to camp that I found out about what Newfoundlanders call a bog hole, and why they told me to always watch and duplicate where your guide steps; which I did on the first day. However on this day I got caught up in looking at the beautiful scenery and my right foot with the 18 inch high boot found its way into a 24 in hole full f water. I knew than that I was done hunting for the day. But as it turned out, because of the bad weather no one went out that afternoon.

    WEDNESDAY
    Finally Mother Nature turned off the water, reduced the wind and replaced them with chilly 34 degree temperatures. At daybreak Sherman and I headed back up for the Waiting Rock tower; but we never made it. The evening before Hebbert had told me that in the history of this camp Waiting Rock had produced at least 100 moose harvests and on this day I was about to make it 101.

    Several hundred yards from camp we stopped and Sherman made a few cow calls but got no response. Continuing up the hill we were just about 100 yards from the bog that the tower was located in when Sherman stopped, tapped his ear and pointed at the thick spruce off to our left. I heard the scraping and then saw those large palmated antlers thrashing the trees and brush about 80 yards from us. I think I froze momentarily in awe. It is one thing to watch something like this on the Outdoor Channel, but it is nothing like actually being there. Quickly and quietly I chambered a round and turned the Hawke scopes power down to 4. I don’t remember being nervous but I am sure I was.

    By watching the movement of the bushes and trees we could see the bull was heading parallel to us and hopefully he would cross a 15 foot opening about 50 yards from me. Sherman motioned me up a few yards where I set up on a small rise in the trail, got down on one knee, clicked off my safety and laid my cheek on the stock.

    All the time I could feel the chill running up and down my spine and my heart was pounding. To keep the bull headed in our direction Sherman cleverly turned his back on the bull and called again making it sound like this love sick cow was leaving. It worked.

    Not only did the bull step into the opening but he started to turn down the trail towards me. I don’t know remember my feelings or even pulling the trigger when that big bull was just 40 yards from me slowly tossing his head from side to side. I knew I had hit him, but I am not sure he knew. Shot number two got the reaction I was looking for and shot number three put him on the ground. It was then that I remember what the veteran hunters and guides in camp said; “ shoot until he is down.”

    My knees were a bit shaky when I stood up and so were my hands as Sherman and I waited a few minutes before moving cautiously toward the fallen bull. And when we were sure he was dead the high 5s, hoots, hugs and handshakes began. I don’t know exactly how many times I thanked Sherman, my 27 year old guide, for my first bull; and he thanked me also; because I was actually the first client he had guided.

    I believe I stood over my bull for at least 15 minutes just admiring his rack, head, swollen neck and shoulders. Everything about him was “BIG.”

    Now the real work was about to begin for Sherman. That big half ton at least animal had to be rolled over and not only field dressed but boned, quartered and carried out on a pack frame.

    Back in camp that afternoon after another long photo shoot Hebbert gave me my bulls statistics. He estimated that the bull weighed 1500 pounds, was 7-8 years old, had 22 measurable points, 13 inch palms, a 48 3/4 inch spread and the bases of his antlers measured 9 3/4 inches around.

    As for the other hunters in camp they too tagged out by the end of the week. My cabin roommate Oscar, shot a 10 point bull, called in by Hebbert, just about 550 yards from where I took my bull on the Waiting Rock watch. On the next morning, Thursday, Harrison called in a 3 point bull and a cow moose to Victor, who chose to shoot the cow. And at 9:10 a.m. on Saturday, the final day of hunting, I was in camp when Ralph called in to report he had called in a 4 point bull at the Waiting Rock tower, which Wayne dropped with just one shot at 158 yards. It was this 73 year old gentleman’s 10 th bull and his 10 th year of hunting with Sam. The first week of the 2009 moose hunt at St. Paul’s Big Pond was 100 percent successful. And I later found out that only one hunter in all three of Sam’s outpost camps had not taken a moose this week.

    If you have ever considered a moose hunt I highly recommend that you contact Sam’s Hunting and Fishing Camps(709-898-2535).



              A Cookbook That's More Than Recipes        
    Through "The Richmond Cookbook," VCUarts graduate Steven Casanova is collecting and sharing knowledge that reflects the city's culture and diversity.
              Drawdown Gives Us 100 Uplifting Climate Solutions        

    Drawdown Offers 100 Uplifting Climate Solutions

    Reverse

    Adapted from Mom’s Clean Air Force blog post by Kerry Trueman

    If our current administration’s head-in-the-sand approach to climate change leaves you with a sinking feeling, I’ve got just the book to buoy you: Paul Hawken’s Drawdown.

    Drawdown leapt onto the New York Times top ten bestseller list in its first week of release, validating Hawken’s belief that a positive approach to this potentially overwhelming crisis is the best way to address it. He characterizes global warming not “as an inevitability, but as an invitation to build, innovate, and effect change.”

    The Project Drawdown campaign invites you to join a global community of visionary individuals who’ve got an astonishing range of ideas on how we can tackle our climate crisis, no matter where we live or who governs us.


              Oficina de Dados Aberto – Águeda        
    Oficina de Dados Abertos O motor da inovação do nossos dias é o conhecimento. Os dados abertos são a chave para sustentar esse conhecimento, potenciado uma nova dinâmica na administração pública, nas empresas e do cidadão. Recursos que eram repetidamente … Continue reading
              JewishOwl написал:        
    Huawei Nova, тоже есть
              Food Logistics Magazine Includes LiftnBuddy on Logistics Innovators List        
    Food Logistics Magazine Includes LiftnBuddy on Logistics Innovators List
              Ergologistics Liftn Buddy Named Top Ten Logistics Innovators by Food Logistics        
    Ergologistics Liftn Buddy Named Top Ten Logistics Innovators by Food Logistics
              Quality of Life report published        
    Environment & Conservation

     

    The Field Museum is happy to announce the publication of the Pembroke-Hopkins Park Quality of Life Report. Pembroke-Hopkins Park (PHP) is a rural African-American community about an hour south of Chicago. It is rich in biodiversity and culture, and has a long-standing tradition in agriculture. This area is of particular interest because of the high concentration of globally rare black oak savanna which is home to many species in population decline, including henslow’s sparrow, bobolink, and regal fritillary butterfly. Over the years conservation land acquisition has become a pressing issue, along with other concerns such as opportunities for youth and threats to the environment. The Field Museum engaged the community in a process to find out what is important for both the land and the people.

    In spring of 2016, Keller Science Action Center staff trained a team of local facilitators who led residents through a structured process to determine what well-being and sustainability mean within the community. The team used The Field Museum’s approach to help residents draw upon their core values and community strengths to develop recommendations to improve quality of life and access to natural areas. For PHP, this involves strong cultural traditions, healthy social relationships, the ability to meet basic needs, and a fair political system.

    The Quality of Life Report documents the outcomes of this process, and serves as an empowering tool for residents to convey the values, assets, and opportunities for growth in the community. It is available in public spaces such as the local library and school. It will be used as the foundation for sustainability planning in Pembroke lead by residents to help determine a clear future direction. This could not have been possible without the generous support of Science Innovation and Field of Dreams grants.  


              Post-storm Northerly Island update        
    BirdsStorm damage Northerly Island

    Storm debris, broken fence, closed path, and erosion under the east trail at Northerly Island. 

    Northerly Island, the Museum Campus park that occupies the peninsula where small planes once took off from Meigs Field, was re-opened last fall after a two-year, $9.7 million renovation project. I wrote a review of it at the time. One of my concerns that I wrote about was a last-minute modification to the plans: due to storm damage that occurred during the construction, a large wall of rip-rap was added to the lakeshore in an attempt to protect the park from future storm damage. While perhaps important from a structural perspective, the wall had the unfortunate effect of blocking off visitors' views of the lake as they enjoyed the wide path around the newly constructed lagoon. 

    A major storm system passed through Chicago on December 28, bringing with it howling east winds, which in turn created huge waves that pounded the lakeshore. Lake Shore Drive flooded and much of the lakefront bike path was closed. Two days later, it was announced that the east (lakeside) trail at Northerly Island would be closed for the remainder of the winter, because "high wave events have been eroding the trail and is [sic] tossing rocks along the trail." Curious, I headed over there to take some photos and see the damage for myself. I was especially interested to see if the rip-rap wall succeeded in limiting damage to the areas it was built to protect and to see how much disturbance there was to the fragile vegetation. While the damage to the trail and vegetation was less in areas where the rip-rap wall was, even that couldn't fully contain the enormous waves, which knocked down a long stretch of adjacent fence. 

    img_2678.jpg

    Storm damage Northerly Island
    With the Chicago skyline in the background, you can see the rocks and gravel strewn about the recently planted grasslands. The trail is also covered with debris. This area was not protected by the wall of rip-rap along the shore. 

    img_2673.jpg

    Storm damage Northerly Island
    This area has been planted with native grasses during the renovations, but all that was covered by gravel and stone in the storms. 

    img_2671.jpg

    Storm damage Northerly Island
    A view of the east trail looking south, where it is covered in stones, gravel, and storm debris. The fence is damaged in places as well.

    img_2675.jpg

    Storm damage Northerly Island
    Storm debris, broken fence, closed path, and erosion under the east trail at Northerly Island. 

    img_2674.jpg

    Storm damage Northerly Island
    Water washing over the rip-rap wall knocked down the path-enclosing fence in some places.

    img_2676.jpg

    Storm damage Northerly Island
    This photo shows the knocked-down fence and extensive erosion under the trail on the east side of the lagoon. The soil underneath the path was already eroding quite severely before the storms; the park district had put down the rocks seen here to try to prevent further erosion. It didn't work in the face of the big storms that passed through on December 28. 

    img_2677.jpg

    Storm damage Northerly Island
    The fence was knocked down and sand and rocks covered the recently planted vegetation along parts of the east side of the lagoon.

    map2.jpg

    Storm damage Northerly Island map


              Interface deal good for the industry         
    08/09/2017

    The $600 million Interface Security Systems deal has sent—as The Beach Boys once sang—“good vibrations” throughout the security industry, as it provides not only a vote of confidence for what Interface is doing as a modern systems integration company, but also a vote of confidence in the security industry, in general, as companies like Interface represent a new breed of integrator that is staying at the forefront of new technology and innovation.

    John E. Mack III, executive vice president, co-head of investment banking and mergers & acquisitions at Imperial Capital, which acted as financial advisor to Interface on the deal, astutely pointed out that this deal goes beyond validation of what Interface is doing in the space.

    “This is a very cool story for the sophisticated new-age security provider, which is what Interface is—the 2.0 version of what the right kind of security player should be,” he told Security Systems News. “We spend so much time in this industry talking about the residential side of the business, which is interesting, but there is a massive opportunity on the commercial side of the business that Interface is tapping into that I think is a compelling theme.”

    He continued, “There is a lot of validation for a very successful business model here that Prudential is putting up $180 million of new capital, and SunTx is putting up additional capital into the deal. And that you’ve got a very attractive set of debt investors, and just the fundamental backing for the business, is a meaningful part of a positive message for the industry.”

    Jeff Frye, SVP for Interface, told SSN that the support from equity partners is not only a stamp of approval for what the company is doing, but the “capital gives us more fuel to build on our current, better than 15 percent compounded annual growth rate, so we know that we can do more with a little more gas in the tank and we are anxious to prove it.”

    Frye noted that the equity will allow the company to expand its products and services around providing business intelligence, as security is becoming so much more than just, well, security.

    “As a network provider, and a managed services provider of network services and cybersecurity services, we touch a lot of aspects of our customers’ businesses,” Frye explained. “And as a leading purveyor of Internet of Things services, we are able to aggregate intelligence from all of those sensors and data sources to bring actionable insights to a customer’s business. There are some new verticals that we would like to focus on more, including financial services and banking, so this makes that horizon much brighter and much more approachable.”

    And it also makes the security industry’s horizon a little brighter.


              Allied Universal turns 1        
    08/02/2017

    Allied Universal, a leading facility services company and one of the largest security forces in North America, marked its one-year anniversary this week after forming a year ago via the merger of AlliedBarton Security Services and Universal Services of America.

    In the announcement, Steve Jones, Allied Universal CEO, thanked all of the company’s 150,000 employees and its clients “for their continued support and commitment that contributed to a phenomenal first year as our new company! I look forward to our continued success in the security and services industries."

    Over the past year the company has made several acquisitions, as it continues to transform to a full-service security company, moving beyond the manguarding services the it has been known for.

    Jones told Security Systems News, after the company’s most recent acquisition of ALERT Protective Services in May, that the company continues to look at acquisitions as a way to diversify its offerings.

    “We’ve got a pretty robust pipeline of deals that we are looking at—some in the technology space and some in the traditional manguarding space—and we hope to announce a few more before the year is over that will help us to diversify our company and bring more value to our clients.”

    In the press release announcing the one-year milestone, the company outlined some additional organizational achievements since the merger:

    •    Became the unequivocal leader in guarding services throughout North America. Our security professionals and our company play a major role in keeping the U.S. and Canada safe and secure.

    •    Provided service to over half of the Fortune 500 companies and nearly every major retail mall in the U.S. From healthcare facilities, commercial office buildings, manufacturing and industrial plants, residential communities, transportation facilities and government services, Allied Universal has a significant security presence.

    •    Managed the integration of a workforce of over 150,000 security professionals to perform our jobs on a daily basis and serve our growing customer base.

    •    Implemented a world-class training program, the AU Institute, which offers over 1,000 training assets and professional development programs to enhance our security professionals' delivery of service and protection.

    •    Introduced several technological innovations to expand our physical and operational security solutions and service offerings to enhance the protection of client properties and assets.

     


              Bem quentinhos no Inverno        
    Apresentamos a vocês a nossa nova coleção de pijamas. São divertidos, personalizados e com estampas de tecidos macios, 100% algodão, confortáveis que agrada os pequenos, dando todo o aconchego e conforto que eles merecem.


    Temos a coleção de pijamas da Trussardi, da linha Princess e Pooh e a nova coleção divertida da Cookie, confiram abaixo...







    Coleção da Trussardi Princess





    Coleção da Trussardi Listrado Funny





    Coleção Bailarina




    Coleção Palhacinho




    Pantufinhas de cachorrinhos



    Pijamas delicados para as meninas



    Pijamas divertidos para os meninos

    Trabalhamos com numerações de 0 á 6 anos.

    Para mais informações e vendas online - vendas@lumartinez.com.br


              Agora na loja Pat Stucchi tem produtos da Be Baby        

    Na hora de decidir pelo carrinho do seu bebê os pais entram em um verdadeiro dilema...
    Temo que considerar o conforto, segurança, praticidade e design moderno, a Be Baby encontrou os artigos que se encaixam perfeitamente nestas exigências, alem dos produtos terem a qualidade que você e seu Bebê merecem.
    As opções variam desde carrinhos convencionais até modelos com inovações, como o 3Tec, com três rodas; ou o Zoom, modelo com dois lugares, que permite vários posicionamentos. Além de um mini bungee jump e andadores para a diversão dos pequenos.





    Modelo Zoom



    Modelo Bebê conforto Rider






    Modelo Twister bungee jumping



    Atendendo à atual legislação brasileira, que exige cadeirinhas no banco de trás do automóvel para crianças de até quatro anos, a ABC Design apresenta a coleção de bebê conforto Rider, que, além de ser adaptada ao banco do carro, também pode se acoplar às peças das linhas 3Tec e Zoom.
    Todos os produtos da marca atendem as normas e solicitacoes do INMETRO, alem de passarem por testes rigorosos de qualidade, resistencia e durabilidade.

    Venha conhecer o carrinho da marca da Be Baby. Estaremos esperando por você...



    Para mais informações:


    www.bebaby.com.br


    www.lumartinez.com.br



              Um lançamento cheio de novidades na LM by Pat Stucchi        
    O lançamento da Coleção Outono-Inverno e dos novos quartos foi o maior sucesso. O evento foi cheio de novidades e mimos para as futuras mamães, como um espaço para um ensaio fotográfico que as gestantes ganharam na loja, retratando a melhor fase de suas vidas. "Neste inverno de 2011, a loja LM by Pat Stucchi traz uma coleção de roupas de 0 a 6 anos com modelagens exclusivas. Os quartos seguem as tendências de decoração, com muito conforto e bom gosto. Além disso, têm como inspiração famosos contos infantis, que refletem bem a beleza dos primeiros anos de vida". Explica Pat Stucchi, a proprietária que acompanhou todo o desenvolvimento com muito carinho junto com a sua equipe.


    Confiram abaixo:

    Pat Stucchi

    Os famosos e deliciosos Cupcake


    Docinhos e pastas de chocolate agradando à todos









    Futuras mamães sendo maquiadas com todo o tratamento vip





    Clientes no ensaio fotográfico





    Venha nos visitar e conferir as nossas novas coleções e ainda poder apreciar um delicioso cappuccino com um atendimento diferenciado.

    Agradecimentos especial aos nossos parceiros:

    Aldeia das flores - http://www.aldeiadasflores.com.br/
    Atelier M Azevedo - http://www.ateliermazevedo.com/ brigadeiros em bisnagas e potinhos
    Chocolates Bellagio - http://www.chocolatesbellagio.com/
    Cakes and Sweers - http://www.cakesandsweents.com.br/
    JR Guimarães fotos - http://www.jrguimaraes.fot.br/




              Mandriões para batizado        
    Oi, pessoal estamos com a loja cheia de novidades. Acababamos de receber a nossa nova linha de batizado com modelos lindos e exclusivos. Confira abaixo alguns modelos de mandriões para menina e menino.






































              Novo Quarto Marie Poppins !!!        

    Novos móveis, novo enxoval, nova reeleitura !




    Ficou ainda mais charmosa !





    Fotos e composite: Rose Passos - www.rosepassos.com.br

              Presentes de Natal a partir de 30,00 !!! E ainda, você ganha o seu presente !        

    Aqui na Lu Martinez você compra presentes de Natal e também ganha um para você !


    Muitas novidades, novos produtos, novas roupinhas, presentinhos, mimos....a partir de 30,00 !!!



    É o nosso BAZAR DE NATAL EM CONJUNTO COM AÇÃO SOCIAL !



    E no dia 25-11, um coquetel para comemorar este momento !



    Aproveitem !


              NOVO SITE LU MARTINEZ JÁ NO AR !        

    E para comemorar este mês de Novembro, tão importante para nossa grife (muitas novidades, parcerias, eventos, ação social, coquetel.....)....

    .....acaba de entrar no ar o nosso novo site !

    Novas coleções de enxoval, roupinhas batizado, maternidade, 0 a 6 anos coleção de verão 2011, mimos, mídia....

    Confiram !!!

    www.lumartinez.com.br



              Quarto RIQUEZA BRANCA na Decora Baby n. 39 !        

    Já nas bancas a nova Decora Baby n. 39.
    Confiram nosso projeto RIQUEZA BRANCA - PUREZA PROVENÇAL e muitos outros mimos.

              Nova Sócia Pat Stucchi na Lu Martinez!        


    Lu Martinez em conjunto com sua nova sócia Pat Stucchi, apresenta nova coleção de móveis e decoração

    Bazar de Natal com apoio social à A Nova Escola

    Coleções de móveis, enxovais e decoração de quartos de bebê da grife Lu Martinez passam ter uma nova proposta unindo-se a Patrícia Stucchi. A estréia acontece em conjunto com o Bazar de Natal com apoio à A Nossa Escola.

    Após muitas experiências com decoração de quartos e comercialização de roupas para bebês, Patrícia Stucchi, advogada, mãe e empreendedora, une-se a grife Lu Martinez trazendo inovação e muitas novidades. “Pat veio somar no momento certo em que estamos focadas em ampliar e sedimentar no ramo da confecção atacadista e de decoração de quartos de bebês e infantis. Ela tem uma experiência admirável em desenvolvimento de produto, e ainda, estará focada em inovações, novidades e ampliação do negócio”, afirma Lu Martinez diretora da marca.

    Preocupadas com a qualidade, simplicidade, conforto e charm

    osos detalhes, Lu Martinez e Pat Stucchi estudam juntas formas, cores, texturas e tecidos para a coleção de enxoval, móveis e decoração 2011, que será lançada em seu showroom em 25 de novembro, com dia especial, também, para a abertura do Bazar de Natal com Ação social em conjunto com a A Nova Escola.

    A coleção é composta por móveis em madeira maciça certificada, protetores de berço, edredons, lençóis e almofadas decorativas com aplicações e bordados exclusivos. Também compõe a nova coleção papéis de parede, tapetes e itens de decoração, como lustres, abajures, quadros exclusivos e enfeites temáticos, alem da amplicação de produtos da marca Blue Gardênia Baby.

    “Tudo foi muito estudado e, acima de tudo, desenhado a partir de um conceito inédito em quartos de bebês, o incentivo à leitura. Estamos dando continuidade à temática das histórias infantis, lançada ineditamente em nossa coleção de 2010, onde os enxovais foram tematizados com personagens e contos infantis.

    “Devido ao sucesso de 2010, para 2011, fizemos a releitura dos temas anteriores, como por exemplo o Marry Poppins, onde continuam a incentivar a leitura desde o berço, facilitando a invenção de histórias dos pais para o bebê. A contação de histórias para crianças é uma das ferramentas mais importantes para a educação infantil”, explica Pat Stucchi.

    Os temas dos enxovais para as meninas são baseadas nas incríveis histórias de “Mary Poppins”, “Família Ursos” e contos de fadas milenares. Para os meninos, foram escolhidos “Se Meu Fusca Falasse”, as fábulas de Esopo - considerado o pai das fábulas infantis - o “Meu cavalinho inglês”, um brinquedo clássico e tradicional com mais de 400 anos de história, e o tema esportes.

    A grife Lu Martinez nasceu em 2008, e com o sucesso conquistado nesses 2 anos, não havia como não investir na sua expansão. Hoje a marca, além do todo enxoval maternidade, ainda conta com decoração e projetos de quartos, móveis, e roupas de 0 a 6 anos, todos da grife Lu Martinez, malas maternidade, itens de decoração e ainda conta o licenciamento da marca Blue Gardênia Baby, onde traz uma expansão de seus produtos com a Coleção de enxoval Teddy Linen e perfumaria SPA da marca.


              Muitos mimos e presentes chegando para o Natal !        
    Este ano estamos com novidades: presentes e mais presentes de Natal !!Roupas de 0 a 6 anos !
    Em especial, estaremos com o BAZAR DE NATAL com ação social para A Nova Escola (www.anovaescola.org.br). Peças a partir de 30,00 !!!




    Caixas de música!



    Perfumaria e linha SPA Blue Gardenia....




    Nas compras acima de 500,00 você ainda ganha um presente delicioso !!!



    Venham conferir....há muito mais novidades aqui.


              Coup de cœur Événement: Foire de Paris        
    A Paris Expo du 29 avril au 10 mai Foire de Paris : venez découvrir ou redécouvrir l'événement incontournable du printemps ! Du 29 avril au 10 mai, Foire de Paris présente les nouveautés et innovations [...]
              +++ Universum +++ - Astronomen erforschen Uralt-Supernova - und finden mysteriösen Calcium-Stern        
    Sie ist die älteste dokumentierte Supernova in der Geschichte der Menschheit - im Jahr 185 vor Christus bemerkten chinesische Astronomen einen Stern nahe Alpha Centauri. Jahrtausende später fragten sich Forscher immer noch, was das Himmelsereignis ausgelöst hat. Ein Forscherteam glaubt jetzt, die Antwort gefunden zu haben.
              Benefícios da argila        
    Oi Divas, tudo bem com vocês? Que tal falarmos novamente sobre argila?
    É uma delícia falar sobre algo que é super fácil de encontrar, com preço acessível, com muitas funções e benefícios para nossa saúde, bem-estar e beleza. Além de tudo isso, ainda podemos economizar e nós mesmo fazer aplicações de argila em casa. Quando não é possível estar numa clínica ou spa. Tudo depende do que você precisa ou quer.
    Vamos ver o post completíssimo na  A Confraria das Divas


              Tratamentos estéticos para o verão        

    Olá, Divas!
    Como estão com a correria do fim do ano? Preparadas para começar um ano novo cheio de fé e esperança?
    Que tal aprendermos alguns tratamentos ideais para o verão, para terminar um ano e começar o outro maravilhosamente renovadas?!
    O ano vai acabando e a correria atrás de ficar mais bela e do bem-estar aumenta. Separei alguns tratamentos essenciais, simples e a seu alcance para incluir na sua rotina de beleza para o verão.






    Confiram tudinho na A Confraria das Divas

              Como parecer mais nova        
    Olá, Divas? Como estão?
    Parecer mais jovem é o que nós mulheres, de todas as idades, estamos sempre em busca. E na maioria das vezes dicas bem simples podem fazer diferença e melhorar muito nossa aparência, sem que precise investir alto ou internar-se numa clínica.
    Vamos às dicas?
    Tudinho lá na A Confraria das Divas



              Rolinho primavera de banana com chocolate        

    Você já ouviu falar do rolinho primavera de banana com chocolate? Essa sobremesa, diferente e saborosa, tem conquistado o paladar de muitas pessoas. Leia a matéria e aprenda o passo a passo da receita.

    O rolinho primavera é uma iguaria de origem chinesa, mas que faz sucesso no mundo todo. Trata-se de um salgadinho com massa de farinha bem fina, recheado com vegetais picados, carne ou camarão. Com o passar nos anos, a receita ganhou novas adaptações. Os brasileiros, por exemplo, tiveram a brilhante ideia de criar o rolinho primavera recheado com banana e chocolate.

    [caption id="attachment_5103" align="alignnone" width="600"]Rolinho primavera pode ser doce sim! Conheça essa receita. (Foto: Divulgação) Rolinho primavera pode ser doce sim! Conheça essa receita. (Foto: Divulgação)[/caption]

    Receita de Rolinho primavera de banana com chocolate

    O rolinho primavera de banana com chocolate tem uma massa parecida com a do pastel, afinal, é bem crocante, fina e leve. O grande destaque, no entanto, é o recheio doce, que combina o sabor adocicado de uma fruta tropical com chocolate meio amargo. Essa sobremesa não dá trabalho e qualquer cozinheiro iniciante pode se arriscar.

    Separamos uma receita de rolinho primavera de banana com chocolate. Confira:

    Como fazer rolinho primavera

    Rolinho primavera de banana com chocolate 3

    1. Em uma tigela funda, coloque a farinha de trigo, a água gelada e o sal. Misture bem todos os ingredientes, tomando cuidado para não empelotar. O resultado será uma massa homogênea e mole.
    2. Leve a massa à geladeira e deixe descansar por 30 minutos.
    3. Providencie uma frigideira grande e antiaderente. Esquente-a.
    4. Em seguida, coloque uma camada de massa bem fina dentro da frigideira, com o auxílio de um pincel.
    5. A massa seca bem rápido, portanto, tome cuidado para ela não queimar. Repita o mesmo processo até a massa do rolinho chegar ao fim.
    6. A montagem é bem simples: descasque e corte cada banana pela metade. Em seguida, coloque essa metade dentro da massa, juntamente com um pedaço de chocolate meio amargo. Enrole, formando uma trouxinha.
    7. Esquente bem o óleo e frite os rolinhos, tomando cuidado para não encharcar.
    8. Pronto! Agora é só passar os rolinhos no açúcar e servir.

    Dicas: Rolinho primavera como fazer

    Rolinho primavera de banana com chocolate 1

    • Se você achar a massa do bolinho primavera muito difícil de preparar, então compre um rolo de massa de pastel e use no preparo. O seu trabalho na cozinha será bem menor e não tem o risco de errar o ponto.
    • Realce o sabor da banana e torne o recheio mais apetitoso acrescentando um pouco de canela em pó.

    E aí? Você está pronto para fazer o rolinho primavera de banana com chocolate em casa? Deixe um comentário falando o que achou dessa receita. O rendimento é de 12 porções e o tempo de preparo não passa de meia hora. Bom apetite!

    Receita do Dia agradece pela sua visita.

    O post Rolinho primavera de banana com chocolate apareceu primeiro em Receita do Dia.


              Chips de banana        

    Você já ouviu falar dos chips de banana? Então leia a matéria e aprenda a preparar esse aperitivo delicioso, que está conquistando as famílias brasileiras com um sabor adocicado e irresistível. A receita é bem simples, rápida e leva ingredientes encontrados com facilidade no supermercado.

    Quando falamos em chips, normalmente pensamos em batatas cortadas em rodelas bem finas e submetidas à fritura. No entanto, essa técnica também pode ser colocada em prática com frutas, como é o caso da banana. É possível, ainda, incrementar os sabores com outros ingredientes, como açúcar, canela e até mesmo sal.

    [caption id="attachment_5082" align="alignnone" width="600"]Aprenda a fazer chips de banana. (Foto: Divulgação) Aprenda a fazer chips de banana. (Foto: Divulgação)[/caption]

    Receitas de chips de banana

    Quando tem cachos de banana sobrando na fruteira, é comum utilizá-los no preparo de bolos, tortas e outros doces. No entanto, eis que surge uma nova forma de empregar esse ingrediente na cozinha: os chips de banana.

    Como fazer Chips de banana

    Os chips são preparados com banana-da-terra ou nanica. Algumas receitas utilizam a fruta bem madura, já outras recomendam exemplares verdes para conquistar o sabor esperado. Se você não quiser fritar as bananas, então asse-as no forno ou no micro-ondas, tomando o cuidado de espremer um pouco de limão nas fatias para evitar o escurecimento.

    Confira a seguir duas formas bem fáceis de preparar chips de banana em casa:

    Chips salgados de banana

    Chips de banana 2

    Ingredientes

    2 bananas verdes
    ¼ colher de chá de açafrão da terra em pó
    2 colheres sopa de azeite
    Sal a gosto

    Modo de preparo: coloque as bananas com casca em uma panela com água. Leve ao fogo e deixe ferver por 10 minutos. Deixe esfriar, retire a casca e corte em rodelas finas. Coloque as fatias em um prato, revestindo-as com com azeite, açafrão e sal. Leve ao micro-ondas por 8 minutos, mas tome o cuidado de virar as bananas a cada 2 minutos.

    Chips doces de banana

    Chips de banana 1

    Ingredientes

    5 bananas
    2 xícaras de açúcar refinado
    ½ xícara de açúcar mascavo
    ½ xícara de água
    1 pau de canela
    1 pitada de sal
    Óleo para fritar

    Modo de preparo: Descasque as bananas e deixe-as de molho na água com gelo e um pouco de sal por 10 minutos. Corte em fatias finas e iguais. Deixe secar um pouco. Aqueça bem o óleo e frite os chips por 2 minutos, até as bananas dourarem. Retire as bananas com o auxílio de uma espumadeira e coloque-as sobre o papel-toalha. Em uma outra panela, prepare uma calda de açúcar, usando os dois tipos de açúcar, a canela e a água. Por fim, é só mergulhar os chips fritos nessa calda e sirva.

    Salgado ou doce, os chips de banana podem ser servidos como aperitivo. As fatias ficam crocantes e saborosas, assim como acontece com as batatinhas. Bom apetite!

    Receita do Dia agradece pela sua visita.

    Você pode gostar também:

    O post Chips de banana apareceu primeiro em Receita do Dia.


              [Article] Bits and Watts, Watts and Bits        
    More and more, the streams of energy and information are becoming entangled. No single event heralds this merger; instead, dozens of innovations across a wide front mark the transformation. What does that wide front look like on the ground? Here are some examples.
              Sacrificios Humanos        


    Respecto a los sacrificios humanos, los hacían para alimentar, renovar o apaciguar el sol o alguna otra divinidad para asegurar la estabilidad del universo. Estaban inspirados en el modelo mítico de la creación de un quinto sol, donde fueron sacrificados los mismos dioses; por ejemplo, la alimentación de Tonatiuh, la personificación de este dios dependía de la ofrenda de corazones humanos.

    Se llegó a hacer sacrificios en masa y las víctimas solían ser enemigos o esclavos que se habían fugado. Primero les preparaban un baño ritual y los vestían con adornos que correspondían a los atributos de la divinidad a la que iban a ser ofrecidos. A menudo se hacía rodar el cadáver  por la escalinata del templo. Al acabar el sacrificio, los sacerdotes celebraban una comida con sus familiares, donde cada comensal comía una pasta de trigo seco mezclada con un trozo de carne de la persona sacrificada. Por tanto, los aztecas practicaron el canibalismo.




              How Ronald Reagan would have dealt with North Korea        
    Ronald Reagan left us the perfect road map for defeating North Korea, says Jake Novak.
              Innovative Westinghouse Technology Addresses Nuclear Industry Concern        

    Westinghouse Electric Company today announced the successful installation of its spent fuel pool level instrumentation system at Watts Bar Nuclear Plant, operated by Tennessee Valley Authority.

    (PRWeb July 11, 2014)

    Read the full story at http://www.prweb.com/releases/2014/07/prweb12012542.htm


              â€œInnovation: The History of a Category,” B. Godin (2008)        
    What is innovation? What, indeed, is invention? I am confident that the average economist could not answer these questions. Is invention merely a novel process or idea? A novel process or idea for a given person? A new way of combining real resources like capital and labor? A new process which allows more of something […]
              Infobox Februar 2012: Autobiographie, Innovationstopf und Feature        
    Die Februarausgabe der Infobox bringt folgende Themen: Reisen als Passion: der Rutzenhammer Karl Scheuringer veröffentlicht Autobiographie mit dem Titel „Innviertler Trytichon und Geschichten aus der weiten Welt“ KUPF Innovationstopf 2012 ist ausgeschrieben (www.kupf.at) Freiheit, zu lernen: Studieren mit Beeinträchtigung (Feature von Michael Gams) Durch die Sendung moderiert Richard Schachinger, redaktionelle Mitarbeit kommt von Johanna Ramacher
              The Gamma — Visualizing Olympic Medalists        

    Olympic Games are perfect opportunity to do a fun data visualization project - just like New Year, you can easily predict when they will happen and you can get something interesting ready in advance. I used this year's Games in Rio as a motivation to resume working on The Gamma project. If you did not read my previous article, the idea is to build tooling for open, reproducible and interactive data-driven storytelling. When you see a visualization, not only you should be able to see how it has been created (what data it uses & how), but you should also be able to modify it, without much programming experience, and look at other interesting aspects of the data.

    The first version of The Gamma project tries to do some of this, using historical and current data on Olympic medals as a sample dataset. You can play with the project at The Gamma web site:

    Without further ado, here are the most important links if you want to explore how it all works on your own. However, continue reading and I'll describe the most important parts!

    The project is still in early stages and the code needs more documentation (and ReadMe files, I know!) However, if you would be interested in using it for something or you have some interesting data to visualize, do not hesitate to ping me at @tomaspetricek. Also, thanks to the DNI Innovation Fund for funding the project and to the Alan Turing Institute for providing a place to work on this over the coming months!


              The Gamma and Digital News Innovation Fund        

    Last year, I wrote a bit about my interest in building programming tools for data journalism. Data journalism might sound like a niche field, but that is not the case if we talk about data-driven storytelling more generally,

    In programming, your outcome is typically some application that does stuff. In data science, your outcome is very often a report or a story that aims to influence people's behavior or company decisions. No matter whether you are a journalist writing an article about government spending or an analyst producing internal sales reports, you are telling stories with data.

    Being able to tell stories with data (but also verify and assess other people's stories that can be backed by data) is becoming a vital skill in the modern world, which is partly why I find this topic extremely important and interesting. But to do this currently, you need to be a skilled programmer, great designer and good storyteller, all at the same time!

    I have not written about this topic much over the last year (mainly because I was busy with Coeffects, fsharpConf, FsLab and fsharpWorks), but this will be changing - I'm very happy to announce that my data-journalism related project The Gamma has been awarded funding from the DNI Innovation Fund and I'll be working on it over the next year at the Alan Turing Institute in London.


              WhisperWood Cottage Kitchen Featured on HouseBeautiful.com        

    Remember my post on Functional Kitchen Cabinet Storage Ideas? Well, my photo of our pull-out organizer for baking sheets, cutting boards, and trays was featured in a post on HouseBeautiful.com titled 11 Organizing Ideas That Make the Most Out of Your Cabinets. Check it out...my photo is even included on the title slide. LOL. It's the small things that make a blogger happy. :)


    If you'd like to see more about the kitchen, check out...






              Functional Kitchen Cabinet Storage Ideas        



    We had a lot of fun planning our kitchen renovation. We ultimately went with the Martha Stewart Line of cabinetry at Home Depot. Home Depot had a 10% sale going on and Martha Stewart had discounts for if you spent a certain amount. We love the quality, and they have a lot of great options that make the cabinets works so well.  One example is the pull-out drawer feature. Love! Here are some more features we love...
    Read more »

              "What kind of flooring is that?"        



    shelley asked "Can you tell me the brand of laminate flooring?" in your kitchen renovation?
    I sure can, Shelley!...
    Read more »

              "Do you miss that counter space?"        


    BEFORE
    In our kitchen renovation, we replaced the lighted upper cabinets and lower base cabinets with two 96" tall pantry cabinets. A Little Paint, A Little Spackle asked "Do you miss that counter space?" Great question! Here's my answer...
    Read more »

              Reclaimed Hardwood Cabinet with French Reproduction Hardware        


    One of my favorite pieces in the kitchen renovation is this reclaimed hardwood display cabinet. 
    It replaced...
    Read more »

              WhisperWood Cottage Kitchen Renovation Tour        


    You've seen some before & after photos. So, how about a tour around the renovated kitchen?...
    Read more »

              WhisperWood Cottage Kitchen Renovation Reveal        



    Finally! The kitchen reveal!! I'm so excited to share this, because it's been so many years of planning, saving, designing, and now renovating. Being in the kitchen is so much more enjoyable, and (shock!) I've actually been cooking. There will be several more posts to come, but I thought I'd start with a timeline of how the kitchen has transformed over the years...
    Read more »

              Kitchen Progress        




    Hello, fellow Whisperers! The months are flying by, and the holidays are right around the corner. I don't recall if I mentioned it or not but, in addition to the kitchen renovation, we are also renovating our laundry room and building a new closet in the living room. 
    Read more »

              Kitchen Renovation Begins        

    Do you remember our kitchen? Above is a photo of it after it's makeover in 2006. You can also check out the before and during photos. That makeover involved painting the hideous cabinets, replacing the cabinet hardware, putting glass and lighting in one bank of upper cabinets, painting the walls, installing new counters, putting in a new white sink, and adding decorative accessories. Since 2006, it's gotten pretty shabby and in need of a major overhaul!

    Well, 7 years after that makeover, here's how are kitchen looks today...
    Read more »

              Lake of the Ozarks Resort to Rebrand as Margaritaville        
    A mid-Missouri resort located on Lake of The Ozarks will be rebranded as a Margaritaville resort: Tan-Tar-A Resort, a popular Lake of the Ozarks hotel and conference center for more than a half century, will undergo a multi-million renovation and be rebranded as a Margaritaville hotel, the chain of resorts named after a Jimmy Buffett […]
              design transitions interview: design as working ethos        
    This post is a copy of an interview I did for Emma Jefferies‘ great project ‘Design Transitions’. The project explores transitions that are currently happening in design practice and features ‘untold stories of innovative design practices from around the world’. Many more interviews on the website, but here’s ours: 1. Tell us about Zilver Innovation’s […]
              Design the new Business Trailer        
    As I wrote about in the previous post, this summer my company Zilver innovation and 6 students from the Strategic Product Design master at the TU Delft are making a documentary, entitled ‘Design the new Business‘. And we are making progress!! Check out the trailer here, and let us know what you think on www.designthenewbusiness.com […]
              Design the new Business        
    This summer my company Zilver innovation and 6 students from the Strategic Product Design master at the TU Delft have embarked on quite a little adventure. We are making a documentary, entitled ‘Design the new Business‘. The idea of the documentary was born when I had the opportunity to host 6 of the best students […]
              Customer Journey Mapping        
    In virtually every branding, service design or innovation strategy project Zilver does, customer journey mapping plays a central role. It’s a highly versatile framework that invites project teams to ask the right questions and find the right answers. It plays a role in several points in the project: 1. at the beginning, to assess what […]
              Guest post: BDI Book review        
    This is a guest post written by Rik Wuts, originally published at his blog Klatergoud. A couple of weeks back I was a guest at the launch of Brand Driven Innovation – written by Erik Roscam Abbing (who, way back when, was my teacher and later mentor at university) about, you guessed it: brand driven innovation. […]
              book launch symposium        
    On Wednesday October 27th 2010 the official launch symposium for Erik’s book ‘brand driven innovation’ was held at the faculty of Industrial Design at the TU Delft. It was a very special, inspiring and exciting day, with around 150 great people attending: business partners, clients, friends, family, and colleagues from academia and practice. A great […]
              booklaunch october 27th        
    Since the spring of 2009 I’ve been working on my book ‘Brand Driven Innovation’ for AVA Academia. It has been a great adventure to write this book, and I am very proud that finally the work is done. It’s time to celebrate! Therefore I am organizing a launch symposium/party in the afternoon of Wednesday October […]
              brand driven innovation presentation        
    Here’s a presentation that summarises the ideas behind Brand Driven Innovation and provides a concrete 4 step plan for action, including many examples. The presentation was held for a group of French CEO’s of a large mutual insurance fund. I find myself thinking and talking a lot these days about what it takes for an […]
              Desde lo alto        
    Fortaleza-Parador Monforte de Lemos_06-10-13 from Pablo Casanova on Vimeo.

    Un drome, un parador, un video.

               Monodrama Nine Violić otvorila Zadar snova        
    Sinoć je u Zadru otvoren 21. Međunarodni festival suvremenog kazališa Zadar snova, izvedbom predstave Lampedusa Beach, monodrame Nine Violić, u režiji i produkciji Senke Bulić.
              Zadar snova kod stanara Bronxa, a na Trgu debata o komentarima Zadrana         
    Festival Zadar snova počinje večeras jedinom dramskom predstavom koja se našla na programu kojeg je danas predstavila Tina Keserović.
              Title Agents Take Note – It’s No Longer “E-Closing or Bust” to Improve the Consumer Experience        
    Industries from music to telecommunications have been completely revolutionized by innovative new advancements in technology. Consumers can now buy almost anything online – from cookies to cars. Information is available on-demand via search and our colleagues, friends and family are just an email or text away. But what about the start-to-finish homebuying process? Today, demands …Read more
              Tina Keserović predstavlja program Zadra snova        
    Tina Keserović, nova umjetnička voditeljica Zadra snova, objavila je program 21. Međunarodnog festivala suvremenog kazališta koje se održava od 7-14. kolovoz, 2017.
              Ray Donovan Saison 5 VOSTFR        

    Ray Donovan Saison 5 Episode Streaming complet HD Regarder la série Ray Donovan Saison 5 Episode Streaming VOSTFR complet gratuit,

    Cet article Ray Donovan Saison 5 VOSTFR est apparu en premier sur Site de streaming gratuit vf et vostfr.


              Comment on Press Release – FAHSS and DCU Innovation events! by Steven Tello        
    What great events these both were. Thank you very much to our sponsors at Digital Federal Credit Union (Pres. Jim Regan, UML Alum) and at Skyworld, Inc. (Glenn Morgan, UML Alum). And congratulations to the awesome student teams with great ideas and energy. You are all DifferenceMakers!
              Quase uma neném, tesão de ninfeta        

    Trabalhando em uma produtora de vídeo, gravando uma campanha política, sempre é necessário passar por situações inusitadas, por exemplo, cobrir um café da manhã com pastores evangélicos, em que o candidato majoritário recebe a benção(?) dos pastores presentes.
    Em um desses cafés da manhã eu vi ajudando nos preparos das mesas uma bela ninfetinha, uma das bundas mais perfeitas que já vi na minha vida, redondinha, sob uma calça colada, tinha peitinhos pequenos, mas era muito linda. Moreninha, por volta de 1,60m, 44kl aproximadamente, um tesãozinho mesmo.
    Após a gravação, ela veio conversar comigo, disse que ninguém gostava dela, que se achava feia e coisas do tipo, tive que dizer que ela é linda, que os garotos não gostavam dela por serem idiotas.
    Neste mesmo dia, seria complicado qualquer tipo de aproximação maior, portanto, trocamos telefone e no dia seguinte, que estaria de folga liguei e marcamos de sair. Na verdade não era bem sair, e sim, aproveitar que o pai dela trabalharia o dia todo para podermos ficar juntos e “nos conhecermos melhor”.
    Menina novinha, 16 aninhos, tem que ter muita calma para não assustar, então nesse dia e em mais três semanas ficamos apenas em beijos e abraços, e sempre muito bom, aquele beijo macio que só as virgens tem, que inclusive já relatei nos contos anteriores.
    Eis que em mais um dia de folga eu disse que daríamos uma volta, já tinha preparado as coisas em casa, sabia que não haveria ninguém, portanto ela poderia gemer muito, trouxe-a para cá, sempre com muita calma, fomos nos beijando, e depois do quarto beijo comecei a tirar as peças de sua roupa, isso muito lentamente, cada beijo era uma peça, ela fazia o mesmo, tirando minha roupa aos poucos.
    Quando percebemos estávamos os dois completamente nus, deitados de lado, um de frente para o outro, eu bolinando-a e ela sem muita experiência acariciando minha pica, que em poucos minutos estaria completamente enterrado dentro daquela chaninha linda e cheirosa.
    Ficamos assim por cerca de dez minutos, quando eu a deitei com a barriga para cima e lentamente fui descendo, beijando sua orelha, beijando e lambendo seu pescoço, descendo mais um pouco e sugando seus pequenos seios com muito carinho, beijava primeiro um enquanto apalpava e apertava o outro, em seguida trocando, chupando o outro e apertando o primeiro, e continuei descendo, precisa sentir o sabor daquele suquinho maravilhoso e doce que tinha naquela rachinha, e foi o que fiz lambia muito aquela chaninha fechadinha, com poucos pelos, lambia e brincava com seu clitóris, ela só me pedia que não parasse, que estava muito bom.
    Quando percebi que já estava bem preparada fui subindo carinhosamente beijando-a cada milímetro daquele corpinho perfeito, dei-lhe um beijo na boca e pedi que ficasse apenas me beijando, que ela iria adorar aquilo que estava para acontecer. Ela me pediu apenas que fosse com cuidado pois nunca tinha feito, coisa que eu já sabia no primeiro dia que havíamos nos beijado, prometi que tomaria cuidado, e assim o fiz.
    Apontei meus 17,5cm na entradinha da sua chaninha e fiquei brincando com ela, sem enfiar ele todo, apenas com a cabecinha dentro, para deixá-la com mais vontade, não agüentando mais ela disse “para com isso, coloca tudo, por favor” e foi o que fiz, lentamente fui colocando quando eu senti seu hímem dei uma pequena pausa, comecei a beijá-la e forcei a entrada com força mas ao mesmo tempo de forma muito carinhosa.
    Mesmo com todo o carinho que fazíamos ela urrou de dor, gritou muito, pedindo para que eu parasse, eu buscava acalmá-la com beijinhos e aos poucos ela foi sentindo mais confiança e voltei a colocar de forma bem lenta, para poder sentir perfeitamente cada milímetro daquela até então grutinha inexplorada, bombava lentamente, dando de vez em quando uma bombada mais rápida, sempre ao mesmo tempo que a beijava e enfiava minha rola na sua chaninha eu apertava aquela bundinha deliciosa.
    Cada enfiada que eu dava era um beijo gostoso que ela me dava, ela pedia que fizesse sempre gostoso daquele jeito que ela seria minha para sempre. Eu respondia que seriamos um do outro eternamente e que ela teria sempre prazer enquanto me desse prazer. Ficamos nisso por uns 10 minutos, quando eu percebi que estava prestes a gosar, pedi que ficasse de quatro, ensinei a ela como fazer, vendo aquela bundinha linda toda a minha disposição, dei uma mordida bem gostosa em cada uma de suas nádegas, me levantei um pouco e enfiei meu pau todo na sua rachinha maravilhosa.
    Algumas poucas bombadas e eu tirei de sua chaninha e coloquei a cabeça do meu pau na entrada do seu cuzinho, ela assustou, porque suas amigas sempre diziam que doía mais, eu a acalmei dizendo que não iria colocar tudo, e não coloquei mesmo, empurrei a cabeça para dentro do seu cuzinho, dei uma brincadinha tirando e colocando e gosei, gosei muito no cuzinho dela, sentindo minha porra inundando seu anus ela deitou me puxou para sue lado e disse “eu te amo, obrigado por me dar a tarde mais perfeita de minha vida” descansamos alguns minutos e comecei tudo de novo. Gosei 4 vezes praticamente seguidas nesse dia, mas com receio de engravidar uma menina tão nova não gosei nenhuma vez na bucetinha dela. Ficamos juntos por quatro meses e meio, comigo ela aprendeu a chupar, e como chupava gostoso, deu seu cuzinho para mim várias vezes. Era muito bom quando eu ia para casa dela e na frente de sua casa nos trepávamos no carro, ela fazia tudo que eu queria, por isso, mesmo não estando juntos mais, nos amamos, e sempre que é possível marcamos de sair para podermos matar a saudade.
    B – Itaguaí - RJ
              O sitio que Meu Marido Comprou        


    Meu marido comprou um sitio em Boa Esperança, era na ocasião uma aquisição oportuna, sou professora e tinha pedido uma licença médica e estava tratando de colocar o sitio em ordem, meu marido vem no sábado e traz as duas crianças e uma moça que cuida delas para mim trabalhando de babá. Meu marido contratou um moço para caseiro que cuida dos animais e da horta, morando na edícula, casa principal, muito prestativo, jovem e bastante sorridente, me auxiliando nas tarefas rotineiras do jardim e mesmo de casa. Devo esclarecer que sou de família tradicional e casei virgem, meu marido foi meu primeiro homem e nunca pensei em trai-lo, numa quinta feira fui para o sitio sem avisar o caseiro, lá chegando a noite, encontrei o caseiro totalmente nu e bastante bêbado dormindo na varanda da casa. Embora assustada com a cena, devia tira-lo dali, lógo não conseguindo movê-lo e nem acordá-lo, tratei de arrastá-lo para dentro de casa e deita-lo num tapete felpudo da sala, mas ao tentar coloca-lo no sofá escorreguei e caí de cara no seu instrumento, ao encostar no membro quente semi duro me excitei sentido a minha face do rosto queimar, nunca tivera a vista uma péça igual aquela, senti no meio do meu peito uma dor de desejo e me senti molhada, o membro cresceu em minha mão e engrossou ficando duríssimo, caí de boca abocanhando o membro esfomeada até que gozou na minha boquinha e enguli toda a porra, ele então me puxou para cima dele e zonzo começou a beijar e chupar meu pescoço e a no movimento minha fina blusa se abriu e ele tratou de chupar meus peitos que estavam sem sutiã pelo calor.e eu delirei e me ajustei ao seu corpo levantando a minha saia e colocando minha calcinha muito gozada em contato com aquele membro super dotado enquanto o beijava sentido os vapores do vinho engerido, beijava desesperadamente,chupando minha língua de forma a sentir seu pau crescer de encontro com minhas coxas e a buceta na calcinha. Ele sozinho não conseguia nada e tratei de tirar a calcinha e montar naquele membro delicioso que era muito maior que o de meu marido e tratei de monta-lo como uma cavaleira que só de entrar todo, meu deu um gozo inesperado, eu gemia e o sentia forçando minhas entranhas ,até o útero, quando ele agarrando minha bunda com as suas mãos fez Introduzir seu dedo indicador no meu cúzinho e tive mais um orgasmo no contato com aquele dedo grosso e áspero! Fiquei assim cavalgando e gozando até o momento em que senti seu membro aumentar e descarregar em jatos sucessivos na minha bucetinha. Tratei de suga-lo até ficar o mais duro possível e esfreguei meu cúzinho naquela pica maravilhosa mas não consegui enfia-lo pois dobrava ,tratei de coloca-lo todo na menina novamente e tornei cavalgar seu membro sem esquecer de colocar seu dedo grande e grosso no meu rabo enquanto eu aproveitava o movimento sugando meus seios e mexendo no meu grelinho até explodir num orgasmo que me fez gritar de prazer e o moço gozou bem fraquinho como tivesse voltado a dormir. Tomei um banho quente lavando todas as minhas culpas pela traição e me purgando do prazer que escorria com a mangueirinha que mostrava como a minha xota tinha ficado dolorida, aproveitando para lavar minha cabeça e minha calcinha que ficou pendurada no registro do chuveiro. Agora eu tinha consciência de que não seria a última vez que faria aquilo com o caseiro e nem haveria de me preocupar com sua inocência, mas para o meu marido seria segredo absoluto nada acontecera. Jade, a princesa.
              Tudo começou num Boquete Inesperado        


    A Historia que vou contar é verdadeira e, embora pareça improvável, aconteceu comigo de maneira surpreendente. Ao longo de meus relacionamentos ocorreram várias situações relacionadas e igualmente curiosas. Irei relatá-las à medida que os leitores demonstrarem interesse. Bem, em certa época de minha vida, após ter sofrido alguns desenganos, acabei ficando meio deprimido e chateado por algum tempo, o que me levou a procurar algo para preencher o vazio que estava sentindo. Como dois de meus irmão eram religiosos naquela época, resolvi procurar a mesma igreja para tentar preencher tal vazio. Foi uma época muito boa de minha vida. Só não esperava que iria ter uma experiência nada religiosa a esta altura da vida! Após algum tempo na igreja, comecei a procurar alguma garota para estabelecer um relacionamento que fosse exemplar na congregação e gozasse de boa reputação, assim como é recomendado pelos líderes da igreja. Bem, após algum tempo escolhendo e conversando com as pessoas para pegar referencias cheguei a minha decisão! Ela era magra, muito bonita, lindos cabelos lisos que lhe chegavam à cintura, com uma reputação acima de qualquer suspeita!!! Todos diziam que se tratava de alguém que era religiosa desde a infância e muito dedicada! Bem, após algum tempo de cortejo e muitas recomendações por parte de todos! Iniciamos o namoro. A religião era muito séria e nós éramos incentivados a jamais sairmos sozinhos, não nos beijar em público e etc. Sexo então! Até pensar era pecado! Tudo ia muito bem e eu já havia passado pelo pior período da abestinencia. Agora tudo estava bem suportável. Até a masturbação era um recurso pouco utilizado naquela época. Até que um belo dia nós saímos com uns amigos e, na volta eles acabaram não podendo voltar com a gente por causa de uns problemas e acabamos tendo que voltar sozinhos para casa. Para mim não teria problemas, pois a distancia era curta e logo eu a entregaria em casa sã e salva. Ela ficou meio constrangida, relutou um pouco, mas como não havia outra saída, optou por voltarmos sozinhos mesmo. Bem, até aí tudo lindo. Eu todo feliz com a minha “andorinha” toda puritana e virgem que só fazia o que era correto e se guardava para o dia em que seria apenas minha! Assim como ditavam as regras! Entramos no carro conversando, alegres. Coloquei uma musiquinha. Passei a mão direita pelo pescoço dela enquanto dirigia com a mão esquerda, e puxei ela um pouquinho para se aconchegar no meu ombro enquanto eu dirigia. Derrepente ela olha para mim com o aquele olho assustado e diz: Não!... Eu, inocentemente, imaginando que ela estava pensando na sua reputação (já estávamos sozinhos, ainda por cima abraçados!?) insisti com um sorriso. _Vem cá...não tem nada de mais... Então, ao invés de por a cabeça no meu ombro ela se deita no meu colo, coloca a mão no meu pau, por cima da calça e começa a massageá-lo! Imaginem o meu susto! A garota mais puritana da igreja! Que nunca tinha chegado nem perto de um homem!!!... Fiquei meio desconcertado, sem saber o que fazer. Mas depois de tanto tempo em branco, a vontade falava mais forte e eu deixei para ver no que dava. Comecei a fazer carinho nos seus cabelos e ela muito tranquilamente tentou abaixar o zípper da calça, mas não conseguiu devido a minha posição. Não acreditava no que estava acontecendo! Levantei um pouco o corpo, abri o zípper e desabotoei a calça, porém não tirei ele para fora. Nem precisou. Ela enfiou a mão por baixo da minha cueca, tirou o danado para fora e, sem fazer muita cerimônia, abocanhou a cabecinha e começou a brincar com a língua bem devagarzinho. Eu fiquei louco! Fui aos céus! Depois de tanta fissura eu estava sendo chupado divinamente por aquele delicinha de menina! Ela chupava muito bem, brincando com a língua em volta da cabecinha. Tirava da boca e passava a língua por toda a extensão, colocava a cabecinha na boca enquanto batia uma punheta bem de vagarzinho, depois segurava na base e enfiava tudo na boca! Comecei a me animar e enfiei a mão por dentro a roupa dela, apertei seus peitos deliciosos por cima do sutian, depois puxei eles para baixo para poder brincar a vontade! Estava tudo uma delícia! Eu preocupado com os carros que passavam do lado e ela nem aí. Toda sua concentração estava em me proporcionar uma bela chupada! Acariciei bastante seus peitos, passei a mão na sua cintura e, fui deslizando até enfiar a mão na parte trazeira de sua calça. Ela usava uma calça bege clara que era amarrada na cintura por um barbante (era modinha naquela época). Soltei o barbante, enfiei a mão e ela deu uma paradinha e reclamou, mas não convenceu em nada...eu disse pra ficar tranqüila e ela logo voltou a me chupar divinamente. Que delicia, passei a mão naquela bundinha deliciosa, inicialmente por cima da calcinha. Acariciei aquele montinho gostoso da sua bucetinha e notei que ela já estava completamente molhada! Lentamente coloquei a mão por dentro da calcinha, ela não disse nada então continuei, passei a mão na danadinha, acariciei seu clitóris bem de levinho e em seguida procurei enfiar o dedo médio bem de levinho. Foi aí que constatei o que ela já havia dito. Ela era virgem! Mas como uma virgem que nunca ficou com ninguém aprendeu a chupar daquele jeito??? Bem, naquele momento isto não era a minha maior preocupação. Deslizei a mão para o seu reguinho, acariciei seu anelzinho bem de leve, ela não reclamou, então fiquei ali mais um pouquinho até conseguir enfiar a pontinha do dedo. Neste momento não agüentava mais de tezão, queria gozar! Tirei a mão de dentro de sua calça, peguei em seus cabelos e comecei a forçar a sua cabeça para fazer movimentos mais profundos e mais rápidos! Ela assustou um pouco no começo mas eu disse para agüentar e disse que era para ela engolir tudo. Ela quis reclamar mas eu fiz de conta que fiquei meio bravo e como eu ainda a segurava pelo cabelo, virei sua cabeça novamente em direção ao danado e empurrei com força pedindo para ela abrir a boca. Ela fez um pouquinho de resistência mas logo voltou a chupar divinamente! Neste momento eu não agüentei! Acelerei os movimentos como se estivesse metendo na boca dela e gozei! Gozei maravilhosamente! E gozei muiito!!! Ela fez gesto de querer tirar da boca mas eu não deixei. Segurei sua cabeça e continuei com o pau na boca dela, terminando de gozar....falei pra ela que queria que ela engolisse tudo e ela obedeceu direitinho! Engoliu tudo. Até um pouquinho que escorreu no canto da boca, eu pedi para ela passar o dedo e chupar e ela obedeceu com uma carinha que quase me deixou de pinto duro de novo!!! A esta altura estávamos chegando no bairro e nos recompomos rapidamente para entrar no bairro. Não conversamos muito. Só disse que foi delicioso e logo a deixei em frente a sua casa. Fui embora sem entender como ela podia ter feito aquilo, e confesso que naquele momento até fiquei com um pouco de peso na consciência, mas o que mais me encabulava era como e onde ela aprendeu aquilo! Uma coisa eu tinha certeza: aquela moça toda recatada e exemplar poderia até ser virgem, mas já tinha aprendido muita coisa! Inocente era a última coisa que ela poderia ser! Bem, após este acontecimento meu interesse por ela mudou completamente! Afinal ela havia traído minha confiança quando disse que jamais havia ficado com um homem. Era óbvio que isso não era verdade! Passei então a querer descobrir qual era a sua verdadeira história! Daí pra frente nossos encontros foram ficando mais e mais quente, nossas carícias aumentavam cada vez mais e eu já chupava aquela bucetinha virgem e enfiava meu dedo naquele cuzinho fazendo-a gemer e sussurrar, mas o cabacinho dela continuava intacto pois só admitia perdê-lo quando se casasse e eu respeitei. Ficamos um bom tempo namorando até que resolvemos nos casar. Já casados fomos para nossa lua de mel onde eu pude finalmente depois de dar um belo trato, mandar aquele selinho da xana dela pro espaço. Gozamos muito na nossa primeira noite real de amor e nos entendemos muito bem na cama até os dias de hoje, mas o que ela gosta e gosta muito mesmo é que eu derrame todo o meu leitinho na boca dela, que engole tudo até não sobrar nenhuma gota. Atualmente não somos mais evangélicos.
    J.C – Nilópolis - RJ
              O primeiro menino na nova cidade        

    Após minha primeira estória contando como foi minha iniciação (Inocência perdida), passo a contar como as coisas se sucederam na nova cidade.
    O fato era que eu já estava viciado em levar uma rola no cuzinho. Gostava muito de sentir meu buraquinho sendo fodido desde os meus treze anos de idade. Meu “professor de 17 anos na época” me ensinara muitas coisas sobre sexo ou pelo menos aquilo que ele sabia melhor do que eu. Nunca revelei nosso segredo a ninguém e tivemos muitos momentos de extrema felicidade, embora, às vezes, eu achasse que os outros meninos desconfiassem de mim.
    Nova cidade, novo bairro cheio de garotos, nova escola, a vida seguia em frente, mas eu já me incomodava com a vontade de ser enrabado de novo.
    Eu agora já estava com 18 anos, meu corpo se desenvolvia, minha bunda estava mais arrebitada e rechonchuda que nunca e, embora eu agisse como um garoto “normal” (não era afeminado e nem agia como um viadinho), não demorou para que os outros rapazes começassem a fazer comentários a respeito de como eu tinha um traseiro gostoso e essas coisas todas. Era corriqueiro levar passadas de mão e encoxadas, mas eu me mantinha firme e procurava não dar bandeira sobre meus desejos mais profundos. Eu tinha sido bem instruído pelo meu mestre quanto ao modo de agir na frente de outros rapazes. Então sempre que um vinha com aquelas brincadeiras eu revidava ou fingia ficar irritado para manter as aparências, de modo que não desconfiavam que na verdade aquilo me dava um enorme tesão.
    Passaram-se os meses, eu já tinha feito alguns amigos e nada tinha acontecido ainda.
    Um belo dia, um garoto chamado Zé Paulo de 24 anos que era amigo do meu irmão mais velho foi procurá-lo em casa, mas ele não estava e ficamos os dois conversando. O papo foi evoluindo e eu percebia que vez ou outra o cara esfregava o pinto, o que atraia o meu olhar. Ele usava uma bermuda um pouco apertada o que demonstrava o volume que aos poucos se formava dentro dela. Era ele tocar no cacete e meus olhos imediatamente seguiam seu movimento. Claro que não demorou para o Zé Paulo perceber meu “incômodo” e foi levando o papo para o lado que ele queria. Perguntou se eu sabia brincar de troca-troca e eu respondi que não, então ele me disse que se eu quisesse ele poderia me mostrar. Eu quis saber como era aquela brincadeira e ele me explicou que primeiro ele colocaria o pinto na minha bunda e depois eu colocaria o pinto na bunda dele. Quando ouvi aquelas palavras meu cuzinho piscou de desejo e eu nem vacilei para topar brincar com ele. Ele reagiu com um sorrisinho maroto e sugeriu que fôssemos procurar um lugar para brincar.
    Lugares escondidos eram o que não faltavam, pois havia muitas casas em construção (o bairro estava se desenvolvendo) e também muitos terrenos com mato relativamente alto que serviriam de esconderijo para esse tipo de brincadeira. Saímos dali e nos dirigimos a um terreno próximo onde ninguém poderia nos ver.
    Achamos um lugar ideal e quando Zé Paulo tirou a bermuda, saltou para fora um pinto bem maior que aquele com o qual eu estava acostumado (devia ter uns 20 cms e era um pouco grosso, com uma cabeça grande e vermelha). Meus olhos brilharam ante aquela visão e ele percebendo meu êxtase pediu para eu pegar nele. Sem qualquer pudor agasalhei aquela carne dura com minha mão pequena. Estava quente e babava um líquido transparente. Instintivamente comecei uma punheta de leve naquele mastro o que foi suficiente para a pergunta dele: “Você já pegou num cacete antes né?”. Meio sem graça por ter sido desmascarado respondi que sim e contei a ele sobre minha experiência anterior. Seu rosto ficou iluminado de felicidade e então ele disparou: “Você gosta muito de rola?”. Respondi que gostava e sentia muita vontade de pegar numa fazia muito tempo, mas ainda não tinha tido coragem e ele era o primeiro rapaz do bairro para quem eu fazia aquilo. Ele me disse: “Então chupa seu pirulito porque eu sei que você deve gostar também”. Sem vacilar abocanhei a cabeça do caralho que pulsava na minha frente e como já tinha alguma experiência, comecei a chupar com todo o cuidado para não raspar os dentes. Seu caralho era um pouco grande para minha boquinha pequena, mas eu me esforçava para proporcionar prazer para aquele machinho delicioso. Ele elogiava: “Nunca um viadinho me chupou tão gostoso. Desse jeito vou querer sempre”. Não respondi nada, pois tinha a boca ocupada e não pretendia parar de chupar, já que sentia tanto tesão naquilo. Após algum tempo mamando, ele me pediu para parar senão ele acabaria gozando e estava a fim de fazer outras coisas comigo. Ele falou: “Bom, eu te chamei para fazer troca-troca, mas na verdade eu quero mesmo comer seu cuzinho. Deixa eu enfiar em você?”. “Claro que deixo”, respondi tremendo de tesão. “Você ta viciado em pinto. Vou te comer tão gostoso que você vai querer sempre meu cacete enterrado em você. Tira toda a roupa e fica peladinho que eu quero ver o meu troféu”, ordenou. Fiz como ele mandou e ele elogiou muito o que viu: “Nossa, caralho! Que bundinha maravilhosa você tem! Quero ficar horas metendo nesse cuzinho delicioso. Fica de quatro pra mim fica!”. Fiquei de quatro na sua frente, arrebitando bem o traseiro e expondo meu buraquinho o máximo possível. Ele se aproximou e começou a me lamber. Aquela sensação nova eu não conhecia e fui às nuvens com aquele cunete. Meu corpo tremia a cada passada de língua. Quanto mais metia língua mais eu me entregava a ele e percebendo meu bem estar, perguntou: “Acha que vai agüentar meu pau dentro do seu cu?”. Respondi: “Acho que sim apesar de ser grande e grosso”. Ele cuspiu várias vezes no próprio pinto e passou bastante saliva no meu furinho. Encostou a cabeça da rola começou a pressionar. Eu reclamava um pouco da dor, ele passava mais saliva, me segurava firme pela cintura e voltava a tentar enfiar aquele cabeção dentro de mim. Tentou e tentou até que conseguiu fazer passar pelo anel. Eu vi até estrelas e gemi um pouco mais alto. Ele pediu silêncio para que ninguém nos ouvisse e continuou forçando até estar metade dentro de mim. Lágrimas rolavam pelo rosto, mas eu não estava disposto a perder a chance de levar novamente uma rola na bunda, de modo que agüentei como pude e fiz o possível para receber aquele pedaço de carne delicioso no rabo. Agora eu já sentia seus pentelhos encostando nas polpas da minha bunda e suas bolas batendo nas minhas próprias bolas. Ele se movimentava devagar até eu acostumar com todo aquele volume me penetrando e rasgando e aproveitava para dizer umas barbaridades:” Caralho! Nunca meti num cu tão gostoso. Você tem mesmo que dar esse rabinho de ouro. Como sua bunda é generosa. Engoliu toda minha piroca. Ta tudo atolado!”. Eu não dizia nada, só ouvia e gemia no compasso do vai-e-vem que estava me proporcionando um prazer imenso. Sentia arder por dentro, mas nem de longe queria que ele parasse. Zé Paulo não parou, continuou aumentando aos poucos seus movimentos. Agora eu já não sentia mais dor alguma, só mesmo tesão de estar invadido de novo por trás e como eu gostava daquilo. Sentir o caralho alojado lá dentro, entrando e saindo, rasgando e fazendo arder de prazer. Eu estava nas alturas. Depois de uns 20 minutos me fodendo, ele estocou bem forte meu cuzinho e gozou sua porra quente dentro de mim, gemendo e urrando de prazer.
    Eu já sabia que ele tinha me inundado de porra, mas nem me preocupava, pois estava acostumado a levar esses jatos quentes que eram o meu prêmio por ser obediente.
    Saciado, ele se sentou ainda sem a bermuda e com o pau meio amolecido. Eu me sentei de frente para ele e começamos a conversar. “Obrigado por deixar eu meter em você. Levanta e deixa eu ver uma coisa”. Levantei, ele me colocou de costas para ele, abriu minhas nádegas e foi conferir o estrago que seu pinto tinha feito. “Seu cuzinho ta arrombado, mas acho que eu não machuquei você. Ta doendo muito?”. Sentei-me novamente à sua frente e respondi: “Ta ardendo um pouco, mas depois passa. É que seu pinto é muito grande. Nunca tinha experimentado desse tamanho”. “Você gostou?”, ele quis saber. “Gostei e quero fazer de novo quando você quiser”. “Você ta viciado mesmo em levar no rabo né sua bichinha. Pode deixar que eu vou querer comer sempre. Essa sua bunda merece um cacete todo dia. Não esquece que esse vai ser nosso segredinho, se contar pra alguém a gente se ferra”. “Pode deixar que eu não vou contar. Eu sei o que pode acontecer se meu pai souber disso”.
    Ficamos ali ainda algum tempo, eu completamente pelado, ele sem bermuda, conversando sobre o que faríamos na próxima vez, quase sussurrando para não alertar nossa presença ali.
    Depois de um tempo resolvemos que era melhor nos vestir e sair pra não chamar a atenção.
    Alguns dias depois nós teríamos uma nova trepada, mas contarei como as coisas aconteceram em outra oportunidade.
    Os fatos relatados aqui são reais e aconteceram há pouco tempo.
    Comentários são bem vindos: ca.brasil2007@hotmail.com.
              Sexo no Trabalho        

    O que vou contar pra vocês é verdadeiro e não faz muito tempo ocorreu há dois anos. Vou tentar resumir para não ficar tão cansativo espero que gostem e gozem rsrsr. Na época eu Trabalha-va em um local praticamente sozinho e quando menos espera-va, entra pela porta da frente nada mais e nada menos que a minha gostosa amiga . Não era a primeira vez que ela me visitava naquele local, portanto, ela sabia muito bem o que a esperava. Por estar um dia muito frio e chuvoso, ela usava naquele momento um casaco (sobretudo) preto cujo comprimento chegava até ao meio de suas canelas, que já¡ encontravam-se cobertas pelo cano longo de suas botas. Levantei-me o mais depressa possível e fui ao seu encontro onde nos beijamos avidamente. Convidei-a para que se sentasse, no qual ela prontamente aceitou e foi tirando o seu casaco para coloca-lo no encosto da cadeira. Encontrava-se por baixo do casaco em um deslumbre total: A blusa de cor branca, quase que transparente, mostrava os seus volumosos seios por inteiro, pois estavam sem o soutien. Não permanecemos por muito tempo ali sentados, pois, apenas com um olhar, levantamos-nos e fomos direto para os fundos, onde tenho um pequeno deposito de mercadorias. A sala e este deposito são separados por um biombo, o qual, deixa condições de ver se entra alguém pela frente. Em tão, nos abraçamos e nos beijamos loucamente, com as nossas mãos percorrendo todo o nosso corpo. Uma das minhas mãos passeava por baixo da saia, pela sua bundinha e pela bucetinha e a outra pelos seus peitos, enquanto que, ela alisava o meu cacete por cima da calça. . Abaixei a minha calça e a minha cueca até os joelhos, deixando o meu cacete para que ela de cócoras o abocanhasse e fizesse uma gostosa chupeta. Após se deliciar com ele todo em sua boca e sentir que estava em ponto de bala, levantou-se e veio me beijar novamente. Apenas levantei aquela saia e abaixei a sua calcinha o suficiente para que o meu cacete se encaixasse entre o vão de suas pernas. Com a cabeça passeando pela portinha da buceta e massa-geando o seu grilinho, sentia o quanto aquela bucetinha estava ficando encharcada. O meu cacete deslizava naquele li quido viscoso e quente, pressionado pelo elástico da calcinha e pelos grandes lábios, e eu apenas não deixava que ele a penetrasse, enquanto que, tanto eu como ela tínhamos as nossas respirações ofegantes e continuada-mente gemi amos nos ouvidos um do outro. Senti que ela estava gozando pois, deu um longo suspiro e contraiu seu corpo todo. Não resistindo daquele orgasmo que dela desprendia, também não conseguia me segurar mais. Enchi a portinha da sua bucetinha e os fundos da sua calcinha de porra. Foi uma verdadeira gozada nas coxas srsr, que por algumas vezes vale muito e pena mais gostoso do que uma foda mal dada. Fomos ao banheiro, providenciamos uma rápida limpeza e retornamos a sala novamente. Sentei na minha mesa e ela sentou-se do outro lado, defronte a mim. Ficamos conversando sobre varios assuntos por um bom tempo, até que de repente, por debaixo da mesa, sinto o bico de sua bota percorrer pela minha perna, subindo e descendo. Olhei para dentro de seus olhos e ela simplesmente disse-me : sabe o que eu vim fazer aqui? Vim aqui com o propósito de dar o meu cuzinho para você. A ultima vez que eu dei ele, foi para você mesmo naquele Motel. O meu marido não gosta e diz que o cú não foi feito para isso rsrsr, portanto, como eu estava morrendo de saudades de senti-lo novamente dentro de mim e com muita tesão, a não ser que você não queira, não saio daqui sem que você me coma o cuzinho e goze dentro dele.” – Que susto.!!!. Na cara e na lata.!!! Levantei-me imediatamente da cadeira já com cacete duro pela situação criada, peguei-a pelas suas mãos e retornamos ao deposito dos fundos, espalhei umas duas caixas de mercadorias que davam a altura suficiente para encaixar o meu cacete em seu buraquinho, e para mais uma surpresa, ela dirigiu-se a mim com um tubo de KY em suas mãos. Disse-me que já havia planejado tudo antes de sair de casa e assim poderia sentir ele deslizando até o fundo sem sentir dores. Abracei-a e beijei aqueles lábios que ferviam de tesão. Foi logo abaixando e tirando o meu cacete para fazer outra gostosa chupeta. Apóss chupar com vontade, levantou-se e foi virando de costas, encostando aquela deliciosa bundinha no meu cacete. Levantei um pouquinho a sua saia e coloquei-o entre as suas nádegas. Continuei abrasando-a por detrás, mordiscando a sua nuca, até que implorou-me para colocar no seu cuzinho. Pedi que ficasse de joelhos sobre as caixas, levantei o resto de sua saia e fiquei com aquela deslumbrante bundinha toda a minha disposição. Abaixei-me e fui beijando as suas nádegas até encontrar o reguinho que me levaria ao local da loucura. Procurava deixar a li ngua bem em riste e com a sua pontinha, penetrava-a levando-a ao delirio total. Com as pontas dos dedos, massa-geava o seu grelinho durinho de tesão, até que novamente pediu-me para fode-la. Coloquei um pouco do gel em sua entradinha e com o dedo empurrei todo o KY para dentro daquele buraquinho, que piscava sem parar. Aproveitei também para lubrificar a cabeçe do meu cacete que encontrava-se em ponto de estourar. Logo que sentiu a pontinha do cacete encostando na sua entrada, forsou de uma vez e gemeu alto quando a cabeça passou pelo seu anelzinho. Com tudo lubrificado, não houve resistência para que sentisse as bolas do meu saco bater em sua bucetinha. Estava todinho enterrado naquele guloso cuzinho. Ela por si só começou a fazer o vai e vem e pedia freneticamente que a fodesse com toda força que eu tinha. Cheguei a em me preocupar com alguém que pudesse chegar a qualquer momento no local e ouvir todo o escândalo que ela fazia. Imagine se alguém entra e me pega com o cacete todo enterrado em seu cúzão gostosoº. Iri a ficar numa situação difi cil. Mas continuemos com a minha gostosa e inesqueci vel foda. Parecia que o seu anelzinho estava pegando fogo de tão quente e gostoso. Fazendo uma siririca com um dedo e outro enterrado dentro da sua bucetinha, ela anunciou que vinha vindo o seu gozo. Sentia o seu corpo estremecer todo enquanto o seu cuzinho latejava, piscarva gozava de tesão , meu pinho (18cm)estava todo enterrado na quele RABO delcioso,. num movimento mais lento e cadenciado após ter gozado, pediu-me que enchesse o seu cú de porra, porque ela iria guardar dentro dele e só iria desfazer dela quando estivesse já em sua casa. não aguentei mais e gozei como se estivesse gozando pela primeira vez, devido a quantidade de porra que despejava naquele delicioso frasquinho. Tirei o cacete bem devagar e ela rapidamente colocou a sua calcinha ainda com a porra toda dentro do seu cú, despediu-se com um beijo e foi embora. Mais tarde me ligou dizendo que guardou toda a minha porra ao chegar em casa, para que ela ficasse impregnada na sua calcinha e como já havia tomado seu banho, agora descansava deitada no sofá da sala cheirando a sua calcinha e sentindo o cheiro de porra de alguém que sabia fazer ela chegar as nuvens. Depois dessa, faz um bom tempo que estamos sem nos encontrar, por isso, ainda sinto saudades daquelas visitas. Quero conhecer uma mulher de preferencia casada, safadinha somente para bons momentos ,( Tenho o desejo de desflorar um cuzinho virgem claro feminino) sou de SP Capital . algomaissp@yahoo.com.br
              MINHA PRIMA ME INICIOU NO BI        

    Tenho apenas vinte anos de idade, mas sou o tipo de garota bem safadinha. Adoro transar, seja com homens, mulheres, casais ou em grupo.O que importa para mim que sou do tipo completinha, é eu gozar muito e fazer o mesmo com o meu parceiro ou parceira. Perdi a minha virgindade quando eu tinha dezesseis anos,foi com um namorado cinco anos mais velho que eu, mas que soube conduzir toda relação com muita cautela e fez-me mulher de uma forma que jamais esqueci, já que foi uma experiência bastante satisfatória e muito prazerosa. Daí pra frente, transávamos quase todos os dias e eu cada vez queria mais e mais, até que passei a pular a cerca e transar com outros homens também, pois minha xana e meu cuzinho, assim como a minha boca, almejava cada vez mais por uma rola grande e grossa preenchendo os espaços. Em suma, tornei-me uma viciada em sexo, mas até então somente com homens. Portanto no dia que eu estava completando dezenove anos, minha prima que já tinha vinte, conversávamos no meu quarto abertamente sobre namorados, transas, etc, foi quando ela perguntou-me se eu já havia transado com mulher. Disse-lhe que não e não sei se gostaria, pois eu adorava sentir um tarugo bem grande me invadindo as entranhas. Ela insistiu no assunto e perguntou-me se eu nem curiosidade sentia pra saber como era. Disse-lhe que curiosidade eu tinha sim, já que amigas minhas do colégio experimentaram e algumas gostaram e confidencie-lhe que um dia quase aconteceu com uma amiga de sala. Minha prima então perguntou, se de repente pintasse uma chance se eu toparia, respondi que talvez, dependendo com quem fosse e antes que eu pudesse falar mais alguma coisa, ela segurou minha cabeça e lascou um beijo em minha boca. A principio fiquei estática, e como não reagir, ela empurrou meu corpo na cama e veio por cima, beijando-me sem parar e acariciando minha nuca. Percebendo que eu ficara meio ofegante, ela começou a apalpar meus seios e bunda e não levou muito tempo para alcançar minha calcinha, que já estava toda molhadinha, tamanho a satisfação que eu sentia. Percebendo meu estado, ela sugeriu que tirássemos nossas roupas, então foi até a porta do meu quarto, trancou-a e deixou cair o vestidinho que usava, ficando só de calcinha. Eu não reagia, mas instintivamente, retirei minha blusa e saia e também fiquei só de calcinha. Ela então se aproximou, segurou minha mão e fez-me acariciá-la, ao mesmo tempo que me acariciava também. Minutos depois estávamos aos beijos novamente e nos tocando mutuamente já totalmente despidas. Deitamos na cama e começamos a roçar nossas xotas, a dela bem peludinha, ao contrário da minha que tinha poucos cabelos. Ficamos ali deitadas nos roçando por um tempo até que ela desceu sua boca, até chegar na minha xotinha que estava completamente melada e começou a me chupar, como poucos homens fizeram. Um tremor tomou conta do meu corpo e entre gemidos e pedidos para que não parasse, gozei fartamente na boca dela. Foi um prazer e tanto e a primeira vez que gozei com alguém me chupando. Vendo a minha satisfação, ela deitou-se e pediu para que eu a chupasse também. Embora fosse minha primeira vez com uma mulher, não hesitei e cai de boca naquela xota peludinha, chupando-a e introduzindo minha língua, até fazê-la gozar na minha boca também. Daí nos abraços e ficamos nos beijando e nos acariciando até que meu telefone tocou e eu levantei para atender. Quando terminei de falar com a amiga que me dava os parabéns, minha prima chamou-me e perguntou o que eu achei do que acabara de acontecer entre nós, eu nada falei, apenas olhei-a nos olhos, aproximei meus lábios dos dela e dei-lhe um beijo apaixonado de língua, que chegou arrepiá-la. Quando parei, ela apenas falou: que bom que gostou e saiba que sempre que quiser é só me chamar. Disse-lhe que iria querer repetir mais vezes sim, e assim continuamos a fazer até os dias de hoje, sendo que além dela, tenho outras amigas que eu iniciei e que já tinham sido iniciadas por outras. Hoje me relaciono bastante com casais, pois adoro sentir uma vara me rasgando o cu enquanto chupo uma buceta. Mas de todas as mulheres que me relaciono ou me relacionei, nenhuma se iguala a minha prima, que a cada relação nossa e linguada dela na minha xana, me faz sentir nas nuvens.
    M.F - Itaguaí - RJ
              A primeira vez que mamei num caralho        

    Meu nome é Leticia, tenho 16 anos, sou morena , baixinha (1.55 cm de altura), olhos verdes, cabelos compridos e um corpo estilo violão, bem tesudinho. Eu moro no interior de SP, numa fazenda com meus pais. Desde pequena eu sempre fui muito inocente e não maldava as coisas que aconteciam ao meu redor, mas o tempo foi passando e eu comecei a perceber certos fatos... Eu sempre adorei beber um leitinho quente colhido da vaca, certa vez um peão da fazenda me disse que as vaquinhas estavam doentes e que não poderia recolher leite para mim, eu finjir chorar dizendo que queria o meu leitinho, daí o peão chamado Pedro, por sinal um gato, em tom de brincadeira já que somos amigos e eu dava esta liberdade a ele, perguntou se eu conhecia \" leite de tora\" e que se eu quisesse ele me dava leitinho e eu não tanto, mas fingindo inocencia, disse que não sabia o que era \"tora\" e que até então só tomara leite da minha vaquinha. Passei o dia pensando na insinuação do peão, e naquela noite eu dormi decidida a experimentar o tal leite. De manhã como sempre fazia, fui direto para o celeiro e falei com o Pedro que já não aguentava mais ficar sem meu leitinho quentinho e que queria experimentar o tal leite de tora. O Pedro me olhou e perguntou se eu tinha certeza disso. Disse-lhe que sim, que ia adorar provar. Ele então disse que meus pais iriam na capital buscar visitar a minha avó e que assim que eles fossem, eu o procurasse no celeiro que ele me daria o leite de tora e sorriu. Lá pelas 10:30 da manhã meus pais partiram para visitar a minha avó que estava internada, eles queriam me levar, mas eu disse que estava com uma dorzinha de cabeça enjoada e não queria pegar estrada, pois preferia ficar na fazenda, mas no fundo eu tava doida para experimentar o tal leitinho misterioso, que eu imaginava de onde ia sair, afinal eu era virgem e inexperiente, mas não tão inocente como Pedro achava que eu era, afinal já estava concluindo o segundo grau. Assim que meus pais seguiram viajem, fui no meu quarto e troquei de roupa, colocando uma sainha jeans e uma camisetinha sem soutien. Daí fui ao celeiro onde chamei o Pedro que apareceu de prontidão, me chamou para os fundos do celeiro e disse que já voltava. Eu me sentei na palha e fiquei esperando um tempinho imaginando o que ele estava preparando. Quando ele retornou, notei que estava com as calças abertas e falei para ele, que disse saber, pois tinha de estar assim para poder me dar o leitinho. Neste instante não tive mais dúvida de onde eu beberia o leitinho e deixei rolar. Ele então aproximou-se de onde eu estava e quando estava de pé na minha frente onde eu estava sentada, aproximou-se do meu rosto e colocou para fora das calças um enorme e duro cacete que pulsava de tanto tesão. Senti minha xota enxarcar na hora e fingi tentar me esquivar , mas ele segurou no meu braço e disse que eu já era muito grandinha para beber leitinho de vaca e que já era hora de experimentar leitinho de tora e por isso iria me ensinar me a mamar na tora dele. Então aproximou seu rosto do meu e começou a me beijar de mansinho. Eu que já estava excitada, comecei a sentir um arrepio subindo pelas pernas e sentia minha xana molhar cada vez mais. Ele passou a me beijar com vontade e eu cheia de tesão, correspondia, pois embora eu ainda fosse virgem, conversava muito sobre sexo com minhas amigas da escola, sem falar na quedinha que eu sentia pelo Pedro, um gatinho de 20 anos, filho de um casal que a anos trabalham na fazenda. Mesmo inexperiente, aos poucos fui me soltando, ele então tirou minha blusa e começou a acariciar meus peitinhos pequenos e durinhos de tesão, eu comecei a gemer baixinho igual uma gata no cio, ele parou de me beijar e começou a mamar meus peitinhos me chamando de vaquinha safada e tesuda. Eu já estava com as pernas moles e ele colou o corpo no meu, foi quando eu senti aquele caralho duro roçando nas minhas coxas, nisso a minha xoxotinha já estava ensopada de tesão e eu pude sentir molhar a minha calcinha. Percebendo a minha excitação, o Pedro me disse. – Você ainda quer beber leitinho? Como sabia a qual leitinho ele se referia, eu disse que adoraria experimentar. Ele então disse, vem, mama aqui na minha tora, vou te dar leite quentinho. Então me fez ajoelhar e botou aquele caralho imenso na minha boca ( fiquei sabendo depois, 23x6) e me falou para mamar. Mesmo inexperiente e sem jeito, afinal nunca tinha visto ao vivo e muito menos pego num cacete de verdade, segurei aquela tora e coloquei na boca, começando a chupá-la pela cabeçona vermelha que já estava toda melada, chupava devagar, meio que com medo de machucá-lo, mas como sou espertinha fui pegando o jeito e mamava sem parar, engolindo a cabeça daquele caralhão igual uma bola de sorvete. Quanto mais eu mamava, mais alto o Pedro gemia e com mais tesão eu ficava. Eu já estava ficando experiente e agora já mamava sem medo, engolindo aquela tora maravilhosa e lambendo tudo, cabeça, saco, pau, tudo, até que o Pedro disse para eu me preparar que ele iria gozar e me daria o leitinho que eu tanto queria. Ouvindo aquilo, mamei com mais vontade ainda, de repente senti o Pedro começar a tremer e meter todo aquele caralho maravilhoso na minha boca e gozar de forma fenomenal, eu mamei tudinho, cada gotinha daquele leitinho quente e gostoso que ele me dava. Quando ele acabou de gozar, eu já estava empanturrada de tanta porra que mamei. Daí ele me deu um beijo na boca e perguntou se eu havia gostado do leitinho de tora, e eu mais que satisfeita disse que sim, embora fosse um pouquinho amargo, então ele virou pra mim e disse que se eu permitisse, agora era ele quem queria mamar meu leitinho. Sabendo a pretensão dele, disse que sim e nisso ele já foi me deitando na palha, retirando minha calcinha e após arreganhar minhas pernas, caiu de boca na minha xoxotinha toda melada, chupando o meu grelinho, passando a lingua em volta e metendo um dedo na entradinha da minha grutinha, nessa hora eu já estava gemendo alto como uma verdadeira putinha safada e apenas pedi para que tomasse cuidado e não focasse a entrada, pois eu eravirgem e queria continuar assim. Ele mesmo respeitando meu pedido, enterrou a lingua na minha xoxota e sugava os lábios dela e meu grelinho, fazendo o meu tesão aumentar cada vez mais até que não agüentei mais e tive o meu primeiro orgasmo. Foi uma delícia a sensação, quando eu gozei foi demais e o Pedro mamou todo o meu melzinho...depois de algum tempo nos vestimos, mas antes de eu ir para casa, o fiz prometer que me daria "leitinho de tora" novamente, sempre que eu quisesse. Ele disse que era só chamá-lo. Foi assim que eu comecei a gostar de mamar num caralho e desse dia em diante continuo tomando leite de vaca, mas adoro mesmo beber é o leitinho de tora, que é mais saudável, hoje não só o do Pedro, pois já experimentei o de alguns amiguinhos da escola. Ah querem saber se ainda sou virgem, sou sim na minha xota pois o selinho do meu cuzinho, o Pedro já mandou pro espaço. Depois eu conto como foi. Esse é o primeiro relato que eu mando, espero que vocês tenham gostado. Quem quiser uma deliciosa mamada ou trocar experiencias deixe comentário com o email ou telefone.
    Beijinhos para todos
    Letícia – São Paulo - SP
              Desvirginei minha priminha inocente        

    Meu nome é Cezar, tenho 22 anos, e essa história que eu vou contar agora aconteceu há dois anos.
    Tenho uma prima que na época estava com 16 anos, ela era muito gostosa, peitinho rosado, bundinha rebitada, lábios carnudos, um tesão de menina, toda deliciosa. Ela vivia lá em casa, sempre ficava lá ajudando minha mãe nos afazeres de casa, quando ela estava em casa e ficava com um micro short cravado naquele reguinho virgem, e uma blusinha toda solta e ficava sem sultian que dava pra ver até a marca do biquinho do peito dela, eu ficava louco de tesão com aquela visão maravilhosa, mesmo ficando doido a ponto de explodir eu nuca tive coragem de tentar alguma coisa, mesmo porque ela era muito menina e nunca tinha me dado muita idéia. Mas a coragem veio em um dia que minha mãe precisou sair e ficou só eu e aquela delícia. Então começamos a conversar, papo vai papo vem, a conversa começou a esquentar, até começarmos a falar de sexo, ai perguntei a ela se ainda era vigem, ela respondeu que sim, que nunca tinha tido nenhum contato com nenhum cara, quando ela valou isso meus olhos até brilharam, pensei é hoje que eu como essa gostosa. Chamei ela para irmos pra piscina, ela topou, então nos trocamos e fomos pra lá, começamos uma brincadeira, ela passava debaixo da minha perna e eu passava debaixo da dela, mas sempre que eu passava e ia subir, eu roçava meu pau naquela bundinha gostosa, com isso ela foi se excitando, depois comecei a passar a mão bem de leve pelo corpo dela, vi que ela já estava tremendo, daí então virei e tasquei um beijo nela, que por um momento resistiu, mas segurei-a com mais força ai ela sedeu e se soltou, fiquei só roçando meu pau nela até que ela me chamou para sairmos da piscina e irmos pro quarto, chegando lá arranquei aquele biquíni tendo a visão mais esplendorosa de toda minha vida, comecei a chupar aqueles peitinhos, que delicia, estava quase gozando só de fazer isto, fui beijando todo o seu corpo até em sua grutinha virgem, quente e molhada, fiz ela ficar louca, depois ela retribuiu com um boquete muito gostoso, parecia uma puta profissional, era demais. Então fui subindo novamente e pedi que ela abrisse as pernas, fui forçando meu pau na entrada daquela bucetinha deliciosa e ela começou a gemer, até que enfiei tudo em uma só estocada, ela deu um grito e começou a gemer feito uma louca, fui bombando mais forte, aquilo era um delicia , pedi para ela ficar de quatro, ela me atendeu com gosto, arrebitou aquela bundinha todinha só pra mim, deu uma lambida em seu cuzinho e fui colocando minha pica centímetro por centímetro, comecei a bombar forte feito um louco, ela gemia alto, aquilo me dava ainda mais tesão, ficava rebolando aquela bundinha lisinha, depois de ter arregaçado o seu cuzinho pedi pra ela bater um boquete, novamente ela fez com muita vontade, em pouco tempo gozei dentro daquela boquinha quente, ela não deixou cair nada sugou até a ultima gota, foi a trepada mais gostosa de toda minha vida, comer uma menininha virgem e inocente, até hoje quando nos encontramos sempre relembramos os velhos tempos...
              Trepei com a minha vizinha que estava bêbada        

    Era um sábado à noite em Salvador, tava curtindo uma garrafa de vinho barato na varanda de minha casa vazia...2 horas e 2 garrafas de vinho depois, isso já pelas 03:30 da madrugada, eu vejo surgir no final da rua uma silhueta feminina rebolando sensualmente com uma bolsa na mão...cabelos soltos na altura dos ombros, negros como a noite que a envolvia, usava uma micro-saia de couro marron, e uma blusa com cadarso na frente como se fosse um corpete daqueles dos tempos da vovó que teimavam em sufocar um par de seios loucos pra pular pra fora, porém não escondia uma barriga perfeita com pelinhos que segundo minha imaginação desciam até onde mora o tezão.
    A medida que ela se aproximava, eu ia notando mais detalhes, pele morena, coxas grossas, alta, 1,75m no mínimo, quadris largos o que denunciavam uma bunda empinada e nada pequena. Percebi lindos olhos verdes, e pra minha surpresa eu conhecia aquela escultura viva!! Era minha doce e casada vizinha! No dia anterior eu escutei de casa a briga dela com seu marido que culminou com a saída dele de casa, mas o que teria acontecido de tão grave pra que aquela mulher tão respeitável estivesse literalmente vestida como uma prostituta, e cheirando a álcool como naquele momento?
    Bom, isso ela mesmo me respondeu com uma voz balbuciante de quem já havia tomado umas 8 doses de wisky:
    - Marcos, aquele desgraçado disse pra mim que eu não desperto interesse nos homens... ao que respondi:
    - Isso passa, foi só uma briga de casal...
    - só uma briga? Então vc vai querer me convencer que isso é motivo pra que ele me deixe sem sexo por 3 meses ?
    Quando houvi isso, meu sangue gelou... aquilo soou nos meus ouvidos como um convite pra uma noite de sexo, já reparava aquela minha vizinha a algum tempo, mas nunca havia visto ela usando roupas tão reveladoras, nesse momento ela já estava dentro da varanda da minha casa, de frente pra mim, encostada com um pé na parede, eu tava sentado na escada e aquela posição dela revelava suas coxas com pelos loirinhos, e de tão pequenina a saia quase me dava uma visão de sua calcinha, nesse momento,meu pau estava duro e podia sentir minha cueca começando a se melar...
    A partir daí pensei: porque não tirar proveito daquela situação, uma vez que ela se mostrava louca pra extravazar o tesão que a enchia e eu pra realizar meu grande fetiche por mulheres casadas, e de quebra, me vingar da minha namorada que havia brigado comigo sem um bom motivo.
    Resolvi pôr meu plano em prática... fiz com que ela se acomodasse ao meu lado na escada e ofereci vinho pra ela, bêbada como ela estava, foi fácil deixa-la bem a vontade e passou a se abrir, rir e contar mais da sua vida... tratei de dirigir logo o papo pro lado do sexo e ela deixou claro que desde que casou, vivia de papai-e-mamãe com seu marido, mais surpreso ainda fiquei quando ela me confidenciou que seu marido a chamou de puta quando ela tentou fazer sexo oral nele, e que daquele dia em diante ela não sabia o que era o gosto de uma pica na boca, e tava muito infeliz, pq ela adorava sexo e sexo oral pra ela é o que mais a excita!! Fiquei louco com aquilo tudo, já que adoro sexo oral tanto quanto ela, tratei de deixa-la a par disso... ela rindo muito, me olhou de cima a baixo e me falou com a voz mais sensual que já ouvi: - isso é um convite?, já não agüentando mais aquela situação respondi: -não, isso é uma ordem!
    Então ela me olhou fundo nos olhos, largou o copo que segurava e passou a acariciar e apertar meu pau por cima da bermuda, fechei os olhos e respirei fundo, enquanto ela falava que queria me ver todo nu pra saber o quanto eu era gostoso (palavras dela... efeito do álcool hehehe!)
    Levantei e tirei a camisa, sou moreno claro, tenho 1,83m de altura, peso 82kg, tenho cabelos e olhos castanhos, frequento academia, por isso tenho um corpo forte, tenho 26 anos e ela me revelou que tava fazendo 29 naquela noite, meu pau mede uns 18cm, eu acho, nada descomunal como os de alguns contos que li nesse site, mas é bem grosso, minha namorada vive reclamando disso!
    Sugeri que fossemos pra dentro de casa e ela aceitou entrando na frente... tranquei a casa, me certificando que ninguém havia nos visto entrar, ela sentou no sofá, e me puxou pra ficar em pé de frente pra ela... abriu minha bermuda, abaixou até o pé, e ficou apertando meu pau e falando coisas que só ela entendia... meu tezão era tamanho que a cabeça do meu pau tava saindo da cueca por cima, ela ficou passando o polegar na abertura e espalhando o melado que escorria dele, e perguntou com voz de menina dengosa: - Marcos, deixa eu matar meu desejo? Quero muito esse pau na minha boca!! Não respondi, apenas segurei sua cabeça e tentei meter em sua boca, ela não deixou, primeiro tirou minha cueca, me deixando todo nu, surgiu um pau duro e melado na frente dela, ficando a poucos centímetros dos seu rosto, em seguida ela passou a lamber minhas coxas de baixo pra cima metendo a lingua entre minhas verilhas até que colocou minhas bolas na boca... nossa!! Que delícia!! O calor daquela boquinha pequena e molhada engolindo meu saco quase me fez gozar, meu pau pulsava e meus quadris faziam movimentos inconscientes de vai-e-vem como se já fudesse sua buceta. Ficou assim um bom tempo, e depois seguiu lambendo do saco até a cabecinha, engolindo por completo, chupou, chupou, chupou e tirou da boca deixando um fio de baba da ponta de sua língua até a cabeça do pau, e falando que tava louca de saudades daquele gostinho segundo ela: (gosto de macho) que a enlouquecia nos seus sonhos eróticos. Segurei sua cabeça e passei a bombar e fuder sua boca feito louco, ela segurou o pau com uma mão e sugar com muita força! Me sentia metendo numa buceta virgem tamanha era a pressão q meu apu sofria daquela boca gulosa... 2 minutos nesse movimento e um jato de porra grossa enchia sua boca, eu tava gozando! Meus olhos reviraram, minhas pernas enrrigeceram, tentei tirar meu pau de dentro pra gozar o que faltava no seu rosto, mas pra minha surpresa, ela fez algo que nenhuma outra mulher fez antes: ela engoliu meu pau até o talo fez ele sumir todinho dentro da boca encostando os lábios nos meus pelos pubianos, sentia a cabeça do pau descer e encostar na sua garganta, segurou minha bunda com as duas mãos não permitindo tirar meu pau de dentro de sua boca!! Sinceramente, eu nunca gozei como naquele momento e talvez jamais volte a gozar de novo!! Cheguei a gritar de tanto tesão, e meus movimentos de estocadas fortes foram diminuindo, diminuindo, e quando parei, ela foi tirando o pau de dentro da boca e lambendo como se quisesse prosseguir uma nova chupada, caí deitado no sofá com as pernas duras quase dando câimbras, e ela rindo me disse: - Você acha que depois de tanto desejar um pau na boca, eu perderia um leitinho tão gostoso? Gargalhou, bêbada, e me pediu cerveja, prontamente trouxe as cervejas e depois de uns 25minutos já tínhamos tomado quatro latas cada um e eu fui ao banheiro, quando voltei ela tava dormindo deitada no sofá, sua saia havia subido revelando um volume enorme embaixo da bela calcinha rendada, dourada e de lacinho que ela usava , meu pau voltou a ficar duro, me aproximei e aquele cheiro de cerveja que exala dela me deixou muito mais louco, passei a acariciar sua xota por cima da calcinha e vi que aquele volume todo era de uma buceta carnuda de pelos ralos, lisinhos e bem aparados, com lábios grandes e pela calcinha encharcada pude comprovar o tezao q ela sentiu quando me chupava... me coloquei sobre ela e passei a desamarrar o cadarso de sua blusa, até ver surgir um belo par de seios com marcas de biquine branquinhas contrastando com sua pele morena , os bicos eram lindos e tavam durinhos como facas afiadas, não resisti e resolvi chupar ! chupei, chupei, chupei muito, e vi os bicos duros cada vez mais duros... livrei seu corpo totalmente da blusa e desci chupando tudo no caminha da xotinha até chegar no umbigo, me concentrei ali, metendo a língua e fazendo movimentos circulares, esperando q ela acordasse e compartilhasse do tezao que era só meu! Mas o único sinal de vida que ela me mandava eram arrepios pelo corpo...
    Resolvi descer até a xaninha alagada dela, levantei mais sua saia e passei a morder e lamber sua buceta por cima da calcinha, aquele cheirinho de buceta melada me enloquece, puxei a calcinha de lado e um fio de baba da buceta foi junto com a calcinha... louco de tesão, caí de boca e chupei e lambi o quanto pude... pentrava minha língua fundo na xota e sentia as contrações na minha língua, e o gosto delicioso daquela bucetinha apertadinha... chupava os lábios da buceta com força e sentia o clitóris enrrigecer-se na minha boca, nesse momento o corpo dela se contorcia e ela erguia os quadris como se quisesse ser penetrada pela língua... com o pau já muito duro , resolvi ir mais mundo naquela delicia que tava babando de tesão!, dormindo como estava, aquele mulherão tava muito pesado... me ajeitei no sofá, pus suas pernas nos meus ombros e vi meu pau se enterrando e sumindo naquela buceta ... o barulho de melado que fazia me deixava pirado, tava adorando fuder aquela mulher maravilhosa enquanto ela dormia!! Dava um ar de estupro, já não queria que ela acordasse, passei a bombar com grande velocidade, como um cachorro quando trepa numa cadela... o suor escorria, seus seios balançavam, o barulhinho de melado, eu chegava a tirar e botar o pau inteirinho dentro dela, metia com muita vontade e até com uma certa violência... aí ouvi ela sussurrar baixinho: - to gozandoooooo! Vi seu corpo se arrepiar e sua buceta contrair com força meu pau, o tesão era imenso pra eu parar naquele momento! GOZEI!!! Gozei muito, e com muita força!! Gozei vendo ela morder os lábios e chupar a propria língua!! Gozei em espasmos fortes, longos, gozei tudo dentro dela!! Bem no fundo daquela xota! Meus quadris prosseguiam bombando inconscientes depois de tanto gozo, a cebeça da pica doía... eu caí sobre ela exausto e molhado de suor, sentir seus braços me enlaçando e seus bicos dos peitos ainda duros contra os meus...
    Adormecemos assim...No domingo pela manhã fui despertado por ela (Ana) repetindo a chupada que ela havia feito horas atrás. Aí tive a certeza que apesar de ela estar bêbada, estava muito consciente do que fizera!!
    Desejei pra ela um bom dia, mas ela me interrompeu dizendo: - cala a boca! , o único som que quero ouvir de sua boca são seus gemidos!! Nossa ! que tesão me bateu!! Dessa vez eu não me deixou gozar!! Tirou o resto da roupa, e ficou ajoelhada no sofá com o rosto pra parede e a bunda bem empinada, e me puxou pra me posicionar atrás dela, quando tava posicionando pra enterrar de novo naquela xota, pra minha surpresa, ela pegou meu pau começou a pincelar o buraquinho do cu! Imaginei: ora!! Se o marido não deixava ela nem chupar um pau, seguramente aquele cuzinho nunca tinha vista uma pica!
    Voltei com força a enterrar na xota, fazendo ela e conseqüentemente me melar junto, baixei e chupei com tesão aquele cuzinho, tentava penetra-lo com a língua, mas era muito apertado pra isso... levantei e atendi seus pedidos pra que eu fizesse dela mulher. Comecei a forçar mas a cabeça grande do meu pau dificultava, aí falei pra ela parar de tentar sugar meu pau com o cu e fazer o contrario, tentar expelir!! Ai sim senti a cabeça enterrando dilatando aquele cu... o corpo dela tremia e ela me xingava de desgraçado e que eu tava rasgando ela em duas bandas...
    Mas finalmente e pau entro até a metade e comecei a movimentar num vai e vem e cada vez mais lubrificado, a dor que ela e que também eu sentíamos passou a ser prazer, só prazer!! Segurei seus peitinhos e passei a bombar com força e rapidez e ela pedindo pra q eu gozasse q ela não tava agüentando de dor!! Via sangue no meu pau e resolvi parar!! Ela se voltou pra mim e disse:
    - se vc parar agora eu mato vc!! Me fode porra!! Rasga meu cuzinhooooooo!!!
    Ouvindo isso, eu enterrei o Maximo que pude e comecei a gozar com estocadas fortes, gozei muito!! Ficamos grudados como cachorros depois da trepada..., algum tempo depois fui tirando o pau de dentro e vi escorrer porra e sangue entre suas pernas... eu sentei no sofá e ela entre minhas pernas... ficamos abraçados um tempo... com versamos um pouco e depois fomos tomar banho...
    Depois que ela se vestiu, veio até mim pra se despedir e só aí ela veio e me beijou!!
    Saiu em seguida, a rua tava deserta, fiquei na varanda olhando ela entrar em casa, e nesse momento percebi feliz da vida que não havia sido só mais uma trepada, eu havia ganho uma amante!!
    Espero que gostem e mandem suas opiniões!
    J.P – Salvador - BA
              A primeira vez é sempre a a mais dificil, mas quando vem por acaso        

    Olá... meu nome é Cláudio, sou moreno, tenho 30 anos, 1,80 de altura e cabelos pretos, vou lhes contar o que aconteceu comigo a alguns meses. Eu e minha esposa (Simone, que tem 28 anos, é loira,1,70 de altura, seios lindos e uma bunda de dar inveja a qualquer um) sempre tivemos vontade de transar com outro casal mas nunca tivemos coragem, pois achávamos que seria difícil achar outro casal ou coisa assim, mas sempre quando íamos transar comentávamos sobre o assunto, mas sempre ficava só nisso . Um certo dia um casal amigo nosso nos convidou para um final de semana na praia em seu apartamento fomos para lá sem intenção alguma, chegando encontramos Sidnei e Cíntia, deixamos nossas coisas no apartamento e fomos para a praia para um dia maravilhoso com muito sol muita praia e tudo mais de bom, no final da tarde fomos para o apartamento onde jantamos e ficamos tomando uma cervejinha e assistindo a um filme, para minha alegria o filme era meio picante deixando os quatro exitados, acabando o filme resolvemos jogar um baralho mas como já tínhamos bebido bastante dei a idéia de fazer um jogo de homens contra mulheres quem perdesse teria que pagar algum castigo que, seria tirar uma peça de roupa, e para minha alegria todos gostaram da idéia e começamos a primeira rodada eu e Sidnei perdemos e tivemos que tirar a camisa na segunda elas perderam e tiveram que fazer o mesmo, mas Simone estava sem sutiã e pois para fora os seus lindos peitos e nisso Sidnei falou para Cíntia que também tirasse pois não seria justo, Cintia uma morena de dar água na boca, tinha seios lindos e maiores que Simone, mas perdia no quesito bunda e a brincadeira continuou e fomos tirando todas as peças de roupa delas uma por uma ate que as deixamos totalmente nuas. Para sacaniar um pouco pois já estávamos de pau duro nos dois também perdemos algumas ate que chegou a hora de tirar as cuecas, nisso Sidnei baixou a dele e pude conferir que ele tinha um pinto imenso e também reparei que Simone ficou impressionada com o tamanho, como não tínhamos nada para tirar mais continuamos a jogar mas quem perdesse teria que fazer algo, enquanto isso eu não conseguia tirar da cabeça os quatro transando e comecei a reparar que os quatro estavam com a mesma idéia mas ninguém falava nada, e Sidnei num tirava os olhos de Simone que ainda retribuía com um sorriso e para falar a verdade eu também não conseguia tirar os olhos de Cíntia, quando elas perderam a próxima jogada fizemos uma brincadeira os quatro teriam que ficar vendados e fariamos um embaralhamento para que cada uma pudesse encontrar o seu par como elas perderam elas teriam que nos fazer uma massagem exitante em nos , então colocamos as vendas e começamos a brincadeira, senti uma mão deliciosa me abraçando e começando a fazer caricias em mim fiquei todo exitado pensando que poderia ser a Cíntia e que seria a minha primeira suruba mas de sacanagem puxei um pouco minha venda para cima e vi que era minha esposa que estava me acariciando e também percebi que as duas estavam sem as vendas, mas quando fui tentar falar algo vi a Cíntia chamando a Simone para trocar de lugar e elas trocaram agora sim era a Cintia que me fazia uma massagem pelo corpo todo, ela começou a beijar meu ouvido e foi descendo pelo pescoço passando por cada centímetro de meu corpo ate chegar no meu pau e começar a fazer um boquete maravilhoso olhei de lado e Simone fazia a mesma coisa com Sidinei, via que ela estava se maravilhando com o pinto gigantesco dele , comecei a puxar a Cíntia para cima para que eu pudesse chupar aquela mulher deliciosa comecei a chupar e acariciar todo o corpo dela ate chegar a sua linda bucetinha que estava todo depilada e comecei a chupala de todas as formas que eu pudia imaginar, olhei para Simone e ela estava em um 69 delicioso nesta hora tirei minha venda e pedi que Simone tirasse a do Sidnei e peguei a Cíntia e comecei a enfiar o meu pau intero nela que buceta maravilhosa só dei uma paradinha para ver a cara de alegria de minha esposa na hora que Sidnei começou a enfiar o seu pau gigante na buceta dela senti ela puxar ele para que ele enfiasse o pau inteiro nela fiquei mas exitado ainda e comecei a foder com força a Cíntia que pedia cada vez mais ate que demos uma super gozada, logo que gozei Cíntia me pos deitado novamente e começou a me chupar para que meu pau subisse novamente, enquanto estava sendo chupado pude ver Simone gozar umas duas vezes ate que Sidnei tirou o pau para fora e pediu que minha esposa chupasse o pau dele ate ele gozar na sua boca e ela num perdeu nem uma gota de porra, fiquei ate com inveja pois ela nunca tinha feito isso comigo, como eu já tinha ficado de pau duro comecei a alisar a bunda de Cíntia que sentiu minha intenção e alem deu estar doido para comer a bunda dela queria ver a Simone agüentar aquele pau imenso no rabinho, peguei a Cíntia e coloquei ela de quatro e comecei a passar o pau na sua buceta só para ir lubrificando o pau quando ele estava bem lubrificado comecei a colocar o meu pau naquela bundinha maravilhosa fui colocando bem devagar, e senti que aquele cuzinho num podia ter levado um pau tão grande como o do marido dela (mais tarde descobri que ela nunca tinha dado o rabinho para Sidnei pois ela tinha medo que a machucasse, mas a Simone adorou ser enrabado por ele) fui colocando bem devagar ate o meio, ai peguei ela segurei bem de dei uma socada de uma só vez para enterrar todo o resto do meu pau Cíntia soltou um gritinho mas adorou e começou a rebolar num demorou muito gozei naquele rabinho delicioso e vi que Sidnei e Simone assintiam a sena exitados e perguntei se eles não iriam brincar também do mesmo jeito Sidnei falou que estava com vontade mas tinha medo de machucar o rabinho de Simone, mas Simone falou que gostaria de tentar então eu e Cíntia fomos dar uma força enquanto Cíntia chupava o pau de Sidnei para lubrificar eu passava a língua no rabinho da Simone para deixa-la com mais tesão e também lubrificada, Cíntia me puxou e mirou o pinto do seu marido no rabinho de minha esposa que começou a colocar bem devagar mas num entrava, Cíntia foi correndo ate o quarto e veio com um lubrificante que ela passou no pau todo dele e também na bundinha de Simone, ai ele começou a enfiar novamente e começou a entrar Simone dava gritinhos saia lagrimas dos olhos e pedia mais e ele foi enterrando cada centímetro de pau na linda bunda de minha mulher, quando não entrou mais ele começou a bombar cada vez mais rapido , eu me coloquei a frente dela e fiz ela chupar o meu pau também, ela tinha esse sonho de chupar o meu pau enquanto era comida por outro peguei a Cíntia e comecei a chupar a sua bucetinha também e ficamos os quatro ali brincando ate que Sidinei gozou no rabo de Simone e eu gozei na boca dela e ai sim ela engoliu cada gota de porra minha, quando terminamos começamos a conversar e ficamos sabendo que o casal de amigos tinha a mesma vontade que nos, foi muito divertido pois ficamos trocando idéias e fantasias ate o amanhecer. Quando sugeri que fóssemos tomar um banho para descansarmos um pouco, Simone disse que estava muito excitada ainda e que queria antes experimentar dois cacetes dentro dela, então eu e Sidnei oferecemos nossos cacetes para a Cíntia chupá-los, deixando-os em ponto de bala e quando estavam totalmente duros, Carlos deitou-se, Simone enterrou o cacete dele na xana dela e eu enfie meu cacete no cuzinho de minha esposa, penetrando-a com fortes estocadas e fazendo-a delirar e até gritar, ora de dor, ora de prazer, até que gozou fartamente no cacete do Sidnei. Depois trocamos de posição e enquanto eu a penetrava na xana, Sidnei arregaçaca o cuzinho dele com aquele cacetão. Quando estávamos para gozar, ela e Cíntia pediram que gfozássemos em suas bocas, assim fizemos, nos levantamos e gozamos fartamente naquelas boquinhas que dividiram e engoliram toda nossa porra num delicioso beijo que trocaram. Depois tomamaops um banho e fomos descansar todos na mesma cama. Por volta de meio dia acordamos, nos alimentamos e como o tempo estava meio que nublado, resolvemos ficar em casa assistindo uns filmes de sacanagem e fazendo uma grande suruba, com a Cíntia, mulher do Sidnei, experimentando também uma dupla penetração. Os casais que quiserem trocar correspondecia ou só trocar fantasias comente este relato e deixe o email para mantermos contato. Cláudio – Macaé - RJ
              Dando feito putas na Boite        

    No último conto, contei como comecei a me transformar numa putinha, graças a minha amiga Paula. Bom o que passo a contar agora, é mais uma aventura que vivi por causa da minha amiga. Comentei com a Paula que tinha ouvido uns amigos nossos da escola comentarem que foram numa boite erótica, onde as meninas dançavam nuas ou semi nuas. Para minha surpesa a Paula disse que também conhecia uma boite assim, onde as meninas depois de certa hora faziam de tudo lá mesmo com os clientes. Perguntei como ela sabia disso e ela me respondeu que já tinha ido lá algumas vezes. Já tinha me esquecido como a Paula era vadia. Mas aquilo me excitou e disse a ela que tinhas vontade de um dia ir também. Ela me deu umas dicas, do tipo, só fazer algo lá dentro mesmo, para não sair dali com clientes pois a casa não se responsabiizava. Marcamos uma quinta feira, onde eu disse que dormiria na casa dela e ela na minha, assim nossos pais não nos chateariam. Com ajuda da Paula, escolhi uma mini saia preta com mini blusa sem sutiã e por baixo uma calcinha branca fio dental. A Paula foi de vestidinho vermelho, bem sexy, sem soutien e com uma calcinha fio dental vermelha.
    Eu tremia quando entramos. Muitas garotas já desfilavam de lingerie e eram alisadas pelos homens. Passamos por um corredor cheio de garotos bonitos e fui muito alisada, a Paula mais safada ria e passava a mão nos paus deles. O lugar tava bem cheio e perdi a Paula de vista. Fui para um canto e fiquei meio sem saber o que fazer. No meu lado estava um cara sentado, com a cabeça virada para trás com cara de muito prazer. Olhei para baixo da mesa e entendi, havia uma garota so de calcinha chupando o cara. Assim quieta num canto percebi o clima do lugar, pois várias garotas chupavam os caras e poucas como eu, ainda estavam de roupa, algumas sentavam-se no colo deles e eram penetradas. Fui me excitando cada vez mais. Logo após vejo a Paula só de calcinha vinda na minha direção com um cara atrás segurando seus seios e outro do lado alisando sua xota. Ela vira e diz: Aninha me ajuda aqui que o terceiro ta vindo., Eis que surge outro tambem alisando ela. A Paula tira minha mini blusa e minha saia me deixando de só de calcinha também. Eu estava super excitada e sentia minha xana molhadinha. Um deles me vendo semi nua, veio para cima de mim e já caiu de boca nos meus seios fazendo-me sentar no banco, deixando-me com minha boca na altura da cintura dele, que de imediato abaixou o zíper da calça colocando um monumental cacete para fora , oferecendo-me parachupá-lo. Como eu não reagi, ele disse que já havia combinado o preço e acertado com a minha amiga (lembre-se que não estávamos ali pelo dinheiro, até por que somos patricinhas e não precisamos, mas tinhamos que disfarçar). Sem perder mais tempo e com o tesão que eu estava, cai de boca naquele cacetão e chupei ele todo. Olhei para olado e vi que a Paula ja tinha sua calcinha puxada para o lado e cavalgava um dos caras, enquanto chupava o outro. Vendo a cena meu tesão aumentou ainda mais e comecei a chupar o que estava comigo com mais tesão ainda. Percebendo o meu estado, o cara que eu tava chupando resolveu sentar e pediu para eu cavalga-lo também, o que fiz logo que ele colocou uma camisinha. Nisso um outro garoto com cara de bem novo veio pro meu lado e me ofereceu o cacete para mim chup-alo, o que fiz, mas ele devia ser bem inexperiente, pois logo gozou, enchendo minha boca de gozo. O que me penetrava vendo a cena, também gozou. Assim como os dois que estavam com a Paula gozaram também. Terminada a foda, eu e Paula fomos até o banheiro, onde haviam outras mulheres se limpando e comentando sobre a transa que acabaram e de ter. Nos limpamos, retocamos a maquiagem e somente de calcinha, retornamos para o salão, onde conhecemos novos caras e transamos mais algumas vezes. Lá pelas tantas da madruga eu e Paula, após muitos gozos resolvemos ir embora. Eu ainda preservava a minha calcinha, mas a Paula perdeu a dela. Fomos até o banheiro, nos limpamos, vestimos nossas roupas e saímos em direção a um hotelzinho que tinha nas proximidades, já que não podíamos voltar para a nossa casa, senão nossa mentirinha seria descoberta. Já no hotel, ao contarmos o dinheiro que ganhamos, até nos surpreendemos pelo alto valor e passamos a entender o porque que muitas amigas nossas, tornaram-se garotas de programas, pois em três horas que ficamos na boate, eu e Paula arrecadamos mais de quinhentos reais, mas como disse, não precisávamos e nem precisamos vender nossos corpos, pois fomos ali por uma nova experiência e nos satisfazermos. Eu disse a Paula que aquela tinha sido minha maior loucura, mas que deixou-me bastante satisfeita, embora eu não tenha conseguido gozar. Paula disse que estava cheia de tesão também, pois também não gozara e caso eu topasse poderíamos experimentar algo novo e nos aliviar mutuamente. Entendi a insinuação e disse que por mim tudo bem e passei para a cama dela, onde passamos a nos tocar e nos chupar até que ela me fez gozar e eu a ela. Satisfeitas e saciadas nesta nossa primeira experiência bi, relaxamos e dormimos abraçadinhas, despertando por volta das oito da manha. Então levantamos e fomos juntinhas tomar um banho, onde nos tocamos, nos beijamos e gozamos novamente. Surgia ali uma dupla implacável e insaciável na matéria sexo e daí pra frente tivemos muitras experiências novas, com outras mulheres, casais, travestis e homens, muitos homens, mas sempre fechando as relações, comigo e ela transando para o deleite de nossos fikantes.
    Ana Carolina – Itaguaí - RJ
              Entreguei-me ao meu primeiro amor        

    A história que vou relatar aqui é verídica. Há seis anos atrás eu morava no sitio com meus pais e estudava numa escola rural. Ao terminar o ensino médio fui para uma cidade vizinha, morar com uma tia, onde além de estudar ajudava-a nos afazeres de casa. Meu primeiro beijo aconteceu quando eu tinha dezesseis anos, com meu amigo de escola chamado Fernando (nome fictício), que sempre foi apaixonado por mim, mas que eu sempre ignorei por ser três anos mais velho que eu. Hoje estou com dezessete anos e mesmo morando na cidade grande, com novas amizades, continuo virgem. Certa noite quando cheguei em casa após o colégio, tinha uma carta das minhas amigas que deixei lá no interior, convidando-me para a festa de formatura delas e dizendo-me o Fernando continua apaixonado por mim, pois nunca deixa de querer saber notícias minhas. No dia seguinte escrevi para elas confirmando minha presença e no dia marcado lá estava eu de volta na minha cidadezinha. Minhas amigas estranharam um pouco o meu novo visual e a forma que eu me vestia, muito mais sexy e provocante. Meus pais então nem queiram saber o que eles falaram ao me ver. Passei a tarde com minhas amigas no galpão onde rolaria a festa, ajudando-as na decoração. Lá pudemos conversar sobre tudo, mas o Fernando era o tema principal, pois nos meses que eu fiquei fora, elas contaram-me que ele não namorara ninguém a sério, pois só ficava, certamente para se satisfazer e sempre dissera a elas que continuava me amando. Ouvindo tudo aquilo, não podia deixar de admitir que eu também tinha uma quedinha por ele e talvez fosse até apaixonada, mas nunca admitira, portanto sem falar nada a ninguém, eu também nunca o esquecera e sempre tinhas sonhos e pensamentos eróticos com ele, imaginando-o ser o meu primeiro homem, aquele que iria tirar o meu cabaço e me ensinar as maravilhas do sexo. Já a noite no galpão, a festa tava bombando e eu andava de um lado para o outro procurando pelo Fernando, que ainda não encontrei desde que voltei. As horas iam passando e nada. Fiquei numa aflição, prometendo mil coisas caso ele aparecesse, como já era bem tarde ele num aparecia eu fui dançar e curtir um pouco a festa, e ele nada. Quando foi bem mais tarde, e eu já sem esperanças vi ele chegando, tava ainda mais lindo do que quando o vi na última vez. Nossa, minha buça molhou na hora, minha vontade era de voar em cima dele, mas me contive, e assim a festa ia rolando, e ele nada de me procurar, talvez ressentido ainda pela forma que fui embora sem sequer despedir-me dele. Eu fiquei com o coração na mão e minutos depois decidi ir embora muito triste pois ele ainda não tinha me procurado. Despedir-me das minhas amigas e quando sai da festa ele estava do lado de fora do portão me esperando, e veio em minha direção falando: “preciso conversar com você, pode me ouvir?”, Disse-lhe que sim, mas antes queria um abraço bem forte dele, o que ele não pensou duas vezes em me dar. Disse que estava um pouco cansada, mas que poderíamos ir conversando enquanto caminhávamos. Ele então me acompanhava dizendo: “Porque você fez isso comigo? Você não percebeu e percebi que sou louco por você?, por favor diga-me alguma coisa?” Eu continuava andando sem nada falar, apenas ouvindo-o e quando chegamos na praça, ele se pos na minha frente, me parou, ergueu meu rosto e viu que eu estava chorando, então me abraçou falando: “porque você complica as coisas, eu amo você e sei que no fundo você também me ama. Te desejo desde aquela vez que ficamos juntos, mesmo que por alguns instantes e trocamos nosso primeiro beijo, o qual eu nunca esqueci” então aproximou seus lábios dos meus e me beijou, eu então baixei a guarda, abracei-o e correspondi com muita excitação. Ele disse que não via a hora de sentir meus lábios novamente e eu disse-lhe que eu também nunca esquecera aquele beijo. Continuamos a nos beijar e nas poucas palavras que trocávamos, ele disse saber que eu ainda era virgem e que nunca havia beijado outros rapazes, pois minhas amigas havia lhe dito sobre os meus medos e raiva que eu tinha de homem, devido meus traumas de infância, em seguida fomos para a praça onde não tinha ninguém, nos sentamos em um banco daquele e começamos a nos beijar, ele sabia como me deixar louca, eu não conseguia me soltar, mas ele com sua paciência aos poucos foi me relaxando, para que se eu quisesse me entregar a ele sem receio, ele mordiscava minha orelha, chupava, ia descendo pelo meu pescoço me deixando muito excitada. Resolvi me entregar de corpo e alma a ele, pois sempre sonhara com aquele momento, então comecei a soltar gemidos baixinhos, com vergonha dele perceber como eu estava cedendo aos seus encantos, eu respirava fundo e gemia, ele lentamente desceu sua mão em meus seios, eu delirei quando ele toucou eles pela primeira vez. Ele desceu sua mão até minhas pernas por entre as coxas e foi passando me fazendo gozar pela primeira vez naquela noite, sem ao menos ter me penetrado. Ele percebeu que me fez gozar e continuou a me tocar, em seguida ele devagar passou sua mão em minha xaninha por cima da calcinha, e viu como eu estava super molhadinha, e disse ao meu ouvido: “agora estou domando a minha menina” , então disse a ele: “quero ser sua, me doma” ele respondeu “já esta domada”, e ele me beijou na boca e desceu sua mão até minha xaninha e ficou alisando-a, depois tirou minha calcinha e colocou em seu bolso da calça e me pediu pra abrir minhas pernas, o que eu obedeci sem reclamar, pois eu queria muito que ele me penetrasse, mas não foi isso que ele fez, ele abaixou as alças de meu vestido e levou sua língua lambendo meus seios e depois chupando-os, eu gemia muito, não conseguia me controlar, minha xana estava muito molhada, ele passou sua mão nela enquanto sugava meus seios intumescidos, e eu urrava de desejo, estava como uma mulher vulgar em sua mão, ele voltou a me beijar na boca, com aquele beijo macio e molhado. Então ele abriu o zíper da calça e tirou aquele mastro pra fora e me pediu que eu olhasse para aquilo que seria todinho meu, eu olhei meio tímida e ele levou seu pau até minha boca e disse: “chupa meu pau minha menina, ele é todinho seu, hoje quero ter você por inteira e sem pressa, agora coloca sua boca nele e suga como se tivesse mamando” eu fiz o que ele pediu e meti minha boca naquele cacete enorme, chupei com muita vontade, como se fosse uma puta bem experiente, mas na verdade era a primeira vez que me via com um cacete na boca. Depois disso ele me pegou pelas mãos e disse: - Vamos para a minha casa, lá eu te farei mulher, a minha mulher e se quiser você será minha para sempre. Seguimos para a casa dele. Já na casa dele, fomos direto para o quarto dele, onde logo que entramos ele me virou de costas, beijou meu pescoço, foi tirando todo o meu vestido e continuou me lambendo e beijando nas costas. Então me deitou de bruços na cama e retirou meu vestido deixando-me nuazinha. Em seguida percorreu sua língua em minhas costas até chegar em meu rego e no meu cuzinho, deixando-me enlouquecida. Ele então começou a se despir e já livre das roupas, com aquele cacete duro feito pedra na minha frente, fez-me segurar e colocar na boca, chupando-o novamente. Vez ou outra ele parecia querer me furar a garganta, pois empurrava aquela vara até minha goela, fazendo-me ânsia de vômito. Depois de um tempo,veio por cima de mim, abriu minhas pernas e encostou seu mastro em minha xaninha, me levando a loucura, e ali ficou roçando e me beijando, eu comecei a chorar de prazer e respirar ofegante como se tivesse faltando algo me mim, e ele dizia: “chora minha menina, que agora você vai ser minha pra sempre” e de repente ele forçou a entrada de seu pênis em minha xana enfiando apenas a cabecinha, depois eu comecei a rebolar em seu pau para que o resto entrasse, mas ele retirou seu pau, e eu comecei a gemer alto e entre gemidos eu dizia: vai, por favor, me faz tua mulher, eu quero ser sua e nunca mais vou ti ignorar, não me deixe assim” ele ouvindo o que disse retornou seu pau em minha xana e forçou sua entrada, aquilo queimava minhas entranhas, ele tentou me penetrar mas não entrava, afinal eu ainda era cabaço e eu comecei a chorar de dor e prazer e ele me beijava e voltava e a me penetrar, e não conseguia e eu comecei a falar: “pode meter tudo em mim de uma vez que eu agüento, mas não me deixe sem sentir você, preencha esse vazio que esta entre minhas pernas” ele obedeceu enfiou novamente forçando a entrada, as lagrimas escorriam de meu olhos, mas aquela dor e prazer que eu senti foi enorme, me senti sair do meu corpo, como se fosse desmaiar, ele me beijava, e eu sentia cada centímetro de seu pau rasgando a minha xana, ele enfiou tudo e esperou um pouco para que eu pudesse relaxar e começou num movimento de vai e vem bem devagar, e ao mesmo tempo ele me beijava e segurava meus cabelos fortemente, aquilo pra mim era um sonho. Eu gozei múltiplas vezes insanamente, naquele pau gostoso e ele vendo aquilo todo melado tirou seu pau pra fora e se pos a chupar e lamber minha xoxota, eu me contorcia de prazer até que gozei em sua boca, depois ele meteu seu pau em mim novamente e bombou bem rápido dizendo: “vou gozar minha menina ahhhhhhhhh, você agora é minha mulher, eu ti fiz minha mulher ahhhahhaahhh” e começou a gozar dentro da minha buceta e também sobre ela. Sentindo aquele leitinho quentinho no meu interior e sobre meu corpo, comecei a gemer feito uma alucinada e mais uma vez gozei gostoso. Depois de tudo terminado ficamos coladinho um ao outro com ele fazendo carinho. A sua porra escorria entre minhas pernas, eu passei a mão em minha xana e pude notar que tinha um pouco de sangue pelo meio, ele notou que eu vi e começou e me explicar que aquele sangramento era normal, afinal eu acabara de ser deflorada. Depois de uma meia hora nos limpamos e nos vestimos e ele levou-me até minha casa. No dia seguinte acordei feliz da vida e quando pensei em ligar para ele, o meu telefone tocou e era ele, perguntando-me se estava tudo bem e convidando-me para almoçarmos juntos na pensão de um amigo nosso num bairro vizinho. Disse-lhe que sim. Mas tarde nos encontramos, almoçamos e depois fomos para um hotel onde mais uma vez entreguei-me a ele e desta vez além de minha bucetinha recém desvirginada, ele colocou-me de quatro na beirada da cama e arregaçou o meu cuzinho, tirando-me todas as pregas e depois fazendo-me chupar e engolir toda a porra dele na hora de gozar, o que fiz sem nojo e sem receio, afinal eu sempre o amei e não queria perdê-lo. Daí pra frente assumimos nosso relacionamento e depois de quatro meses de namoro, resolvemos morar juntos numa casinha modesta, mas nossa, que construímos num terreno que ele tinha. Hoje somos felizes e realizados sexualmente, pois sabemos como nos completar.
    Luana – Rio Claro - RJ
              GOZOU ENQUANTO EU FINGIA DORMIR        

    Num certo final de semana, eu e meu marido, junto a alguns cais de amigos, fomos para o nosso sítio tomar um banho de cachoeira, queimar uma carne e saborear algumas cervejinhas bem geladas. Neste dia, para a minha surpresa, além dos casais que convidamos, meu marido convidou um amigo dele de trabalho, chamado Henrique, para ir também. Logo que chegamos no sítio, como estava um dia ensolarado e muito quente, enquanto os homens aprontavam a churrasqueira e colocavam as cervejas na geladeira, eu e minhas amigas nos livramos das roupas, ficando só de biquínis e fomos direto para a cachoeira que cortava o nosso sítio. Já banhávamo-nos algum tempo, quando os homens chegaram trazendo-nos algumas cervejas. Tive uma grata surpresa ao ver o Henrique só de sunga, pois além dele ser um gato, bem mais novo que o meu marido, era portador de um belo volume entre as pernas. Fiquei cheia de tesão na hora e passei a imaginar aquele cacetão que ali se escondia, adentrar meus buraquinhos. Em certos momentos minhas amigas falavam comigo e eu estava fora de órbita, mas não deixei-as perceberem o porque da minha distração. Virava e mexia, olhava para aquele gato e depois de um certo tempo, percebi que ele também não tirava o olho de mim, pois também eu me insinuara o tempo todo para ele, provocando-o. Ficamos ali na água por quase duas horas, até que a fome começou a bater e resolvemos ir para a casa, onde acendemos a churrasqueira para começarmos a fazer o churrasco. Enquanto assava a carne, minhas amigas e eu fomos pra cozinha preparar o restante dos complementos, tipo arroz, farofa, maionese, etc. Henrique de vez enquanto vinha na cozinha buscar mais cerveja para a turma e eu vendo-o ali, meu tesão aumentava ainda mais, então resolvi dar o tiro de misericórdia nele, deixando-o doidinho por mim. Observando que onde ele estava sentado, via o banheiro do meu quarto, deixei minhas amigas na cozinha com a desculpa que estava muito calor e que ia jogar uma água no corpo e fui pro quarto, entrando no banheiro e deixando a porta propositalmente aberta para que ele me visse. Retirei meu biquíni, entrei embaixo do chuveiro e comecei a me ensaboar e tocar minha xana, masturbando-a lentamente. Meu plano havia dado certo, olhei na direção dele e lá estava ele olhando-me fixamente. Como achei que fosse acontecer. Provoquei-o por alguns minutos e depois ainda saí peladinha mostrando-me por completa para ele. Encostei então a porta do quarto, coloquei um minúsculo shortinho e uma blusinha sem meu soutien e voltei para encontrar a turma. Henrique não tirava o olho de mim. Depois que comemos, colocamos uns forrozinhos para rolar e começamos todos a dançar. Era a oportunidade que eu queria para ralar minhas coxas naquele gato e sentir o volume do seu cacete, mas lógico que isso depois de eu dançar com o meu marido e com os maridos das minhas amigas. Finalmente chegou a vez dele que já havia dançado com duas das minhas amigas. Mal começamos a dançar, senti seu cacete pulsar,encostado nas minhas pernas. Maliciosamente, disse-lhe baixinho, desvie o pensamento senão vai acabar a música e você vai ficar em má situação com este cacetão duro. Ele nada falou e continuou a dançar. Aos poucos percebi seu mastro se aquietando. Terminada a música, fui dançar novamente com o meu marido e ele com uma das minhas amigas. Foi um domingo maravilhoso aquele, mas ficamos só naquilo. Já era noite quando voltamos para as nossas casas. Confesso que não me esqueci daquele gato um dia sequer e para minha surpresa, na quarta feira seguinte, Alfredo, meu marido chegou em casa e foi na cozinha onde eu me encontrava preparando o jantar, dizer-me que tínhamos visita para o jantar, pois iriam assistir o jogo do Fluminense que iria passar na tevê. Terminei de colocar o arroz no fogo e quando fui na sala ver quem era a tal visita, era ele, o gato dos meus sonhos, o Henrique, em carne e osso ali na minha frente. Ele educadamente levantou-se, veio até mim e cumprimento-me com dois beijinhos no rosto, confesso que quase gozei na hora, senti minha calcinha encharcar, mas me segurei e disse-lhe para sentir-se a vontade e que o jantar não demoraria sair. Pedi licença a ele e retornei para cozinha, e fiquei imaginando ele me fudendo, pois depois daquele dia em que assistiu eu me masturbando lá no sítio, certamente ficou ainda mais tarado por mim. Pouco antes do jogo começar, servi o jantar. Henrique não tirava o olho de mim quando tinha oportunidade. Terminamos, eu fui lavar as louças e eles se acomodaram na poltrona, não sei se estrategicamente ou coincidentemente, o gato dos meus sonhos sentou-se na poltrona que dava visão para o meu quarto, mas precisamente para a cama. Como eu estava cansada, tinha feito uma faxina geral na casa e não sou muito chegada a futebol, pedir-lhe desculpas e disse ao meu marido que iria dormir. Entrei no quarto me preparando para dormir, propositalmente deixei a porta entre aberta e percebi que quando meu marido foi na cozinha buscar mais umas cervejas para eles, Henrique não tirava os olhos da minha cama. Cheia de tesão, resolvi deixar o Evandro doidinho! Coloquei uma camisolinha fininha, deixei o abajur ligado, apaguei a luz principal e me deitei de um jeito em que a camisolinha levantasse até a altura da cintura deixando a minha bundinha distraidamente à mostra, para a exata visão de onde Henrique estava, já que a porta do quarto ficava de frente para a sala de tv e o sofá de frente para porta do quarto, o que de onde o Evandro estava dava pra me ver deitada na cama. Eu fingia dormir e já estava molhadinha só de pensar que ele estava me tarando com os olhos de ver minha bundinha de fora. Então pra provocar mais ainda dobrei a perna levando o joelho até a minha barriga de forma que a minha bucetinha ficasse aberta para ele. Sentia o meu tesão escorrendo no meio das minhas pernas, encharcando minha calcinha. Estava super excitada com aquele joguinho, o que embora o meu cansaço, impedia-me de dormir. Quando estava para terminar o primeiro tempo, vi meu marido falando pra ele ficar a vontade, pois nom intervalo iria tomar um banho enquanto não iniciava o segundo tempo. Foi o juiz dar o apito final pro intervalo, meu marido foi para o banheiro, tomar banho. Como eu sei que o Alfredo demora muito tempo no banheiro quando entra pra tomar banho pensei: Oba, pelo menos quinze minutos terei para provocar este gatinho e deixá-lo louco de tesão por mim. Como eu o provocava, fingindo dormir, de repente senti uma respiração ofegante bem perto da cama. Fiquei imóvel, me segurando para não gemer, afinal eu fingia dormir. Não demorou muito eu senti algo quente espirrando em minha bunda e em minhas pernas. Não é que o taradinho havia tocado uma punheta e gozado em cima de mim. Percebendo o que acontecera tive um orgasmo duplo, mas não pude me manifestar senão ele perceberia que eu ainda estava acordada. Na mesma hora o barulho do chuveiro ligado parou. O Alfredo já havia terminado o banho. O gatão então saiu rapidamente do quarto e eu na mesma hora gozei gostoso novamente, gemendo baixinho. Passou alguns minutos ouvi o Alfredo de volta na sala comentando sobre o primeiro tempo com ele. Iniciou o segundo tempo e saiu gol do Fluminense, os dois vibraram bastante e eu aproveitei para fingir ter acordado com o barulho, para me limpar. Levantei-me, fui no banheiro e depois coloquei meu roupão de banho por cima e fui até a cozinha beber água. Na volta perguntei quanto estava o jogo e fui deitar-me novamente. Acabei adormecendo e só despertei pela manhã na hora do meu marido sair para o trabalho. Mal ele virou as costas e saiu no carro, sentei-me na poltrona onde o Henrique estava na noite anterior, e lembrando do que acontecera e da gozada dele nas minhas coxas e bunda, comecei a me masturbar gostoso, até que gozei fartamente, pensando no quanto seria bom ter o cacete daquele gato, na minha boca,na minha xota e no meu cuzinho. Dias se passaram e num certo sábado fui ao mercado fazer umas compras e para minha surpresa, encontrei o meu gato de consumo Henrique. Nos cumprimentamos beijando-nos no rosto e propositalmente no cantinho da boca e ele me passou o número do telefone, dizendo que queria muito transar comigo e sabia que eu também queria transar com ele, pois eu disfarçava muito mal estar dormindo, portanto se eu resolvesse marcar era só ligar para ele que não pensaria duas vezes em enfiar seu cacete nas minhas entranhas. Ele sorriu, deu-me um outro beijo, desta vez selinho e foi embora. Querem saber se aconteceu algo entre nós? Acabou acontecendo, mas conto outra hora.
    Putinha baby – Nova Iguaçu - RJ
              TIRANDO O CABAÇO DA MINHA CUNHADA        

    Voltando das férias onde tirei o cabacinho da minha cunhada a vida voltou a rotina do começo de ano, mas nunca mais foi a mesma. Uma semana depois da volta da praia tive a oportunidade de ficar a sós com minha cunhada. Minha noiva voltou ao serviço e teve que viajar para São Paulo e ficar uma semana fazendo treinamento, foi quando minha cunhada teve que ir refazer matricula da faculdade e fui levá-la. Nayara estudava em uma cidade vizinha e quando pegamos estrada ela já veio me deixando louco. Disse que ficou uma semana na praia, perdeu a virgindade comigo e que estava louca pra transar novamente, pois seu namorado não havia feito nada em Camburiu. Assim que passamos pelo pedágio ela começou a passar a mão no meu pau e disse que queria fazer uma loucura e perguntou se eu permitia. Lógico que já sabendo das pretensões dela concordei e ela abriu o zíper da minha calça e desabotoou o botão. Começou a chupar meu pau como se tivesse chupando um sorvete. Aquela língua e o olhar pra cima de provocação me desconcentravam. Não agüentei e parei o carro. Na estrada mesmo ela continuou a chupar meu pau com mais intensidade foi logo que gozei na sua boca. Dessa vez nem precisei pedir e Nayara engoliu toda minha porra quente. Ela me deixava louco. Nos recompomos e seguimos viagem até a faculdade. Lá ela entrou para fazer rematricula e logo percebi de longe que ela falava algo com a colega e apontava para meu lado. Ela estava de calça jeans bem justa e uma blusinha preta bem decotada de alça e sua amiga de mini saia jeans e blusinha branca. As duas eram lindas, mas fiquei de longe só espiando. Assim q ela terminou veio em minha direção acompanhada da amiga Juliana que fiquei sabendo o nome depois. Nos apresentou e disse que eu era o professor de matemática mais bonito da cidade. A amiga bem safada disse que era um pecado ter um cunhado assim. Dei risada e chamei a cunhada para voltarmos. Minha intenção era voltar o mais rápido para pegar uma rodovia onde tinha um motel e minha cunhada sabia disso e se despediu da colega, mas não chegamos nem sair da faculdade. Ela estava terrível aquele dia, disse que ia me apresentar a faculdade e levou para o segundo andar onde ficava sua sala. Sabia que ela estava aprontando foi quando antes de chegar na sua sala ela me arrastou para o banheiro da faculdade. Sabia que seria ali que íamos transar e fomos logo nos fechando em um Box. Ela estava totalmente alucinada e foi tirando minha roupa. Sem camiseta e com as calças abaixadas sentei no vaso e foi ai que ela começou a tirar sua blusinha como se tivesse fazendo um strip e dançando. Meu pau já estava totalmente duro a ponte de explodir e ela se virou e foi tirando a calça com a bundinha virada pra mim. Ela sabia provocar como ninguém. De calcinha sentou no meu colo e disse: Faz essa sua cunhadinha putinha gozar como da outra vez professor bem dotado e me beijou. Aquilo me arrepiava e não sentia nem medo de transar ali. Tirei o sutiã e comecei a chupar seus seios ela começou a gemer feito uma cadelinha. Pegou meu pau e começou a bater uma punheta e sem tirar a calcinha e sim puxar para o lado encaixou meu pau na sua bucetinha. E começou a rebolar. Aos poucos o pau foi entrando e dessa vez parecia que estava mais apertadinha a bucetinha dela. Após entrar quase tudo levantei e encostei ela na parede e comecei a bombar. Ela gemia muito e não conseguia se controlar. Suas pernas já estavam cruzadas na minha cintura e meu pau totalmente penetrado nela. enfiei tudo dessa vez. Ela estava super molhada e facilitava a penetração. Estávamos completamente excitados como nunca nenhuma mulher tinha me deixado antes. Estávamos pela primeira vez a ponto de gozarmos juntos e isso não demorou a acontecer. Novamente gozei dentro daquela bucetinha linda. Os dois totalmente suados sem fôlego. Lembrando do motel na praia quis logo pegar ela de quatro ali mesmo e comer seu cuzinho. Dessa vez ela não falou nada. Virou tentou ficar de quatro mas o espaço era muito pequeno. Mandei encostar-se à parede e tentei enfiar no seu cuzinho. Ela começou a gritar de dor e a cabeça do pau nem tinha entrado. Escutamos alguns passos no corredor e ficamos em silencio quando resolvemos sair de lá e terminar isso no motel. Saindo da faculdade entramos no carro e perguntei onde era a farmácia mais próxima pra comprar algum lubrificante. Pegamos a estrada e em menos de 15 minutos estávamos no motel. Entramos, era um quarto bem simples e sem hidro dessa vez. Deitamos na cama e começamos a despir. Ela continuava cheirosa mesmo com todo o suor do banheiro da faculdade. Totalmente pelado peguei o lubrificante se já fui colocando ela de 4 na cama. Ela olhou pra mim e pediu pra enfiar com carinho. Não via a hora de comer aquele cuzinho apertadinho. Meu pau latejava de tesão. Lubrifiquei bem o meu pau e quando estava passando no cuzinho dela aproveitei e enfiei o dedo indicador. Ela virou e olhou pra trás. Sabia que era só o começo. Comecei a enfiar a cabeça do meu pau. Como foi difícil. Não entrava de jeito nenhum...Muito grande e grosso. Depois de uns 5 minutos de batalha e dor consegui enfiar a cabeça Ela gritava de dor e prazer ao mesmo tempo. Comecei bem devagar a bombar o pau naquele cuzinho. No que tirava e colocava já via sangue no pau. Ela estava sendo totalmente arrombada aos poucos. Comecei a forçar e consegui enfiar uns 15 cm e ela começou a pedir para parar. Apenas parei de bombar e deixei o pênis penetrado. Após passar os gritos comecei novamente mexer devagar e com a mão direita comecei a bater uma siririca para ela. Ela estava totalmente lambuzada. Ela começou a gemer com a siririca e até esqueceu da dor do cuzinho. Comecei a aproveitar da situação e fui intensificando as socadas de pau no cuzinho dela. Estava tão intenso que por pouco não consegui enfiar tudo naquela bundinha empinada. Depois de uns 20 minutos não agüentei segurar mais e comecei a gozar dentro dela. Ela sentiu aquilo quente por dentro e começou a gemer mais ainda dizendo que queria gozar novamente também. A virei e deitei-a rapidamente na cama e enfiei meu cacete, lambuzando-a com minha porra que ainda escorria sem parar. Meu pau estava totalmente roxo e doendo muito, mas mesmo assim comecei a comer a bucetinha dela. Levantei a pernas dela e deixei na posição de frango assado e enfiei todo o pau. Penetrou completamente. Ela gritava de tesão até que em pouco tempo gozou. Tomamos um banho e voltamos para nossa cidade e planejando quando seria a próxima loucura. Passou uma semana ela terminou com o namorado e me deixou numa fria. Mas isso vocês irão ler no próximo conto.
    M.C – Rio de Janeiro - RJ
              IRMÃOS SEPARADOS POR UMA COPA        


    Kevin e Jerôme Boateng: irmãos separados pela Copa




    É normal dois irmãos se enfrentarem em nível de clubes, como já ocorreu com os holandeses Ronald e Frank de Boer, os dinamarqueses Michael e Brian Laudrup, aquio no Brasil entre o volante Fernando (ex-Flamengo) e o meia Carlos Alberto (ex-Vasco), entre muitos outros. Mas seria inimaginável dois irmãos nascidos no mesmo país, criados juntos, atuarem por duas seleções diferentes e se enfrentarem, concordam? Pois os irmãos Kevin-Prince e Jérôme Boateng se tornaram pioneiros nesta prática numa Copa do Mundo.. 

    Ambos são nascidos em Wilmersdorf, vilarejo nos arredores da capital alemã Berlin, filhos de mãe alemã e pai ganês. Kevin-Prince nasceu em 6 de março de 1987, enquanto Jérôme, em 3 de setembro de 1988. O primeiro, meia, começou a dar seus primeiros passos no futebol nas categorias de base do amador Reinickendorfer Füchse e logo após ingressou nos juvenis do Hertha Berlin. Já o segundo, que é zagueiro, deu seus primeiros chutes no Tennis Borussia Berlin e logo depois juntou-se a Kevin nas escolinhas do Hertha.

    A separação dos irmãos começou quando o mais velho foi contratado pelo inglês Tottenham Hotspur em 2007 após duas temporadas entre os profissionais do clube alemão. Jérôme permaneceu em Berlin por mais alguns meses até ser negociado com o Hamburgo. Pelo bom futebol apresentador pelos dois naturalmente foram convocados para a seleções de base da Alemanha. Kevin defendeu as cores sub-21 germânicas até 2007, enquanto seu irmão atuou até 2009 e conseguiu o título europeu na categoria.

    Jérôme foi convocado para a seleção alemã principal pela primeira vez em outubro de 2009 para uma partida diante da Rússia - neste jogo foi expulso após receber dois cartões amarelos. Já Kevin havia sido preterido devido à forte concorrência no setor de meio-campo alemão, que já contava com nomes de bastante qualidade como Ballack, Schweinsteiger, Trochowski, Khedira e etc.

    Em 2009, mesmo após conselhos de seu ex-treinador do Hertha Berlin Dieter Hoeneß de optar por defender seu país natal, Kevin-Prince comunicou ao atual técnico do selecionado Joachim Löw que vestiria a camisa de Gana para disputar a Copa do Mundo de 2010 na África do Sul. Já seu irmão caçula, que à época acertou sua ida para o Manchester City, continuava a disputar as partidas eliminatórias para o torneio pela Alemanha e foi convocado para a disputa da competição, assim como Kevin. Curiosamente, este último, então atleta do Portsmouth, foi responsável pelo corte do capitão alemão Michael Ballack do Mundial, quando atingiu de forma violenta o "conterrâneo" do Chelsea, que teve os ligamentos de seu tornozelo lesionados, na decisão da FA Cup inglesa.

    Quis o destino que alemães e ganeses caíssem no mesmo Grupo D da Copa e em 23 de junho de 2010, na cidade de Joannesburgo, pela primeira vez na história do futebol dois irmãos se enfrentassem por duas seleções distintas. Jérôme Boateng se deu melhor que Kevin-Prince Boateng e os alemães venceram os ganeses por 1 a 0.

    Jerôme defende as cores do Bayern de Munique desde 2011 e está novamente entre os 23 convocados por Löw para a disputa do Mundial aqui do Brasil. Já Kevin-Prince deixou o Portsmouth logo após a Copa de 2010 rumo ao italiano Genoa. Depois passou por Milan e hoje veste a camisa do alemão Schalke 04. Neste dia 21 de junho de 2014 em Fortaleza, apenas 2 dias antes de se completarem 4 anos exatos do primeiro embate histórico, irmãos separados por uma Copa voltarão aos gramados defendendo suas nações, seja de nascimento ou de adoção.

    Abaixo, dados e estatísticas dos irmãos em lados opostos na Copa do Mundo.


    * Nome: Jérôme Boateng

    * Nascimento: 3 de setembro de 1988 em Wilmersdorf/ALE

    * Posição: zagueiro

    * Clubes (4): Hertha Berlin (2006/07), Hamburgo (2007 a 2010), Manchester City/ING (2010 a 2011) e Bayern de Munique (desde 2011)

    * Títulos (10): Campeonato Europeu de Seleções sub-21 (2009), FA Cup (2011), Supercopa Alemã (2012), Liga dos Campeões da Europa (2012/13), Supercopa da UEFA (2013), Mundial de Clubes (2013), Copa da Alemanha (2012/13 e 2013/14) e Campeonato Alemão (2012/13 e 2013/14)

    * Seleção alemã: 40 partidas e nenhum gol desde 2009


    --------------------------------------------------


    * Nome: Kevin-Prince Boateng

    * Nascimento: 6 de março de 1987 em Wilmersdorf/ALE

    * Posição: meio-campo

    * Clubes (7): Hertha Berlin (2005 a 2007), Tottenham Hotspur/ING (2007 a 2009), Borussia Dortmund (2009), Portsmouth/ING (desde 2009), Genoa/ITA (2010), Milan/ITA (2010 a 2013) e Schalke 04 (desde 2013)

    * Títulos (3): Copa da Liga inglesa (2007/08), Campeonato Italiano (2010/11) e Supercopa da Itália (2011)

    * Seleção ganesa: 6 partidas e 2 gols desde 2010



    Obs.: Dados atualizados até 20/06/2014 


    Foto 1: Alessandra Tarantino/AP
    Foto 2: TheFA.com

              O TORNEIO MAIS DEMOCRÁTICO DO BRASIL        


    Cruzeiro (2) e Grêmio (3): domínio da Copa do Brasil




    Começou na semana passada mais um torneio no país, este sim com muita emoção e com certeza de casa cheia na maioria dos jogos. É a Copa do Brasil, considerada a competição mais democrática do país. E tal afirmação tem certo fundo de razão por envolver equipes de todos os estados brasileiros - do mais forte ao mais humilde, do mais rico ao com as economias mais abaladas, do mais conhecido ao mais obscuro. Outro motivo para essa certeza é o fato de que vários times de menor expressão terem surpreendido positivamente como veremos adiante. Neste torneio temos a oportunidade de conhecer clubes até então desconhecidos e ver alguns bons nomes surgirem na competição.

    A Copa foi idealizada em 1989 pela CBF a fim de dar uma espécie de consolo para as federações de estados com menor tradição futebolística que haviam ficado de fora da reformulação do Campeonato Brasileiro dois anos antes. Nas edições anteriores a 1987 o Brasileirão tinha ao menos um representante de cada estado, até chegar ao número absurdo de 94 clubes em 1979.

    A fórmula é simples e se assemelha às demais copas mundo a fora, com partidas em sistema eliminatório até a grande final. Até 1995 os jogos eram de ida e volta em todas as fases independente do resultado. A partir de então, até a segunda fase, caso o visitante vença o adversário por 2 ou mais gols de diferença nas partidas de ida não há a necessidade da realização do confronto de volta. Da terceira em diante os dois jogos são obrigatórios. 



    O Flamengo/RJ é o atual campeão do torneio



    Na edição de 2013 houve uma mudança significativa no número de participantes e do período de disputa da Copa do Brasil. Foram 86 times de todos os estados mais o Distrito Federal e incluindo novamente a participação das equipes que disputam a Taça Libertadores - desde 2001 tais times não entravam mais no certame por motivo de choque nas datas das competições. Além do mais aconteceu uma "esticada" no torneio até novembro. Em 2014 a fórmula será repetida e, como já é conhecido, seu vencedor garante vaga na Copa Libertadores da América do ano seguinte.

    Como já dito anteriormente, boas surpresas são reservadas ao democrático torneio. Entre os grandes e expressivos clubes nacionais como Cruzeiro, Flamengo. Corinthians, Palmeiras, Fluminense, entre outros, alguns "intrusos" roubaram o troféu, como Criciúma/SC, Juventude/RS, Santo André/SP e Paulista/SP (todos eles com êxitos sobre times considerados grandes como Botafogo, Flamengo e Fluminense, respectivamente). Sem falar nos nobres "desconhecidos" até então Brasiliense/DF, XV de Novembro/RS e Linhares/ES, que chegaram bem perto. Por outro lado a Copa promove um contraste inusitado: o maior detentor de títulos internacionais e um dos maiores em solo nacional, o São Paulo, jamais conquistou a taça.

    Alguns resultados surpreendentes também entraram para a história da competição e a tornam até hoje sempre atrativa, como a inesquecível vitória do inexpressivo Baraúnas/RN por 3 a 0 sobre o tradicionalíssimo Vasco da Gama em pleno São Januário em 2005, com direito a gol de Cícero Ramalho, atacante de 40 anos; além da desclassificação do Palmeiras para o ASA de Arapiraca em 2002 dentro do Parque Antártica apesar da vitória por 2 a 1 (os palmeirenses haviam perdido o primeiro encontro em Alagoas por 1 a 0), entre vários outros confrontos memoráveis.

    O primeiro gol da história do torneio foi do flamenguista Alcindo, na vitória por 2 a 0 sobre o Paysandu em 1989. Já os maiores campeões são Grêmio e Cruzeiro, ambos com 4 conquistas. Os clubes que mais participaram foram Atlético/MG e Vitória/BA com 25 edições - no total de 26. Gérson, ex-atacante do Galo mineiro e do Internacional/RS foi o jogador que mais vezes se sagrou artilheiro da Copa do Brasil: 3 vezes (1989, 1991 e 1992). O atacante Fred é o maior artilheiro de uma única edição até hoje com 14 gols em 2005, quando atuava pelo Cruzeiro. Mais números você pode conferir no final desta postagem.

    De norte ao sul do país a Copa do Brasil é um festival de cores, um desfile de jogadores diversos e, quem sabe, futuros ídolos da bola, dando uma pontinha de esperança às torcidas pelo país. E viva a democracia do futebol!

    Abaixo, dados, estatísticas e recordes do torneio mais democrático do Brasil.


    1989

    * Campeão: Grêmio/RS
    * Vice: Sport/PE
    * Artilheiro: Gérson (Atlético/MG) - 7 gols

    1990

    * Campeão: Flamengo/RJ
    * Vice: Goiás/GO
    * Artilheiro: Bizu (Náutico/PE) - 7 gols

    1991

    * Campeão: Criciúma/SC
    * Vice: Grêmio/RS
    * Artilheiro: Gérson (Atlético/MG) - 6 gols

    1992

    * Campeão: Internacional/RS
    * Vice: Fluminense/RJ
    * Artilheiro: Gérson (Internacional/RS) - 9 gols

    1993

    * Campeão: Cruzeiro/MG
    * Vice: Grêmio/RS
    * Artilheiro: Gílson (Grêmio/RS) - 8 gols

    1994

    * Campeão: Grêmio/RS
    * Vice: Ceará/CE
    * Artilheiro: Paulinho McLaren (Internacional/RS) - 6 gols

    1995

    * Campeão: Corinthians/SP
    * Vice: Grêmio/RS
    * Artilheiro: Sávio (Flamengo/RJ) - 7 gols

    1996

    * Campeão: Cruzeiro/MG
    * Vice: Palmeiras/SP
    * Artilheiro: Luizão (Palmeiras/SP) - 8 gols

    1997

    * Campeão: Grêmio/RS
    * Vice: Flamengo/RJ
    * Artilheiro: Paulo Nunes (Grêmio/RS) - 9 gols

    1998

    * Campeão: Palmeiras/SP
    * Vice: Cruzeiro/MG
    * Artilheiro: Romário (Flamengo/RJ) - 7 gols

    1999

    * Campeão: Juventude/RS
    * Vice: Botafogo/RJ
    * Artilheiros: Petković (Vitória/BA) e Romário (Flamengo/RJ) - 8 gols

    2000

    * Campeão: Cruzeiro/MG
    * Vice: São Paulo/SP
    * Artilheiro: Oséas (Palmeiras/SP) - 10 gols

    2001

    * Campeão: Grêmio/RS
    * Vice: Corinthians/SP
    * Artilheiro: Washington (Flamengo/RJ) - 11 gols

    2002

    * Campeão: Corinthians/SP
    * Vice: Brasiliense/DF
    * Artilheiro: Deivid (Corinthians/SP) - 13 gols

    2003

    * Campeão: Cruzeiro/MG
    * Vice: Flamengo/RJ
    * Artilheiro: Nonato (Bahia/BA) - 9 gols

    2004

    * Campeão: Santo André/SP
    * Vice: Flamengo/RJ
    * Artilheiros: Alex Alves (Botafogo/RJ) e Dauri (XV de Novembro/RS) - 8 gols

    2005

    * Campeão: Paulista/SP
    * Vice: Fluminense/RJ
    * Artilheiro: Fred (Cruzeiro/MG) - 14 gols

    2006

    * Campeão: Flamengo/RJ
    * Vice: Vasco da Gama/RJ
    * Artilheiro: Valdiram (Vasco da Gama/RJ) - 8 gols

    2007

    * Campeão: Fluminense/RJ
    * Vice: Figueirense/SC
    * Artilheiros: André Lima (Botafogo/RJ), Victor Simões (Figueirense/SC) e Dênis Marques (Atlético/PR) - 5 gols

    2008

    * Campeão: Sport/PE
    * Vice: Corinthians/SP
    * Artilheiros: Edmundo (Vasco da Gama), Wellington Paulista (Botafogo/RJ) e Romerito (Sport/PE) - 6 gols

    2009

    * Campeão: Corinthians/SP
    * Vice: Internacional/RS
    * Artilheiro: Taison (Internacional/RS) - 7 gols

    2010

    * Campeão: Santos/SP
    * Vice: Vitória/BA
    * Artilheiro: Neymar (Santos/SP) - 11 gols

    2011

    * Campeão: Vasco da Gama/RJ
    * Vice: Coritiba/PR
    * Artilheiros: Alecsandro (Vasco da Gama/RJ), Adriano (Palmeiras/SP), Kléber (Palmeiras/SP), Rafael Coelho (Avaí/SP) e William Júnior (Avaí/SC) - 5 gols

    2012

    * Campeão: Palmeiras/SP
    * Vice: Coritiba/PR
    * Artilheiros: Luís Fabiano (São Paulo/SP) - 8 gols

    2013

    * Campeão: Flamengo/RJ
    * Vice: Atlético/PR
    * Artilheiros: Hernane (Flamengo/RJ) - 8 gols



    RECORDES

    * Times mais vezes campeões: Grêmio/RS e Cruzeiro/MG (4 vezes)

    * Times que mais participaram: Atlético/MG e Vitória/BA (25 vezes)

    * Jogador que mais vezes marcou gols: Romário (36 gols)

    * Maior artilheiro de uma edição: Fred (14 gols em 2005)

    * Jogadores que mais atuaram na competição: Carlos Miguel e Zinho (71 jogos)

    * Maior goleada da história: Atlético/MG 11 X 0 Caiçara/PI, no dia 28 de fevereiro de 2011 em Belo Horizonte/MG

    * Maior placar agregado da história: Internacional/RS 15 X 1 Ji-Paraná/RO (6 X 0 e 9 X 1) em 1993

    * Maior público: 101581 pessoas (Botafogo/RJ 0 X 0 Juventude/RS, no dia 27 de junho de 1999 no estádio do Maracanã, Rio de Janeiro)




    Fotos 1, 2 e 3: Autores desconhecidos
    Foto 4: Já é Notícia


              INTERNACIONAL EM QUATRO DÉCADAS        
     Jari Litmanen: a serviço de seu país em quatro décadas




    Nos dias de hoje é cada vez mais improvável um jogador manter o alto nível ao ponto de ser convocado para a sua seleção nacional por 5, 10 ou 15 anos. E quando chegam a mais de 15 e até 20 ou mais anos? Aí sim vira um fato digno de nota. Poucos foram os que ultrapassaram tais números, mas nenhum outro conseguiu o feito do finlandês da foto acima.

    Este jogador é Jari Litmanen, ex-meiocampista do Ajax, Liverpool e Barcelona e que ganhou quase tudo o que o um jogador profissional sonha disputar. O ex-atleta, afora os incríveis 21 anos de serviços prestados à sua seleção, é o único da história do futebol até hoje que detém a marca de atuar internacionalmente em quatro décadas distintas.

    Nascido em Lahti, capital da região de Päijänne Tavastia na Finlândia, em 20 de fevereiro de 1971, a bola já estava no DNA do então garoto, pois seus pais eram jogadores profissionais de futebol no país. Seu pai, Olavi Litmanen, foi um meia de sucesso no Reipas Lahti e da seleção da Finlândia nos anos 60 e 70. Sua mãe, Liisa, também era futebolista do Reipas Lahti - atuava de líbero no time feminino nos anos 70 e também foi bem sucedida. Ou seja, "filho de peixe, peixinho é" como diz o conhecido ditado popular.

    Tanto que aos 6 anos Litmanen já dava seus primeiros chutes no clube que revelou seus pais, o Reipas. Foram vários anos nas categorias de base sempre enchendo os olhos dos treinadores e olheiros com sua habilidade rara para um país com pouca expressão no futebol. Sua estreia como profissional se deu em 1987 na Liga Finlandesa. Mesmo com todo seu talento, o novato por pouco não começou sua carreira de forma melancólica, já que seu time terminou a competição em 10º lugar - uma acima dos rebaixados KePS Kemi e Koparit Kuopio.

    Depois de 13 anos entre base e profissional no Reipas Lahti sua condição de grande jogador já merecia vôos mais altos, apesar de não ter conquistado nenhum título com o clube. Tanto que em 1991 assinou contrato com o HJK, maior time da Finlândia. Porém, sua relação com os azuis da capital durou apenas uma temporada em sua primeira passagem, mas de muito sucesso com seus gols e assistências, apesar do modesto 5º lugar da equipe na liga nacional. O MyPa foi o próximo destino de Litmanen, onde conseguiu seu primeiro título como jogador profissional em 1992 com a Copa da Finlândia.

    Nesta decisão da Copa contra o FF Jaro, inclusive, havia um olheiro do poderoso Ajax de Amsterdã observando o então jovem e talentoso camisa 10 da equipe da cidade de Kouvola. Resultado final: 2 a 0 para Litmanen e companhia e um gol do astro finlandês que convenceu o holandês a contratar o jogador.

    Apesar das ótimas recomendações, Jari Litmanen chegou ao Godenzonen para atuar entre os reservas - o treinador era o polêmico Louis Van Gaal. Entretanto, o meiocampista começou a ganhar seu espaço substituindo o ídolo local Dennis Bergkamp que sofreu uma contusão. O jogador não perdeu a oportunidade e agradou o técnico, que passou a utilizá-lo muitas vezes no time titular.

    Com a saída de Bergkamp para a Internazionale de Milão em 1993, Litmanen ganhou definitivamente o posto de titular e não demorou para se tornar o principal jogador da equipe de Van Gaal nas próximas temporadas.



    "Litti" na sua fase áurea com o Ajax




    Jari Litmanen não só herdou a idolatria da torcida de Bergkamp como também sua camisa 10 e fez jus à mítica do número às costas. Retribuiu a confiança e expectativas de Van Gaal sendo artilheiro da Liga Holandesa na temporada 1993/94 com 26 gols. Não só ajudou o clube da capital a faturar o título nacional como foi eleito o jogador do ano no país.

    Litti, como ficou conhecido, foi peça chave no tricampeonato holandês entre 1993 e 1996 e na conquista da Liga dos Campeões e do Mundial de Clubes em 1995. O meia cravou seu nome na história nesta ocasião tornando-se o primeiro jogador da Finlândia a ser campeão continental e mundial de futebol. Ainda ficou em 3º lugar na eleição do melhor jogador do mundo naquele mesmo ano.

    Os anos passavam-se e a contribuição de Litmanen para o Ajax só crescia com seus números. Entretanto, um vilão viria começar a atrapalhar a trajetória do jogador: as constantes contusões. Não à toa também ficou conhecido como Homem de vidro tamanha sua facilidade de contrair lesões. Sua primeira passagem pelo Ajax terminou em 1999 com a ida de Louis Van Gaal para o Barcelona, que aproveitou a viagem e levou na bagagem o talentoso finlandês junto com outros holandeses como Bogarde, Kluivert, Ronald e Frank de Boer, Cocu e Reiseger. Foram 136 gols em 7 anos em Amsterdã, sendo 26 deles em competições europeias.

    No Barcelona Jari Litmanen passou muito longe de reeditar as atuações genais dos tempos de Ajax, muito por conta das recorrentes contusões. Foram pouco mais de 20 jogos, apenas 3 gols em dois anos na Catalunha e nenhuma conquista. Com a saída de Van Gaal e a chegada de Llorenç Serra Ferrer no comando técnico dos Blaugranas em 2001 acabou definitivamente a estada do meiocampista no Campo Nou.

    O caminho de Litmanen depois da Espanha foi a Inglaterra para atuar pelo Liverpool. Em Anfield Road chegou a ter boas atuações e aumentar sua galeria de troféus como a Liga Europa, a Supercopa da Europa e a FA Cup. Contudo, novamente o fantasma das contusões fazia uma marcação implacável no jogador, que ficou de fora em diversas ocasiões de partidas dos Reds. Desta forma clube e jogador acharam por bem acabar a relação em 2002 após uma temporada e incríveis cinco títulos pelo clube inglês.

    Já diz o ditado que "o bom filho à casa torna", e eis que Jari Litmanen voltou a vestir a camisa alvirrubra do Ajax em 2002. A Holanda sempre foi o refúgio das grandes atuações do meia finlandês, tanto que foi fundamental para a excelente campanha do time na Liga dos Campeões na temporada 2002/03, quando chegou às quartas de finais, até voltar a sofrer com as insistentes lesões que o impediam de atuar no seu costumeiro alto nível. Por conta de sua passagem mais constante no departamento médico do que no campo de jogo, não teve seu contrato renovado em 2004. Assim Litmanen resolveu voltar para sua terra natal.

    Voltando para a Finlândia, Litmanen foi recebido como um verdadeiro rei pela torcida do FC Lahti, clube oriundo do Reipas, que fundiu-se com o FC Kuusysi em 1996 para criar o novo clube. Tamanha a reverência que o jogador recebeu a alcunha de Kuningas Jari Litmanen, ou rei na língua finlandesa.

    Após um ano no FC Lahti sua carreira começou a declinar em clubes de menor expressão na Europa como Hansa Rostock da Alemanha, Malmö FF da Suécia, Fulham da Inglaterra, retornando ao Lahti e, finalmente, encerrando a sua brilhante carreira aos 40 anos no HJK de Helsinque em 2011. Neste último conquistou o seu único título da liga finlandesa.



    Camisa de Litmanen exposta no Museu do Esporte da Finlândia




    Mas foi na carreira internacional que Litmanen chegou ao seu grande marco. Por jogar numa seleção com pouquíssima tradição no futebol ficou alijado de grandes competições como Eurocopa e Copa do Mundo. Tal dificuldade também pode ser observada em grandes jogadores como o galês Ryan Giggs, o liberiano George Weah, o norte-irlandês George Best, entre outros. Ainda assim conseguiu entrar para a história com a camisa da seleção da Finlândia.

    Sua trajetória com os Huuhkajat (corujas, como é conhecida a seleção finlandesa) durou 21 anos como já citado. Porém, a diferença é que o período compreendeu-se entre 1989 a 2010 que o torna o único jogador da história a atuar por sua equipe nacional em quatro décadas diferentes. 

    Sua estreia se deu com apenas 18 anos em outubro de 1989 contra Trinidad Tobago num jogo amistoso. Apesar de seu grande talento o primeiro gol só saiu quase dois anos depois numa partida diante de Malta. Em 1996 assumiu a braçadeira de capitão da equipe e só veio largá-la quando a deixou em 2010. Sua marca histórica de quatro décadas diferentes defendendo a Finlândia foi alcançada em 19 de janeiro de 2010 na derrota por 2 a 0 para a Coréia do Sul em jogo amistoso. Sua última atuação, e último gol, pela seleção aconteceu na goleada por 8 a 0 contra San Marino em 17 de novembro do mesmo ano pelas eliminatórias da Eurocopa 2012. Nesta mesma partida chegou a outra marca: o de jogador mais velho da Finlândia e da história da fase qualificatória para o torneio continental a balançar as redes.

    Ao todo pela Finlândia foram 32 gols em 137 jogos que o colocam como o maior artilheiro e jogador que mais vestiu a camisa finlandesa em todos os tempos.

    Abaixo, dados e estatísticas do craque finlandês que reinou absoluto nos gramados durante quatro diferentes décadas.


    * Nome: Jari Olavi Litmanen

    * Apelidos: Litti, Kuningas

    * Nascimento: 20 de fevereiro de 1971 em Lahti/FIN

    * Posição: Meia-atacante

    * Clubes (10): Reipas Lahti (1987 a 1990), HJK Helsinki (1991 e 2011), MyPa (1992), Ajax/HOL (1992 a 1999 e 2002 a 2004), Barcelona/ESP (1999 a 2001), Liverpool/ING (2001 a 2002), FC Lahti (2004 e 2008 a 2010), Hansa Rostock/ALE (2005), Malmö/SUE (2005 a 2007) e Fulham/ING (2008)

    * Títulos (18): Copa da Finlândia (1992 e 2011), Campeonato Holandês (1993/94, 1994/95, 1995/96 e 1997/98), KNVB Cup (1992/93, 1997/98 e 1998/99), Liga dos Campeões da Europa (1994/95), Supercopa da Europa (1995 e 2001), Mundial Interclubes (1995), Copa da UEFA (2000/01), FA Cup (2000/01), Copa da Liga Inglesa (2000/01), FA Community Shield (2001), Campeonato Finlandês (2011)

    * Seleção Finlandesa: 32 gols em 137 partidas entre 1989 e 2010

    * Principais honras pessoais: Jogador finlandês do ano (1990, 1992, 1993, 1994, 1995, 1996, 1997, 1998 e 2000), Jogador do ano na Holanda (1993), Artilheiro do Campeonato Holandês (1993/94) e Artilheiro da Liga dos Campeões da Europa (1995/96)



    Fotos 1 e 3: Autor desconhecido
    Foto 2: Fred Ernst/AP

              DO ÁPICE AO FUNDO DO POÇO EM APENAS UMA TEMPORADA        

    Flu (1) pode se juntar ao Milan (2) como campeão num ano e rebaixado no outro




    O tradicional Fluminense pode entrar num rol nada agradável neste domingo na última rodada do Brasileiro. O tricolor das Laranjeiras pode se tornar o 60º clube da história do futebol a ser rebaixado para a segunda divisão nacional apenas uma temporada após ter sido campeão. 

    Dentre os atuais 59 constam times da grandeza de LDU/EQU, Universidad Católica/CHL, Manchester City/ING, Olympique de Marselha/FRA e Milan/ITA. Entretanto, esses dois últimos caíram por motivos extracampo. 

    A equipe inglesa caiu após ser campeão de uma forma curiosa na temporada (1937/38): com saldo positivo de gols, marcando 80 vezes - mais até que o então campeão Arsenal. Entretanto o número de derrotas culminou com a ida à segundona.

    Já Olympique (1994) e Milan (1980) foram campeões na temporada anterior e rebaixados na seguinte  em suas respectivas ligas devido a escândalos de manipulação de resultados, que custou até a participação dos franceses da decisão do Mundial Interclubes de 1993.

    A Juventus de Turim chegou a ser campeã italiana em 2004/2005 e  na temporada seguinte disputar a Serie B. Contudo, o título da Vecchia Signora foi retirado pela Federação Italiana.

    A Noruega e a Suécia são os países em que mais esse tipo de situação aconteceu: 4 vezes. Curiosamente a Finlândia e a Dinamarca aparecem logo a seguir com 3 ao lado de mais alguns outros pelo planeta, fazendo até parece que tal situação estranha é uma especialidade nórdica.

    Editado (às 21h10 do dia 08/12/2013): O Fluminense tornou-se o 60º clube a ser rebaixado uma temporada depois de ter sido campeão nacional após a última rodada do Campeonato Brasileiro neste domingo.

    Abaixo, a lista dos 60 times que foram do céu ao inferno no intervalo de apenas uma temporada. Entre parênteses, na ordem, os anos em que foram campeões e rebaixados logo a seguir. 


    * Alemanha

    - 1.FC Nürnberg (1968 - 1969)


    * Argélia

    - Entente Sportive de Sétif (1987 - 1988)
    - USM El Harrach (1998 - 1999)


    * Andorra

    - Constel-lació Esportiva (2000 - 2000)
    Obs.: Rebaixado na mesma temporada por envolvimento em irregularidades financeiras.


    * Aruba

    - San Luis Deportivo (1984 - 1985)


    * Áustria

    - FC Tirol Innsbruck (2002 - 2002)
    Obs.: Rebaixado pela federação por não ter suas contas aprovadas.


    * Brasil

    - Fluminense (2012 - 2013)


    * Bolívia

    - Universitario de La Paz (1969 - 1970)
    - Jorge Wilstermann (Apertura 2010 - Clausura 2010)


    * Camarões

    - Aigle Nkongsamba (1994 - 1995)


    * Chile

    - Universidad Católica (1954 - 1955)


    * Costa Rica

    - El Carmen FC (1961 - 1961)
    Obs.: Rebaixado na mesma temporada após conflitos com outros clubes e a federação, que formularam a disputa de um "playoff" após o campeonato nacional e que terminou com o atual campeão ficando na última colocação.


    * Dinamarca

    - KB (1950 - 1951)
    - Hvidovre (1973 - 1974)
    - Herfølge BK (2000 - 2001)


    * Equador

    - LDU (1999 - 2000)


    * Finlândia

    - Ilves-Kissat (1950 - 1951)
    - TPV (1994 - 1995)
    - Haka Valkeakoski (1995 - 1996)


    * França

    - Olympique Marseille (1993 - 1994)
    Obs.: Rebaixado após escândalos de manipulação de resultados.


    * Guiné

    - AS Kaloum Star (2007 - 2008)
    Obs.: Rebaixado após dois WO's no campeonato por problemas contratuais com patrocinadores.


    * Guiné-Bissau

    - UDIB (2003 - 2004)
    Obs.: Rebaixado após WO's nas duas primeiras rodadas da temporada
    - Atlético Bissorã (2011 - 2013)
    Obs.: Não houve competição em 2012.


    * Holanda

    - RC Heemstede (1953 - 1954)


    * Ilhas Faroe

    - B71 (1989 - 1990)


    * Indonésia

    - PSIS (1999 - 2000)
    - Petrokimia Putra (2002 -2003)
    - Persebaya (2004 - 2005)
    Obs.: Rebaixado após se recusar a disputar a última partida do playoff em 2005.


    * Inglaterra

    - Manchester City (1937 - 1938)


    * Irlanda

    - Shelbourne (2006 - 2006)
    Obs.: Rebaixado pela federação por não ter as contas aprovadas.


    * Israel

    - Hapoel Kfar-Saba (1982 - 1983)
    - Hapoel Tel-Aviv (1988 - 1989)


    * Itália

    - Milan (1979 - 1980)
    Obs.: Rebaixado após escândalos de manipulação de resultados.


    * Jamaica

    - Violet Kickers (1996 - 1997)


    * Luxemburgo

    - Union Luxembourg (1927 - 1928)


    * Macau

    - Monte Carlo (2008 - 2009)
    Obs.: Rebaixado após divergências com a federação e com o Macau FC.


    * Malta

    - Rabat Ajax (1986 - 1987)


    * México

    - Marte (1954 - 1955)


    * Nigéria

    - Stationery Stores (1992 - 1993)
    Obs.: Rebaixado após vários WO's nos jogos fora de casa.
    - Shooting Stars (1998 - 1999)
    - Bayelsa United (2009 - 2010)


    * Noruega

    - Freidig (1948 - 1949)
    - Fram (1950 -1951)
    - SK Brann (1963 - 1964)
    - Lyn (1968 - 1969)


    * País de Gales

    - Barry Town (2003 - 2004)
    - Rhyl (2009 - 2010)
    Obs.: Rebaixado após não conseguir a licença para a disputa da nova liga criada.


    * Polônia

    - Ogniwo Bytom (1954 - 1955)
    Obs: Rebaixado após fundir-se com o Szombierki Bytom e mudar seu nome para Polonia Bytom.


    * República do Congo

    - Saint Michel de Ouenzé (2010 - 2011)


    * República Dominicana

    - Deportivo Pantoja (2001 - 2002)
    - Baninter/Jarabacoa (2003 - 2005)
    Obs.: Não houve competição em 2004.


    * Rússia (então União Soviética)

    - CDSA Moscou (1951 - 1952)
    Obs.: Rebaixado pela federação após a pífia participação soviéticas nas Olimpíadas de 1952, no qual o time era a base da seleção de futebol.


    * Santa Lúcia

    - Roots Alley Ballers (2009 - 2010)


    * San Marino

    - La Fiorita (1990 - 1991)


    * Suécia

    - Helsingborgs IF (1934 - 1935)
    - GAIS (1954 - 1955)
    - Djurgårdens IF (1959 - 1960)
    - IFK Göteborg (1969 - 1970)


    * Uzbequistão

    - MHSK Tashkent (1997 - 1998)


    * Vietnã

    - Cang Saigon (2002 - 2003)





    Foto 1: André Durão - Globoesporte.com
    Foto 2: Autor desconhecido

              OS 150 ANOS DE UMA PAIXÃO MUNDIAL        
    O livro original contendo as primeiras regras oficiais do futebol




    Há 150 anos, mais exatamente no dia 26/10/1863, era dado - literalmente - o pontapé inicial para uma paixão que viria atrair multidões planeta a fora. Foi num pub em Londres, no Freemasons Arms Tavern, localizado em Great Queen Street, que 11 representantes de clubes amadores da capital inglesa se reuniram para redigir as regras oficiais do futebol e fundar a FA - a Football Association. Depois de um século e meio de vida pouquíssimas mudanças ocorreram nas regras e até hoje elas regem a nossa maior paixão esportiva.


    Estiveram presentes à histórica reunião no bar londrino pessoas ligadas aos seguintes times: Barnes, Civil Service, Crusaders, Crystal Palace, Forest of Leytonstone (que posteriormente seria rebatizado como Wanderers), N.N. Club, Blackheath, Kensington School, Perceval House, Surbiton e Blackheath Proprietary School. O Charterhouse foi convidado para participar, mas seu representante declinou do chamado. A maioria desses clubes não existe mais ou apenas atua no rugby.

    Vale salientar que o futebol já era praticado de forma amadora antes de 1863 em solo britânico, mas ainda sem uma regra oficial. O primeiro esboço de norma surgiu em 1848 nos pátios da Universidade de Cambridge. Outro surgiu em Nottingham em 1850. E ambos foram os alicerces para essa regra final criada pelos ingleses.

    Na primeira foto, a edição original do livro de regras escrito naquela noite de 26 de outubro de 1863 escrito por Ebenezer Cobb Morley, que viria a ser o segundo presidente da FA 8 anos depois de sua criação.

    A primeira partida da história sob as regras oficiais foi entre Barnes e Richmond, que não estava presente na reunião de fundação da FA. O placar foi de zero a zero no estádio de Mortlake em 19 de dezembro do mesmo ano.


    Futebol no século XIX na Inglaterra



    Desde então o futebol ganhou adeptos e admiradores até se tornar esse colosso que é hoje em dia. Além de um esporte apaixonante, virou um ótimo negócio que gera lucros cada vez mais exorbitantes. Mas a aprovação das regras, apenas, não era o bastante. Havia a necessidade de se distribuir cartilhas informativas nos clubes, nas escolas, nas livrarias e bancas de jornal, através de livros de regras. E essas regras foram sendo levemente modificadas, e novos manuais passaram a ocupar o lugar das primitivas instruções.

    Em 1868 instituiu-se a figura do juiz. Em 1878, um ano depois de se adotar o travessão de madeira (do mesmo comprimento das portas dos salões da universidade de Cambridge), surgiu o apito, já que até então era na força do grito que o juiz anunciava suas decisões em campo. Em 1882, Inglaterra, Escócia, Pais de Gales e Irlanda fundaram a International Board, que até hoje regula as leis do jogo no mundo inteiro, já como órgão assessor da FIFA. 

    Houve uma revisão total das regras em 1891, quando apareceram as redes nas balizas, para que não houvesse dúvidas quando da marcação do gol, e foi oficializado o pênalti - a falta dentro da grande área. Em 1896, cresce a autoridade do árbitro, que deixa de ser um simples tira-teima, e passa a se guiar pelo que mandam as regras.

    Nos últimos anos do século fixam-se o numero de jogadores em onze, as dimensões do campo, o tamanho da bola e a duração da partida. Os limites das áreas datam de 1901, as leis do impedimento começaram a partir de 1907, definindo-se de vez em 1924. Uma nova revisão foi feita em todo o texto em 1938. A popularização se fez rápida e regularmente, com o apoio dos jornais, cartazes exibidos nas ruas, folhetos distribuídos em comércios, bares e teatros. Uma vez uniformizado, codificado e organizado, o futebol não tardaria a se transformar no mais popular e universal de todos os esportes. 

    E hoje o futebol é o que é há 150 anos: uma paixão mundial!



    Foto: Adrian Roebuck
    Imagem: Newberry Library - Chicago 

              FUTEBOL TAMBÉM TEM SEUS MOMENTOS DE TRISTEZA        

    Fim de semana de futebol que quase termina em tragédia pelo Brasil




    Nem sempre o futebol é só alegria para torcedores e profissionais que trabalham no meio, seja dentro dos próprios clubes, prestam serviços (como policiais, vendedores, etc.) ou na imprensa. No fim de semana que passou dois fatos lamentáveis aconteceram no que deveria ser apenas mais uma rodada do esporte mais popular do país.

    De um lado o poderoso Palmeiras, amargando a Série B em 2013, enfrentando o menos tradicional ABC em Natal no estádio Frasqueirão (1ª foto). O que se viu foi um "ensardinhamento", se é que podemos falar assim, de torcedores no portão de entrada C do estádio. As imagens não mentem e só comprovam que houve falta de bom senso e de organização do evento, colocando em risco o real motivo de existência do futebol: o torcedor. Jovens e adultos correndo perigo de esmagamento contra o alambrado do estádio, relembrando a tragédia de Hillsborough na Inglaterra, em 1989, em que quase 100 pessoas morreram ora asfixiadas, ora esmagadas por superlotação. Enquanto isso dirigentes do time natalense, Polícia Militar e demais envolvidos diretamente com a organização do evento ficam jogando a culpa uns nos outros.

    Do outro, pela Série A, o maior clássico do estado do Paraná: Atlético e Coritiba - o "Atletiba". O que também era pra ser uma disputa apenas na bola passou para as arquibancadas - e de maneira nada saudável. Uma briga entre torcidas no estádio da Vila Capanema (2ª foto) provocou vários feridos, inclusive com queda de alambrado e policiais atirando em direção às pessoas com balas de borracha. Por pouco outra tragédia não acontecia nos gramados brasileiros e alguma providência deve ser tomada para se encontrar os culpados pelos graves ocorridos.

    Dessa forma como se pode popularizar o esporte no país? Crianças ficam traumatizadas e adultos não vão mais por temerem outras confusões parecidas com riscos até de morte. E olha que ambas as cidades são sedes da próxima Copa do Mundo. É assim que os gestores do nosso futebol querem fazer a "maior Copa da história"? Muito complicado.

    Aproveitando o mote relembro uma postagem deste blog de fevereiro de 2012 que tratou das maiores tragédias da história do futebol mundial. E vejam que algumas são bem parecidas com os tristes acontecimentos do sábado e do domingo aqui no Brasil - que por sorte não entraram nas péssimas estatísticas que serão mostradas a seguir.


    NEM SEMPRE O FUTEBOL TRAZ ALEGRIAS

    Postagem de 04/02/2012



    Infelizmente nem sempre o futebol traz alegria e emoção ao torcedor. Assim como qualquer outra atividade na vida tem seus momentos de tristeza e amargura, como o que vimos na última semana em Port Said, no Egito, onde 74 pessoas morreram e outras centenas saíram feridas após uma partida pela liga local entre Al-Masry e Al-Ahly.

    A história mostra, ao lado de triunfos e da euforia de equipes e torcidas vitoriosas, que os problemas dentro e fora dos estádios são bem antigos. Sejam por má gestão da organização do evento, estruturas precárias, pela fúria desenfreada de vândalos travestidos de torcedores ou, simplesmente, por ineficiência da segurança no local. E o fato lamentável ocorrido em solo egípcio foi mais um a entrar nas estatísticas do lado triste que o futebol tem – e que pelo visto vai demorar muito a ficar sem solução, não sei se por negligência das autoridades ou por falta de civilidade de quem frequenta esses locais.

    O primeiro desastre oficialmente registrado em estádios ocorreu em 1902 na Escócia, no Ibrox Stadium. Algum tempo depois tivemos os desastres em Burnden Park, na Inglaterra, na década de 40, no Heysel Stadium em Bruxelas, na Bélgica, e em Hillsborough em Sheffield, na Inglaterra nos anos 80, na Guatemala em 1996, pelo continente africano e até aqui no Brasil – mais precisamente na Bahia – na década passada, entre outros.

    Ou seja, o esporte já testemunhou em mais de um século diversos problemas desta natureza em ambientes que deveriam se restringir à prática desportiva. Sempre é assunto recorrente a (in)segurança do público nos estádios de futebol. Por isso mesmo o blog vai relembrar algumas das principais tragédias ocorridas na história do futebol por ordem cronológica.


    Ibrox Stadium (Glasgow/ESC) – 05 de abril de 1902


    Vista da arquibancada que desabou



    No decorrer de uma partida entre a seleção escocesa e a inglesa um lance de arquibancadas recém inauguradas do estádio desabou, ferindo 517 pessoas e matando outras 25. O motivo foi o colapso da estrutura de madeira, que alicerçada por vigas de aço, após um intenso temporal que caíra sobre a cidade na noite anterior ao jogo, que foi suspenso no início do segundo tempo e reiniciado no dia 03 de maio no estádio Villa Park em Birmingham na Inglaterra. Tal evento motivou as federações de futebol de todo o Reino Unido a abolir o uso das vigas metálicas nas arquibancadas e substituí-las por estruturas de concreto.



    Burnden Park (Bolton/ING) – 09 de março de 1946


    Mortos e feridos após tumultuo em Bolton



    Durante as quartas-de-final da FA Cup entre Bolton Wanderers e Stoke City milhares de pessoas entraram no estádio sem pagar ingresso, causando superlotação. Cerca de 85 mil espectadores se amontoaram num espaço projetado para receber 70 mil e o resultado foi o desabamento de uma das arquibancadas, que resultou na morte de 33 pessoas e em aproximadamente 500 feridos. Até então era a maior tragédia ocorrida em gramados ingleses em todos os tempos. Por incrível que pareça a partida foi interrompida após o acontecimento e recomeçou depois de algum tempo – terminou empatada em 0 a 0.



    Estádio Nacional (Lima/PER) – 24 de maio de 1964


    Lima 1964: maior tragédia dentro de um estádio da história do futebol



    As seleções do Peru e da Argentina duelavam por uma vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio e os donos da casa jogavam por um simples empate para se classificarem. Entretanto, os argentinos abriram o placar, mas perto do fim da partida os peruanos empataram para delírio da torcida presente. Só que o árbitro da partida invalidou o gol, minando completamente as chances peruanas de irem ao Japão. Os torcedores se revoltaram e começaram a atirar tijolos e pedras para o gramado e a polícia local revidou com gás lacrimogêneo. Dois portões do estádio estavam trancados onde um segurança ficava no local. O tumultuo foi aumentando e com as duas saídas fechadas as pessoas começaram a ser esmagadas e asfixiadas com o amontoamento de gente em pânico. Foi a maior tragédia da história do futebol dentro de um estádio: 318 mortos e cerca de 500 feridos. 



    Ibrox Stadium (Glasgow/ESC) – 02 de janeiro de 1971


    Vítimas da segunda tragédia em Ibrox sendo socorridas



    Rangers e Celtics faziam o Old Firm, tradicional clássico escocês cuja rivalidade entre as torcidas é uma das maiores do planeta (assunto já retratado aqui no blog) – se não a maior – e requer todos os cuidados, quando os Bhoyz fizeram 1 a 0 aos 44 minutos da etapa final. Com a iminente derrota vários torcedores dos Gers começaram a se deslocar para a saída do estádio, entretanto, nos acréscimos, o atacante Colin Stein empatou a partida, provocando o retorno em massa de muitas pessoas que já tinham se deslocado para comemorar o gol da igualdade. O resultado foi um tumultuo generalizado na escadaria número 13 do Ibrox, que culminou com o esmagamento e morte de 66 pessoas – entre elas várias crianças – por asfixia e deixando outras 150 feridas.



    Valley Parade (Bradford/ING) – 11 de maio de 1985


    Pânico após incêndio em Bradford



    Após conquistar o retorno à segunda divisão inglesa naquela temporada, o Bradford City jogava contra o Lincoln City pelas rodadas finais da “Terceirona”. O que era para ser um jogo festivo para os torcedores virou tragédia após supostamente uma ponta de cigarro atirada por um torcedor embaixo das arquibancadas principais, feitas de madeira, ter dado início a um incêndio de grandes proporções. O jogo foi suspenso e o saldo final foi de 56 mortes e 256 pessoas feridas.



    Heysel Stadium (Bruxelas/BEL) – 29 de maio de 1985


    Tragédia de Heysel: a mais conhecida



    Certamente a tragédia dentro de estádio mais conhecida da história, pois envolveu uma final de Copa dos Campeões da Europa (atual Liga dos Campeões) entre Juventus/ITA e Liverpool/ING. Nos dias que antecediam a decisão as autoridades belgas, já sabedoras das possíveis conseqüências do encontro das duas torcidas, anunciaram uma série de medidas a fim de se evitar o confronto: revista em todos os espectadores na entrada para o jogo, proibição de venda de bebidas alcoólicas nas cercanias do estádio e um destacamento de 1500 policiais para garantir a segurança. Contudo, alguns bares próximos ignoraram as recomendações e serviram normalmente os torcedores. Fora do Heysel os distúrbios já começaram entre os Hooligans (os baderneiros) de ambas as equipes ao ponto de uma joalheria na vizinhança ter sido saqueada. Havia um planejamento para uma grande divisão das torcidas nas arquibancadas, entretanto, o que se viu foi a tribuna norte apinhada de torcedores dos dois clubes, separados apenas por uma simples grade de alguns policiais. Os britânicos começaram a provocação e o tumultuo ganhou proporções sem controle. Os confrontos começaram ali mesmo entre ingleses e italianos, tanto que a grade que separavam os rivais cedeu à pressão. Vários torcedores da Juventus foram agredidos pelos ingleses, inclusive com barras de ferro. Tamanho o pânico na torcida que o muro também cedeu e levou junto mais algumas dezenas de pessoas. O resultado do ocorrido foi a culpa do incidente imputada aos ingleses, um balanço final de 38 mortos e um número não confirmado de feridos. A polícia não deteve ninguém, mas os clubes ingleses sofreram uma dura punição: banimento das competições européias por um período de 5 anos. O jogo, relegado ao segundo plano, terminou 1 a 0 para a Vecchia Signora.



    Hillsborough (Sheffield/ING) – 15 de abril de 1989


    Hillsborough: mais um caso de superlotação no estádio



    Mais uma vez uma FA Cup via uma tragédia dentro de um campo de futebol. Desta vez valendo pelas semifinais, Liverpool e Nottingham Forest iam se confrontar no campo do Sheffield Wednesday FC, que tinha capacidade para quase 40 mil espectadores. A polícia local dividiu as torcidas nas arquibancadas e abriu um portão para a saída, que resultou num tumultuo generalizado com torcedores do Liverpool entrando por ele, causando uma superlotação do setor Lepping Lane Ends reservado aos fãs dos Reds. A pessoas iam sendo esmagadas no alambrado que separava o público do gramado até que a estrutura cedeu à pressão. A partida foi cancelada. O saldo foi de 96 mortos e 766 feridos, configurando-se na maior tragédia em estádios britânicos da história.



    Estádio Armand Césari (Bastia/FRA) – 05 de maio de 1992


    Arquibancada feita de Ãºltima hora destruída em Bastia



    Bastia e Olympique de Marselha iam se enfrentar pela Copa da França e a diretoria dos donos da casa resolveram de última hora aumentar a capacidade do estádio em 50%, tendo em vista a importância do confronto. As autoridades locais aprovaram a nova estrutura sem nenhuma restrição. Momentos antes do jogo o novo setor já estava sendo tomado e não suportando o peso do público desabou matando 18 pessoas e ferindo aproximadamente outras 2300.



    Estádio Mateo Flores (Cidade da Guatemala/GUA) – 16 de outubro de 1996


    Avalanche humana na Guatemala



    Guatemala e Costa Rica iam se enfrentar pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 1998 e o estádio estava com público bem acima de seus 30 mil lugares. O motivo foi o derramamento de ingressos falsos nas mãos de cambistas que desencadeou numa avalanche humana para dentro de campo. Vários torcedores foram esmagados e pisoteados e o balanço final da tragédia foi de 150 pessoas feridas e 83 mortas.



    Ellis Park (Johanesburgo/AFS) – 11 de abril de 2001


    Ellis Park: quase o dobro da capacidade máxima



    Em outra grande rivalidade do futebol, Kaiser Chiefs e Orlando Pirates iam se enfrentar no Ellis Park e um grande público era esperado para o confronto. O estádio tinha capacidade para 60 mil pessoas, mas incrivelmente recebeu segundo relatos da época de 90 a 120 mil espectadores. A situação já era desconfortável para a torcida presente com o pouco espaço e só piorou quando os Pirates marcaram um gol. Vários torcedores dos Chiefs revoltados quiseram invadir o gramado e o que já era uma bomba relógio prestes a explodir foi à tona! O policiamento tentou reprimir os revoltosos lançando gás lacrimogêneo sobre os invasores, mas a o tumultuo só aumentou. Muitas pessoas foram pisoteadas na confusão – 43 morreram e cerca de 150 ficaram feridas.



    Accra Sports Stadium (Accra/GAN) – 09 de maio de 2001


    Incidente em Gana foi o maior da história do continente africano



    Poucos dias depois da tragédia no Ellis Park foi a vez do futebol ganês viver momentos de terror dentro do estádio de futebol – e em mais um clássico local. Accra Hearts of Oaks e Asante Kotoko se enfrentavam para uma casa lotada e a partida terminou em 2 a 1 para os anfitriões. Indignada com o resultado, a torcida visitante começou um tumultuo nas arquibancadas e passou a arremessar assentos e garrafas de plásticos para o gramado. O policiamento local reagiu com gás lacrimogêneo e provocou pânico generalizado nas pessoas presentes, que tentaram fugir desordenadamente. Com os portões fechados vários torcedores se amontoaram, causando a morte de 127 pessoas por esmagamento e asfixia. Esta foi a maior tragédia dentro de um campo de futebol da história do futebol africano. O detalhe mais triste é que não havia mais equipe médica no estádio – eles haviam deixando o local minutos antes da confusão.



    Fonte Nova (Salvador/BRA) – 25 de novembro de 2007


    Salvador: estádio em péssimo estado de conservação



    Em jogo válido pela fase final da Série C do Campeonato Brasileiro, Bahia e Vila Nova/GO se enfrentavam em campo e o jogo estava 0 a 0 para um público de cerca de 60 mil pessoas. Aos 43 minutos do 2º tempo uma parte das arquibancadas do estádio desabou matando 7 pessoas e ferindo 40. O laudo divulgado posteriormente constatou que o estado das estruturas da Fonte Nova era péssimo.



    Port Said Stadium (Port Said/EGI) – 01 de fevereiro de 2012


    Port Said: jogadores são alvos da ira dos revoltosos



    Depois da vitória de 3 a 1 do anfitrião Al-Masry sobre o Al-Ahly vários torcedores do clube local invadiram o gramado e atacaram a torcida e os jogadores visitantes e a polícia com pedras, artefatos de fogo, facas, garrafas, pedaços de pau e até espadas. Os atletas fugiram para o vestiário. Milhares de revoltados transformaram o estádio em uma praça campal de guerra, que teve como saldo final 79 mortos e mais de 1000 feridos. As autoridades egípcias investigam o caso e abriram a possibilidade do motivo do confronto não ser apenas esportivos, mas também político, visto que o país recentemente passou por um sangrento processo de mudança no governo.



    Foto 1: Augusto Gomes - G1/RN
    Foto 2: Geraldo Bubniak - Fotoarena
    Foto 3: Autor desconhecido
    Foto 4: Merseyside Potters
    Foto 5: TPS
    Foto 6: Daily Record
    Foto 7: Bradford Timeline
    Foto 8: Daily Mail
    Foto 9: Bleach Report
    Fotos 10 e 11: TVXS
    Foto 12: Odd Culture
    Foto 13: Futura Press
    Foto 14: Reuters


              O FUTEBOL NO RÁDIO BRASILEIRO        
    Futebol e rádio: duas paixões nacionais lado a lado




    Hoje, 25 de setembro, é um dia especial para todos os comunicadores do país. Comemoramos o "Dia do Rádio", homenagem mais que justa à data de nascimento de Edgar Roquette-Pinto, considerado o "Pai da radiodifusão brasileira". E foi graças ao pioneirismo de Roquette-Pinto que esse veículo revolucionou a comunicação no país e mexeu com os sonhos e com o imaginário da população.

    Em 2009 este blog publicou uma postagem a respeito do futebol brasileiro nas ondas do rádio, contando um pouco de sua história e mostrando sua evolução ao longo dos anos com áudios históricos de profissionais que fortaleceram/fortalecem a paixão nacional pelo futebol, que muito contribuiu para que o esporte se popularizasse por todo o Brasil. Desta forma, em homenagem ao Dia do Rádio, vamos reproduzir o post logo a seguir.


    O FUTEBOL BRASILEIRO NO RÁDIO

    Postagem de 11/12/2009

    A história do futebol, tema principal deste blog, não se passa apenas dentro do gramado. Muito da paixão arrebatadora mundo a fora se deve às irradiações radiofônicas levadas ao 4 cantos do planeta por profissionais extremamente competentes e que deixaram - ou estão deixando - importantes legados para o esporte. O que seria da modalidade esportiva se no século 19, pouco tempo depois da "oficialização" do futebol na Inglaterra, não fossem esses aparelhos que divulgavam os eventos esportivos e informavam e transmitiam-nos aos mais longínquos apreciadores?

    Aqui no Brasil o rádio deu seu primeiro passo em 7 de setembro de 1922, no centenário da independência, durante uma grande feira internacional que recebeu visitas de empresários americanos trazendo a tecnologia de radiodifusão para o conhecimento dos brasileiros. Para testar o novo equipamento, até então desconhecido entre os nativos, os cientistas norte-americanos instalaram uma antena receptora no alto do Corcovado, no Rio de Janeiro (então Capital Federal), e transmitiram um discurso do presidente à época Epitácio Pessoa. O responsável direto pela primeira transmissão radiofônica no país foi o médico legista, professor, antropólogo, etnólogo e ensaísta brasileiro Edgar Roquette-Pinto (1884-1954). Sua primeira reação ao ouvir, emocionado, a transmissão das palavras presidenciais naquele dia foi dizer: "Eis uma máquina importante para educar nosso povo".

    A primeira transmissão por rádio de um jogo de futebol em solo brasileiro se deu na data de 19 de julho de 1931 pela Rádio Educadora Paulista através da voz do locutor Nicolau Tuma, que narrou o confronto entre as seleções de São Paulo e do Paraná no Campo da Floresta, na capital paulistana. Infelizmente não há registro gravado deste importantíssimo feito, mas ficou marcado na história da radiodifusão esportiva brasileira através das letras. Naquela época as transmissões futebolísticas se resumiam a boletins informativos para os ouvintes. Relatam os historiadores que Tuma foi o "pai da narração esportiva no Brasil", pois foi o pioneiro na idéia de irradiar um jogo na íntegra. Foi ao vestiário antes do início da partida para anotar as características físicas de cada jogador (naquele tempo ainda não se usavam os números às costas nas camisas dos clubes) e assim poder identificá-los no decorrer da narração. O radialista, que ficou conhecido como o "locutor metralhadora" por seu estilo rápido de transmitir as partidas, aproveitou a ocasião para explicar as regras do esporte que ainda estava engatinhando rumo ao sucesso no país. O jogo terminou em 6 a 4 para os donos da casa.

    Com o passar do tempo a qualidade do som das transmissões e da narração dos locutores foram melhorando significativamente. Equipamentos mais modernos faziam com que as irradiações dos principais jogos de futebol no Brasil a fora fossem conquistando cada vez mais adeptos. Do chiado constante da década de 30 à transmissão praticamente sem ruídos da atualidade, o rádio passou por grandes modificações ao longo do tempo, especificamente nessa postagem no aspecto locução como veremos adiante. Desde Tuma, Gagliano Neto e Ary Barroso no início do século passado até José Carlos Araújo, Luís Penido, Oscar Ulisses, entre tantos outros nos dias atuais.

    Como exemplo trouxe para vocês 5 locuções esportivas em diferentes tempos para análise. Para ouví-las basta clicar no link correspondente. No primeiro, o leitor poderá acompanhar uma narração feita por Armando Pamplona, no distante ano de 1934, pela Rádio Educadora de São Paulo, durante uma partida amistosa entre a Seleção Paulista e o Bologna da Itália.


    Percebam que a qualidade da transmissão é precária, mas que ainda assim conseguimos ouvir e entender as palavras de Armando Pamplona. A narração é bem no estilo "mestre de cerimônias", como uma espécie de apresentador, tratando até os espectadores como "senhores" e "senhoras" e fazendo uso de palavras rebuscadas e praticamente sem uso nas locuções esportivas da atualidade.

    Na seguinte temos as locuções de Jorge Curi e Antônio Cordeiro pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro em 1950, na fatídica final da Copa do Mundo entre Brasil e Uruguai no estádio do Maracanã. Na ocasião a Rádio Nacional inovara no método de transmissão de um jogo de futebol, em que envolvia dois narradores ao mesmo tempo para irradiar cada um o seu lado do campo. No link abaixo ouviremos o áudio com o começo da narrativa de Cordeiro, que estava no lado do ataque brasileiro, e terminando com o gol do uruguaio Gigghia (o do título) trazido por Curi.


    Nesta parte notamos que a narração ficou mais dinâmica, mais rápida, e a qualidade do som é bem maior. Ainda assim o aspecto de cerimônia, de trazer a partida de futebol irradiada como informação, digamos, pura, não como entretenimento também, persiste no final da narrativa.

    No seguinte ouviremos a voz de Pedro Luiz Pauliello na final da Copa do Mundo de 1962 entre Brasil e Tchecoslováquia pela Rádio Bandeirantes de São Paulo. Não custa lembrar que a Seleção Brasileira tornou-se bicampeã mundial na ocasião.


    Nesta locução fica cada vez mais nítida a eloquência do narrador, que passava a torcer pelo time em campo quase como um torcedor que estava nas arquibancadas e pela tentativa de levar o máximo de emoção possível aos ouvintes do que se passava em campo.

    A seguir vamos ouvir o áudio de um dos verdadeiros "monstros sagrados" do rádio esportivo brasileiro em todos os tempos. Waldir Amaral, então na Rádio Globo, trazendo a decisão do Cameponato Brasileiro de 1974 entre Vasco da Gama e Cruzeiro, vencida pelo clube carioca.


    Amaral narra o confronto com extrema rapidez, dado o contínuo aumento da velocidade do jogo com o passar dos anos, mas com bastante clareza. Tenta fazer com que o ouvinte que estava fora do estádio ouvindo pelo rádio se sinta dentro dele trazendo a partida nos mínimos detalhes.

    Por fim, no século 21, a narração do também brilhante José Carlos Araújo, da Rádio Globo do Rio de Janeiro em 2001, na partida entre Flamengo X Vasco da Gama válido pelo Campeonato Carioca daquele ano, trazendo para os espectadores toda a emoção do gol histórico de falta do meia sérvio Dejan Petkovic que deu o título ao rubronegro. Atenham-se à narração, já que o vídeo apenas traz slides a respeito do confronto citado.


    É notório que atualmente um espectador pode tranquilamente ligar sua TV, baixar o volume, e ouvir pelo rádio a transmissão da partida. O dinamismo na narração é tão latente que o ouvinte se sente completamente em campo. São muitos detalhes descritos pelos narrador, interação dos comentaristas que praticamente dividem a irradiação com o locutor oficial, dos repórteres e do próprio público, sem contar a nítida qualidade sonora nos tempos atuais.

    Enfim, o rádio ainda é um meio de comunicação que encanta e traz informação em tempo real. A inserção e o consequente sucesso do futebol no nosso país muito se deve ao seu poder de comunicação, sem distinção de pobre ou rico, negro ou branco, já que um pequeno radinho de pilha pode ser comprado pelo mais simples até o mais abastado trabalhador - eu mesmo sou um apaixonado por esses aparelhinhos que irradiam som e não passo um dia sequer sem sintonizar as emissoras. Todos envolvidos pela mesma magia transmitida através de ondas em AM ou FM.



    Foto (José Carlos Araújo): Bastidores do Rádio


              FUTEBOL NO PARAÍSO TURÍSTICO        

    Tahiti: estreante em competições da FIFA




    A Copa das Confederações da FIFA aqui no Brasil se avizinha, dia 15 próximo teremos o pontapé inicial do torneio em Brasilia na partida entre Brasil e Japão. E nesta competição teremos um integrante bastante inusitado que algumas pessoas sequer ouviram falar: o Tahiti (Taiti no "português brasileiro").

    O Tahiti se encontra na Polinésia Francesa, território semi-autônomo pertencente à França na Oceania, mas com administração, legislação e economia próprias e uma badalada região turística que atrai milhares de viajantes o ano inteiro por suas paisagens paradisíacas, natureza exuberante e praias de águas cristalinas. É a maior ilha do arquipélago das Ilhas Sociedade e sua capital é Papeete. Sua população total é de pouco mais de 178 mil habitantes, seu regime de governo é o presidencialista, sua economia baseia-se no turismo e sua moeda é o Franco do Pacífico. 

    As práticas esportivas na ilha polinésia são pouco disseminadas. A modalidade mais popular é o Va'a, ou canoa em português, que consiste numa espécie de canoagem. Outros esportes também são bastante praticados no Tahiti, como o surf, o rugby, o basquete e o futebol. Este último, inclusive, alcançou um feito notável em 2012 conforme veremos adiante.

    O futebol tahitiano é bastante recente se comparado com a maioria dos países pelo mundo. E as informações disponíveis são bastante escassas como boa parte dos países da Oceania. A FTF (Federação Tahitiana de Futebol - ou Fédération Tahitienne de Football na língua local) foi fundada em 1938, mas a seleção nacional só veio estrear nos campos 14 anos depois num amistoso contra a Nova Zelândia. Ainda atuando sob o nome de Polinésia Francesa os tahitianos empataram com os neozelandeses por 2 a 2 em seus domínios. A primeira vitória oficial da seleção foi em 1953 sobre Vanuatu (então Novas Hébridas) por 4 a 3 na casa do adversário. Em 1971 o Tahiti protagonizou uma das maiores goleadas da história do futebol entre seleções: 30 a 0 nas Ilhas Cook em Papeete.

    Os números, como já informado, são escassos sobre o futebol do Tahiti, inclusive na página oficial da FTF. Lá não há registros sobre os recordistas de gols e de participações com a seleção e os sites que têm algum tipo de informação não possuem fontes oficiais. O pouco que se tem conhecimento é de suas participações em competições, sobretudo nas organizadas pela OFC, a entidade que rege o futebol na Oceania. Até 2009 as participações tahitianas se resumiam à Copa das Nações da Oceania ou às Eliminatórias para Copa do Mundo, quando estreou em 1992. Participou há 4 anos pela primeira vez em sua história de um campeonato promovido pela FIFA: o Mundial sub-20. Em âmbito continental seu histórico é bastante razoável com três vice-campeonatos e um 3º lugar. Entretanto, no ano passado essa história mudou de patamar com a conquista inédita da Copa das Nações, tornando-se o primeiro país a faturar o torneio além das poderosas Nova Zelândia e Austrália. Os tahitianos levaram a taça diante da Nova Caledônia na grande decisão e novamente fizeram história ao se classificarem pela primeira vez para um campeonato com as seleções principais organizado pela FIFA: a Copa das Confederações.

    Em 2012 o Tahiti conseguiu seu grande êxito em seus 61 anos de existência ao vencer a Copa das Nações da Oceania nas Ilhas Salomão. Os principais destaques da conquista heroica foram os atacantes Steevy Hue (autor do gol do título na final) e Lorenzo Tehau, os meias Jonathan e Alvin Tehau, o defensor Nicolas Vallar (capitão do time e eleito o melhor jogador do torneio), além do treinador Eddy Etaeta, ex-jogador da seleção de 43 anos e grande responsável pela campanha vitoriosa dos tahitianos.

    Como já citado não há registros oficiais dos recordistas de jogos e gols pela seleção polinésia, mas podemos aqui citar alguns jogadores que, de alguma forma, tiveram destaque atuando pela equipe ao longo dos anos: o atual treinador Eddy Etaeta, Reynald Temarii (ex-presidente da OFC), o defensor Samuel Garcia, os atacantes Félix Tagawa e Tetahio Auraa, entre outros. No atual elenco todos os atletas atuam no futebol local, predominantemente no AS Dragon, principal clube do Tahiti, com exceção de um: o atacante Marama Vahirua de 33 anos, tahitiano radicado na França que chegou a atuar nas categorias de base da seleção francesa, e que defende o Panthrakikos da Grécia. Vahirua, inclusive, fará sua estreia com os polinésios nessa edição da Copa das Confederações, cuja equipe está no Grupo B ao lado de Espanha, Nigéria e Uruguai. Outro dado curioso é que apenas o mesmo Vahirua é jogador profissional, visto que todos os demais são amadores, ou seja, possuem outras ocupações como professor, bombeiro e bibliotecário, além da prática futebolística.

    A seleção tahitiana joga no modesto estádio Hamuta, localizado na capital Papeete, que tem capacidade para cerca de 10 mil pessoas e é multi-uso. Após o título da Copa das Nações da Oceania no ano passado sua posição no ranking da FIFA deu uma boa guinada: hoje é a 138ª colocada. Além desta taça, a equipe da Polinésia Francesa ainda possui conquistas dos Jogos do Pacífico Sul.

    Por fim, para quem é bem mais conhecido como um paraíso turístico, nada mal fazer turismo também atuando num torneio internacional em outro destino bastante visitado: o Brasil. Será uma atração e tanto em terras brasileiras.

    Abaixo, dados e estatísticas da seleção que pode ser seu próximo destino nas férias.


    FÉDÉRATION TAHITIENNE DE FOOTBALL (FEDERAÇÃO TAHITIANA DE FUTEBOL)

    * Fundação: 1938

    * Presidente: Eugene Haereraaroa

    * Estádio: Hamuta (Papeete/TAH - 10 mil pessoas)

    * Treinador: Eddy Etaeta

    * Uniformes: Camisas brancas com detalhes vermelhos, calções vermelhos com detalhes brancos e meiões brancos com detalhes vermelhos (titular) / Camisas vermelhas com detalhes brancos, calções brancos com detalhes vermelhos e meiões vermelhos com detalhes brancos (reserva)

    * Títulos (6): Jogos do Pacífico Sul (1966, 1975, 1973, 1983 e 1995) e Copa das Nações da Oceania (2012)

    * Principais nomes: Eddy Etaeta, Reynald Temarii, Samuel Garcia, Nicolas Vallar, Lorenzo Tehau, Jonathan Tehau, Alvin Tehau, Félix Tagawa, Tetahio Auraa e Steevy Hue




    Escudo: arquivo pessoal
    Foto: Fifa.com

              A COPA DA ALEMANHA        

    Bayern de Munique: o maior campeão da DFB Pokal




    Neste sábado o Bayern de Munique entrou em campo novamente para mais uma decisão. Depois de ganhar o Campeonato Alemão e a Liga dos Campeões da Europa, o time bávaro recheou ainda mais sua vasta galeria de troféus com a Copa da Alemanha e chegou à tríplice coroa nesta temporada - o adversário foi o Stuttgart, tradicional clube germânico, e o placar foi de 3 a 2.

    A Copa, conhecida como DFB Pokal (Deutscher Fußball-Bund Pokal), é disputada desde 1935 e tem o lendário clube de Munique como seu maior vencedor com 16 conquistas. O primeiro campeão da história do torneio foi o 1. FC Nuremberg ao bater o Schalke 04 por 2 a 0 na decisão em Düsseldorf.

    Em sua primeira edição a Copa da Alemanha se chamava Tschammer-Pokal - ou  Tschammer und Osten Pokal - em homenagem ao então Reichssportführer (Chefe do Gabinete de Esportes do 3º Reich) Hans von Tschammer und Oste. A disputa envolveu incríveis 4100 clubes desde a elite até as divisões amadoras do futebol alemão no período preliminar. A fase principal se deu com 63 times em 6 rodadas de mata-mata, acabando, conforme já dito, com o título do Nuremberg sobre o Schalke 04 na grande final em Düsseldorf com público estimado em mais de 50 mil pessoas presentes.

    Desde então o formato sofreu poucas alterações no que diz respeito ao original dos anos 30: várias equipes de todo o país, das divisões semi-profissionais e amadoras, começam a disputa nas fases preliminares até chegar ao grupo principal que vai até a final no já conhecido sistema de mata-mata. Na atualidade 64 times entram nessa fase, na qual já estão qualificados automaticamente todos os clubes da Bundesliga, da 2. Bundesliga e os 4 melhores colocados da última temporada da 3. Liga, respectivamente 1ª, 2ª e 3ª divisões. A título de curiosidade a Alemanha possui 13 divisões em sua pirâmide futebolística, comportando mais de 30 mil equipes e mais de 2 mil grupos regionais.

    A partir de 1953 a competição passou a se chamar DFB Pokal. nome mantido até os dias atuais, em virtude do fim do nazismo. Aliás, entre 1943 e e 1952 não houve disputa devido à Segunda Guerra Mundial.

    Os confrontos são definidos por sorteio, quando na fase principal os clubes são divididos em dois potes: um contendo os times semi-profissionais e amadores e outro, os profissionais, sempre na obrigatoriedade de haver uma partida entre os de um recipiente contra o do outro até que um deles fique vazio e, assim, todos se juntem num único pote. Desde 1985 a final é disputada no Olympiastadion de Berlin e seu vencedor tem vaga garantida na próxima edição da Liga Europa (antiga Copa da UEFA).

    Poucos clubes de divisões inferiores na DFB Pokal chegaram às fases finais da competição na história, dada a diferença abissal de estrutura e financeira entre eles e os da elite. Até 1974 nenhum time da Bundesliga havia sido derrotado por um amador ou semi-profissional, quando o Hamburgo entrou para os registros históricos ao ser o primeiro a sucumbir perante um adversário bem menos expressivo - o VfB Eppingen. Podemos citar mais alguns exemplos de surpresas ao longo do tempo como a derrota do Borussia Dortmund em 1990 para o nanico SpVgg Fürth, a chegada à final em 1993 do Hertha Berlin II (reserva do Hertha Berlin) - a primeira vez de um time da 3ª divisão a chegar à decisão - e a surpreendente vitória do desconhecido TSV Vestenbergsgreuth sobre o então campeão nacional Bayern de Munique por 1 a 0 na 1ª rodada na temporada 1994/95.

    O maior vencedor da Copa, como já citado, é o poderoso Bayern de Munique com 16 taças, seguido do Werder Bremen, que tem 6. O super artilheiro Gerd Müller, como de costume, é o artilheiro máximo da competição com 78 gols. Já o goleiro Oliver Kahn detem o recorde de 6 títulos. Por fim o ex-meia tcheco Mirko Votava foi o atleta que mais vezes entrou em campo pelo certame: 79 vezes.

    Outro dado digno de nota é o fato de o torneio ter em sua história dois campeões austríacos, o Rapid Wien (que também foi campeão alemão) em 1938 e o First Vienna em 1943 - tais fatos se deram pela anexação da Áustria por parte da Alemanha na época do nazismo, fazendo com que as equipes austríacas disputassem os campeonatos em território alemão.

    Para finalizar outra curiosidade: nesses 78 anos de Copa da Alemanha houve apenas um 0 a 0 em uma final - na temporada 1991/92 entre Hannover e Borussia Mönchengladbach, com vitória nos pênaltis para o primeiro por 4 a 3.

    Abaixo, dados, estatísticas e todos os campeões e vices de cada edição da DFB Pokal.


    COPA DA ALEMANHA (DFB Pokal - Deutscher Fußball-Bund Pokal)

    * Início: 1935 (como Tschammer-Pokal)

    * Maior vencedor: Bayern de Munique (16 vezes)

    * Maior placar: Stuttgart Kickers 17 x 0 VfB 05 Knielingen (1940/41)

    * Maior público: Borussia Dortmund 3 x 0 FC Carl Zeiss Jena (80708 pessoas em 18/08/2008 no Signal Iduna Park)

    * Maior artilheiro: Gerd Müller (78 gols)

    * Mais gols em um único jogo: Carsten Jäncker (6 gols na vitória do Kaiserslautern por 15 a 0 contra o FC Schönberg 95 em 21/08/2004)

    * Jogador que mais venceu a competição: Oliver Kahn (6 vezes)

    * Jogador que mais autou na competição: Mirko Votava/TCH (79 jogos)

    * Finais (local):

    1935 - 1. FC Nuremberg 2 x 0 Schalke 04 (Düsseldorf)

    1936 - VfB Leipzig 2 x 1 Schalke 04 (Berlin)

    1937 - Schalke 04 2 x 1 Fortuna Düsseldorf (Köln)

    1938 - Rapid Wien 3 x 1 FSV Frankfurt (Berlin)

    1939 - 1. FC Nuremberg 2 x 0 Waldhof Mannheim (Berlin)

    1940 - Dresdner SC 2 x 1 1. FC Nuremberg (Berlin)

    1941 - Dresdner SC 2 x 1 Schalke 04 (Berlin)

    1942 - 1860 Munique 2 x 0 Schalke 04 (Berlin)

    1943 - First Vienna 3 x 2 Luftwaffen-SV Hamburg (Stuttgart)

    1952/53 - Rot-Weiss Essen 2 x 1 Alemania Aachen (Düsseldorf)

    1953/54 - Stuttgart 1 x 0 Colônia (Ludwigshafen)

    1954/55 - Karlsruher 3 x 2 Schalke 04 (Braunschweig)

    1955/56 - Karlsruher 3 x 1 Hamburgo (Karlshure)

    1956/57 - Bayern de Munique 1 x 0 Fortuna Düsseldorf (Augsburg)

    1957/58 - Stuttgart 4 x 3 Fortuna Düsseldorf (Kassel)

    1958/59 - Schwarz-Weiss Essen 5 x 2 Borussia Neunkirchen (Kassel)

    1959/60 - Borussia Mönchengladbach 3 x 2 Karlsruher (Düsseldorf)

    1960/61 - Werder Bremen 2 x 0 Kaiserslautern (Gelsenkirchen)

    1961/62 - 1. FC Nuremberg 2 x 1 Fortuina Düsseldorf (Hannover)

    1962/63 - Hamburgo 3 x 0 Borussia Dortmund (Hannover)

    1963/64 - 1860 Munique 2 x 0 Eintracht Frankfurt (Stuttgart)

    1964/65 - Borussia Dortmund 2 x 0 Alemania Aachen (Hannover)

    1965/66 - Bayern de Munique 4 x 2 Meidericher SV (Frankfurt)

    1966/67 - Bayern de Munique 4 x 0 Hamburgo (Stuttgart)

    1967/68 - Colônia 4 x 1 Bochum (Ludwigshafen)

    1968/69 - Bayern de Munique 2 x 1 Schalke 04 (Frankfurt)

    1969/70 - Kickers Offenbach 2 x 1 Colônia (Hannover)

    1970/71 - Bayern de Munique 2 x 1 Colônia (Stuttgart)

    1971/72 - Schalke 5 x 0 Kaiserslautern (Hannover)

    1972/73 - Borussia Mönchengladbach 2 x 1 Colônia (Düsseldorf)

    1973/74 - Eintracht Frankfurt 3 x 1 Hamburgo (Düsseldorf)

    1974/75 - Eintracht Frankfurt 2 x 1 MSV Duisburg (Hannover)

    1975/76 - Hamburgo 2 x 0 Kaiserslautern (Frankfurt)

    1976/77 - Colônia 1 x 0 Hertha Berlin (Hannover)

    1977/78 - Colônia 2 x 0 Fortuna Düsseldorf (Gelsenkirchen)

    1978/79 - Fortuna Düsseldorf 1 x 0 Hertha Berlin (Hannover)

    1979/80 - Fortuna Düsseldorf 2 x 1 Colônia (Gelsenkirchen)

    1980/81 - Eintracht Frankfurt 3 x 1 Kaiserslautern (Stuttgart)

    1981/82 - Bayern de Munique 4 x 2 1. FC Nuremberg (Frankfurt)

    1982/83 - Colônia 1 x 0 Fortuna Köln (Colônia)

    1983/84 - Bayern de Munique 1 x 1 Borussia Mönchengladbach - pen. 7 x 6 (Frankfurt)

    1984/85 - Bayer Uerdingen 2 x 1 Bayern de Munique (Berlin)

    1985/86 - Bayern de Munique 5 x 2 Stuttgart (Berlin)

    1986/87 - Hamburgo 3 x 1 Stuttgarter Kickers (Berlin)

    1987/88 - Eintracht Frankfurt 1 x 0 Bochum (Berlin)

    1988/89 - Borussia Dortmund 4 x 1 Werder Bremen (Berlin)

    1989/90 - Kaiserslautern 3 x 2 Werder Bremen (Berlin)

    1990/91 - Werder Bremen 1 x 1 Colônia - pen. 4 x 3 (Berlin)

    1991/92 - Hannover 0 x 0 Borussia Mönchengladbach - pen. 4 x 3 (Berlin)

    1992/93 - Bayer Leverkusen 1 x 0 Hertha Berlin II (Berlin)

    1993/94 - Werder Bremen 3 x 1 Rot-Weiss Essen (Berlin)

    1994/95 - Borussia Mönchengladbach 3 x 0 Wolfsburg (Berlin)

    1995/96 - Kaiserslautern 1 x 0 Kalrshurer (Berlin)

    1996/97 - Stuttgart 2 x 0 Energie Cottbus (Berlin)

    1997/98 - Bayern de Munique 2 x 1 MSV Duisburg (Berlin)

    1998/99 - Werder Bremen 1 x 1 Bayern de Munique - pen. 5 x 4 (Berlin)

    1999/2000 - Bayern de Munique 3 x 0 Werder Bremen (Berlin)

    2000/01 - Schalke 04 2 x 0 Union Berlin (Berlin)

    2001/02 - Schalke 4 x 2 Bayern Leverkusen (Berlin)

    2002/03 - Bayern de Munique 3 x 1 Kaiserslautern (Berlin)

    2003/04 - Werder Bremen 3 x 2 Alemania Aachen (Berlin)

    2004/05 - Bayern de Munique 2 x 1 Schalke 04 (Berlin)

    2005/06 - Bayern de Munique 1 x 0 Eintracht Frankfurt (Berlin)

    2006/07 - 1. FC Nuremberg 3 x 2 Stuttgart (Berlin)

    2007/08 - Bayern de Munique 2 x 1 Borussia Dortmund (Berlin)

    2008/09 - Werder Bremen 1 x 0 Bayer Leverkusen (Berlin)

    2009/10 - Bayern de Munique 4 x 0 Werder Bremen (Berlin)

    2010/11 - Schalke 04 5 x 0 MSV Duisburg (Berlin)

    2011/12 - Borussia Dortmund 5 x 2 Bayern de Munique (Berlin)

    2012/13 - Bayern de Munique 3 x 2 Stuttgart (Berlin)



    Imagem: Arquivo pessoal
    Foto: AsianWave


              A COPA DAS CONFEDERAÇÕES        

    Seleção Brasileira: maior vencedora da Copa das Confederações




    Vai começar o evento que serve de "esquenta" para a Copa do Mundo. A partir de junho a Copa das Confederações acontecerá em solo brasileiro, como ocorre sempre de 4 em 4 anos antecedendo o torneio principal. Oito seleções dos 5 continentes vão disputar o título que pode não ter o gostinho de um Mundial, mas que certamente servirá de cartão de visitas para o público que vai acompanhar a competição.

    A Copa das Confederações já vai entrar em sua 9ª edição. No início, em 1992, até o nome era diferente, Copa do Rei Fahd, já que era organizada pelo monarca em seu país, a Arábia Saudita. Na ocasião apenas 4 equipes participaram do torneio: Argentina (campeã da Copa América de 1991), Estados Unidos (Campeão da CONCACAF de 1991), Costa do Marfim (campeã da Copa Africana de Nações de 1992) e Arábia Saudita (país-sede). Os argentinos foram os primeiros campeões da história da competição ao bater os donos da casa por 3 a 1 na decisão.

    O segundo campeonato ocorreu 3 anos depois também na Arábia Saudita e com o mesmo nome "Copa do Rei Fahd", mas o formato da disputa foi alterado para 6 participantes divididos em 2 grupos de 3 seleções. A Europa foi representada no certame pela primeira vez com a Dinamarca, campeã continental de 1992. Os nórdicos acabaram ficando com o título ao baterem a Argentina por 2 a 0 na final.

    A partir de então a FIFA tomou as rédeas da organização com mais mudanças: o torneio passou a se chamar Copa das Confederações; ao invés de apenas 6 seleções, o número de participantes aumentou para 8 em dois grupos de 4 cada; além dos campeões de todos os continentes e do país-sede, o último campeão mundial também passou a fazer parte da lista de classificados; e, por fim, a peridiocidade de 2 em 2 anos até a alteração final para 4 em 4 depois da edição de 2005.